Como dispensar sua Psicóloga da forma correta?

Aperto de mão entre entre homens negros

Categoria: Terapia online

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Qualquer pessoa que faz ou já fez terapia sabe que dispensar sua Psicóloga é uma tarefa difícil, já que construiu com ela um relacionamento recompensador, transformador e com base na confiança. Mas, infelizmente todas as coisas boas precisam acabar, e com a terapia não é diferente.

O término da terapia costuma ser tão importante, senão mais, do que o próprio “trabalho” em si. Falar sobre seus sentimentos mais íntimos, aparecer toda semana (mesmo quando você não queria), e aprender a enfrentar alguns sentimentos difíceis não foi uma tarefa fácil. É por isso que dispensar sua Psicóloga é algo que merece respeito.

É um momento para honrar o processo pelo qual você passou, aceitar os altos e baixos e refletir sobre o que tudo isso significa no futuro.

Como saber se é hora de dispensar sua Psicóloga?

Um bom sinal de que é hora de dispensar sua Psicóloga é quando você sente que alcançou os objetivos que inicialmente se propôs. Se você foi à terapia com problemas de raiva, por exemplo, e sente que identificou os gatilhos e desenvolveu estratégias eficazes para lidar com ela, provavelmente sentirá que a terapia alcançou seu objetivo.

Em cenários de rescisão menos ideais, os pacientes sentem como se tivessem atingido uma parede. Embora a depressão tenha melhorado no início, por exemplo, o progresso estagnou. Desafios logísticos, como conflitos de agendamento ou dificuldades financeiras, também são razões válidas para encerrar a terapia.

Você se sentirá confuso após dispensar sua Psicóloga

Você pode estar sentindo um grande alívio ao se aproximar das últimas sessões. Parece que de repente você ganha mais tempo, mais dinheiro e faz uma pausa para ter que pensar sobre as coisas difíceis da sua vida. No minuto seguinte, está tremendo, se perguntando como vai lidar com a situação sem sua Psicóloga e se está realmente pronto.

Leia também:  6 maneiras de se abrir e falar na terapia

Dispensar sua Psicóloga é um processo embaraçoso, emocional ou até doloroso, mesmo quando você está satisfeito com o progresso que fez e está fazendo uma escolha consciente para seguir em frente.

Se você está se sentindo assim, lembre-se que você internalizou muito mais do que pensa, e agora é a hora de experimentar alguns de seus novos mecanismos de enfrentamento. Muitas pessoas voltam para a terapia mais tarde, então esteja disposto a isso também.

Dispensar sua Psicóloga trará memórias sobre despedidas

É normal que o término da terapia traga à tona memórias de outras despedidas e perdas e, como tal, falar sobre o fim da terapia oferece uma oportunidade para processar finais difíceis que aconteceram antes.

Dispensar sua Psicóloga também permitirá que você examine como vivencia os términos, e também descobrir maneiras úteis de administrar as emoções difíceis que geralmente o acompanham.

Os finais repentinos e/ou não planejados são especialmente difíceis, e muitas vezes deixam coisas não ditas. Essa experiência nos deixa com a sensação de falta de controle.

Em contraste, ao dispensar sua Psicóloga, você estará se dando a oportunidade de fazer as coisas de uma forma planejada e consensual. Muitos relatam que este é um processo de fortalecimento e restauração.

Converse sobre o término da terapia

Alguns consideram a perspectiva de dispensar a Psicóloga difícil, triste ou assustadora. Outros anseiam pelo seu fim, tornando o processo desconfortável e exigente. Mais frequentemente, essas emoções conflitantes são sentidas simultaneamente, e em graus diferentes.

Quaisquer que sejam as emoções que a ideia de dispensar sua Psicóloga venha à tona, será importante deixar isso claro para ela, de modo que você dê à ela o espaço para processá-las.

Discutir abertamente os sentimentos desconfortáveis ​​e os próximos passos irão ajudá-lo a chegar ao fim, processar os sentimentos de perda e desenvolver um plano para manter o progresso que fez.

Sempre comunique suas razões

Alguns pacientes simplesmente param de comparecer às sessões ou de retornar as ligações, sendo o que chamamos de “paciente ghost“. Mas, esta nunca é a melhor estratégia parar terminar a terapia, pois isso impede de você processar quaisquer sentimentos associados ao término do relacionamento, bem como deixará a Psicóloga sem saber por que saiu saiu, e se ele planeja voltar.

Em vez disso, diga que está pensando em encerrar a terapia e os motivos. Juntos, vocês devem revisar o progresso e determinar se o término seria do melhor interesse para ambos. Embora a Psicóloga possa contra-argumentar ou sugerir que mais tempo na terapia seria apropriado, ele nunca deve te pressionar a ficar ou se chatear.

Quando dispensar sua Psicóloga?

Finais são uma experiência emocionante para pacientes e Psicólogos, e falar sobre o término da terapia é um tópico desconfortável. Por esse motivo, raramente é discutido com a frequência que deveria ser.

Leia também:  Você e uma pessoa conhecida podem ter o mesmo Psicólogo?

Diferentes Psicólogos e estilos terapêuticos têm diferentes tradições sobre quando falar a respeito do término da terapia. Por exemplo, em alguns casos, encerrar a terapia é uma ideia que está presente desde o início, principalmente se você estiver trabalhando em um período de tempo fixo.

De fato, alguns argumentam que o tópico dos términos deve ser levantado ao longo do curso de qualquer terapia, e bem antes da data planejada, de modo a evitar que o ela seja um choque.

Em outras terapias, os términos são mais fluidos e flexíveis. Ou sejam, alguns Psicólogos sugerem o assunto quando acham que é o momento apropriado, enquanto outros podem deixar isso para o paciente.

Dispensar sua Psicóloga faz parte do processo

Em todas as tradições terapêuticas, é importante reconhecer que a terapia estará chegando ao fim, de modo a resumir os temas de seu trabalho, consolidar o aprendizado, pensar em maneiras de manter seu progresso e discutir quaisquer emoções que isso acarrete.

O final é muito mais do que apenas dizer “Obrigado e tchau”. O final é a hora de realmente refletir sobre o quão longe você chegou, para pensar sobre como as coisas mudaram, e sobre o que está por vir.

Não se esqueça, sua terapia é para você: se sentir que é o momento certo para dispensar sua Psicóloga, não importa em que estágio você esteja, comunique-a. Isso será particularmente importante se você tende a achar os finais difíceis. Realmente não existe hora certa ou errada.

Não se preocupe em dispensar sua Psicóloga!

Alguns pacientes acham difícil trazer à tona o tema do término porque temem que seu Psicólogo se sinta rejeitado ou magoado. Em minha experiência, esses sentimentos tendem a ser sentimentos de rejeição deslocados do próprio paciente.

É normal se perguntar o que seu Psicólogo estará pensando quando você chegar ao fim. Será que ele sentirá sua falta? Ele vai dar um suspiro de alívio?

As pessoas muitas vezes se preocupam com os sentimentos de seus Psicólogos e passam muito tempo pensando sobre isso, e não o suficiente se preocupando com elas mesmas.

Você realmente não precisa se preocupar, pois bons Psicólogos sabem fazer bem os términos e respeitarão suas razões para querer terminar a terapia. Eles também verão o final como difícil, mas vão querer celebrar todo o trabalho que você fez e o relacionamento que você tem.

O que vem depois de dispensar sua Psicóloga?

O cerne de toda terapia psicológica reside em ter um relacionamento forte com sua Psicóloga, e não é incomum se preocupar em perder essa fonte regular de apoio. Se este for o seu caso, é importante pensar sobre o que você fará para atender a essa necessidade de outras maneiras, seja recorrendo ao apoio de outras pessoas e/ou usando habilidades e conhecimentos que você desenvolveu.

Leia também:  As situações onde a terapia pode trazer prejuízos

Pode ser tentador buscar terapia adicional neste momento, mas muitos Psicólogos desencorajam isso. O período após o final da terapia oferece uma oportunidade importante para praticar as habilidades que você aprendeu e colocar em prática o novo aprendizado.

Se você está preocupado em fazer tudo sozinho, será importante discutir isso em suas sessões em tempo hábil, para que você possa pensar junto com seu Psicólogo sobre como você pode gerenciar melhor esse período de transição.

Dispensar sua Psicóloga é uma parte importante do processo terapêutico, às vezes comparada ao último capítulo de um livro ou ao último capítulo de um programa de TV, onde pontas soltas são reunidas e algum tipo de conclusão é alcançada.

Assim como terminar um bom livro ou programa favorito, este é um processo triste, mas também gratificante, permitindo que você passe para a próxima fase de sua vida.

Você pode voltar para sessões de manutenção?

Após dispensar sua Psicóloga, a porta sempre estará aberta para que possa retornar, se assim desejar. Em alguns casos, isso significa reiniciar a terapia regular após uma ausência de vários meses ou anos, enquanto em outros casos isso pode significar “sessões de reforço” para verificar o progresso e reforçar o uso de habilidades de enfrentamento.

Publicidade

Como parte do término, você e seu Psicólogo devem discutir o potencial para novas sessões e em que circunstâncias elas podem ocorrer.

Amizades com pacientes anteriores é uma área nebulosa. Não são explicitamente proibidas e ocorrem, mas muitos Psicólogos se recusam a se socializar com um ex-paciente. Muitos aderem à regra “uma vez paciente, sempre paciente”.

Psicólogos deixam a porta aberta para os pacientes retornarem à terapia após o término, e visam manter limites firmes caso isso ocorra. Outros acreditam que a dinâmica de poder estabelecida na terapia torna impossível a verdadeira amizade.

O Psicólogo pode encerrar a terapia com um paciente?

Sim. Se um Psicólogo entende que não é mais capaz de fornecer o cuidado adequado a alguém, o código de ética exige que ele encaminhe o paciente a outro profissional que seja mais adequado às suas necessidades.

Por exemplo, se um paciente que iniciou a terapia com um problema específico, como depressão, começa a apresentar novos problemas (como abuso de substâncias ou agressão sexual) que está além da sua experiência, ele deve determinar que o término e o encaminhamento é a melhor solução.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *