Quando o paciente não fala na terapia

Foto em preto e branco de uma mulher com o dedo em cima da boca, fazendo sinal de silêncio

Categoria: Terapia online

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Alguns dos momentos mais poderosos da “cura pela fala” incluem não falar, o silêncio. É isso mesmo: pagar para não falar em terapia pode ser mais benéfico que se pensa. Por outro lado, o silêncio pode refletir um problema que resulta em uma perda colossal de tempo e dinheiro.

Como diferenciar?

Normalmente pensamos na terapia como uma conversa estimulada entre duas pessoas trabalhando juntas para entender o que está acontecendo e por quê.

O paciente revela:

  • Questões;
  • Preocupações e;
  • Observações sobre si mesmo.

Enquanto o Psicólogo:

  • Esclarece;
  • Resume e;
  • Faz conexões entre o passado e o presente, ou pensamento e comportamento.

Na maioria das vezes a falta de palavras não é o problema, mas elas nem sempre vêm. Em alguns casos:

  • Falar atrapalharia a vivência de pensamentos ou sentimentos profundos;
  • Outras vezes, as palavras estão bloqueadas e o paciente se sente estagnado.

Quando o silêncio na terapia é útil

  • Experimentando emoção: Não há necessidade de apressar-se em colocar palavras aos sentimentos. Às vezes, basta sentir uma profunda tristeza, raiva ou alegria sem precisar falar. Falar pode tirar você da emoção e colocá-lo em sua cabeça enquanto você junta as histórias, os detalhes e as experiências anteriores do sentimento. Quando um paciente vem para a sessão depois de perder um ente querido, a emoção é pesada e as palavras são poucas;
  • Realização: a terapia às vezes fornece um “a-ha!”. Momentos de insight que precisam de alguns momentos para serem melhor explorados. Algo como: “Espere um minuto! Eu comprei uma casa e não posso me dar ao luxo viver o meu sonho? Preciso um minuto aqui …?!?”;
  • Ser em vez de fazer: Algumas pessoas têm uma necessidade tão forte de fazer coisas o tempo todo que não fazer nada por alguns minutos pode ser um trabalho difícil (e mais enriquecedor) que realizam durante a terapia;
  • Centralização: Os pacientes que vêm do caos do trabalho, do tráfego e dos relacionamentos podem precisar de alguns minutos para se recompor. Esse é o motivo pelo qual é importante que os pacientes cheguem dez minutos mais cedo, mas isso pode não acontecer ou pode não ser o tempo suficiente.
Leia também:  Alerta! Instagram não substitui e nem é lugar para terapia

Em vez de preencher o espaço com conversa fiada, não há problema em ficar sentado em silêncio. Não há problema em dedicar alguns minutos para não fazer nada a não ser sentar-se consigo mesmo e desfrutar da companhia. Quando você estiver relaxado, o assunto do dia virá.

Quando o silêncio na terapia é motivo de preocupação

  • Ansiedade por desempenho: a terapia pode ser uma experiência estressante para muitos pacientes. Eles se sentem como se estivessem sob um sol escaldante, e têm tanto medo do silêncio que ficam paralisados. Não há nada de benéfico nesse pânico. Você pode tentar mudar essa paralisia para a centralização que mencionei anteriormente;
  • Não se sabe o que dizer: este é um grande problema que estou tentando resolver por meio deste artigo. Muitos pacientes simplesmente não sabem sobre o que devem falar para obter a ajuda que desejam. Eles não têm certeza de como descrever seus sintomas, acessar emoções ou falar sobre se sentirem presos na terapia;
  • Punição: Nem toda terapia é tão adversa quanto o paciente pode pensar, mas o conflito ou ressentimento ocasional é comum. O paciente pode ficar com raiva de seu Psicólogo e decidir que uma maneira de mostrar seu desagrado é não falar;
  • Revelação de segredos: às vezes, um paciente tem um grande segredo que nunca contou a ninguém antes, e aquela sessão parecer ser o momento de contá-lo. Ele se sente paralisado de medo da reação do Psicólogo ou de se ouvir dizer as palavras. Então ele se senta em agonia, tentando encontrar coragem. Deixar o Psicólogo saber que há algo em sua mente pode ajudar a aliviar o desconforto;
  • Resistência inconsciente: a perda de palavras pode vir de lugares profundos, além de nossa consciência. O paciente pode estar ciente de sua falta de vontade, ou pode perceber apenas que parece não haver nada em sua mente. Em qualquer dos casos, a tarefa do Psicólogo é analisar as razões do silêncio.
Leia também:  Como dispensar sua Psicóloga da forma correta?

Com certeza um paciente que fica mudo, sem motivo aparente, fará um Psicólogo inexperiente se contorcer. Embora para um paciente possa parecer bom se vingar dessa maneira passivamente resistente, pode não ser o mais eficaz. E é muito caro também.

Às vezes, apesar do silêncio, o paciente pode involuntariamente revelar o motivo ou mesmo o conteúdo de seu silêncio por meio de sua postura, movimentos ou expressão facial.

Se, simultaneamente o paciente em silêncio retira inconscientemente a aliança de casamento do dedo e, em seguida, a coloca no dedo mínimo repetidamente, parece que, apesar de seu silêncio, ele está revelando uma vergonha por seus pensamentos de sexualidade ou infidelidade conjugal.

O paciente pode não estar consciente desses impulsos, mas uma luta está acontecendo entre os desejos de assumir e de reprimir esses sentimentos.

Leia também:  A importância da aliança terapêutica para o sucesso da terapia

Às vezes, uma aliança de casamento é apenas uma aliança de casamento. Contudo a exploração não-verbal também acontece.

Então, o que o paciente pode fazer quando as palavras desaparecem?

Se o paciente estiver realmente travado, é sempre bom que ele peça ajuda ao Psicólogo. Não será uma surpresa se a ajuda vier na forma de perguntas sobre a estagnação, em vez de uma divergência em conversa fiada.

Se o zelo do Psicólogo está se intrometendo em um silêncio confortável, o paciente pode dizer algo como “Estou sem palavras, mas gostaria de ficar aqui por um tempo. Avisarei quando estiver pronto para falar novamente.”

Se você é o paciente e precisa de mais incentivo, saiba que escrevi um artigo mencionando 6 maneiras de se abrir e falar na terapia, que podem ajudar.

Você sabe, os Psicólogos nem sempre se sentem confortáveis ​​com o silêncio. Eles podem se senti tentados a fazer uma pergunta ou interpretação para aliviar a ansiedade.

Alguns pacientes acreditam que o Psicólogo não estará fazendo seu trabalho se ninguém estiver falando. Mas acho que aprender quando ficar em silêncio e deixar o paciente em paz é uma habilidade valiosa.

Publicidade

Se perguntas gentis sobre as origens do silêncio não conseguem reconquistar o paciente, um Psicólogo pode desejar dizer: “Talvez você prefira ficar sentado em silêncio por um tempo.”

E está tudo bem! O silêncio também faz parte da terapia.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *