Sintomas bipolares em homens: sinais a serem observados

Imagem de um homem segurando um homem feliz na mão direita e um homem triste na mão esquerda

Categoria: Bipolar

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

À medida que o mundo se torna mais familiarizado com o transtorno bipolar, reconhecendo-o como uma doença mental que afeta um grande número de pessoas, nota-se uma dualidade interessante. Em um nível a sociedade aceita-a cada vez, e parece entender que é uma condição que requer tratamento para se ter uma vida normal. Mas, o estigma ainda parece existir para os homens.

Em sociedades patriarcais, a masculinidade permanece muito definida pelo autocontrole e pela regulação emocional. Os estereótipos de gênero resultam na percepção distorcida dos sintomas. Infelizmente, as pessoas que vivem com problemas de saúde mental, como o transtorno bipolar, acabam marginalizadas.

A qualidade de vida é nitidamente menor em pessoas que vivem com bipolaridade, resultando em estigmatização, discriminação e interferindo na recuperação e na integração social. Uma das estratégias mais bem-sucedidas para combater esse estigma e discriminação é encorajar uma pessoa com transtorno bipolar a compartilhar sua história.

Infelizmente, os homens correm maior risco de serem diagnosticados erroneamente e, pior ainda, são menos propensos a reconhecer o distúrbio em si mesmos. Por esse motivo, é importante estar ciente de que os sintomas do transtorno bipolar nos homens são diferentes dos das mulheres.

O transtorno bipolar pode afetar os homens?

Os transtornos de saúde mental não discriminam gênero. Os homens são tão vulneráveis quanto as mulheres, tanto na adolescência quanto na idade adulta.

Pessoas bipolares experimentam estados emocionais intensos: mania, hipomania ou depressão. Elas também têm períodos de estabilidade.

A idade tem relevância para o início do transtorno bipolar?

A idade média de início do transtorno bipolar é de 25 anos, embora possa começar mais cedo e ocorrer mais tarde, durante a meia-idade. Quanto às diferenças de sintomas entre as faixas etárias, no entanto, o transtorno bipolar do adolescente geralmente varia a do adulto em termos de intensidade.

Leia também:  Transtorno bipolar: como amar alguém que é maníaco-depressivo?

Quando o distúrbio está se desenvolvendo, os padrões de comportamento são mais erráticos. O adolescente bipolar, por exemplo, irá “ciclar” de um estado de excitação para depressão mais rapidamente do que o adulto, que mantém um estado específico por mais de um dia.

A idade, então, é relevante apenas em termos de progressão do distúrbio e não em relação ao gênero ou disparidade na aflição.

Como é a sensação da mania?

Os sintomas de mania existem em uma variedade igualmente ampla de formas para homens e mulheres. É importante entender que “mania” de forma alguma se traduz em comportamento extremo ou de agressão física.

Os sintomas geralmente são mais psicológicos. Pensamentos e sentimentos maníacos que se transformam em delírios. As alucinações ocorrem em casos extremos, em que o indivíduo é incapaz de distinguir o real do irreal.

Os estados maníacos são muitas vezes marcados por insônia; a pessoa não tem insônia, mas está tão obcecada que acredita que precisa dormir menos ou prefere ficar acordada o máximo possível. Mais comumente, no entanto, a mania “parece” uma excitação prolongada.

Isso resulta em uma resposta negativa ou positiva; a pessoa fica agitada e ansiosa por horas ou dias, sem motivo aparente, ou fica eufórica pelo mesmo período prolongado. A mania é essencialmente um estado elevado de percepção, sentimento e comportamento, e a pessoa bipolar não consegue contê-la.

Os estados maníacos sobrecarregam a personalidade e os processos cognitivos, independentemente de se sentir abundantemente feliz ou triste.

Sintomas bipolares em homens

Infelizmente, muitas pessoas se recusam a reconhecer a realidade do distúrbio em si mesmas ou nas pessoas próximas. Os homens estão mais inclinados a negar o problema, uma vez que lida com extremos emocionais, e ele são ensinados a não demonstrar emoção.

As normas de gênero também afetam a identificação e o tratamento do distúrbio. As mulheres diagnosticadas como bipolares, por exemplo, são muito mais propensas a receber medicamentos antidepressivos e outras formas de tratamento. Ou seja, as mulheres estão simplesmente mais dispostas a expressar seus estados emocionais.

Embora os sintomas sejam praticamente idênticos em ambos os sexos, os estereótipos de gênero justificam incorretamente os sintomas que, de outra forma, indicariam a doença. Por exemplo, a euforia se traduz em uma sensação contínua e exagerada de bem-estar em homens e mulheres. Muitas vezes, sem causa aparente, a pessoa apenas “se sente ótima”.

Leia também:  Uma pessoa com o transtorno bipolar consegue amar alguém?

Isso resulta em um tipo de excesso de confiança extremo, que é mais difícil de detectar nos homens, pois a confiança é incentivada neles. Nessas situações, será mais difícil ver um comportamento atípico.

Publicidade

Má tomada de decisão, comportamentos de risco ou imprudências também são sintomas associados à mania em uma pessoa bipolar. Novamente, como geralmente se espera que os homens ajam com confiança, qualquer imprudência é mais aceitável em homens do que em mulheres.

Bipolaridade em homens durante o estado depressivo

Em ambos os sexos, a depressão bipolar se manifesta por meio de seis comportamentos:

  1. Sono excessivo;
  2. Mudanças na alimentação;
  3. Retraimento e mau humor;
  4. Irritabilidade;
  5. Incapacidade de concentração e;
  6. Falta de interesse em qualquer coisa que normalmente se aprecia.

Os extremos, não surpreendentemente, incluem impulsos e tentativas suicidas, bem como comportamentos reclusos.

O transtorno bipolar carrega um alto risco de suicídio. O suicídio em homens é um problema social, comportamental e médico significativo. Os homens têm uma taxa muito maior de tentativas e taxas de suicídio consumado em comparação com as mulheres. A identificação precoce do transtorno bipolar é essencial para intervir, tratar e prevenir qualquer comportamento de risco.

Novamente, pode-se argumentar que as mulheres revelam mais facilmente suas emoções e estão mais dispostas a procurar ajuda, enquanto os homens não estão convencidos a admitir a depressão. Muitas vezes eles tomam medidas extremas para evitar serem identificadas como deprimidos, clinicamente ou não, porque a depressão e os sintomas que a acompanham desafiam as normas de independência e controle emocional.

Os médicos relatam cada vez mais que a depressão e o transtorno bipolar estão amplamente sub-representados nas populações masculinas devido à associação generalizada dessas condições com fraqueza de caráter.

As normas de gênero criam maior dificuldade para diagnosticar a bipolaridade nos homens. Trata-se de uma doença centrada em profundos conflitos emocionais e psicológicos, gerados geneticamente e ambientalmente. Todos os sintomas são comportamentais, ao contrário de doenças que se manifestam em sintomas físicos, como a intoxicação alimentar, por exemplo.

Leia também:  11 maneiras de ajudar um amigo com transtorno bipolar

Infelizmente, os homens que sofrem de bipolaridade são menos fáceis de identificar e menos propensos a procurar assistência e tratamento.

Como ajudar um homem que pode ser bipolar?

Tanto os homens como as mulheres resistem a ver-se como sofrendo de um transtorno mental, mas os homens tendem a serem ainda mais sensíveis à sugestão de que estão mentalmente doentes.

Um adolescente é menos antagônico à sugestão de que está sofrendo por causa de um transtorno de humor, pois são menos rigidamente circunscritos pelos papéis de gênero. Porém, eles devem ser tratados com cuidado, já que são voláteis e, se sentirem qualquer tentativa de controle vindo de adulto, rejeitarão a sua opinião.

Se você está preocupado com alguém do sexo masculino, aqui estão algumas dicas para ajudá-lo a iniciar uma conversa:

  • Procure um ambiente privado ou confidencial. Isso mostra respeito e consideração pela privacidade dele, e o ajudará a se sentir confortável em confiar em você;
  • Comece enfatizando seu cuidado e preocupação por ele;
  • Evite se emocionar;
  • Não liste comportamentos erráticos ou ações questionáveis, pois isso vai antagonizá-lo;
  • Saliente que algo além de seu controle é responsável pelos comportamentos preocupantes e;
  • Explique que muitas condições de saúde mental são tratadas de forma eficaz, e você o ajudará a obter a ajuda de que precisa.

O transtorno bipolar é uma doença crônica. Na maioria dos casos, é necessária ajuda a longo prazo para que se fique bem, o que inclui manter o tratamento e desenvolver um plano para quando os sintomas retornarem, mesmo que quando se sentir bem há muito tempo.

Contratempos vão acontecer. Mas com suporte e tratamento adequados, é possível devolver um nível de qualidade à vida e aprender a viver bem com o transtorno bipolar.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *