Medo da intimidade: quando alguém evita se aproximar demais

Um homem e uma mulher mostrando a palma de suas mãos um para o outro

Categoria: Insegurança

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

O medo da intimidade é um sentimento muito comum, caracterizado principalmente pelo medo de se aproximar demais de alguém.

As feridas emocionais podem permanecer com alguém por muito tempo, mesmo que essa pessoa nem sempre as perceba. Elas fazem com que se evite situações que levem a experimentar a dor novamente.

Quando alguém mantém as pessoas à distância para evitar se machucar, então ela pode estar vivendo o medo da intimidade. Descobrir por que se tem esse medo é o primeiro passo para resolver o problema.

Quais são os sinais do medo da intimidade?

As pessoas que vivem com medo da intimidade têm medo de serem machucadas emocionalmente. Elas estão preocupadas que alguém descubra seu “segredo obscuro”: como sua crença de que não são boas o suficiente, por exemplo, ou o medo de que sejam abandonadas quando estiverem emocionalmente envolvidas.

Existência de muita raiva

Todo mundo fica com raiva às vezes, mas se houver sentimentos de raiva constantes ou de forma inadequada, então o medo da intimidade estará presente.

Medo de não ser perfeito

Todos nós queremos ser amados, com verrugas e tudo, mas isso exige confiança e a capacidade de arriscar a rejeição. Então, vale o risco de mostrar as falhas e ficar envergonhado?

Leia também:  Aprenda a dizer não para as pessoas sem se sentir culpado

Imaturidade sexual

Talvez até adore sexo, mas a pessoa não consegue se conectar com o parceiro durante o ato, nunca. A imaturidade sexual aparece como um interesse excessivo por pornografia, ou por atos sexuais. Também podem insistir em usar brinquedos ou apetrechos de sexo, em vez de se concentrar em seu parceiro.

Estar em corpo, mas não em espírito

Há compartilhamento de uma casa, e ainda assim problemas de intimidade. Nunca há o trabalho de conversar um com o outro, e o medo da intimidade pode ser o motivo.

Assuntos emocionais mais importantes que o relacionamento

Falar apenas sobre os problemas de intimidade com outra pessoa representa medo da intimidade. Esse relacionamento emocional é especialmente prejudicial se a outra pessoa for um parceiro sexual em potencial.

Estar casado com o trabalho

Ser um workaholic não é um distintivo de honra, mas um sinal poderoso de problemas de intimidade emocional. Quando nos enterramos no trabalho, é porque estamos inconscientemente evitando a intimidade. Muitas pessoas o fazem porque estão tentando evitar sentimentos de tristeza, vergonha ou raiva.

O uso de uma máscara

Outro sinal sutil de medo da intimidade é sempre ser incrivelmente positivo. Essas pessoas precisam ser percebidas como sempre de bom humor, e que nunca ficam com raiva ou chateadas. Forçar essa positividade o tempo serve para evitar conexões profundas com os outros.

Manter o parceiro longe da família

Manter o parceiro longe da sua família ou amigos é um sinal claro de medo da intimidade, pois permite esconder por completo quem se é. O comportamento pode ser alimentado pela ansiedade do constrangimento em relação ao antigo eu.

Falta de confiança

A capacidade de ter intimidade com outra pessoa resulta de um senso pessoal de confiança e autoestima equilibrada. Sem esses atributos fundamentais, é fácil temer se sentir ridicularizado ou de não ser levado a sério.

Como é o medo da intimidade?

Os relacionamentos podem passar rapidamente de alegres a estressantes quando se vive com medo da intimidade. Inicialmente pode ser confortável não estar próximo o suficiente de modo a causar preocupação. Nesta fase, quem tem medo da intimidade pode gostar dos aspectos sociais de um novo amigo ou parceiro.

Mas à medida que o vínculo se fortalece, podem surgir os seguintes sinais de medo da intimidade:

  • Ceticismo quando se recebe um elogio ou alguém expressa amor;
  • Suspeita dos motivos pelo qual o parceiro se interessa por aquele tem medo da intimidade;
  • Explosões emocionais;
  • Sinais de autossabotagem;
  • Evitação do contato físico;
  • Piora na qualidade da comunicação.
Leia também:  Os 6 maiores sinais de que alguém está inseguro no amor

Fora de um relacionamento, os sinais de que alguém está vivendo com medo da intimidade incluim:

  • Vários relacionamentos com pouca duração;
  • Urgência emocional de ser perfeito e amável para todos;
  • Incapacidade de expressar suas necessidades ou sentimentos abertamente;
  • Desconforto quando alguém expressa necessidades ou sentimentos;
  • Sinais de baixa autoestima;

Diferenças entre medo da intimidade e indisponibilidade emocional

O medo da intimidade e a indisponibilidade emocional compartilham muitas semelhanças e podem se sobrepor. Além disso, um pode ser o subproduto do outro. A principal diferença, porém, se resume às causas subjacentes do medo:

Pessoa emocionalmente indisponível

Tem medo de perder sua independência ou senso de identidade, de modo a não se envolver emocionalmente no relacionamento.

Medo da intimidade

Fruto da evitação do sofrimento emocional depois de ser abandonado, com o coração partido ou decepcionado.

Diferenças entre medo da intimidade e do abandono

O medo da intimidade também pode envolver o medo de abandono, mas o medo do abandono ou a ansiedade da separação não é o mesmo que temer a intimidade:

Medo da intimidade

Impede que a pessoa se aproxime, isolando-a emocionalmente para evitar que se sinta magoada.

Medo do abandono

Faz o oposto. Leva a pessoa à apegos rápidos, às vezes mantendo-a em relacionamentos doentios. Sua maior preocupação é impedir que a outra pessoa vá embora.

Publicidade

O que provoca o medo da intimidade?

O medo da intimidade é um mecanismo de autoproteção. Ele é melhor encontrado em um estilo de apego ansioso-ambivalente, que tem suas origens na experiência de abandono durante o crescimento.

Esse estilo de apego se desenvolve quando alguém recebe cuidados inconsistentes ao longo da infância. Por exemplo, ter um pai atento em um minuto e indiferente no outro, resultando em uma necessidade de atenção, insegurança e ansiedade.

Porém, o estilo de apego não é o único fator que contribui para o medo da intimidade, existem outros:

  • Comportamentos repetidos ou experiências ao longo da vida que fazem alguém se sentir indigno de amor;
  • Traumas e condições de saúde mental, como transtorno de personalidade esquiva ou transtorno de estresse pós-traumático (TEPT).

Como superar o medo de se aproximar demais de alguém?

Se alguém sente que vive com medo da intimidade ou percebe alguns dos sinais acima, essas dicas podem ajudar.

Para superar o medo da intimidade, primeiro deve-se olhar para a própria história e para os padrões subconscientes desenvolvidos.

Leia também:  Como superar a síndrome do impostor em um relacionamento?

É aqui que a necessidade de se trabalhar com um Psicólogo aparece. A complexidade e a profundeza das questões emocionais precisam ser examinadas, confrontadas e sanadas com cuidado e delicadeza.

Trabalhando com a autoestima

Quando se vive com medo da intimidade, pode parecer que não se merece o amor ou o cuidado inerentes de um relacionamento romântico. Concentrar-se em construir a confiança, desenvolver interesses e aumentar a autoestima vão ajudar.

Aqui estão algumas opções para melhorar a autoestima:

  • Criar um diário com descrições positivas do seu cotidiano;
  • Exercitar-se e manter-se ativo;
  • Explorar a energia criativa;
  • Ingressar em um esporte ou hobby que seja orientado a objetivos;
  • Prestar atenção aos sinais da síndrome do impostor nos relacionamentos;
  • Dar a si mesmo o cuidado e o apoio que não recebeu quando criança.

Aprendendo a reparentar a si

Reparentar é dar a si o cuidado e o apoio que não recebeu quando criança. Na prática é conversar com essa parte mais jovem, a parte que experimentou o abandono ao crescer e gentilmente dizer à ela: “Isso não foi culpa sua. Eu vejo você, eu te amo, e posso continuar daqui”.

Cultivando sua autoestima

Outra tática é reconhecer ativamente que se tem a propriedade de sua autoestima. É tentar se lembrar, por meio de afirmações verbais ou escritas, de que o relacionamento não é um reflexo do valor como ser humano.

Por exemplo, dizer a si: “O valor próprio pertence a mim, e não ao meu parceiro; ele não irá embora com isso. Eu posso ir atrás dos meus desejos e necessidades neste relacionamento, independentemente do que aconteça.’”

Palavras finais

Evitar a intimidade é produto da experimentação de sofrimento emocional de relacionamentos passados, mesmo nos mais antigos.

Aproximar-se demais de outra pessoa pode significar expor vulnerabilidades, pontos críticos emocionais que podem machucar. Mas a intimidade também pode oferecer apoio, compreensão e uma sensação de conexão.

Falar com um Psicólogo vai ajudar a explorar o por quê do medo de se aproximar dos outros, e ajudar no desenvolvimento de habilidades que incentivem a confiança e o amor próprio. Se quiser saber mais, veja estes outros 8 sinais de que seu parceiro tem medo de compromisso.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *