Como é o relacionamento entre narcisista e borderline?

Foto em preto e branco de um homem de meia idade

Categoria: Borderline
Categoria: Narcisismo

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

O relacionamento entre narcisista e borderline é desafiador e complexo. Ambos os distúrbios de personalidade têm características distintas que se chocam ou se complementam de maneiras imprevisíveis.

Atração inicial

A atração inicial entre um narcisista e um borderline é intensa e até mesmo viciante. Ambos os indivíduos possuem características que, de certa forma, se complementam e criam uma dinâmica peculiar na relação. O narcisista é atraído pela vulnerabilidade e necessidade de aprovação do borderline, enquanto o borderline é atraído pela confiança e segurança aparente do narcisista.

Um dos fatores que contribui para essa atração inicial é o fato de que o narcisista, com sua autoestima elevada, fornece ao borderline a atenção e admiração que ele tanto busca. O narcisista, por sua vez, se sente poderoso ao exercer controle sobre o borderline, alimentando seu ego e suprindo sua necessidade de ser adorado.

Além disso, a dinâmica de poder presente nessa relação também é um fator de atração. O narcisista busca ter o controle e ser o centro das atenções, enquanto o borderline se sente atraído por essa intensidade e pela sensação de ser desejado e valorizado pelo narcisista.

Leia também:  O que os narcisistas fazem quando ninguém está olhando?

Ciclos de idealização e desvalorização

Um dos principais padrões em um relacionamento entre narcisista e borderline é o ciclo de idealização e desvalorização. No início do relacionamento, o narcisista idealiza o parceiro, colocando-o em um pedestal e oferecendo amor e atenção intensos.

No entanto, com o tempo, o narcisista começará a desvalorizá-lo, criticando-o e diminuindo sua autoestima. Esse ciclo se repetirá várias vezes, causando danos emocionais significativos.

O ciclo de idealização

No início do relacionamento, o narcisista idealiza o parceiro borderline. Nesse estágio, o narcisista enxerga o borderline como perfeito, colocando-o em um pedestal e admirando todas as suas qualidades. O narcisista se sente atraído pela intensidade emocional do borderline, que muitas vezes busca suprir as necessidades emocionais do narcisista.

Publicidade

O narcisista, durante o ciclo de idealização, oferece amor, atenção e afeto em excesso, criando uma ilusão de um relacionamento perfeito. Essa fase é marcada por uma intensa paixão e conexão emocional, onde ambos os parceiros se sentem amados e valorizados. No entanto, o ciclo de idealização é temporário e, eventualmente, dá lugar ao ciclo de desvalorização.

O ciclo de desvalorização

No ciclo de desvalorização, o narcisista começa a enxergar falhas e imperfeições no parceiro borderline. Essas falhas são exageradas ou até mesmo inventadas pelo narcisista, como uma forma de justificar sua própria falta de empatia e comprometimento emocional.

O narcisista passa a criticar, menosprezar e desvalorizar o parceiro borderline. Ele se torna frio, distante e indiferente, ignorando as necessidades emocionais do parceiro. O objetivo do narcisista nessa fase é manter o controle e a superioridade, minando a autoestima e a confiança do borderline.

Leia também:  Os melhores sinais para identificar uma mãe narcisista

Por sua vez, o borderline se sente confuso, inseguro e desamparado diante das mudanças bruscas de comportamento. Ele se esforça para agradar o narcisista, buscando constantemente a aprovação e validação, mesmo que isso signifique sacrificar suas próprias necessidades.

A alternância entre os ciclos

Os ciclos de idealização e desvalorização se repetem ao longo do relacionamento, criando uma montanha-russa emocional para o borderline. O narcisista alterna entre momentos de amor intenso e adoração, seguidos por momentos de desdém e crueldade.

Essa alternância de comportamentos deixa o borderline em um estado de constante ansiedade e instabilidade emocional. Ele se sente preso em um relacionamento no qual nunca sabe como o narcisista irá reagir ou tratá-lo em determinado momento.

Manipulação e controle

Quando se trata da dinâmica entre um narcisista e um borderline, a manipulação e o controle são aspectos fundamentais que permeiam essa relação complexa.

O narcisista utiliza a manipulação como ferramenta para obter o que deseja. Ele é um mestre em manipular as emoções do borderline, fazendo uso de técnicas como elogios exagerados, promessas vazias e manipulação emocional. Essas táticas são utilizadas para manter o borderline preso ao relacionamento, alimentando seu próprio ego e buscando suprir suas necessidades narcisistas.

Além disso, o narcisista exerce um controle sutil sobre o borderline, minando sua confiança e independência. Ele faz com que o borderline se sinta dependente emocionalmente, diminuindo sua autoestima e autoconfiança. Dessa forma, o narcisista mantém o controle sobre o relacionamento e garante que suas necessidades sejam priorizadas.

Por sua vez, o borderline se sente preso nessa dinâmica de manipulação e controle, sentindo-se incapaz de sair do relacionamento. Devido ao medo intenso de abandono, o borderline se submete às demandas do narcisista, mesmo que isso signifique abrir mão de sua própria identidade e bem-estar.

Leia também:  Você pode ser amado por alguém com borderline?

Dificuldade de estabelecer limites

Estabelecer limites saudáveis em um relacionamento entre narcisista e borderline é extremamente desafiador. A pessoa com borderline tem dificuldade em expressar suas necessidades e impor limites, enquanto o narcisista resiste a qualquer tentativa de ser controlado ou confrontado.

Uma das principais razões para essa dificuldade é a falta de empatia e a tendência do narcisista em colocar suas próprias necessidades e desejos acima de tudo. Ele tem dificuldade em reconhecer as emoções e necessidades do borderline, levando a uma sensação de invalidação e abandono por parte deste último.

Por sua vez, o borderline tem dificuldade em expressar seus próprios limites e necessidades de forma assertiva. A instabilidade emocional e a busca desesperada por amor e aprovação faz com que o borderline aceite comportamentos abusivos ou invasivos por parte do narcisista, em uma tentativa de evitar o abandono.

Palavras finais

O relacionamento entre narcisista e borderline é complexo e desafiador. As características únicas de cada distúrbio de personalidade criam dinâmicas difíceis e prejudiciais.

O narcisista, com sua falta de empatia, manipula e explora o borderline emocionalmente, causando danos significativos à sua saúde mental. Por sua vez, o borderline se torna dependente emocionalmente do narcisista, perdendo sua identidade e sofrendo com a instabilidade emocional característica do transtorno.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *