O que fazer quando alguém não quer ser ajudado?

Mulher com camisa azul, cabelo comprido e de braços cruzados

Categoria: Outros

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Um dos aspectos mais frustrantes de viver com alguém, que tem ou não uma doença mental, é quando essa pessoa não quer ser ajudada. Muitas vezes, vendo a dor e o sofrimento do indivíduo, o pai ou o cônjuge quer desesperadamente fazer algo, mas se sente impotente.

A situação é muito frustrante para as pessoas ao seu redor. Quando nos deparamos com pessoas assim, é difícil entender por que elas não aceitam ajuda, mesmo quando precisam. A questão às vezes se torna irritante e pode ser interpretada como negligência ou falta de vontade para resolver problemas.

Infelizmente não há solução fácil nem rápida. Na maior parte das vezes as tentativas da família em resolver o problema são mais propensas a piorar a situação. Eles tentam soluções rápidas, como dizer o que fazer para aquele que recusa ajuda ou dar ultimatos.

Este artigo não oferece nenhuma palavra mágica que vá convencer seu ente querido a procurar ajuda. Em vez disso, ele descreve um processo para entender o que está acontecendo, melhorar seu relacionamento e ajudar a remover os obstáculos à busca de ajuda.

Por que alguém não quer ser ajudado?

É comum que essas pessoas nem admitam que têm um problema. Assim, muito menos deixarão que alguém as ajude. Parte do problema delas é justamente a negação da questão.

Isso acontece frequentemente com dependentes, mas também com pessoas que estão submersas em depressão, ansiedade ou qualquer outro transtorno e não têm consciência disso ou têm uma visão distorcida.

O comum é que eles se recusem, às vezes até com raiva, a aceitar que alguém lhes dê uma mão para sair da situação em que se encontram.

Frequentemente observo que, durante a terapia, meus pacientes já ouviram de seus familiares as mesmas coisas que aprendem comigo. Então, por que eles estão dispostos a me ouvir, e não a sua família?

As pessoas acreditam que o motivo se deve a questões de privacidade. Uma pessoa não quer compartilhar problemas com um membro da família.

Geralmente, no entanto, a razão pela qual uma pessoa pode ouvir um Psicólogo está relacionado a várias questões:

  • Envolvimento emocional;
  • Abordagem e;
  • Compreensão da doença mental.

Envolvimento emocional

Quanto mais próxima uma pessoa está de uma situação, mais desesperada ela fica para mudar a situação. Muitos membros da família veem a doença mental como uma ameaça à vida, às vezes literalmente devido à possibilidade de suicídio, overdose de drogas ou outra situação perigosa.

Para alguns, porém, a ameaça pode não ser tão literal, mas pode ser o medo de seu familiar não conseguir se sustentar ou viver uma vida satisfatória.

Quando uma pessoa está desesperada, ela se torna mais exigente: “Você não pode continuar vivendo assim. Você precisa de ajuda!”. Quando ouvidas pela pessoa com doença mental, tais declarações de desespero soam como condenações e culpas: “Você está escolhendo viver assim” ou “Você não é capaz de administrar sua vida”.

A família deve ser capaz de ouvir o parente, suas necessidades e desejos, e guiá-lo gentilmente sem exigências. Desta forma, serão capazes de contornar a resistência.

Publicidade

Na verdade, o que a família precisa fazer com mais frequência é parar de se impor. Quando estão cercados pelas exigências dos outros, nós tendemos a incorporar essas exigências em nosso próprio pensamento.

As demandas são incompatíveis com a mudança porque criam estresse adicional.

Leia também:  Por que os Psicólogos evitam falar sobre si na terapia?

Abordagem

Como os familiares de pessoas com doença mental geralmente sentem uma demanda interna para melhorar a vida de seus entes queridos, eles se sentem pressionados a mudar as coisas mais rapidamente.

Em resposta a essa pressão acabam tomando o caminho mais direto para mudar, como dizer a alguém o que eles estão fazendo de errado e como se transformar. Como resultado, a pressão é transferida para o ente querido em seu desespero.

“Você precisa relaxar!” pode ser uma afirmação positiva, mas é uma demanda inútil. Além de ser uma exigência, não dá informações à pessoa sobre como realizar a tarefa de relaxar. Certamente, se os problemas fossem tão fáceis de resolver quanto dizer a alguém o que fazer, todos deveríamos ser magros, sem estresse, financeiramente estáveis ​​e em relacionamentos satisfatórios.

No entanto, a abordagem não é apenas importante, mas pode ser a parte mais importante da intervenção. Então, ao invés de dizer imediatamente a alguém o que fazer, ajude-a a entender o que ela está vivenciando, e por que fazer mais exigências não vai ajudar.

Por exemplo, a família pode aprender e ensinar métodos de relaxamento para ver como o parente responde, ou pegar uma situação, escrever usando o método do diário cognitivo e ensinar como examinar o próprio pensamento.

Compreender a doença mental

Quando uma pessoa não entende a doença mental, parece que a recuperação é uma questão de dar alguns passos simples como: “Se você apenas fizer isso ..!”. Sem entender os desafios enfrentados, os familiares geralmente fornecem estratégias simplificadas que não funcionam e, pelo contrário, fazem com que o ente querido se sinta fracassado.

Mesmo que se tente transmitir a informação ao parente de que qualquer progresso é bom, se o familiar disser: “Tente fazer este exercício de um minuto 10 vezes por dia” e ele não conseguir fazê-lo, sentirá um fracasso.

Mesmo que algo possa parecer simples para você, pode não ser para alguém com doença mental. Então, você pode dizer: “Tente este exercício por não mais que um minuto ou mais, quantas vezes você puder durante o dia, mas não mais que 10”. Dessa forma, a mensagem os limita a fazer muito em vez de muito pouco.

Razões pelas quais o familiar está relutante em obter ajuda

Primeiro, você precisa tentar discernir o motivo pelo qual seu ente querido não procura ajuda. Você pode não conseguir obter uma resposta diretamente dele, porque faz a clássica pergunta: “Por que não procura ajuda?”. Isso cria mais resistência.

É relativamente comum que pessoas que ajudam a todos tenham problemas para pedir ou aceitar ajuda. Elas criaram uma identidade na qual é válido dar, mas não receber. Acreditam que seu papel é oferecer quando confrontados com as necessidades de outras pessoas. Ao mesmo tempo, administram suas necessidades por conta própria ou até mesmo as ignoram.

De uma forma ou de outra, elas não permitem que outros os ajudem. E isso é porque elas pensam que, ao fazê-lo, estariam traindo sua “missão” na vida. Elas também acham que seria incoerente com a imagem e a pessoa que querem se tornar.

Esta imagem é a de um indivíduo totalmente independente. No mesmo sentido, elas também podem sentir que aceitar a ajuda de outros é um inconveniente. Em outras palavras, isso geraria um problema para que as está ajudando. Tudo isso faz com que sintam vergonha.

Há também o caso das pessoas que não permitem que os outros as ajudem porque supõem que isso gerará uma dívida que será cobrada quando e como quiserem. Elas não entendem que, para os outros, ajudar pode dar satisfação. Não gera nenhum tipo de obrigação. É por isso que às vezes é preciso explicar isso com carinho e fazê-las entender.

Você precisa tentar determinar qual pode ser o motivo. A melhor maneira de fazer isso é ouvir as preocupações. Use métodos de escuta ativa para ajudá-lo a entender melhor.

A escuta ativa envolve reformular o que eles dizem para que saibam que você está ouvindo, ajudando a aprofundar a conversa: “Então, quando você está perto de outras pessoas, você sente uma ansiedade intensa que é muito dolorosa.” ou “A depressão é como arrastar um saco de pedras com você. Embora queira fazer coisas, isso consome sua energia”.

Leia também:  O que significa quando alguém te chama de meu bem?

Quando você se engajar na escuta ativa, tente ficar longe de perguntas, porque perguntas, especialmente perguntas do tipo “por que”, parecem acusações para os outros. Com uma formulação cuidadosa é possível fazer perguntas do tipo “como?”, “quando?” e “o quê?”. Por exemplo: “Quando você se sente assim?”, ou “Você sabe o que parece desencadear esses sentimentos?”

Depois de ter uma ideia das possíveis razões, poderá determinar alguns meios de incentivar seu familiar a procurar ajuda. A seguir está algumas razões comuns pelas quais as pessoas relutam em procurar ajuda:

  1. Desesperança. A maioria das pessoas com doença mental já tentou procurar ajuda em algum momento. Infelizmente, muitos deles tiveram experiências ruins e concluem que nada pode fazer a diferença. Além disso, a marca registrada de certas doenças mentais, como a depressão, é a desesperança. Se alguém acredita que nada vai melhorar, por que se esforçar?;
  2. Baixa auto-estima. Muitas vezes as pessoas não acreditam em sua capacidade de fazer mudanças na vida. Eles já se sentem mal com a situação e se culpam. Quando os outros tentam dizer a eles o que devem fazer, isso apenas confirma seus sentimentos de fracasso. Não faça das sugestões, exigências. Em vez disso, use a sugestão como uma diretriz para aumentar sua própria compreensão de como pode abordar seu ente querido;
  3. Estigma. Procurar ajuda pode fazer elas se sentirem pior por causa do estigma associado à doença mental. O preconceito contra eles leva os outros a culpá-los ou vê-los como menos capazes, contribuindo com o aumento dos sentimentos de fracasso. Como resultado, muitas pessoas recusam ajuda porque não querem reconhecer a doença mental;
  4. Emoções ou ansiedade em níveis intoleráveis. Pessoas com doença mental já têm emoções intensas que os sobrecarregam. Eles podem tentar ignorar ou evitar essas emoções como forma de gerenciar a doença. Nesse caso, eles podem não procurar terapia por causa do medo de enfrentar as emoções. Muitos das pessoas dizem que têm medo de se perder nas emoções e se sentirem assim para sempre, ou têm medo de fazer algo de que possam se arrepender: “Se eu me permitir sentir a raiva, posso machucar alguém!”;
  5. Medo de discriminação e rejeição. Muitas pessoas com doença mental temem que se os outros souberem de seus problemas então serão ignorados. Esta razão é mais sobre como os outros podem tratá-los do que sobre o próprio estigma. Por exemplo, eles podem não querer tirar uma licença do trabalho por causa de como os outros reagirão;
  6. Não devem receber piedade. Algumas pessoas com doença mental sentem que procurar ajuda está associado à piedade. Eles não querem ser tratados como crianças, e procurar ajuda implica que eles não podem cuidar de si mesmos;
  7. Resistência à demandas. A maioria das pessoas reage negativamente às exigências autoritárias. Elas não querem que lhes digam o que fazer porque isso implica que são incapazes de saber como tomar decisões em suas vidas. Pessoas com doença mental provavelmente já ouviram demais o que deveriam fazer, de modo que construíram ainda mais barreiras do que o habitual.

Como você pode convencer um parente a obter ajuda?

  1. Trate-o como um adulto. Escute, pergunte o que ele quer, e não lhe diga o que fazer. Apenas pergunte se ele quer ajuda. Dê a ele o controle sobre as opções: “Podemos fazer isso ou aquilo. O que você acha?” Isso é especialmente importante ao ajudar adultos jovens. Ele precisa desenvolver um senso de autoeficácia, a crença de que têm a capacidade de fazer a diferença em sua vida. A maneira de fazer isso é respeitar como ele se sente, pensam e sua capacidade de fazer escolhas;
  2. Processo versus resultado. As pessoas muitas vezes querem ir direto à solução ao ajudar os outros, mas muitas vezes o processo é mais importante. Se você se concentrar em empurrar uma solução, não ajudará o parente a aprender a resolver problemas. Não diga a elas o que fazer, mas sim ajude-as no processo de tomada de decisão;
  3. Respeite as diferenças. Todas as vidas são diferentes e não podemos esperar que alguém siga o caminho que achamos melhor. Não podemos presumir saber o que é melhor para pessoas diferentes e precisamos respeitar suas escolhas de vida;
  4. Não use palavras que signifiquem “deveria”. A palavra deveria implica em exigências e expectativas. Diz à outra pessoa que ela é má, está errada e não sabe como resolver os próprios problemas;
  5. Escuta ativa. Não diga o que você pensa, ouça o que ela está dizendo. Em vez de tentar convencê-los do contrário, reflita suas emoções. “Sim, pode ser realmente assustador ver um Psicólogo e dizer à ele como você se sente.”. A escuta ativa ajuda a pessoa a explorar suas preocupações e opções. É mais provável que seu parente se abra quando você usa a escuta ativa;
  6. Tenha compaixão, não empatia. A empatia o aproximará demais do estado emocional do seu parente e, como esse estado emocional pode ser bastante intenso, a tendência é querer resolver o problema para que você mesmo possa escapar da intensidade da emoção. Muita empatia leva as pessoas ao desespero. Quando, como pai, você sente a dor de seu ente querido, você também quer desesperadamente mudar a situação;
  7. Verifique a co-dependência. Mesmo que você queira que seu parente obtenha ajuda, você pode criar obstáculos inadvertidamente. Certa vez, tratei uma jovem brilhante com um grande senso de humor que poderia ter sido um trunfo para os empregadores, mas ela desistiu da terapia me dizendo: “A terapia é muito difícil e sei que minha mãe cuidará de mim”;
  8. Explore soluções em conjunto. Se alguém disser “eu não quero fazer isso”, então você provavelmente vai criar mais dificuldade para si mesmo (e para eles) se continuar insistindo. Você pode dizer: “Ok. Não vamos fazer isso… o que você quer fazer? ”. Sinta-se à vontade para começar pelo trabalho, relacionamentos, vida, estresse, sono;
  9. Cuide-se e encontre seu próprio apoio. Não podemos ajudar os outros a menos que estejamos bem. É difícil ter paciência quando estamos cansados ​​e frustrados. Encontre outras pessoas que estejam em funções de cuidador. Encontre uma pessoa com quem você possa desabafar, que esteja do seu lado e que possa ajudá-lo a se sentir melhor. Se você está excessivamente envolvido em resolver os problemas de seu parente e querer tornar a vida mais fácil para ele, a terapia para si mesmo vai ajudá-lo a analisar os problemas.
Leia também:  Como saber se é amor ou love bombing?

No final, se alguém realmente não quer ajuda, forçá-lo não vai funcionar muito bem. Quando forçamos as pessoas a fazerem coisas que queremos que elas façam, isso só acaba em brigas e ressentimentos.

O mais importante é não ceder à tentação de pressioná-los a mudar. Às vezes, a preocupação que você pode ter com elas pode assumir essa forma. Assim, sua intervenção, carregada de todas as melhores intenções do mundo, acaba por prejudicá-las.

As pessoas são naturalmente inclinadas a querer controlar aspectos de suas vidas. Isso vale para você e para seu familiar. Quanto mais pressionamos, mais provável é que a outra pessoa resista em assumir o controle de sua própria vida.

Pense em um momento em que você queria fazer uma mudança, como perder peso ou comer melhor. Quanto mais alguém pergunta sobre nossos hábitos alimentares ou se fizemos exercícios naquele dia, mais irritados ficamos, e é mais provável que resistamos a fazer boas escolhas.

Devemos respeitar o ritmo e o ritmo de cada um. Na maioria das vezes, seu parente precisa de tempo para entender que necessita de ajuda. Nos casos mais graves, o aconselhável é consultar um profissional. Eles explicarão como você pode ajudar e como fazê-lo de maneira eficiente.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *