Cabeçalho site

Psicólogo online para vítimas de narcisismo em qualquer lugar do mundo

Início

Artigos

Sobre

Início » Outros » Como saber quando devo trocar de Psicólogo?

Como saber quando devo trocar de Psicólogo?

Homem com um celular na mão, onde na tela está escrito Chau!

Este conteúdo não foi escrito por inteligência artificial.
Assim, você tem garantia de que ele possui qualidade, precisão e originalidade.


Nem todo relacionamento dá certo, independente se o relacionamento em questão seja de amizade, romântico ou profissional. Às vezes é com saber quando é hora de trocar de Psicólogo.

O processo terapêutico é ao mesmo tempo objetivo e altamente pessoal. Portanto, vários fatores diferentes podem afetar o modo como a terapia progride ou não.

Alguns desses fatores, como estilos de comunicação inadequados, estão além do controle do Psicólogo, enquanto outros resultam da falta de habilidade ou profissionalismo.

Independentemente do que esteja causando a ausência de conexão entre você e seu Psicólogo, é importante reconhecer os sinais de que a mudança é necessária.

Livre-se do narcisismo em sua vida!

Psicólogo Emilson Silva com camisa roxa e rindo

Com mais de 12 anos de experiência, já ajudei milhares de pessoas a superarem algum tipo de abuso narcisista.

Um relacionamento terapêutico deficiente pode reforçar padrões de pensamento negativos; também o impedirá de obter a ajuda de que realmente precisa.

Se algum dos problemas a seguir aparecer repetidamente durante as sessões de terapia, provavelmente é hora de trocar de Psicólogo:

Você está confortável com seu Psicólogo atual?

Às vezes, você simplesmente não simpatiza com uma pessoa. Talvez seus estilos sejam diferentes, ou talvez você sinta críticas ou julgamentos. Se essa pessoa for seu Psicólogo, será difícil compartilhar seus pensamentos e sentimentos mais íntimos.

Por outro lado, às vezes você pode ficar confortável demais. Em uma amizade próxima, é comum ligar a qualquer hora, enviar mensagens de texto ao longo do dia ou marcar uns aos outros nas redes sociais.

Com um Psicólogo, no entanto, um bom trabalho requer bons limites e vocês não podem ser amigos.

É normal sentir desconforto quando você está apenas começando a terapia e novamente quando você enfrenta um material mais difícil ao longo do caminho. Também é normal sentir-se mais próximo de seu Psicólogo com o tempo.

Idealmente, um relacionamento terapêutico deve ser confortável o suficiente para se abrir sem medo de julgamento, mas não tão próximo que imite uma amizade. Deve parecer mais uma relação professor/aluno ou médico/paciente.

Ele for muito impessoal

Embora algum grau de distanciamento profissional seja desejável (uma vez que permite a entrega de um feedback verdadeiramente imparcial), as interações com seu Psicólogo não devem parecer frias ou clínicas.

Um bom Psicólogo fornecerá um ambiente empático onde você se sentirá confortável em compartilhar tudo o que estiver em sua mente. O Psicólogo fará um esforço para conhecê-lo como pessoa e fornecer palavras de sabedoria e carinho conforme necessário.

Ele for extremamente familiar

No extremo oposto do espectro, alguns Psicólogos tendem a se tornar muito casuais e relaxados com seus pacientes. Se você passa a maior parte das sessões discutindo hobbies ou interesses que você e ele têm em comum, por exemplo, isso é um problema.

Seu Psicólogo deve usar suas sessões iniciais para estabelecer um relacionamento com você; depois disso, é hora de começar a lidar com questões mais profundas.

Você também nunca deve ter a impressão de que seu Psicólogo está mais interessado em falar sobre a vida dele do que sobre a sua, senão é hora de trocar de psicólogo.

Às vezes, ele pode mencionar as próprias experiências quando se relacionam diretamente com as suas (fazer isso pode encorajar a formação de confiança), mas isso deve ser uma parte secundária de suas sessões.

Ele tornou-se emocionalmente reativo

Ocasionalmente, você pode entrar em debates com seu Psicólogo. É parte do trabalho dele desafiá-lo a repensar padrões inúteis e inspirá-lo a modificar seu comportamento/pensamentos para melhor, e isso pode levar a discussões intensas.

Mesmo assim, por mais difíceis que sejam as questões em jogo, seu Psicólogo deve permanecer calmo e objetivo. Se ele fica visivelmente zangado ou chateado quando você compartilha algo (ou discorda dele), ele não está demonstrando distanciamento profissional suficiente.

Isso pode atrapalhar o processo terapêutico, fazendo com que você se censure. Você pode evitar compartilhar detalhes importantes porque tem medo de ser julgado ou porque não quer decepcioná-lo.

Observe que essa regra também se aplica à maneira como ele aceita feedback. Um verdadeiro profissional não ficará na defensiva se você disser que a abordagem atual de tratamento não está funcionando para você. E quais são os sinais de que a terapia está funcionando?

Ele não está ouvindo você

Seu Psicólogo deve ser treinado na arte da escuta ativa. Isto é, ele deve dar a você toda a atenção quando você fala, permitir que você complete seus pensamentos e, em seguida, verificar se ele entendeu o que você quis dizer.

Se ele corre para intervir antes de concluir todas essas etapas, você pode considerar tentar outra pessoa. As habilidades de escuta inadequadas geralmente levam ao fornecimento de intervenções ruins e fazem os pacientes se sentirem invalidados.

A tendência de dispensar intervenções pesados ​​também pode significar presunção por parte de seu Psicólogo. Se ele frequentemente expõe suas próprias opiniões antes de permitir que você conclua seus pensamentos, provavelmente está totalmente certo de que tem todas as respostas certas.

Um bom Psicólogo, ao contrário, adotará uma abordagem colaborativa: ele pedirá feedback regularmente e o tornará parte do processo de resolução de problemas. Conheça também quais são os 4 tipos de Psicólogo.

Seu tratamento não está progredindo

Mudar leva tempo, então é normal precisar da ajuda de um Psicólogo por meses (ou mesmo anos), enquanto você implementa novos padrões ou processa sentimentos dolorosos.

Pessoas com problemas de saúde mental grave geralmente precisam de suporte terapêutico por toda a vida, embora a quantidade de sessões vá diminuindo com o passar do tempo. Ainda assim, é importante estabelecer metas mensuráveis ​​para a terapia e ter a sensação de que você está progredindo em direção a elas.

Se você sentir que não está progredindo, seu Psicólogo deve sugerir de forma proativa diferentes estratégias para ajudá-lo a alcançar seus objetivos. Se ele continuar usando as mesmas técnicas e você permanecer paralisado, deve considerar tentar um Psicólogo diferente.

Ele coloca os próprios valores e crenças sobre você

A terapia deve ser um processo secular e baseado em evidências. Seu Psicólogo pode recorrer a estratégias de modificação de comportamento (como terapia de atenção plena) que têm suas origens na espiritualidade, mas esses conceitos devem ser apresentados sob uma luz secular.

A única exceção possível a essa regra é se você voluntariamente procurou um Psicólogo que integre as crenças que você já tem. Um bom Psicólogo nunca tentará “convertê-lo” a uma religião diferente ou pressioná-lo a adotar seus próprios valores sociais.

Ele também respeitará sua identidade de gênero, sexualidade e composição familiar escolhida. Mesmo que você esteja questionando questões relacionadas ao seu gênero ou sexualidade, é função do seu Psicólogo ajudá-lo a explorar seus sentimentos, e não forçar uma escolha específica sobre você.

O respeito do seu Psicólogo por seus limites e escolhas pessoais também deve se estender além do reino dos valores sociais e espirituais.

Ele não deve interferir em assuntos que não estejam diretamente relacionados aos motivos pelos quais você procurou a terapia. Por exemplo, se ele pressiona você a perder peso ou mudar a forma como você se veste (mesmo que esteja feliz com sua aparência), você deve encontrar um profissional mais receptivo.

Ele o incentiva a culpar os outros por seus problemas

Um Psicólogo bem treinado saberá como encontrar um equilíbrio entre a validação emocional e a busca de responsabilidade pessoal. Ele reconhecerá como os outros o magoaram, mas gentilmente o encorajará a examinar o papel que suas próprias escolhas desempenharam na situação (quando apropriado).

Um bom Psicólogo não culpará outras pessoas em sua vida por criarem seus problemas, com exceção de ocorrências traumáticas como estupro ou abuso grave. Por exemplo, se você está procurando ajuda para um transtorno do uso de substâncias, ele não vai dizer que seus pais ou seu parceiro “fizeram” você abusar de substâncias.

Ele terá empatia com os sentimentos e, em seguida, trabalhará com você para desenvolver técnicas mais saudáveis ​​de controle do estresse.

Em última análise, a terapia deve ser um processo de fortalecimento. Colocar muita culpa nos outros cultiva uma mentalidade de vítima em vez de dar à você as ferramentas de que precisa para ter sucesso.

As intervenções não estão dando certo

Idealmente, seu Psicólogo ajustará sua abordagem para atender às suas necessidades individuais. No entanto, existem vários tipos de terapia (terapia humanística, terapia cognitiva, terapia comportamental, etc.), e alguns Psicólogos optam por se especializar em apenas um ou dois dessas abordagens.

Embora cada tipo de terapia tenha seus próprios méritos distintos, às vezes a abordagem preferida do Psicólogo não combina com a sua personalidade. Da mesma forma, estilos de comunicação amplamente diferentes podem sabotar a conexão paciente-Psicólogo.

Um Psicólogo muito gentil e diplomático não será adequado para um paciente que prefere uma abordagem direta, por exemplo. Se você acha que as intervenções que está recebendo de seu Psicólogo não vão funcionar para você, é melhor se separar amigavelmente.

Ele não é confiável

Embora coisas inesperadas aconteçam com todos, seu Psicólogo deve demonstrar um padrão geral de confiabilidade. Se ele está constantemente cancelando compromissos ou chegando atrasado, você deve procurar um profissional mais organizado.

Outros sinais de alerta que indicam que é hora de trocar de Psicólogo incluem:

  • Atender chamadas ou mensagens de texto durante compromissos;
  • Manter um escritório bagunçado, etc.

Ele não tem a experiência necessária

As pessoas procuram terapia por uma ampla variedade de razões diferentes. Elas podem querer resolver:

  • Os problemas de comunicação em seu casamento;
  • Aprender a controlar seus gastos impulsivos;
  • Superar um vício ou;
  • Enfrentar o luto ou o trauma.

Como esses problemas têm origens e soluções tão díspares, resolvê-los requer conhecimento e experiência altamente especializados. Portanto, você deve procurar um Psicólogo treinado para tratar o problema (ou problemas) que deseja tratar.

Embora a perspectiva de trocar de Psicólogo possa ser assustadora, você ficará surpreso com o salto que dará ao encontrar o profissional certo para você.

Se você não está se sentindo “ligado” ao seu terapeuta depois de cinco ou seis sessões, considere procurar outra pessoa: é muito mais fácil iniciar o processo de tratamento no início do que depois de meses de terapia.

Livre-se do narcisismo em sua vida!

Psicólogo Emilson Silva com camisa roxa e rindo

Com mais de 12 anos de experiência, já ajudei milhares de pessoas a superarem algum tipo de abuso narcisista.

Às vezes, as pessoas se sentem “presas” na terapia por motivos que nada têm a ver com seu Psicólogo. A terapia geralmente envolve revisitar o antigo trauma e reconstruir as próprias crenças e padrões de comportamento.

Ela pode evocar sentimentos muito dolorosos e medo da mudança. Se você ainda não está pronto para dar esse salto de fé, precisa discutir isso com seu Psicólogo para descobrir quais são os obstáculos e se eles podem ser superados.

Se for esse o caso, trocar de Psicólogo não ajudará.


Comentários

Uma resposta para “Como saber quando devo trocar de Psicólogo?”

  1. Avatar de Luís Canjamba
    Luís Canjamba

    Gostei da dica, tnha dúvida, se alguém trocasse de psicólogo poderia correr riscos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *