5 maneiras de avaliar e reagir às pessoas egoístas

Duas crianças egoístas brigando e discutindo

Categoria: Outros

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Você conhece uma pessoa egoísta? Ela tem um padrão de agir onde se preocupa somente com seus próprios interesses, sem se importar com quem pode machucar ao longo do caminho.

É cansativo e doloroso ter um relacionamento com uma pessoa egoísta, que parece não se importar com você ou com suas necessidades.

Muitos fatores diferentes levam alguém a se comportar de maneira egoísta. Se você for afetado por esse tipo de comportamento, saiba que existem algumas formas de se proteger.

O que é uma pessoa egoísta?

O egoísmo é definido como um traço que leva as pessoas a agirem com frequência pelos seus próprios interesses, sem levar em consideração como suas ações afetarão os outros. É, também, a tendência de agir excessivamente ou apenas de uma maneira que beneficie a si mesmo, mesmo que os outros estejam em desvantagem.

Alguns sinais de uma pessoa egoísta incluem:

  • Não ter consideração por como seu comportamento afeta os outros;
  • Agir de forma consistente apenas para seus próprios interesses, em vez de atender às necessidades dos outros;
  • Não ter empatia pelo sofrimento alheio;
  • Não mostrar nenhum remorso quando machuca outras pessoas;
  • Usar táticas de manipulação para conseguir o que quer;
  • Sempre pedir favores e nunca retribuir;
  • Usar os outros para conseguir o que quer;
  • Sentir-se no direito de sempre conseguir o que quer, mesmo que precise rebaixar os outros.
Leia também:  Aprenda como terminar uma amizade da maneira certa

A diferença entre o egocentrismo e o egoísmo

O egocentrismo é semelhante ao egoísmo, mas os dois conceitos diferem ligeiramente em aspectos importantes:

  • A pessoas egocêntrica: é excessivamente focada em si mesma, preocupado consigo mesmo e com os próprios assuntos. Ela sente mais remorso quando percebe que machucou outra pessoa.
  • A pessoa egoísta: se comporta conscientemente de modo a se beneficiar, mesmo que machuque outras pessoas. Ela está muito absorta em pensamentos sobre si para sequer pensar duas vezes em como seus comportamentos afetam os outros;

Quem está próxima a uma pessoa egoísta se sente sobrecarregada ou frustrada por não conseguir se comunicar. Parece que não importa o que se diga ou faça, o egoísta continua a machucá-la (intencionalmente ou não) para obedecer somente aos seus próprios interesses.

Como lidar com pessoas egoístas?

Se você conhece uma pessoa egoísta, é provável que já tenha te machucado em algum momento. Aqui estão algumas dicas para lidar com ela:

Não leve para o lado pessoal

Entenda que a pessoa egoísta se comporta em seu próprio interesse, independentemente de como você se comporta.

O egoísmo dela não é sua culpa. Tente não levar o comportamento para o lado pessoal ou se culpe por isso.

Estabeleça limites claros

Definir e exigir respeito pelos seus limites pessoais vai ajudá-lo a ser menos afetado pelo comportamento da pessoa egoísta.

Por exemplo, ela o manipula para conseguir dinheiro, mas não tem intenção de pagá-lo mesmo quando você precisar. Nesse cenário, considere traçar um limite de que não apoiará mais essa pessoa financeiramente.

Às vezes, estabelecer limites exige ser mais drástico, como deixar o relacionamento.

Só você sabe o que é certo para sua vida. Mas, muitas pessoas concordam que precisam tomar a difícil decisão de eliminar pessoas egoístas de suas vidas para o próprio bem-estar.

Pratique a aceitação

Entenda que, especialmente se ela vive com um problema de saúde mental, não haverá nada que você possa fazer para mudar o comportamento dela.

Leia também:  Quais os sinais de que um amigo está interessado em você?

A única pessoa cujo comportamento você pode controlar é o seu. Cabe a si decidir se quer ou não confrontar a pessoa sobre o comportamento egoísta.

Mas, um confronto pode não mudar o comportamento dela como você esperava. É difícil praticar a aceitação em situações como essa, mas é necessário.

Seja educado

Ser educado sobre as causas por trás do comportamento egoísta vão ajudá-lo a ter empatia pela pessoa, bem como a uma compreensão de que o comportamento dela não é culpa sua.

A comunicação assertiva é uma habilidade que leva tempo para se desenvolver. Porém, ela permite estabelecer limites claros sobre como você se sente.

O que causa o egoísmo?

Todos nós nos comportamos de maneira egoísta ou egocêntrica às vezes. E comportar-se de maneira “egoísta” é até ser uma forma de autocuidado, desde que não se torne uma tendência a agir continuamente dessa maneira.

A maioria dos humanos se enquadra em algum ponto do espectro entre o egoísmo patológico e o altruísmo extremo. Você pode agir em seu próprio interesse às vezes, mas também mostrar comportamentos prossociais ou altruístas em outros momentos.

Porém, algumas pessoas estão no extremo mais extremo desse espectro devido a:

Fatores culturais

A cultura em que crescemos desempenha um papel no egoísmo. Pessoas que acreditam que os ricos são mais ricos devido ao egoísmo são mais propensas a considerar a desigualdade como injusta, e concordam que o governo deve reduzi-la.

Publicidade

Além dos fatores culturais, a família também influencia comportamentos egoístas. Famílias onde a mulher contribui financeiramente e as tarefas domésticas são atribuídas aos filhos tendem a ser menos egoístas.

Genética e neurobiologia

Alguns filósofos teorizaram que todos os humanos são inerentemente egoístas devido ao nosso desejo de preservar a linhagem genética. O instinto de autopreservação de nossa espécie nos permite agir de maneira altruísta se isso significar que nossa linhagem genética continuará.

Certas variações genéticas contribuem para o comportamento altruísta versus comportamento egoísta. Pessoas com variantes genéticas dos genes OXTR e AVPR1a têm maior probabilidade de exibir comportamento altruísta e compassivo.

Leia também:  Entenda o amor obsessivo e fique longe de seus perigos

As diferenças nos cérebros das pessoas também contribui para a probabilidade de alguém agir de maneira egoísta. Partes do cérebro que parecem estar envolvidas incluem a amígdala e o córtex cingulado anterior.

Transtornos de personalidade

Os transtornos de personalidade são uma categoria de condições de saúde mental que afetam o funcionamento de longo prazo de alguém, em vez de sintomas que surgem em episódios, como transtorno depressivo maior.

Eles afetam toda a visão de mundo da pessoa, incluindo como ela percebe e se relaciona com os outros e consigo mesma. O transtorno de personalidade antissocial, também chamado de psicopatia, é um transtorno que leva as pessoas a serem egoístas.

As pessoas com transtorno de personalidade antissocial têm uma capacidade diminuída de empatia. Como não sentem remorso por ferir outras pessoas, é mais provável que as machuquem ou as violem.

Outros transtornos de personalidade também contribuem para o egocentrismo e o egoísmo, embora em menor grau. Pessoas com transtorno de personalidade narcisista se comportam de maneira egocêntrica, e se sentem mais importantes do que outras.

Pessoas com transtorno de personalidade histriônica precisam chamar a atenção para si mesmas e exagerar em suas respostas emocionais.

Resumindo

As pessoas se comportam de forma egoísta por diferentes razões, incluindo, mas não se limitando a, ter um distúrbio de personalidade que afeta seus padrões de comportamento.

Se você é afetado por uma pessoa egoísta em sua vida, é importante lembrar que não é sua culpa.

Definir fortes limites pessoais vai ajudá-lo a manter um relacionamento saudável com essa pessoa, protegendo seu próprio bem-estar.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.