Categorias
Divórcio Relacionamento

A pandemia está prejudicando o seu relacionamento ?

Relacionamentos em tempos de pandemia estão sofrendo alterações ? Será que esse é o seu caso ? Quais alterações podem estar acontecendo ? O que fazer ?

A pandemia está prejudicando o seu relacionamento ? Lembra da vida antes da pandemia? Para muitos casais parecia bem diferente de agora.

Com o início da pandemia, os casais viram-se afastados de seus mundos sociais. Ir trabalhar tornou-se um risco para a saúde; negócios estão fechando, empregos perdidos, crianças em casa e escolas fechadas.

Conforme o tempo passa, as dificuldades econômicas aumentam e aqueles que estão trabalhando remotamente estão fazendo isso sem as conexões pessoais às quais estão acostumados.

As pessoas estão se sentindo isoladas. Os pais estão lidando com o trabalho juntamente com as obrigações de cuidar dos filhos.

Além de tudo isso, as pessoas estão sofrendo a perda de entes queridos, sentindo os efeitos de furacões, dos incêndios florestais e da agitação civil em nossa nação. Não está sendo um ano fácil.

Como a pandemia afeta a saúde do relacionamento?

Embora pensemos que a felicidade e a estabilidade no relacionamento decorrem de aspectos do indivíduo (por exemplo: personalidades e objetivos), muitas vezes deixamos de reconhecer o papel dos estressores externos.

Estressor externo é qualquer ameaça imposta ao relacionamento por eventos que estão fora do relacionamento. Os estressores externos produzem conflito, ansiedade, falta de tempo só para os casais, menos intimidade , mais solidão e, para muitos casais, mais instabilidade no relacionamento.

A pandemia afetou os casais de maneiras diferentes. Pense nos casais que você conhece que parecem estar prosperando versus os casais que mal conseguem se manter juntos.

Relacionado:   Ser um psicoterapeuta na pandemia de coronavírus

Como diz o ditado: embora estejamos todos na mesma tempestade, claramente não estamos nos mesmos barcos. Por que alguns barcos estão afundando e outros continuam flutuando?

Há vulnerabilidades já estavam presentes para casais antes da pandemia: vulnerabilidades ligadas tanto ao contexto social e ao indivíduo. Essas vulnerabilidades se somam com estressores externos trazidos pela pandemia e afetam o funcionamento do relacionamento.

Em outras palavras os casais entram na pandemia com diferentes graus de suscetibilidade e, então, experimentam diferentes níveis de estresse. Isso tudo influencia a qualidade das interações dos casais, o que pode afetar a estabilidade do relacionamento.

Em um bom dia, os parceiros têm energia, tempo e atenção para se envolver em relacionamento saudáveis. Eles riem, eles se comunicam e mostram carinho. Esses processos adaptativos de relacionamento têm um efeito direto nas percepções da qualidade do relacionamento, que podem se traduzir em estabilidade.

A pandemia, entretanto, gerou um estresse incrível para alguns casais. Estresse no trabalho, preocupações financeiras, desemprego, preocupação com os pais ou filhos, tudo isso pode gerar repercussões negativas na dinâmica do casal.

Esses estressores podem reduzir a capacidade dos indivíduos de praticar comportamentos saudáveis. Eles estão esgotados no final do dia, sem reservas restantes. Eles se sentem oprimidos, exaustos, ansiosos e distraídos.

Esse não é o estado de espírito que permite comportamentos de relacionamento saudáveis. É o estado de espírito que leva a discussões, hostilidade, retraimento e, em última análise, apoio insuficiente ao parceiro e sentimentos reduzidos de apoio.

Relacionado:   A quarentena e o risco de suicídio

Seu relacionamento está vulnerável?

Há conjunto de vulnerabilidades contextuais e individuais que podem colocar alguns relacionamentos em risco de dificuldade durante a pandemia. Em termos de fatores contextuais, eles incluem:

  • Dificuldades socioeconômicas. O estresse econômico introduz conflito e esgota os recursos das pessoas para se engajarem em interações saudáveis;
  • Status parental. Pais, vocês já sabem disso: vocês estão mais estressados ​​do que os não pais. Os pais estão administrando as elevadas necessidades psicológicas e sociais dos filhos, estão trabalhando e cuidando de crianças ou trabalhando e educando seus filhos;
  • Geração. Os adultos mais velhos estão enfrentando mais estresse relacionado à pandemia, em parte devido ao risco relacionado à idade de apresentar complicações com a COVID-19. O isolamento social também prejudica mais os adultos mais velhos do que os mais jovens. No entanto, muitos casais mais velhos têm melhor qualidade de relacionamento do que casais mais jovens, o que é um potencial fator de proteção.

Fatores de risco individuais que podem colocar relacionamentos em risco incluem:

  • Insegurança. Pessoas inseguras podem estar sofrendo mais agora do que aqueles indivíduos que têm uma visão segura de si mesmos e dos outros. A insegurança envolve hipervigilância para sinais de abandono os cônjuges se aproximam de seus parceiros para obter apoio, muitas vezes excessivamente, o que pode ser difícil em momentos de estresse.
  • Depressão. A saúde mental afeta o modo como as pessoas se relacionam com seu cônjuge, e a depressão está associada a interações mais negativas e menos solidárias.
Relacionado:   Casamentos são destruídos pela distância emocional, não pelo conflito

Quer você seja um casal de namorados ou um casal de longa data , essas vulnerabilidades contextuais e individuais interagem com os estressores externos provocados pela pandemia para moldar as interações de relacionamento, que então se traduzem em qualidade e estabilidade.

O que pode ajudar?

Casais que não estão seriamente preocupados com sua situação financeira, mas ainda estão sob grande estresse, podem se beneficiar de intervenções destinadas a evitar que esse estresse afete a qualidade de seu relacionamento.

Os esforços para desenvolver uma melhor comunicação, por exemplo, podem fazer uma grande diferença. Além de reduzir a hostilidade e aumentar a positividade, os casais podem trabalhar a comunicação abertamente.

Os conflitos, por exemplo, não são problemáticos se bem tratados; na verdade, evitar discussões difíceis é pior.

As conversas construtivas envolvem o reconhecimento do esforço e do estresse de cada parceiro.

Até que os eventos mudem e aliviem o fardo, os casais caminharão pelo dia-a-dia carregando o peso da incerteza e do estresse.

Conhecer suas vulnerabilidades é um bom ponto de partida para pensar sobre como seus estressores estão se traduzindo nas formas como você e seu parceiro interagem.

Por mais difícil que seja, se você puder encontrar oportunidades para construir e fortalecer os processos adaptativos (e reduzir os processos desadaptativos) que influenciam a dinâmica do seu relacionamento, você poderá estar em uma posição mais forte no futuro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *