Pessoa segurando um cartaz com um ponto de interrogação em frente ao seu rosto

O que é autoestima ? Autoestima é o que pensamos de nós mesmos. Quando positivo temos confiança e respeito próprio. Estamos satisfeitos com nós mesmos, com nossas habilidades, em quem somos e nossa competência.

A autoestima é relativamente estável e duradoura, embora possa flutuar. A autoestima saudável nos torna resilientes e esperançosos na vida.

Autoestima afeta tudo

A autoestima afeta não apenas o que pensamos, mas também como nos sentimos e nos comportamos. Ela tem ramificações significativas para nossa felicidade e o prazer pela vida. Afeta consideravelmente os nossos relacionamentos, nosso trabalho e objetivos, e como cuidamos de nós mesmos e de nossos filhos.

Embora eventos difíceis como separações, doença ou perda de renda possam, no curto prazo, moderar nossa autoestima, logo voltamos a pensar positivamente sobre nós mesmos e nosso futuro. Mesmo quando falhamos a nossa autoestima não diminui.

Pessoas com autoestima saudável dão crédito a si mesmas quando as coisas vão bem e, quando não dão, consideram as causas externas e também avaliam honestamente seus erros e deficiências. Em seguida, elas os aprimoram.

Autoestima saudável vs autoestima prejudicada

Prefiro usar os termos autoestima saudável e autoestima prejudicada, em vez de alta e baixa, porque narcisistas e indivíduos presunçosos que parecem ter autoestima elevada, na verdade não o tem. O deles é inflado, compensa a vergonha e a insegurança e muitas vezes não está relacionado à realidade.

A ostentação é um exemplo, pois indica que a pessoa depende da opinião dos outros sobre ela e revela uma autoestima prejudicada ao invés de saudável. Assim, uma autoestima saudável exige que sejamos capazes de avaliar com honestidade e realismo nossos pontos fortes e fracos.

Não estamos muito preocupados com as opiniões dos outros sobre nós. Quando aceitamos nossas falhas sem julgamento, nossa autoaceitação vai além da auto-estima.

Autoestima prejudicada

A autoestima prejudicada afeta negativamente nossa capacidade de administrar adversidades e decepções da vida. Todos os nossos relacionamentos são afetados, incluindo o relacionamento com nós mesmos.

Quando nossa autoestima está prejudicada, ficamos inseguros, nos comparamos aos outros, duvidamos e nos criticamos.

Não reconhecemos nosso valor, nem honramos e expressamos nossas necessidades e desejos. Em vez disso podemos nos auto-sacrificar, nos submeter aos outros ou tentar controlá-los.

Leia também:  Alivie seu estresse com música

Por exemplo, podemos manipular ou desvalorizar pessoas, provocar ciúme, ou restringir seu contato com outros.

Consciente ou inconscientemente, nós nos desvalorizamos, incluindo nossas habilidades e atributos positivos, tornando-nos hipersensíveis às críticas. Também podemos ter medo de tentar coisas novas, porque podemos falhar.

Sintomas de autoestima saudável e prejudicada

A seguir há uma lista dos sintomas que refletem uma autoestima saudável vs prejudicada. Lembre-se de que a autoestima varia em um continuum. Não é preto nem branco.

Autoestima saudável

  • Saber que você está bem;
  • Saber que você tem valor;
  • Sentir-se competente e confiante;
  • Demonstrar honestidade e integridade;
  • Confiança em si;
  • Aceitar elogiar;
  • Aceitar atenção;
  • Honram a si mesmo;
  • Tem controle interno;
  • Autoeficácia para perseguir objetivos;
  • Ter respeito próprio;
  • Ter autocompaixão;
  • Estar feliz pelo e com os outros;
  • Aceitar os outros;
  • Satisfação nos relacionamentos;
  • Assertivo;
  • Otimista;

Autoestima prejudicada

  • Não se sente o suficiente;
  • Falta valor; sente-se sem importância;
  • Duvida de si mesmo e se sente incompetente. Tem medo de arriscar;
  • Faz autojulgamento e não gosta de si;
  • Sempre concorda com os outros;
  • Indeciso. Sempre pede a opinião dos outros;
  • Não aceita elogios;
  • Evita e não gosta de atenção;
  • Desconsidera sentimentos, desejos e necessidades;
  • Precisa de orientação e aprovação de outras pessoas;
  • Medo de começar a fazer as coisas;
  • Permite abusos. Coloca os outros em primeiro lugar;
  • Auto-julgamento e auto-aversão;
  • Sente-se ansioso e pessimista;
  • Evasivo nas críticas reais ou percebidas.

A causa da autoestima prejudicada

Crescer em uma família disfuncional pode levar à co-dependência na idade adulta. Também enfraquece sua autoestima, frequentemente você não tem voz e suas opiniões e desejos não são levados a sério. Os pais geralmente têm baixa autoestima e estão infelizes um com o outro.

Eles próprios não têm nem modelam boas habilidades de relacionamento, incluindo cooperação, limites saudáveis, assertividade e resolução de conflitos. Eles podem ser abusivos, controladores, interferentes, manipuladores, indiferentes, inconsistentes ou apenas preocupados.

Direta ou indiretamente, eles podem envergonhar os sentimentos e características pessoais, sentimentos e necessidades de seus filhos.

As crianças se sentem inseguras, ansiosas e/ou com raiva. Como resultado, elas se sentem emocionalmente abandonados, concluem que são os culpados e não são boas o suficiente para serem aceitas por ambos os pais.

Leia também:  Mídias sociais e insegurança nos relacionamentos

Eventualmente elas não gostam de si mesmos e se sentem inferiores ou inadequadas. Elas crescem co-dependentes com baixa autoestima e aprendem a esconder seus sentimentos, se retrair e tentar agradar ou se tornar agressivas. Isso reflete como a vergonha tóxica é internalizada.

Vergonha

A vergonha é mais profunda do que a autoestima. É uma emoção profundamente dolorosa, em vez de uma avaliação mental. A vergonha tóxica subjacente pode levar a uma autoestima prejudicada ou baixa e outros pensamentos e sentimentos negativos.

Não é apenas falta de confiança, mas podemos acreditar que somos maus, inúteis, inferiores ou não amáveis. Ela cria sentimentos de falsa culpa, medo e desesperança, e às vezes uma sensação de irredimível.

A vergonha é a principal causa da depressão e pode levar a um comportamento autodestrutivo, distúrbios alimentares , dependência e agressão.

A vergonha causa ansiedade quanto à antecipação em forma de rejeição ou julgamento por outras pessoas. A ansiedade da vergonha torna difícil tentar coisas novas, ter relacionamentos íntimos, ser espontâneo ou correr riscos.

Às vezes, não percebemos que não são os julgamentos ou a rejeição dos outros que tememos, mas o nosso fracasso em cumprir nossos próprios padrões irrealistas. Esse padrão é muito autodestrutivo com perfeccionistas.

Nosso autojulgamento pode nos paralisar a ponto de ficarmos indecisos, porque nossa crítica interno nos julgará independentemente do que decidirmos!

Relacionamentos

O relacionamento com nós mesmos fornece um modelo para nosso relacionamento com os outros. A autoestima determina nosso estilo de comunicação, limites e nossa capacidade de intimidade.

Um parceiro com autoestima saudável pode influenciar positivamente a autoestima do outro, mas também mostra que a baixa autoestima pressagia um resultado negativo para o relacionamento.

Isso pode se tornar um ciclo de auto-reforço de abandono e redução da autoestima.

A autoestima prejudicada impede nossa capacidade de falar abertamente sobre nossos desejos e necessidades e de compartilhar sentimentos de vulnerabilidade. Isso compromete a honestidade e a intimidade.

Como resultado da insegurança, vergonha e auto-estima prejudicada quando crianças, podemos ter desenvolvido um estilo de apego que, em vários graus, é ansioso ou evasivo e torna a intimidade um desafio.

Leia também:  Autoestima cria relacionamentos de sucesso

Procuramos ou nos distanciamos de nosso parceiro e geralmente nos sentimos atraídos por alguém que também tem um estilo de apego inseguro.

Geralmente, permitimos que outros nos tratem da maneira que acreditamos que merecemos. Quando não nos respeitamos e honramos a nós mesmos, não esperamos ser tratados com respeito e podemos aceitar abusos ou comportamento retido.

Da mesma forma, podemos dar mais do que recebemos em nossos relacionamentos e exagerar no trabalho. Nossa crítica interna pode julgar os outros também.

Quando somos críticos com nosso parceiro ou altamente defensivos, é difícil resolver o problema.

Elevando a autoestima

A autoestima é geralmente determinada na nossa adolescência. Alguns de nós lutamos por toda a vida com a autoestima prejudicada e até mesmo com a depressão resultante. Mas podemos mudar e construir uma autoestima saudável.

Elevar a autoestima significa conhecer e amar a si mesmo, e tornar-se seu próprio melhor amigo. Isso exige escuta atenta, tempo de silêncio e compromisso.

A alternativa é se perder no mar, tentando continuamente se provar ou melhorar ou conquistar o amor de alguém, sem nunca se sentir verdadeiramente amável ou o suficiente.

É difícil sair de nossos próprios pensamentos e crenças para nos ver de outra perspectiva. A psicoterapia pode nos ajudar a mudar a forma como pensamos, agimos e o que acreditamos. Pode ser mais poderoso quando combinado com meditação que aumenta a autoconsciência. Algumas coisas que você pode fazer:

  • Reconheça os sinais. identifique indícios de que sua autoestima precisa ser fortalecida. Muitas pessoas pensam que têm boa autoestima. Elas podem ser talentosas, bonitas ou bem-sucedidas, mas ainda não têm autoestima;
  • Elimine falsas crenças. Aprenda a identificar e desprogramar crenças e comportamentos falsos que você deseja mudar e aquelas que deseja implementar;
  • Identifique distorções cognitivas. A autoestima prejudicada pode nos fazer distorcer a realidade. Aprenda a identificar e desafiar suas distorções cognitivas;
  • Escreva um diário. O registro no diário eleva o humor e diminui a depressão. Manter um diário também pode ajudá-lo a monitorar suas interações com outras pessoas e seu diálogo interno negativo;
  • Cure a vergonha tóxica. Se você acredita que sofre de co-dependência e vergonha, aprenda mais sobre isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *