Foto em preto e branco de um homem colocando as mãos em direção ao observador, como se estivesse negando algo

As 3 causas mais comuns de insegurança e como superá-las. Você se sente cheio de dúvidas e com falta de confiança ? Apesar de suas realizações, você se sente uma fraude destinada a ser exposta? Você acha que não merece um amor duradouro e que os parceiros irão inevitavelmente deixá-lo? Você fica em casa, com medo de se aventurar e conhecer novas pessoas porque acha que não tem o suficiente para oferecer? Você se sente acima do peso, chato, estúpido, culpado ou feio?

A maioria de nós se sente inseguro às vezes, mas alguns de nós se sentem inseguros na maior parte do tempo.

O tipo de infância que você teve, traumas passados, experiências recentes de fracasso ou rejeição, solidão , ansiedade social , crenças negativas sobre si mesmo, perfeccionismo ou ter um pai ou parceiro crítico podem contribuir para a insegurança.

A seguir estão as 3 formas mais comuns, e como começar a lidar com elas:

Insegurança com base em falha ou rejeição recente

Acontecimentos recentes em nossas vidas podem afetar muito nosso humor e a maneira como nos sentimos. Até 40% de nosso “quociente de felicidade” é baseado em eventos recentes da vida.

O maior fator negativo para a felicidade é o fim de um relacionamento, seguido pela morte do cônjuge, perda do emprego e eventos negativos de saúde.

Como a infelicidade também influencia sua autoestima, o fracasso e a rejeição podem causar um golpe duplo em sua confiança. A rejeição inevitavelmente nos leva a ver a nós mesmos e as outras pessoas de forma mais negativa, pelo menos por um tempo.

E aqueles de nós que têm baixa autoestima são mais reativos ao fracasso. É como se uma experiência de perder um emprego ativasse velhas crenças negativas sobre seu valor próprio. O fracasso é uma experiência quase onipresente.

Leia também:  O sucesso leva à felicidade ?

Todavia, perseverar apesar dos contratempos, pode levar a sucessos eventuais, o que aumenta sua auto-estima.

Abaixo estão algumas ferramentas que você pode usar para superar a insegurança baseada em falha ou rejeição:

  1. Dê a si mesmo tempo para se curar e se adaptar ao novo normal;
  2. Saia e se envolva com a vida, seguindo seus interesses e curiosidade;
  3. Procure amigos e familiares para distração e conforto;
  4. Obtenha feedback de pessoas em quem você confia;
  5. Persevere e continue avançando em direção aos seus objetivos ;
  6. Esteja disposto a tentar uma estratégia diferente, se necessário;

Insegurança devido à ansiedade social

Muitos de nós sentimos insegurança em situações sociais como festas, reuniões familiares, entrevistas e encontros. O medo de ser avaliado por outros, e considerado insuficiente, pode levar você a se sentir ansioso e autoconsciente.

Experiências passadas podem alimentar a sua sensação de não pertencimento, de não se sentir importante ou interessante, ou simplesmente não ser bom o suficiente. Como resultado, você pode evitar situações sociais, sentir ansiedade ao antecipar eventos sociais ou sentir-se constrangido e desconfortável durante eles.

Se você cresceu com pais críticos ou que o pressionaram para ser popular e bem-sucedido, você também pode ser excessivamente sensível a como os outros o veem. Esse tipo de insegurança geralmente se baseia em crenças distorcidas sobre sua autoestima, e sobre até que ponto as outras pessoas estão avaliando você.

Na maior parte do tempo as pessoas estão mais focadas em como estão se apresentando do que em julgar os outros. Aqueles que julgam e excluem estão frequentemente encobrindo suas próprias inseguranças e, portanto, suas opiniões podem valorizar atributos superficiais em vez de caráter e integridade.

Leia também:  14 dicas de como fortalecer sua autoestima

Abaixo estão algumas ferramentas para combater a insegurança em situações sociais:

  1. Fale com o seu crítico interno. Lembre-se de todos os motivos pelos quais você pode ser interessante e divertido, ou ser um bom amigo ou parceiro;
  2. Prepare-se com antecedência. Pense em algumas coisas sobre as quais você pode falar, como eventos atuais, filmes que você viu, hobbies, seu trabalho ou sua família;
  3. Evitar a situação social só piora as coisas. Portanto vá a uma festa ou a um encontro mesmo se estiver nervoso. Sua ansiedade deve diminuir quando você se envolver com outras pessoas, se não na primeira ou na segunda vez, então quando você se acostumar a aparecer;
  4. Estabeleça uma meta limitada e realista. Isso pode ser qualquer coisa, desde conversar com duas pessoas novas ou descobrir mais sobre o trabalho e os hobbies de uma pessoa;
  5. Concentre-se deliberadamente nos outros para combater intensa autoconsciência. Assuma um papel de observador e veja o que as outras pessoas parecem estar sentindo e fazendo. Você percebe alguma semelhança ou habilidade que pode aprender com eles?

Insegurança impulsionada pelo perfeccionismo

Alguns de nós têm padrões muito elevados para tudo o que fazemos. Você pode querer as notas mais altas, o melhor emprego, a figura perfeita, o apartamento ou casa mais bem decorado, crianças organizadas e educadas ou o parceiro ideal.

Infelizmente, a vida nem sempre sai exatamente do jeito que queremos, mesmo quando trabalhamos muito. Há uma parte do resultado que está, pelo menos em certo grau, fora de nosso controle.

Leia também:  6 dicas para melhorar a insegurança

Chefes podem ser críticos, empregos podem ser escassos ou parceiros podem resistir ao compromisso conjugal. Se você está constantemente desapontado e se culpando por não ser nada perfeito, você começará a se sentir inseguro e indigno.

Tentar o seu melhor e trabalhar duro pode lhe dar uma vantagem, mas perfeccionismo em excesso não são saudáveis. Bater em si mesmo e preocupar-se constantemente por não ser bom o suficiente pode levar à depressão e ansiedade, distúrbios alimentares ou fadiga crônica.

Abaixo estão algumas maneiras de combater o perfeccionismo:

  1. Tente avaliar a si mesmo com base em quanto esforço você coloca, o que é controlável, ao invés do resultado, que depende de fatores externos;
  2. Pense em quanta diferença faria se seu trabalho fosse 10% melhor. Valeria a pena o tempo e a energia gastos em verificar e verificar novamente ou em responder a cada e-mail?
  3. O perfeccionismo costuma ser baseado no pensamento do tudo ou nada, portanto, tente encontrar as áreas obscuras. Existe uma maneira mais compassiva ou compreensiva de ver uma situação? Você está levando em consideração as suas circunstâncias ao se avaliar? Existe algo que você aprendeu ou alcançou mesmo que o resultado final não fosse perfeito?
  4. Os perfeccionistas costumam ter auto-estima condicional: gostam de si mesmos quando estão no topo e não gostam de si mesmos quando as coisas não acontecem do jeito deles. Você é capaz de aprender a gostar de si mesmo quando não está indo bem? Concentre-se em qualidades internas como seu caráter, sinceridade ou bons valores, em vez de apenas nas notas que você tira, quanto você recebe ou quantas pessoas gostam de você.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *