Como o Psicólogo pode evitar ser perseguido por um paciente?

Homem de óculos olhando através das persianas de uma janela

Categoria: Outros

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Com base em pesquisas com vítimas, cerca de 16% das mulheres e 5% dos Psicólogos já relataram terem sido perseguidos por um paciente em algum momento de suas vidas.

A definição legal varia, mas a perseguição é geralmente definida como “repetidos comportamentos indesejados que razoavelmente fazem com que um indivíduo que está sendo perseguido sinta medo de ser ou ter sua família ferida ou morta, ou ter seu patrimônio danificado.”.

Contudo, muitos perseguidores são cuidadosos o suficiente para evitar violar as leis.

Embora a maioria dos perseguidores sejam homens, cerca de 12 a 22 por cento são mulheres, apesar da motivação muitas vezes varias de acordo com o alvo pretendido.

Existem cinco tipos de perseguidores, embora possa haver uma sobreposição considerável entre as diferentes categorias:

Publicidade
  • Perseguidores rejeitados que buscam vingança após uma rejeição percebida (real ou imaginária);
  • Perseguidores em busca de intimidade que buscam formar um relacionamento próximo com o alvo pretendido;
  • Perseguidores incompetentes não possuem habilidades sociais básicas e muitas vezes se envolvem em comportamentos de perseguição na esperança de se tornarem íntimos de seu alvo;
  • Perseguidores ressentidos são caçadores de vingança que sentem que foram de alguma forma injustiçados por seu alvo. Frequentemente, tendem a ter ideação paranoica, o que é difícil de tratar;
  • Perseguidores predatórios buscam poder e controle sobre seus alvos e têm maior probabilidade de intimidar suas vítimas. Esses são os perseguidores com maior probabilidade de serem acusados por crimes.

Embora a maioria dos perseguidores não seja violenta, o risco não deve ser esquecido.

O risco de violência geralmente aumenta em perseguidores com histórico criminal anterior, enquanto perseguidores não psicóticos têm mais probabilidade de se tornarem violentos do que os perseguidores psicóticos.

Independentemente do risco real de agressão, a perseguição tem um impacto claro na saúde mental dos alvos.

Leia também:  Quais os limites do toque físico entre Psicólogo e paciente?

Cerca de 20 a 30 por cento das vítimas de perseguição procuram terapia por causa do estresse emocional causado pela perseguição, e uma em cada sete mudará de residência.

Vítimas de perseguição também têm muito mais probabilidade de se armar ou tomar outras medidas defensivas para garantir sua segurança.

E se a vítima for um Psicólogo? Ser perseguido por um ex-paciente é uma ameaça potencial para muitos Psicólogos. Cerca de 6 a 11 por cento deles serão perseguidos por pacientes em algum momento de suas carreiras.

Entretanto, os psiquiatras são os mais propensos a serem perseguidos, com uma incidência próxima a 19,5%.

Embora raramente haja um padrão consistente de perseguição a Psicólogos, o efeito que tem sobre eles pode ser extremo e duradouro.

Cerca de 8% dos profissionais perseguidos pensaram em mudar de profissão e 5% realmente o fizeram.

Um em cada quatro Psicólogos que relatam terem sido perseguidos acaba perdendo tempo do trabalho para evitar seu perseguidor, ou para obter ajuda de outros Psicólogos e advogados.

Os episódios de perseguição podem durar apenas alguns dias, ou podem persistir por muito mais tempo (a duração média é de cerca de dois anos).

Durante o tempo em que a perseguição ocorre, os Psicólogos normalmente experimentam sofrimento mental devido a:

  • Temores sobre sua segurança;
  • Falta de apoio adequado na aplicação da lei e;
  • A incerteza sobre quando e onde o próximo encontro ocorrerá.

Embora as organizações profissionais (conselhos e sindicato) normalmente tenham procedimentos em vigor para lidar com várias questões profissionais, muitas vezes não conseguem resolver o problema de profissionais que são perseguidos por um paciente atual ou ex-paciente.

Da mesma forma, os cursos de Psicologia nas Universidades não abordam como gerenciar o comportamento de perseguidores, especialmente para os jovens profissionais que são mais propensos a serem perseguidos.

Infelizmente os Psicólogos perseguidos por um paciente encontram-se em um vínculo ético quando se trata de buscar as opções legais devido à necessidade de respeitar a confidencialidade do paciente.

O código de ética do Psicólogo não leva em conta a perseguição ao permitir que os Psicólogos falem livremente sobre suas preocupações.

Como o Psicólogo pode melhorar sua segurança?

Um modelo de gestão com foco:

  • Em estratégias de prevenção primária para serem usadas antes que a perseguição ocorra;
  • Em estratégias de prevenção secundária a serem usadas quando os pacientes violam os limites e começam a agir de maneiras que deixam o Psicólogo desconfortável e;
  • Estratégias de prevenção terciária a serem usadas se o paciente se comportar de uma forma que cause dano ou dano potencial.
Leia também:  Vício por amor: você tem uma obsessão em amar?

Essas estratégias podem ser aplicadas por Psicólogos autônomos ou como parte das diretrizes em clínicas que precisam proteger os profissionais prestadores de serviços sob sua responsabilidade.

Como todos os casos de perseguição são diferentes, não existe uma solução “tamanho único” para quem se sente ameaçados por um paciente.

Ainda assim, as diferentes estratégias descritas aqui são flexíveis o suficiente para serem usadas conforme necessário, e dependendo do nível de ameaça envolvida.

Para Psicólogos autônomos, as estratégias de prevenção primária geralmente se concentram na identificação de possíveis sinais de alerta, antes que tenham a chance de aumentar.

Isso inclui:

  • Fornecer um formulário de consentimento expandido descrevendo comportamentos inadequados e as consequências de se violar a sua segurança;
  • Fazer uma revisão completa das interações anteriores do paciente e identificar potenciais “pontos cegos” que podem afetar a segurança;
  • Ter cuidado ao estabelecer limites adequados, ou seja, aceitar presentes ou permitir contato pessoal online no Facebook ou Twitter;
  • Ser sensível às normas culturais, de modo a evitar enviar “mensagens erradas” para pacientes de culturas tradicionais, e que tem ideias conflitantes sobre intimidade;
  • As Psicólogas, especialmente as mais jovens, devem ser especialmente cautelosas com os pacientes que ultrapassam os limites.

Embora as diretrizes formais já possam estar em vigor em uma determinada clínica, os Psicólogos devem estar completamente familiarizados com elas de antemão e também usar seu próprio julgamento sobre o que pode deixá-los desconfortáveis.

As estratégias de prevenção secundária geralmente envolvem a consulta a colegas, conselhos profissionais, supervisores, advogado e agentes da lei.

Isso inclui:

  • Ao consultar colegas e supervisores, os Psicólogos preocupados em serem perseguidos também podem se proteger de acusações de violação confidencial sem justa causa;
  • Documentar cada incidente de perseguição no prontuário do paciente, ou seja, todos os presentes, violações de limites ou outros exemplos de comportamento que deixam o Psicólogo desconfortável;
  • Encaminhar o paciente para atendimento psiquiátrico se houver problemas graves de saúde mental.
Leia também:  Pare de se lamentar pelo término de uma amizade

A principal questão que precisa ser feita neste momento é se o relacionamento profissional pode ser resgatado ou se o paciente precisa ser encaminhado para outro lugar.

Se as estratégias secundárias não forem suficientes, o próximo passo é procurar a polícia ou outro Psicólogo que possa ser mais capaz de lidar com o paciente.

Uma vez que o paciente começa a fazer ameaças de dano físico, a relação terapêutica se torna irreparável.

Isso é especialmente difícil para Psicólogos que não fazem parte de uma prática mais ampla, uma vez que não podem interromper o tratamento sem fornecer ao paciente outras opções.

Mais uma vez, não existe uma solução “tamanho único” e os pacientes podem responder ainda mais agressivamente ao interromper abruptamente o tratamento.

  • Se o perseguidor se sentir humilhado ou rejeitado por ter o Psicólogo cortando todos os laços com ele, ele pode muito bem transferir sua raiva para o novo Psicólogo;
  • A forma como o paciente responde ao término do tratamento também deve ser cuidadosamente documentada. Isso pode ajudar com ações judiciais por negligência e reclamações à polícia;

Os Psicólogos perseguidos por um paciente muitas vezes se veem presos entre suas próprias obrigações éticas, as preocupações com sua segurança pessoal, e com a segurança das pessoas próximas a eles.

Infelizmente, eles também podem ter problemas para obter o apoio e a orientação de que precisam para lidar com pacientes problemáticos.

O modelo de gerenciamento de três etapas descrito aqui não deve ser visto como uma solução completa para deixar o Psicólogo seguro, mas sim como um primeiro passo para se proteger.

Ainda é importante para os profissionais perseguidos explorar todas as opções possíveis, e fazer o que for necessário para reduzir o risco que enfrentam.

Talvez a lição mais importante para os Psicólogos que lidam com um perseguidor é que eles não estão sozinhos ao enfrentar esse tipo de problema, e que consultar outros Psicólogos pode ajudar a lidar com o que deve ser um dos problemas mais eticamente carregados que se pode enfrentar.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *