6 estratégias simples para neutralizar a inveja

Um homem olhando para outro homem em um corredor

Categoria: Autoestima

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

A inveja é uma força destrutiva dos relacionamentos humanos, e que começa na infância. Ela surge de forma imprevisível e molda inconscientemente a vida das pessoas, por toda a vida.

Muitas vezes queremos o que os outros têm, deixando de apreciar o que temos. Isso é atribuído à comparação social relativa e à competitividade da personalidade. Se você entender suas raízes psicológicas, poderá conter o impacto destrutivo que a inveja tem em sua vida e na tomada de decisões.

A natureza da inveja

Com que frequência você admite que sente inveja? Apesar de ser um dos sete pecados capitais, ela não é discutida abertamente. Embora você possa fazer isso em particular, para a maioria das pessoas ainda é um tabu.

Uma sensação nauseante surge quando alguém tem algo que queremos e não podemos obter facilmente. Você pode cobiçar reconhecimento ou um cargo específico, mas devido às circunstâncias, falta de capacidade ou meios financeiros, simplesmente não consegue atingir seu objetivo.

A inveja está relacionada à percepção de justiça e identidade. Por exemplo: as pessoas ficam mais infelizes quando a fonte da inveja é um colega próximo, irmão ou vizinho, em vez de uma celebridade ou estranho. A menos que você esteja nesse círculo social, é improvável que inveje os bilhões de Elon Musk. No entanto, você se ressente do aumento de salário de um colega ou do carro novo de um vizinho, especialmente se for melhor que o seu.

Leia também:  6 dicas para melhorar sua autoestima

A inveja é complexa. Difere do ciúme, que pode evocar raiva ou humilhação e levar a crimes passionais. Também difere da admiração, que é mais calorosa por natureza, mas também enraizada na comparação relativa.

Existem diferenças de gênero ? Sim, homens e mulheres tendem a desejar coisas diferentes. As mulheres valorizam a aparência e a popularidade, enquanto os homens se ressentem dos recursos financeiros e itens de status.

O impacto da inveja na tomada de decisões

A inveja tóxica prejudica:

  • O local de trabalho;
  • A vida doméstica;
  • O equilíbrio entre vida pessoal e profissional e;
  • A cultura.

Sua negatividade contagiosa diminui:

  • O moral;
  • A motivação;
  • O desempenho e;
  • O bem-estar.

Algumas pessoas ficam tão paralisadas mentalmente que não conseguem seguir em frente.

A inveja é uma distração que impacta a capacidade das pessoas de processar informações com a cabeça fria, essencial para tomada de decisões racionais. Quando não gerenciada adequadamente afeta até mesmo as decisões de investimento. CEOs que sentem inveja de remuneração são mais propensos a se envolver em atividades de fusão.

Como a inveja parece mesquinharia, os gerentes tentam escondê-la, assim como os amigos em grupos sociais. Além disso, o esforço de ocultação é emocionalmente desgastante, drenando uma energia que deveria ser usada para julgamentos sobre o que é realmente importante.

Leia também:  14 dicas de como fortalecer sua autoestima

A inveja também sai pela culatra nas tomadas de decisões pelo consumidor. Marcas que usam a inveja maliciosa para inspirar consumidores a atingir metas de beleza ou riqueza prejudicam a lealdade, levando-os para os concorrentes.

6 maneiras de controlar a inveja

É importante identificar a inveja em si mesmo e nos outros. Quando os outros obtêm o reconhecimento ou a glória a que você se sente merecedor, ou quando um rival é elogiado publicamente, sua autoestima é abalada. Você pode até desejar diminuir o sucesso de um rival e se deliciar com seus deslizes.

Embora comum, essa não é deve ser a marca registrada de um líder eficaz ou de um indivíduo que funciona bem. No local de trabalho, a inveja anula o desejo de aprender com os outros ou aceitar suas ideias. Saber contê-la é mais importante do que nunca durante períodos de incerteza econômica ou em momentos de vulnerabilidade.

Ao compreender a psicologia dessa emoção, você será capaz de controlar uma mentalidade debilitante. Sugiro seis estratégias para evitar que isso destrua suas decisões e moral:

  • Reoriente-se para a gratidão. Agradeça o que você tem. Concentre-se em suas próprias capacidades para aumentar a autoestima. Essa reorientação o ajuda a aceitar o sucesso dos outros;
  • Reduza as comparações relativas. As comparações só fazem você se sentir mal, como ao descobrir o salário de um colega. Meça o seu eu presente com o seu eu passado para avaliar o quão longe chegou;
  • Veja o indivíduo em si. Pergunte se você se ressente da pessoa como um todo ou apenas do que ela tem ou do que ela pode fazer. Há uma diferença. Em seguida, tente adquirir, construir ou fechar essa lacuna;
  • Revise o contato. É difícil evitar o objeto da frustração, e a distância deliberada também ajuda a intensificar essa frustração. Por outro lado, envolver-se com a pessoa que você inveja dilui a toxicidade. Mas, tenha cuidado. A proximidade pode sair pela culatra;
  • Recupere a perspectiva. Ninguém tem tudo. Até os ricos querem um berço maior. Os profissionais de marketing manipulam deliberadamente suas emoções para estimular o consumo excessivo. É previsível, então não os deixe dominar suas decisões ou seu comportamento;
  • Monitore os principais eventos. Fique atento a comentários sarcásticos e depreciativos que induzam à inveja entre vizinhos ou membros da equipe, como em promoções, prêmios ou mudanças de local de trabalho;

As situações mudam. O que você deseja vai passar. Outro desafio e outra oportunidade surgirão. Com uma melhor compreensão do comportamento humano, você estará mais bem preparado para converter esse passivo em um ativo.

Publicidade

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *