Criança sendo disputada pelo seu pai e sua mãe

O que é a Síndrome da Alienação Parental ? A Síndrome da Alienação Parental é distúrbio que surge principalmente no contexto de disputas amargas pela custódia dos filhos. Sua manifestação primária é uma constante difamação, sem justificativa, da criança contra um dos pais. É causado pela doutrinação de pais controladores, que utilizam da lavagem cerebral para instigar o filho a difamar o pai alvo.

No Brasil, esta prática é proibida pela LEI 12.318, DE 26 DE AGOSTO DE 2010.

Quais são os sintomas da Síndrome da Alienação Parental ?

Uma síndrome é um agrupamento de sintomas com uma etiologia comum. Os oito sintomas de Síndrome da Alienação Parental são especificamente encontrados em uma criança que foi alienada com sucesso.

O nível de gravidade do distúrbio depende da quantidade de sintomas presentes e sua intensidade. Veja quais são:

  1. Uma campanha de difamação;
  2. Justificativas fracas, frívolas e absurdas para a depreciação;
  3. Falta de ambivalência na criança;
  4. A criança acredita que a decisão de rejeitar o pai alienado é somente dela;
  5. Apoio incondicional ao pai alienante no conflito parental;
  6. Ausência de culpa pela crueldade e/ou exploração do pai alienado;
  7. Presença de cenários emprestados;
  8. Propagação da animosidade à família extensa do pai alienado.
Leia também:  Por que os casais brigam ?

Nos casos leves os oito sintomas estão mais intensamente presentes, com exceção dos itens 3 e 6. À medida que a criança passa do caso leve para moderado, os 6 sintomas restantes aumentam de intensidade, e os sintomas 3 e 6 começam a aparecer.

Nos casos graves todos os sintomas progridem para um nível muito intenso e frequente. Em outras palavras, o filho perde a capacidade de ter empatia e sentir culpa de uma forma previsível. Esse nível de organização dos sintomas é a própria marca da existência de uma síndrome.

A síndrome da alienação parental é real?

A Síndrome da Alienação Parental não é universalmente aceita por todos, e o conceito ainda não está totalmente absorvido pelas pessoas.

Na verdade, pode haver alguma resistência subjacente à noção de que um pai ou mãe “bom” poderia ser rejeitado com tanta veemência por seu filho. Talvez esses céticos acreditem que um pai deve ter feito algo para justificar a rejeição do filho e/ou a animosidade do outro pai.

Leia também:  Efeitos do ciúme doentio no relacionamento

O problema que a Síndrome da Alienação Parental enfrenta é o que todos os novos transtornos mentais propostos enfrentam: a falta de pesquisas empíricas objetivas e suficientes para montar uma base teórica sólida.

A literatura atual tem apenas cerca de 20 anos e, portanto, ainda está engatinhando. Além disso, a maioria dos livros e artigos sobre o tópico da Síndrome da Alienação Parental são teóricos, descritivos ou proscritivos.

Sem essas pesquisas, os profissionais podem propor todos os novos diagnósticos que desejarem, mas eles nunca aparecerão no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (a bíblia dos diagnósticos em saúde mental).

Como você pode ver, algo que tem apenas 20 anos em pesquisas psicológicas e familiares tende a ser visto como algo “novo” ou “não testado”.

Leia também:  Sinais de um iminente divórcio

Alguns médicos e pesquisadores veem a Síndrome da Alienação Parental mais como uma dinâmica familiar do que um diagnóstico formal e, portanto, são resistentes a colocar outro rótulo em uma família ou criança que já está passando por uma dinâmica familiar estressante.

Ainda não há ferramentas de diagnóstico psicometricamente válidas usadas para avaliar a Síndrome da Alienação Parental, e mesmo entre os profissionais, o que constitui essa síndrome está em desacordo (todos os oito sintomas são necessários ou prevalentes?).

Existem também alguns equívocos sobre o Síndrome da Alienação Parental, apesar de sua relativa novidade. O alcoolismo, maus-tratos e transtornos de personalidade co-ocorrem na maioria das famílias alienantes, sugerindo possíveis áreas de intervenção direcionada para famílias.

A alienação parental pode ocorrer em famílias intactas, bem como em famílias divorciadas não litigiosas. Em outras palavras, os jogos de poder que os pais fazem com os filhos não são necessariamente devido a litígios ou questões legais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *