O que fazer quando o paciente fica com raiva do Psicólogo?

Mulher ruiva com expressão de raiva, vestindo uma camisa com listras pretas e brancas

Categoria: Outros

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Por que a terapia funciona? Há muitas razões, mas neste artigo vou me concentrar em uma em particular: a relação terapêutica. Um dos maiores preditores de sucesso na terapia é um bom relacionamento entre o paciente e o Psicólogo.

No entanto, como qualquer relacionamento, ocasionalmente ocorrem rupturas.

Publicidade

Às vezes há mal-entendidos e problemas de comunicação. Isso é uma parte normal de qualquer relacionamento, incluindo o terapêutico. Alguns problemas comuns que podem surgir são:

  • Problemas financeiros;
  • Diferenças de personalidade;
  • Mal-entendidos técnicos;
  • Progresso terapêutico;
  • Desacordos sobre objetivos.

Outras vezes, ocorre um fenômeno chamado transferência. A transferência acontece quando um paciente se relaciona com o Psicólogo como se fosse alguma outra pessoa importante em sua vida, como um membro da família.

O Psicólogo então se torna uma espécie de espelho, com o paciente projetando no Psicólogo sentimentos, pensamentos, fantasias e atitude defensiva que por direito pertencem a outra pessoa. Isso é feito principalmente em um nível inconsciente.

Leia também:  5 dicas de como pedir ajuda de forma eficaz e receber um sim

Longe de ser um sintoma de doença mental, isso é algo que todos fazemos na vida cotidiana. Você já teve uma reação muito forte a alguém aparentemente do nada, seja positiva ou negativa? Talvez algo nas palavras, maneirismos, aparência ou ações dessa pessoa o lembre de alguma outra pessoa influente em sua vida.

A transferência é uma parte normal e muito importante da terapia. Como o Psicólogo é essencialmente um estranho, já que provavelmente você sabe muito pouco sobre a vida dele fora das sessões, muitas coisas são projetadas nele.

Os padrões relacionais se repetem dentro da terapia e, se essas coisas são comentadas, podem levar a grandes insights e ações transformadoras.

Frequentemente, os Psicólogos referem-se a falar sobre o “aqui e agora”. Com isso, eles facilitam processar as emoções e pensamentos sobre o relacionamento entre o Psicólogo e o paciente que estão acontecendo no exato momento da sessão.

Este tipo de revelação é bem-vindo e encorajado. O “rompimento e reparo” do relacionamento serve para torná-lo mais forte e traz mudanças significativas para o paciente, pois ele poderá aplicar essas novas ferramentas aprendidas aos relacionamentos externos.

Falar sobre o relacionamento terapêutico pode parecer estranho no início. Esse tipo de comunicação não é algo que muitas pessoas estão acostumadas a fazer no dia a dia, principalmente nas relações profissionais.

Pode ser difícil imaginar um paciente dizendo ao seu Psicólogo: “Fiquei muito magoado com a forma como você me perguntou sobre meu peso e hábitos de atividade física”.

Leia também:  O Psicólogo pode ser considerado um Médico?

Quando ocorre uma dificuldade de relacionamento, o paciente tem alguma responsabilidade por sua parte na resolução do problema.

Responsabilidades do paciente

  • Trazer o problema à tona. Às vezes, os pacientes podem sentir ansiedade ao confrontar seu Psicólogo com um sentimento de raiva ou preocupação com a terapia. No entanto, trazer à tona questões relacionais é uma conversa bem-vinda para a maioria dos Psicólogos, pois pode trazer novos rumos para o processo terapêutico;
  • Expressar a raiva de maneira apropriada. Violência, xingamentos, abuso verbal e levantar a voz não são permitidos em nenhum ambiente. O melhor é falar sobre por que se está com raiva e o que se precisa do Psicólogo. Na maioria das vezes, sob os sentimentos de raiva estão sentimentos de mágoa ou medo;
  • Entender a diferença entre validar sentimentos e validar pensamentos. Embora os sentimentos de raiva, decepção, mágoa, medo ou insegurança sejam sempre válidos, às vezes os pensamentos que levaram a esses sentimentos podem não ser racionais. O Psicólogo ajudará a explorar o problema de uma forma que pode desafiar alguns pensamentos irracionais. Isso não significa que ele está dizendo que os sentimentos não importam. Pelo contrário, ele quer ajudar o paciente a entender de onde vêm esses sentimentos;
  • Estar aberto para fazer conexões com relacionamentos e experiências anteriores. Longe de invalidar a reação ou sentimentos, isso serve para normalizar essa reação e possivelmente encontrar melhores maneiras de lidar com a situação. Todos nós somos moldados por nossas experiências;
  • Estar disposto a trabalhar com o Psicólogo para desenvolver a compreensão, encontrar uma solução e restaurar o relacionamento;
Leia também:  As melhores maneiras de como parar de pensar em alguém

Resolver questões relacionais na terapia não é apenas responsabilidade do paciente, mas também do Psicólogo.

  • Receber bem as discussões sobre o relacionamento terapêutico;
  • Ser capaz de explorar o problema sem ficar na defensiva;
  • Validar os sentimentos do paciente, enquanto ajuda a desafiar pensamentos que podem não ser racionais ou úteis;
  • Aceitar a responsabilidade por sua parte na interação;
  • Estar disposto a trabalhar com o paciente para resolver qualquer problema e fazer alterações, se necessário.

Problemas de processamento no relacionamento terapêutico podem ser uma parte difícil da terapia. No entanto, os benefícios de trabalhar uma dificuldade relacional de maneira saudável com o Psicólogo valem a pena, apesar do desconforto.

Não apenas o relacionamento terapêutico se tornará mais forte, mas o insight obtido com a discussão também pode impactar positivamente os relacionamentos externos.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *