Cabeçalho site

Psicólogo online para vítimas de narcisismo em qualquer lugar do mundo

Início

Artigos

Sobre

Início » Outros » Por que os casais brigam: quais são os 5 principais motivos?

Por que os casais brigam: quais são os 5 principais motivos?

Por que os casais brigam: quais são os 5 principais motivos

Por que os casais brigam? A maioria de nós não percebe que há padrões na forma como brigamos. Pergunte a si mesmo: “Você está brigando repetidamente pelas mesmas coisas ?”. Pois saiba que seus motivos podem ser mais comuns do que você imagina.

Sabia aproximadamente 69% dos conflitos conjugais nunca são resolvidos? Sim, 69%! Isso significa que os casais brigam pelo mesmo motivo repetidamente, sem conseguir encontrar uma solução.

Por outro lado, isto pode ser um boa notícia se identificarmos padrões em nossas brigas, então isso significa que:

  1. Não estamos sozinhos e;
  2. Podemos estudar, prever e corrigir as diferenças antes que aconteça um divórcio.

Os cinco problemas mais comuns que os casais enfrentam são:

Livre-se do narcisismo em sua vida!

Psicólogo Emilson Silva com camisa roxa e rindo

Com mais de 12 anos de experiência, já ajudei milhares de pessoas a superarem algum tipo de abuso narcisista.

  1. Falta de tempo para a relação;
  2. Dinheiro;
  3. Tarefas domésticas;
  4. Intimidade Física, ou sexo;
  5. Família grande.

Qual destes problemas é o mais comum em seu relacionamento?

Veja algumas maneiras de usar a ciência dos casais para ajudar no seu relacionamento:

Desenvolva uma nova mentalidade

Mude o foco para “brigar melhor”, ao invés de “brigar menos”. Por quê? Brigar melhor é ter discussões, não argumentos. Ou melhor, trata-se de ouvir respeitosamente a outra pessoa quando surgirem problemas que parecem não se resolver. Lutar menos também requer muito mais empenho e esforço.

Todos nós queremos diminuir as brigas, mas o objetivo deste artigo é aprofundar a compreensão, e isso pode significar brigar melhor.

Identifique os problemas

Uma das discussões mais interessantes que os casais que brigam devem ter é identificar os “problemas perpétuos”. Sente-se com o seu parceiro e analise todos os argumentos que você utilizou recentemente, ou qualquer grande briga nos últimos meses. Tente identificar os padrões sob os argumentos.

Algum deles caiu em algum dos 5 anteriormente citados ?

Depois de identificar os padrões, delineie claramente o argumento de cada parceiro. Porém, sem julgamentos. Por exemplo, o gasto financeiro. Uma das partes gosta de se dedicar regularmente a pequenos jantares, ao passo que a outra parte gosta de economizar para grandes banquetes. Desta forma você sabe onde ambos estão.

Não generalize os problemas

Se já se conhece seus problemas e o do outro, então é muito importante manter pequenos argumentos compartimentados e específicos para a situação. Isso ajuda a se concentrar no assunto e mantém a discussão como apenas isso: uma discussão.

Já que se sabe que há diferenças fundamentais no argumento maior, não há razão para trazê-lo para as discussões cotidianas. Evite generalizar o comportamento da outra pessoa. Tente não dizer “você sempre faz isso” ou “você nunca …”.

Não utilize argumentos ou ofensas do passado. Eu sei que é difícil, mas isso só vai agravar um problema que já está ruim.

Comece com um acordo

Se o mesmo problema aparecer diariamente e você precisar resolvê-lo, comece com um acordo. Casais de sucesso que estão juntos há muito resolvem seus problemas de uma forma suave, e nunca começam com críticas.

De fato, começar com um acordo é a melhor maneira de evitar uma discussão. Encontre algo que concordem e comecem por aí.

Olhe sob a perspectiva do argumento

Este é o mais difícil, mas também o mais importante. Às vezes, os casais que brigam têm problemas subjacentes por trás do problema principal. Pense sobre o que está acontecendo por trás da discussão. Existem diferenças baseadas em valores, crenças ou ideais ?

Você pode estar argumentando sobre conceitos filosóficos básicos, como o senso de si mesmo, o poder, a liberdade, o cuidado, o que significa família, o que significa lar ou controle.

Por exemplo:

Esposa: Estou muito chateada agora.
Homem: Por quê?
Esposa: Eu preciso de mais ajuda na casa.
Homem: Por que você se sente assim?
Esposa: Eu me sinto sobrecarregada e sobrecarregada com as coisas que precisam ser feitas.
Homem: Por que você se sente sobrecarregado?
Esposa: Parece que tudo sobra pra mim no final do dia.
Homem: Por que você acha que tudo sobra para você?
Esposa: Eu não vejo você se oferecendo para ajudar e isso me deixa frustrada.
Homem: Por que isso acontece?
Esposa: Isso me faz sentir subestimada.

Pronto, agora o casal descobriu alguma coisa! Sim, ajudar em casa é ótimo, mas tudo se resume a sentir-se subestimado.

Se o marido fizesse com que a esposa se sentisse mais apreciada, talvez agradecendo-a pelo que já foi feito, isso poderia ser ainda mais benéfico do que ajudar. Combinar ajuda e gratidão pode ser o melhor curador nessa luta.

Pratique a aceitação

Conhecer seus problemas e onde você está ajudará a evitar que se tenha a mesma discussão repetidas vezes. Concordar em discordar e nomear o problema evitará argumentos no futuro.

Por exemplo: Férias com os sogros. O marido não gosta de sair de férias com os sogros, e a esposa o faz.
Localização: Viagem à uma cidade qualquer durante um feriado.
Concordam: Eles precisam de férias.
Razão: A esposa descobre que o motivo do marido não gostar de sair com os sogros não tem nada a ver com eles. Ele os ama ! O que ele quer é mais tempo junto, a sós com a esposa. Estão tão ocupados durante a semana que um feriado é a  única vez que podem se reunir.
Aceitação: Não é um ataque aos sogros ou um desejo de não passar férias juntos. Uma possível alternativa seria sair de férias alguns dias antes de os sogros chegarem.

Livre-se do narcisismo em sua vida!

Psicólogo Emilson Silva com camisa roxa e rindo

Com mais de 12 anos de experiência, já ajudei milhares de pessoas a superarem algum tipo de abuso narcisista.

Sucesso !

O que os casais que brigam precisam aprender é que os problemas perpétuos sejam mais parecidos com um parente louco que aparece de surpresa, e menos como o cão raivoso escondido no armário.

Em outras palavras, quanto mais o assunto for discutido e tolerado, mais fácil e menos cheio de armadilhas ele será.


Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *