Cabeçalho site

Psicólogo online para vítimas de narcisismo em qualquer lugar do mundo

Início

Artigos

Sobre

Início » Por que meu Psicólogo não diz o que fazer?

Por que meu Psicólogo não diz o que fazer?

Psicólogo Emilson Silva de camiseta cinza e olhando para o lado direito e para cima

Questão: “Sou uma mulher que está prestes a fazer 30 anos e comecei a terapia pela primeira vez no ano passado. Fui porque ficou claro que o que eu pensava ser apenas “eu” era na verdade “eu com depressão”, e a terapia realmente me ajudou a reconhecer isso e a trabalhar com isso. Agora, talvez pela primeira vez na minha vida, eu sei o que é não ser temperamental o tempo todo (eu costumava pensar que isso era “normal”) e isso é incrível. O que quero dizer é que a terapia tem sido útil e até transformou minha vida, exceto por uma coisa.

Não sei por que meu Psicólogo não me diz o que fazer! Obviamente, não quero dizer o tempo todo, mas sinto que, em certas situações, ele poderia me dizer o que pensa, mas não o fará. Ele sabe que um dos meus problemas é que não recebi orientação enquanto crescia, e que basicamente tive que descobrir tudo sozinho, porque meus pais também não sabiam que deveriam estar me aconselhando (por exemplo, deixando a responsabilidade pela minha faculdade totalmente para mim) ou eles me deram conselhos errados (uma vez que quase perdi um amigo depois de seguir seu conselho quando eu ainda era muito jovem para saber o quão ruim o conselho realmente era).

Não é que meus pais não sejam pessoas bem-intencionadas. Acontece que, em muitos aspectos, eles são ignorantes. Eles sempre tomavam decisões ruins em suas próprias vidas (algumas foram desastrosas, como quase perder nossa casa) então quando se tratava da minha própria vida, amigos, namoro, faculdade, pós-graduação, carreira, eu não tinha modelos ou mentores em meus pais, como a maioria dos meus amigos.

Para ser justo com meu Psicólogo, eu entendo que não sou mais uma criança e que ele quer que eu descubra as coisas sozinho como um adulto, e eu entendo isso até certo ponto. Mas se é uma pergunta simples, algo prático ou algo que não é um problema psicológico profundo, por que não dizer simplesmente o que fazer? Estou falando sobre os tipos de perguntas que as pessoas da minha idade fazem rotineiramente aos próprios pais, como: faz sentido comprar uma casa agora, já que posso pagar, ou devo manter meu apartamento com aluguel? Ou, se uma mulher que um conhecido do trabalho namorou por alguns meses a mais de um ano atrás está me convidando para sair, está tudo bem em aceitar, mesmo que esse conhecido provavelmente fique infeliz com isso?

Livre-se do narcisismo em sua vida!

Psicólogo Emilson Silva com camisa roxa e rindo

Com mais de 12 anos de experiência, já ajudei milhares de pessoas a superarem algum tipo de abuso narcisista.

Só quero saber o que ele sugeriria, não que eu necessariamente fizesse isso, mas pelo menos teria a opinião de um adulto estável em quem confio.

Já que você é um Psicólogo, você já deu conselhos às pessoas em terapia? Você deve ter opiniões sobre se as pessoas devem terminar com seus namorados ou namoradas, parar de falar com um amigo, ou comprar uma casa agora ou esperar para se estabelecerem mais. Por que não dar aos pacientes uma perspectiva do que fazer? Acho essa parte da terapia muito frustrante.

Resposta: Adivinha? Vou te dar alguns conselhos. Aqui está o que acho que você deve fazer:

  1. Compre um apartamento agora;
  2. Vá para o encontro com sua colega de trabalho.

Mas espere, antes de seguir esse conselho, deixe-me dar um último conselho:

  • Por favor, não siga meu conselho!

Porque, se o fizer, provavelmente ficará tão desapontado comigo quanto com seus pais. Meu conselho, como o de seus pais ou mesmo o de seu Psicólogo (caso ele o desse) pode ser bem-intencionado, mas não o ajudará da maneira que você espera.

Por um lado, apesar das minhas boas intenções, tudo o que um Psicólogo sugerir será mediado por seus próprios preconceitos e experiências de vida. Portanto, embora ele tenha levado em consideração sua situação de vida, também é verdade que ele poderia aconselhá-lo a comprar um lugar, em parte porque o Psicólogo pode ter comprado sua casa aos 30 anos.

Em outras palavras, o conselho do Psicólogo pode ficar obscurecido por suas crenças pessoais sobre a valorização imobiliária.

Da mesma forma, ele aconselhar que você fosse ao encontro porque se fosse ele com quase 30 anos e realmente gostasse de uma garota, e não fosse próximo de uma mulher que saiu com ele por um breve período de um ano atrás, o Psicólogo iria no encontro.

Mas você pode ter diferentes ideias, valores e tolerância. O que pode ser uma boa ideia para o Psicólogo pode ser um desastre para você. E ao lhe dar conselhos, o Psicólogo estará projetando seus próprios valores e crenças sobre o mundo em você, em vez de ajudá-lo a adquirir um senso mais forte de si mesmo.

Sempre haverá uma lacuna entre o que o Psicólogo pode aconselhar e o que é melhor para o paciente.

Um Psicólogo pode ver um casal e pensar que eles deveriam se divorciar, mas algumas pessoas preferem estar em um casamento altamente conflituoso do que ficar sozinhas, não importa o quanto o Psicólogo acredite que ficar sozinho por um tempo é melhor do que um casamento conflituoso.

A vida de nossos pacientes é deles para viver, não do Psicólogo.

Mesmo assim, você não é o único a querer que seu Psicólogo lhe diga o que fazer. O tempo todo me perguntam qual trabalho uma pessoa deve assumir, se ela deve ou não ter outro filho, e se deve ir para a caótica casa de sua família nas férias ou fazer algo mais agradável.

E quando o Psicólogo não satisfaz esse desejo, pode parecer que ele está sadicamente retendo “a resposta” que, na visão dos pacientes, pode facilmente resolver seus problemas mais urgentes.

Uma das surpresas de se tornar um Psicólogo tem sido a frequência com que as pessoas querem que lhes digam exatamente o que fazer, como se o Psicólogo tivesse a “resposta certa”, ou como se as respostas “certas” ou “erradas” existissem para a maior parte das escolhas que nós fazemos em nossas vidas diárias.

Como Psicólogo, sou treinado para entender as pessoas e ajudá-las a decidir o que querem fazer, mas não posso fazer escolhas de vida por elas.

Não sou especialista em imóveis, em escolha de carreira ou, o mais importante, adivinho. Parte do que as pessoas querem com o conselho de um Psicólogo é o alívio da incerteza. Se o Psicólogo disser X, não preciso ficar sentado com minha ansiedade em torno da ambiguidade.

Uma coisa certa sobre a vida é sua incerteza, e a incapacidade de tolerar a incerteza deixa as pessoas presas na indecisão. Aprender a desacelerar e refletir sobre suas escolhas e antecipar as consequências potenciais de suas ações ajuda a diminuir sua ansiedade a longo prazo. Seguir o conselho de um Psicólogo alivia a ansiedade no momento, mas esse alívio não vai durar muito tempo.

No início da minha formação, senti uma pressão tremenda para dar conselhos, até que percebi que as pessoas se ressentem de ouvir o que fazer. Sim, elas podem perguntar, repetidamente e incansavelmente, mas depois que você realmente lhes conta, o alívio inicial é frequentemente substituído por ressentimento.

Isso acontece mesmo que as coisas corram bem, porque, em última análise, os humanos precisam ter o arbítrio de suas vidas, e é por isso que as crianças passam a infância implorando para tomar suas próprias decisões, em vez de que sejam tomadas por elas.

Por trás de um pedido de conselho está a suposição de que Psicólogo é um ser humano mais competente que você. O pensamento que pode ocorrer é: Quem sou eu para tomar as decisões importantes em minha própria vida? Estou realmente qualificado para isso?

Seu Psicólogo, por outro lado, é considerado o especialista, um “pai substituto”, aquele que sabe o melhor. E você é uma criança no corpo de um adulto que fantasia sobre como seria bom abdicar de toda a sua responsabilidade e deixar um adulto capaz fazer o trabalho pesado de fazer escolhas difíceis.

Parece mais seguro ter outra pessoa para decidir. Que alívio poder culpar outra pessoa por uma decisão errada, para que a dor de um desfecho ruim não seja ampliada por ter sido eu aquele que criou o “erro”.

No entanto, esse é um tipo de evitação enganosa, porque o conselho do seu Psicólogo o deixará com raiva e inseguro.

Você pode implorar, implorar e bajular até que ele, às 18h de uma sexta-feira, esteja tão exausto que lhe dê o conselho que você deseja. E sua primeira reação pode ser exaltação! Finalmente! Inicialmente, você pode se sentir apoiado e cuidado de uma forma nunca vista antes.

Mas o que você poderia fazer com este conselho, tão desejado, dado por um Psicólogo? Apesar de receber exatamente o que pediu, você pode não conseguir colocar em prática. Você pode procrastinar, inventar todos os tipos de razões pelas quais não vai executar o conselho recebido.

E então você se sentirá mal por não ter conseguido. E você vai começar a pensar: me sinto mal porque meu Psicólogo me fez sentir mal ao tentar me dizer o que fazer. Vai sentar no sofá dele todas as semanas, sem dizer que não fez o que ele sugeriu, porque se ressente dele por interferir na sua voz, por fazer você sentir que sua opinião não importa.

Além disso, você será consumido pela vergonha que sente por desagradá-lo ao não fazer o que ele aconselhou. No final, ninguém fica feliz.

É por isso que obter conselhos não é a solução para os seus problemas.

Por trás de toda essa ansiedade sobre o que fazer com seu apartamento, o convite para sair com a garota e as dezenas de outros conselhos que você pode ter requerido, está a esperança de seu Psicólogo de que você faça sua própria escolha. Não agora, mas quando você estiver pronto, e o objetivo dele em cada sessão é ajudá-lo a se preparar.

Desde o primeiro dia o Psicólogo está pensando em como fazer com que o paciente não precisem mais dele. Um Psicólogo quer que você aprenda a confiar em si mesmo. Ele quer que você pare de lhe pedir para brincar de Deus com sua vida, porque não ele não é um Deus.

Psicólogo são mortais que fazem o melhor para compreender os padrões e tendências de comportamento, dores e anseios, para que seus pacientes assumam a responsabilidade por suas próprias vidas.

Livre-se do narcisismo em sua vida!

Psicólogo Emilson Silva com camisa roxa e rindo

Com mais de 12 anos de experiência, já ajudei milhares de pessoas a superarem algum tipo de abuso narcisista.

Todos nós travamos essa batalha interna até certo ponto: criança ou adulto? Segurança ou liberdade? Em última análise, cada decisão que tomamos é baseada em duas coisas:

  • Medo e;
  • Amor.

Às vezes, o medo vence, às vezes o amor, e às vezes é sábio ouvir o medo, outras vezes, o amor. Se há uma coisa que um Psicólogo está tentando mostrar a você, é como diferenciá-los. E ele está mostrando isso, pedindo que você pratique o ouvir a si mesmo, de modo que possa usar esses sentimentos como uma bússola para apontar a melhor direção possível.

Os Psicólogos podem não dar conselhos, mas dão orientação. E se há uma coisa que seu Psicólogo sabe é que as verdades mais poderosas, aquelas que as pessoas levam mais a sério, são aquelas que elas descobrem por conta própria.


Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *