15 maneiras de como parar de se comparar com os outros

Um homem gordo e um homem magro de costas um para o outro

Categoria: Autoestima

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Nós, humanos, somos criaturas de comparação. Isso significa que gostamos de nos comparar com os outros.

Essa característica evoluiu como uma ferramenta para nos encaixarmos na hierarquia social das culturas que habitamos.

Independentemente das razões, a comparação social desempenha um papel significativo em como nos vemos, avaliamos a nós mesmos e interagimos com o mundo.

O que é a comparação social?

Quantas vezes você já se comparou com seus amigos ou colegas usando uma característica que considera desejável, por exemplo, dinheiro ou sucesso?

Na literatura, essa comparação é conhecida como comparação social.

A comparação social compreende os processos pelos quais os indivíduos avaliam suas próprias:

  • Habilidades;
  • Opiniões;
  • Atitudes;
  • Sentimentos;
  • Características físicas;
  • Realizações ou;
  • Quaisquer outros aspectos pessoais relacionados a outros indivíduos e/ou grupos.

O impacto da comparação social depende de dois fatores:

  1. Quão intimamente a comparação está ligada à autoestima das pessoas e;
  2. Quanto controle percebido as pessoas sentem sobre o próprio status em relação aquelas que estão se comparando.

No entanto, as autoavaliações são problemáticas porque são opiniões instáveis ​​e não confiáveis.

Leia também:  3 dicas para melhorar sua imagem corporal

A instabilidade se deve à volatilidade de nossos valores autoimpostos.

É melhor se comparar com os mais ou menos afortunados que você?

As pessoas geralmente se envolvem em comparações ascendentes ou descendentes.

Nas comparações ascendentes nos comparamos com aqueles que acreditamos serem melhores do que nós de alguma forma, enquanto que nas comparações descendentes, fazemos o oposto.

Embora as comparações descendentes façam nos sentir melhor sobre nós mesmos, há alguns perigos, conforme a qualidade da nossa autoestima.

Para aqueles com:Comparar-se com os menos afortunados:Comparar-se com os mais afortunados:
Alta autoestimaMelhora os estados de humorFornece encorajamento e esperança
Baixa autoestimaReduz a autoavaliação e produz estados de humor diminuídosDiminui o bem-estar subjetivo e leva a estados de humor negativos
Autoestima x consequências de se comparar com os outros

Antes e agora

Antigamente, nossa principal referência de comparação eram as comunidades locais, principalmente vizinhos e colegas de trabalho.

Como nós estávamos próximos de pessoas semelhantes em termos de nível educacional, renda do trabalho e interesses compartilhados, a gama de diferenças era bem pequena.

Com o surgimento e desenvolvimento de revistas, jornais, televisão, filmes, rádio e outras mídias, tivemos vislumbres de outros grupos de comparação em potencial, mas eles eram vistos à distância, separados de nós, de modo a serem menos impressionáveis.

Como tal, o impacto que essas comparações tiveram em nossa identidade, autoestima e hierarquia social foi relativamente mínimo.

Porém, com a invenção da internet, os pontos de comparação se expandiram exponencialmente. Agora, podemos nos comparar com qualquer pessoa no mundo.

A verificação constante de redes sociais cheios de imagens de festas, shows ou outros eventos aspiracionais diminuem a autoestima e contribuem para a depressão.

Leia também:  10 maneiras de como ser mais carismático com as pessoas

Assim, ficamos estamos expostos a grupos que são drasticamente diferentes em termos de riqueza, status, poder, celebridade e aparência física.

O que nas gerações anteriores era uma pequena lacuna entre as comparações, hoje tornou-se um enorme abismo de diferenças.

Comparar-se com os outros é tóxico

Esse novo nível de comparação tem imensas implicações negativas para a vida psicológica e emocional.

Publicidade

Quando tantas pessoas parecem ser tão bem-sucedidas, famosas, influentes e bonitas na internet, é difícil não se deixar influenciar na forma como nos vemos.

Infelizmente, comparar-se com os outros resulta em sentirmos inadequados e de “menos que”. Essas comparações tóxicas corroem a vida emocional.

Quando estamos carentes, experimentamos uma série de emoções desagradáveis​, doentias e que tornam a felicidade e o contentamento difíceis de experimentar. Nós passamos a sentir:

  • Ciúmes e inveja do que os outros têm e do que nos falta;
  • Frustração e impotência por nossa incapacidade de não ter o que eles têm;
  • Amargura, ressentimento e raiva dos outros (mas na verdade de nós mesmos);
  • Vergonha, culpa e humilhação por acreditar que há algo de errado conosco;
  • Dor, tristeza e até desespero ao perceber que nunca teremos todas essas coisas maravilhosas que pensamos que tantas pessoas no mundo têm.

Como parar de se comparar com os outros

Para ficar menos vulnerável ao comparar-se com os outros, observe as pessoas ou eventos que motivam o comportamento.

Aqui estão alguns passos para reduzir a quantidade de comparação que você faz com os outros:

  1. Aceite que a comparação social é natural no ser humano;
  2. Reconheça quando estiver se comparando com os outros;
  3. Descubra por que você está se comparando;
  4. Entenda como a comparação faz você se sentir;
  5. Aceite que continuar se comparando só irá prejudicá-lo;
  6. Pergunte a si mesmo se você tem uma autoestima alta ou baixa para entender melhor como a comparação social afeta você;
  7. Entenda que tendemos a comparar nossas qualidades inferiores com as melhores qualidades dos outros;
  8. Coloque as percepções menores que tem de si mesmo e as percepções mais admiráveis ​​dos outros em uma perspectiva mais ampla de quem você e eles realmente são;
  9. Reconheça que você só vê o lado de fora de uma pessoa e tem pouco conhecimento de quem ela é por dentro;
  10. Aceite que somos todos seres imperfeitos, mas que ainda merecemos amor, respeito e apreciação;
  11. Concentre-se em seus pontos fortes;
  12. Concentre-se em seus objetivos e em como alcançá-los;
  13. Limite o uso das redes sociais;
  14. Se você se comparar com os outros, use-a como motivação;
  15. Mude seu foco para quem você quer ser e o que deseja realizar.
Leia também:  Como saber se há alguma coisa de errado comigo?

Palavras finais

Comparar-se com os outros não apenas desempenha um papel nos julgamentos que fazemos sobre nós mesmos, mas também na maneira como as pessoas se comportam.

Existem muitas maneiras benéficas de desenvolver a autoestima e perseguir o sucesso, de modo que você sinta orgulho de si mesmo.

Cada um de nós nasceu em um conjunto único de circunstâncias, em um ambiente único, e nosso sucesso não é limitado pelas pessoas com quem nos comparamos.

Em vez disso, devemos ser gratos pelo que alcançamos e gratos por podermos continuar a alcançar o que desejamos.

Ao se comparar com os outros, considere como ela influencia sua autoconfiança, motivação e atitude.

Fique atento a sentimentos negativos como resultado desse processo.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *