Homem segurando um celular com instagram na Times Square

Rede social e ansiedade. Entre Facebook, Instagram, Twitter e até LinkedIn, as redes sociais são, sem dúvida, sites que envolvem a maioria dos usuários on-line.

No entanto as redes sociais também podem provocar ANSIEDADE.

Fazendo comparações

Uma das coisas que contribui para o aumento da ansiedade nas redes sociais é fazer comparações; ou seja, ver publicações manipuladas dos amigos em férias no México parecem fazer com que o seu final de semana em casa seja chato e sem graça.

Isso gera ansiedade em quem já tem predisposição para o transtorno (em resumo, uma ansiedade por medo de fracasso pessoal).

Sentimentos e necessidade de perfeccionismo podem surgir, se transformando em ansiedade ou, até mesmo, pensamentos repetitivos característico do Transtorno Obsessivo-compulsivo.

Leia também:  O que fazer quando a ansiedade não vai embora ?

A comparação também pode levar à ansiedade quando considera-se a quantidade de seguidores.

Por exemplo, para os adolescentes que usam o Instagram, o Twitter e o Facebook, a quantidade de seguidores e amigos é mais importante do que de qualidade; ou seja, a quantidade de seguidores, re-tweets e “curtidas”.

Esses números são um estímulo perfeito para quem tem tendência a ficar ansioso.

Rejeição

Fotos de uma festa em que o usuário não foi convidado, ou um casamento que não pode comparecer graças ao trabalho podem provocar ansiedade.

No entanto, há um outro lado: aqueles que usam as redes sociais podem estar tradicionalmente mais ansiosos. A ansiedade não deriva necessariamente do conteúdo em si, mas de não poder acessar aquilo que está sendo publicado.

Leia também:  Tipos de estresse

Em algum grau, os usuários se tornam estão muito dependentes das redes sociais.

Rede social é viciante

As redes sociais não só atraem usuários mais ansiosos, mas também são “mais viciante” do que cigarros. Consequentemente mais difícil de se abster, com a diferença de que não vão causar enfisema ou câncer de pulmão.

Sendo assim, é muito provável que deixar as redes sociais seja tão difícil e improvável quanto largar o vício de cigarros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *