Os procrastinadores são apenas preguiçosos?

Homem bocejando e cobrindo a boca com a mão esquerda

Categoria: Procrastinação

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

O que significa ser preguiçoso? Os procrastinadores são preguiçosos?

Publicidade

Eu ouço isso o tempo todo: “Procrastinadores são apenas preguiçosos.” Acredito que haja alguma verdade, pelo menos em termos do significado das palavras.

No entanto, também tenho algumas objeções importantes a essa declaração.

As definições do dicionário de preguiçoso incluem “não inclinado ao trabalho, pouco trabalho” e “induzir à ociosidade”.

Leia também:  Procrastinar tem muito a ver com o perfeccionismo

Um termo-chave na definição de preguiçoso é “não inclinado”. Portanto, também precisamos examiná-lo mais de perto. Não inclinado, o mesmo que relutante, avesso, relutante, sem forte motivação .

A preguiça tem uma longa história na Igreja Católica, começando com a noção de acédia (tristeza), que no século XVII tornou-se um pecado capital igualado à procrastinação .

Acho que é verdade então. O ato de procrastinação revela uma falta de vontade ou relutância em agir (isto é, trabalhar em seu sentido mais amplo), até mesmo preguiça.

Os procrastinadores costumam afirmar que não têm a motivação necessária para agir. Eles até têm a intenção de agir mas não o fazem em tempo hábil. Embora reconheçam que podem agir agora, eles optando voluntariamente por não agir.

Do ponto de vista estritamente baseado no significado das palavras, pareceria que a afirmação “procrastinadores são preguiçosos” é justificada.

A razão pela qual me oponho à declaração, “procrastinadores são APENAS preguiçosos”, é que incluir a palavra “apenas” faz parecer que se trata de algum tipo de explicação para a procrastinação.

A questão é que, de uma perspectiva psicológica, tanto a preguiça quanto a procrastinação exigem explicação. Uma não é uma explicação para a outra.

Leia também:  10 coisas boas e ruins sobre o hábito de procrastinar

A aversão ao trabalho, a relutância, a falta de motivação parecem ser características comuns de da procrastinação e da preguiça, mas há diferenças.

Quando ouço alguém dizer “procrastinadores são apenas preguiçosos”, eu entendo que esse ato é uma crítica não tão sutil.

Quem é realmente preguiçoso?

Existe um padrão objetivo para a preguiça? Não, é uma questão subjetiva. É baseado na comparação social e nas expectativas sociais.

O que uma pessoa pode chamar de preguiça pode ser a sabedoria de outra pessoa de não desperdiçar esforços ou evitar comportamentos impulsivos. Na verdade, algumas definições iniciais de procrastinação incluem a demora sagaz de evitar a ação impulsiva.

Então os procrastinadores são apenas preguiçosos?

Não. A procrastinação e a preguiça compartilham atributos-chave, como a relutância em agir e a intensa falta de motivação.

Leia também:  4 coisas que as pessoas não entendem sobre a procrastinação

A preguiça e procrastinação também compartilham muitas semelhanças psicológicas em termos de traços de personalidade:

  • Baixa conscienciosidade;
  • Regulação emocional, muitas vezes “ceder para se sentir bem” e;
  • Evitação como uma estratégia de enfrentamento preferida.

O que queremos dizer quando falamos que “procrastinadores são apenas preguiçosos” é que a procrastinação carrega consigo fortes conotações morais; conotações que têm suas raízes na noção do pecado da preguiça.

Acho que nunca superamos esse tipo de conotação moral em relação ao fracasso da autorregulação . É hora de fazermos. Podemos realmente aprender algo.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *