Você se sente preso e infeliz em seu casamento?

Imagem em preto e branco de uma mulher oriental apoiada em um sofá enquanto segura um telefone em sua mão esquerda

Categoria: Casamento

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Você se sente preso em um casamento do qual parece não conseguir abandonar?

Sentir-se preso é um estado de espírito, e ninguém precisa de consentimento para deixar um casamento. Milhões de pessoas permanecem em casamentos infelizes por muitos motivos, que variam de sensações de vazio a situações de abuso.

Publicidade

No entanto, a sensação de sufocamento ou de não ter escolha origina-se de um medo que na maioria das vezes é inconsciente.

As pessoas dão muitas desculpas para se manterem em casamentos ruins, desde a responsabilidade de cuidados com crianças pequenas até os cuidados com um companheiro doente. Um homem estava com muito medo e cheio de culpa para deixar sua esposa doente (11 anos mais velha). Sua ambivalência o deixou tão angustiado que acabou morrendo antes dela!

O dinheiro também une os casais, especialmente em uma economia ruim. No entanto, os casais mais ricos se apegam a um estilo de vida confortável, enquanto seu casamento se transforma em apenas um arranjo comercial.

Leia também:  O que é um relacionamento codependente?

As donas de casa temem ser mães solteiras ou autossustentáveis, e os chefes de família temem pagar pensão alimentícia e ver seus bens divididos. Frequentemente, os cônjuges temem sentir-se envergonhados por abandonar um casamento “fracassado”. Alguns até temem que o cônjuge possa fazer mal a si mesmo.

A maioria das pessoas acredita que está muito velha para encontrar o amor novamente, e imaginar cenários de namoro online está fora de cogitação. Além disso, algumas culturas ainda estigmatizam o divórcio.

Medos inconscientes

Apesar da abundância de razões, muitas das quais realistas, existem justificativas mais profundas e inconscientes que mantêm as pessoas presas, e geralmente é o medo da separação e da solidão. Em relacionamentos mais longos, os cônjuges raramente desenvolvem atividades individuais ou redes de apoio.

Enquanto as mulheres tendem a ter cônjuges nas quais confiam e costumam ser mais próximas dos pais, os homens se concentram no trabalho, desconsideram suas necessidades emocionais e contam exclusivamente com o apoio da esposa.

No entanto, tanto homens quanto mulheres frequentemente negligenciam o desenvolvimento de interesses individuais. Algumas mulheres codependentes abandonam seus amigos, hobbies, atividades e adotam os de seus companheiros. O efeito combinado disso aumenta o medo da solidão e do isolamento.

Para os cônjuges casados ​​há vários anos, sua identidade pode ser a de “marido” ou “esposa”, um “provedor” ou “dona de casa”. A solidão experimentada no divórcio é tingida de sentimento de perda. É uma crise de identidade. Isso também pode ser significativo para um pai que não detém a guarda de um filho, uma vez que a paternidade, para ele, é uma importante fonte de autoestima.

Leia também:  Como o vício em sexo afeta os relacionamentos?

Algumas pessoas nunca viveram sozinhas. Elas saíram da casa dos pais diretamente para um casamento, mas nunca saíram psicologicamente de casa, o que significa tornar-se um adulto autônomo. Elas estão tão ligados ao seu cônjuge como são ou já foram ligadas aos pais.

Passar pelo divórcio ou separação traz consigo todo o trabalho inacabado de se tornar um “adulto” independente. O medo de deixar o cônjuge e os filhos pode ser a reiteração dos medos e da culpa que eles teriam ao se separar dos pais, que foi evitado ao se lançar muito rapidamente em um relacionamento ou casamento.

A culpa por deixar o cônjuge pode ser devido ao fato de seus pais não encorajarem apropriadamente a separação emocional. Embora o impacto negativo do divórcio sobre os filhos seja real, as preocupações dos pais também podem ser projeções dos seus próprios medos.

Falta de autonomia

Autonomia implica ser uma pessoa emocionalmente segura e independente. A falta de autonomia não apenas torna um divórcio difícil, mas naturalmente também torna as pessoas mais dependentes de seu cônjuge.

A consequência é que as pessoas se sentem presas ou “em cima do muro”, sendo devastadas pela ambivalência. Por um lado elas anseiam por liberdade e independência; por outro, elas querem a segurança, mesmo em um casamento ruim.

Autonomia não significa que você não precisa dos outros. Na verdade, a autonomia permite que você experimente uma dependência saudável de outras pessoas, mas sem medo de se sufocar. Exemplos de autonomia psicológica incluem:

  • Você não se sente perdido e vazio quando está sozinho;
  • Você não se sente responsável pelos sentimentos e ações dos outros;
  • Você não leva as coisas para o lado pessoal;
  • Você pode tomar decisões por conta própria;
  • Você tem suas próprias opiniões, valores e não é facilmente sugestionável;
  • Você pode iniciar e fazer as coisas por conta própria;
  • Você pode dizer “não” e pedir espaço;
  • Você tem seus próprios amigos.
Leia também:  Paixão ou amor: como saber se você está apenas apaixonado?

Muitas vezes é essa falta de autonomia que torna as pessoas infelizes no casamento, ou incapazes de se comprometerem. Como elas não podem sair, então elas também temem se aproximar.

Elas têm medo de depender ainda mais e de se perderem completamente. Elas agradam ou sacrificam suas necessidades, interesses e amigos e, então, criam ressentimentos em relação ao cônjuge.

Uma maneira de superar a infelicidade

  • A saída pode não exigir o abandono do casamento;
  • A liberdade é um trabalho interno;
  • Desenvolva um sistema de apoio e torne-se mais independente e assertivo;
  • Assuma a responsabilidade por sua felicidade, desenvolvendo suas paixões em vez de se concentrar no relacionamento;
  • Torne-se assertivo e estabeleça limites.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *