O que os casais precisam saber sobre o tratamento silencioso

Mulher de cabelos claros colocando a dedo em frente da boca, comunicando silêncio.

Categoria: Casamento

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Se você é como a maioria das pessoas, provavelmente já ouviu o velho ditado: “o silêncio vale ouro”. Mas quando se trata de relacionamentos, é realmente esse o caso? Depende da situação.

Quando o silêncio, ou melhor, a recusa em conversar, é usado como uma tática de controle para exercer poder em um relacionamento, então ele se torna “um tratamento silencioso”, que é tóxico, insalubre e abusivo.

Por outro lado, tratamento silencioso não é o mesmo que ficar em silêncio para ganhar tempo e pensar sobre as coisas, abordando o assunto novamente mais tarde.

Silêncio x tratamento silencioso

Há momentos em que ficar em silêncio é aceitável e até produtivo. Por exemplo, um casal, ou mesmo apenas um parceiro, pode reservar um tempo para pensar sobre uma discussão acalorada, se acalmar ou organizar suas ideias. O que distingue esse silêncio do tratamento silencioso é que o tempo limite é consciente, e há uma suposição ou acordo de que eles revisitem o tópico mais tarde.

Também há casos em que uma vítima de abuso fica em silêncio como forma de se manter segura e evitar que uma situação se agrave. Nessas situações, a vítima sabe que dizer algo, mesmo que o parceiro exija, só aumentará a situação e levará a mais abusos.

Quando alguém está se envolvendo em xingamentos ou outras formas de abuso verbal , ela não é obrigada a se envolver com essa pessoa. Na verdade, é completamente razoável e saudável estabelecer um limite, ou retirar-se da uma situação abusiva. Isso se chama autopreservação.

Leia também:  Quais os problemas mais comuns no casamento?

A chave, então, é saber a diferença entre tratamento do silêncio, como uma tática usada por pessoas abusivas e controladoras, e outras formas de silêncio.

Identificando o tratamento silencioso

Em geral, o tratamento silencioso é uma tática de manipulação que deixa questões importantes de um relacionamento sem solução. Também deixa o parceiro receptor se sentindo inútil, não amado, magoado, confuso, frustrado, zangado e sem importância.

Publicidade

Quando um ou ambos os parceiros ficam de mau humor, fazem beicinho ou se recusam a falar, exercendo um tipo cruel de poder que não apenas exclui o parceiro, mas também comunica que ele não se importa o suficiente. As pessoas usam o tratamento silencioso para controlar a situação ou a conversa, e também como uma ferramenta para evitar assumir responsabilidades ou admitir irregularidades.

Um parceiro que não quer aceitar a responsabilidade por magoá-lo, ou simplesmente não quer reconhecer ou mudar seu comportamento, pode responder dizendo: “não estou falando sobre isso” ou pode simplesmente não dizer nada, ignorando-o completamente.

Essa recusa em falar é diferente de pedir para adiar a conversa e retomá-la mais tarde, o que indica que o assunto será discutido em um momento mais conveniente, sendo portanto, uma escolha saudável. O tratamento silencioso é uma recusa total de discutir o assunto, seja agora ou mais tarde.

Em outras palavras, o silêncio desvia a conversa e comunica que o assunto está fora dos limites. Quando isso acontece, a pessoa que recebe o tratamento silencioso continua lutando sozinha contra sua dor e decepção. Não há oportunidade de resolver o problema, fazer concessões ou entender a posição do outro.

Consequentemente, se sentem magoados, não amados, insatisfeitos e confusos. Além do mais, esta questão não desaparecerá simplesmente porque alguém se recusa a discuti-la. Isso continuará a apodrecer e corroer o relacionamento. Eventualmente, esses problemas purulentos se tornarão demais e levarão ao divórcio.

Leia também:  Mitos e fatos sobre a intimidade nos relacionamentos

Quando o silêncio é abusivo?

Quem já se viu em uma situação em que alguém está lhe dando um tratamento silencioso, sabe que isso é enervante. Contudo, permanecer em silêncio é uma coisa positiva se impedir que as pessoas digam coisas das quais vão se arrepender mais tarde. Outras vezes, o silêncio é uma reação doentia a algo perturbador, mas, com o tempo, o silêncio diminui e o casal consegue chegar a algum tipo de resolução.

Às vezes, porém, o silêncio evolui para o tratamento silencioso e se torna um padrão de comportamento destrutivo. Quando isso acontece, torna-se uma tática de controle emocionalmente abusiva. As pessoas que usam o tratamento silencioso como forma de ganhar poder ou exercer controle em um relacionamento irão:

  • Dar-lhe de ombros por dias ou semanas;
  • Recusar-se a falar, fazer contato visual, atender chamadas ou responder mensagens de texto;
  • Recuar no tratamento do silêncio quando as coisas não sairem do jeito deles;
  • Usar o tratamento silencioso como uma forma de evitar assumir a responsabilidade por um mau comportamento;
  • Punir você com o tratamento silencioso quando você os perturbar;
  • Exigir que você se desculpe ou ceda às exigências apenas para que eles falem com você;
  • Recuar-se a reconhecê-lo até que você rasteje e implore;
  • Usar o silêncio como uma forma passivo-agressiva. Por exemplo, você ceder às exigências ou certos comportamentos para evitar o tratamento silencioso;
  • Silenciá-lo quando você tentar se afirmar, recusando-se a falar;
  • Comunicar desdém ou desprezo a fim de manter o silêncio;
  • Recorrer à raiva e à hostilidade para te calar;
  • Usá-la como o principal meio de lidar com conflitos.

Quando a pessoa que usa o tratamento silencioso perturba a capacidade de comunicação e de colaboração um com o outro, a vítima fará de tudo para restaurar o aspecto verbal do relacionamento. Isso permite que a pessoa silenciosa se sinta justificada, poderosa e no controle, enquanto a outra se sente confusa, e até com medo da separação.

Leia também:  Relacionamento abusivo: 10 sinais para prestar atenção

Além do mais, a pessoa silenciosa inverteu a situação com sucesso. A conversa agora é sobre apaziguá-los e não sobre o assunto em questão. A questão real é perdida na luta para recuperar o equilíbrio e a comunicação, enquanto os problemas permanecem sem solução. E a repetição desse comportamento o deixa tóxico e abusivo.

Como responder?

Para resolver o problema, ambos precisam assumir a responsabilidade por seu comportamento e tentar simpatizar. Da mesma forma, precisam elaborar maneiras mais eficazes de lidar com sentimentos e situações difíceis. Usar declarações “eu” em vez de dizer “você” é mais eficaz e menos ameaçadora. Começar uma frase com “você” quase imediatamente coloca as pessoas na defensiva.

Se o seu relacionamento experimenta interações de demanda e retirada, você precisa se conscientizar do que está acontecendo. O parceiro silencioso sente medo, e o o silêncio é uma forma de se proteger de mais dor.

Evite inventar maneiras de forçar o outro falar com você ou reconhecê-lo. Se puder fazer isso com segurança, afaste-se quando ele lhe der o tratamento do silêncio, e faça algo de que goste.

A terapia de casal é benéfica se houverem problemas para quebrar esse padrão de comunicação. Com a ajuda de uma pessoa neutra, poderão aprender maneiras mais eficazes de se comunicar e administrar conflitos.

Mas, se seu parceiro não está disposto a mudar, é importante que você priorize sua segurança emocional e física. O abuso emocional é prejudicial e pode se transformar em violência física, especialmente quando o parceiro sente que está perdendo o controle. Um Psicólogo experiente vai ajudá-lo a lidar com a situação com segurança e tomar a decisão certa junto com você.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *