Cabeçalho site

Psicólogo online para vítimas de narcisismo em qualquer lugar do mundo

Início

Artigos

Sobre

Início » Outros » Por que seu Psicólogo não pode ser seu amigo?

Por que seu Psicólogo não pode ser seu amigo?

Mulher de óculos e com um casaco marrom fazendo um gesto de pare com a mão esquerda

Este conteúdo não foi escrito por inteligência artificial.
Assim, você tem garantia de que ele possui qualidade, precisão e originalidade.


Na verdade, existem boas razões pelas quais seu Psicólogo não pode ser seu amigo.

A relação terapêutica é diferente por design. É uma diferença importante no sentido de que os limites profissionais existem e devem permanecer assim.

Você pode topar com ele no supermercado ou encontrá-lo a apenas alguns lugares de distância nas arquibancadas de um jogo de futebol, e é natural ver essa pessoa como um amigo.

Faz sentido que você queira normalizar o relacionamento pedindo para ir tomar um café ou almoçar; ou convidá-lo para um casamento de família ou ainda, saber mais sobre a vida dele.

Livre-se do narcisismo em sua vida!

Psicólogo Emilson Silva com camisa roxa e rindo

Com mais de 12 anos de experiência, já ajudei milhares de pessoas a superarem algum tipo de abuso narcisista.

Limites claros e definidos precisam existir

A fronteira do atendimento psicológico é muito parecida com uma fronteira em um pedaço de terra. É uma linha que ambas as pessoas reconhecem e honram, é uma linha que diz onde o relacionamento começa e termina.

E é isso que diferencia o Psicólogo de outras pessoas em sua vida.

Não existe um padrão definido para as particularidades dos limites. Diferentes modelos de terapia têm ideias diferentes sobre os limites dessa fronteira. Diferentes Psicólogos operam de acordo com seu treinamento e suas próprias idéias sobre o que significa “estabelecer” um relacionamento.

É por isso que alguns Psicólogos:

Mas, independentemente das especificidades, os Psicólogos geralmente concordam que limites definidos fornecem segurança para si e o paciente, estabelecendo claramente uma estrutura para o relacionamento que é consistente, confiável e previsível.

A intenção é garantir que o que acontece na sessão seja para o benefício do paciente, não dos Psicólogos.

Cada tópico de discussão e interação é o mais deliberado possível e destina-se a levar o paciente a seus objetivos terapêuticos.

Seu Psicólogo é responsável por deixar os limites claros no início do trabalho conjunto. Noções básicas como quando e onde você se reunirá, taxas, consequências por você não comparecer a uma sessão e as expectativas de contato dentro ou fora do escritório devem ser explicadas claramente.

O Psicólogo deve explicar cuidadosamente as regras de confidencialidade para que não haja mal-entendidos sobre quem tem acesso às informações de suas sessões e o que acionaria a notificação das autoridades.

O contato físico deve ser evitado

Abraços e contato físico afetuoso geralmente não são bons. Houve confusão sobre isso durante as décadas de 1970 e 1980.

Na tentativa de romper a rigidez da análise freudiana clássica, algumas escolas de terapia defendiam que o Psicólogo deveria ser “humano” e oferecer abraços seguros.

Atualmente entende-se que abraços ou outras demonstrações de afeto entre o Psicólogo e o cliente obscurecem o significado do relacionamento.

Às vezes, se for ritualizado, pode não haver problema. Mas se o paciente estiver desconfortável ou o Psicólogo não for um profissional de respeito, pode haver confusão de papéis.

O Psicólogo precisa deixar claro que ele ou ela nunca aceitará presentes ou favores especiais seus. Você está pagando pelo tempo e pela experiência dele e não há necessidade de fornecer qualquer outra compensação.

Ao manter o profissionalismo, o Psicólogo mantém seu relacionamento claro. Há muito menos perigo de você interpretar mal a preocupação com sua segurança por interesses pessoais, mesmo românticos.

O Psicólogo permite que você explore seus sentimentos, mesmo possíveis sentimentos românticos ou sexuais, sem medo de que ele cruze os limites.

Às vezes, isso é crucial para a cura, especialmente se seus problemas incluem lidar com abusos do passado.

Violação da fronteira profissional

Sim, às vezes os Psicólogos violam suas próprias regras. Eles podem:

  • Decidir dar uma volta no quarteirão com um adolescente impaciente que simplesmente não consegue se sentar confortavelmente com um adulto;
  • Sair com um cliente agorafóbico como parte de um processo de dessensibilização;
  • Abrir uma exceção quando alguém está em um hospital ou em casa devido a um ferimento;
  • Não aceitar convites para ir aos eventos marcantes de um paciente (casamento, funeral, formatura), mas pode tomar uma decisão cuidadosa de quebrar essa regra quando for útil para o paciente.

O fator importante na tomada de decisão de cruzar uma fronteira é o julgamento mútuo de que é claramente para o benefício do paciente.

O significado da travessia precisa ser cuidadosamente discutido na sessão.

Ultrapassando o limite

Cruzar uma fronteira para servir ao paciente é diferente de violar uma fronteira para servir às necessidades do Psicólogo.

Se um Psicólogo explora seu poder sobre o paciente para satisfazer suas próprias necessidades sexuais, financeiras ou do ego, isso é uma violação dos limites.

Namorar um paciente, ligar e aceitar ligações que são principalmente de natureza social ou usar o tempo do cliente para desabafar sobre os problemas do Psicólogo não está certo.

Responder às solicitações de um paciente, até mesmo à insistência, para que ele se encontre informal ou socialmente é uma violação mais sutil, porém importante.

Isso confunde o relacionamento e torna difícil para o paciente confiar ou realizar seu trabalho terapêutico.

A travessia às vezes é aconselhável. Violar é imperdoável.

As responsabilidades do paciente

É importante para todos nós reconhecermos que as pessoas podem ser amigáveis ​​e solidárias, mas não podem ser amigas.

Pessoas que crescem em famílias sem fronteiras não aprendem que as pessoas têm papéis diferentes em nossas vidas.

Frequentemente, elas atribuem mais significado a um relacionamento do que a outra pessoa pretende.

Elas são vulneráveis ​​a repetidas mágoas porque experimentam rejeição quando a outra pessoa não vê o relacionamento como eles vêem.

O relacionamento terapêutico pode fornecer prática em compartilhar um objetivo sem estender o relacionamento para compartilhar uma vida. Seja egoísta. Você está lá (pagando) para atingir seus objetivos pessoais, não para fazer um novo amigo.

Para que a terapia seja eficaz, o foco precisa estar em você. A amizade requer dar e receber, enquanto a terapia não.

Sim, seu Psicólogo deve ser gentil, compassivo e compreensivo. Mas ele não deve usar sua hora para lidar com seus próprios sentimentos, problemas, sucessos e fracassos.

Mantenha o foco. Sua sessão de terapia deve ser usada apenas para ajudar a aliviar seus sintomas e ajudá-lo a aprender como administrar sua vida de maneiras novas e mais eficazes.

Seja honesto. O único material com que um Psicólogo precisa trabalhar é o que você apresenta.

Se você esconder as informações do seu terapeuta, você limitará a quantidade de ajuda que pode obter.

Não cruze ou viole os limites sozinho. Se você sente que quer mais do relacionamento, faça o possível para conversar sobre isso, não encenar.

Sentimentos positivos, até mesmo românticos, em relação ao Psicólogo são normais e esperados. Especialmente se você não teve o suficiente (ou nenhuma) experiência de receber uma relação calorosa e de apoio, é natural começar a fantasiar sobre ter algo mais.

Livre-se do narcisismo em sua vida!

Psicólogo Emilson Silva com camisa roxa e rindo

Com mais de 12 anos de experiência, já ajudei milhares de pessoas a superarem algum tipo de abuso narcisista.

Mas isso é material para o seu trabalho em conjunto, não algo para agir. Se você agir de alguma forma, converse sobre isso. Isso manterá você e seu Psicólogo seguros.

Os presentes não são apropriados. O relacionamento terapêutico não é uma amizade. É uma relação profissional. Você paga pelos serviços.

O Psicólogo está fazendo um trabalho para você pelo qual é pago. Não há problema em dar um bilhete ou cartão no final do tratamento, se você sentir que deve dizer mais do que um adeus.


Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *