Como a negligência emocional no relacionamento se manifesta?

Uma mulher frustrada enquanto seu marido está ao fundo, dando atenção à um gato

Categoria: Casamento

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

A negligência emocional no relacionamento é tão facilmente mal interpretada porque ela é, na verdade, uma falta de ação. Em suma, refere-se ao fracasso de uma pessoa em responder adequadamente às necessidades emocionais de outra.

Ela ocorre quando alguém constantemente falha em perceber, atender e responder de maneira oportuna aos sentimentos de um parceiro ou cônjuge. Haverá, portanto, consequências negativas de longo prazo.

Como Psicólogo, é comum ver muitos indivíduos, casais e famílias que sofrem as consequências da negligência emocional no relacionamento.

Boas pessoas, de todas as idades, com um vazio em suas vidas, ansiando por uma atenção emocional invisível.

O relacionamento emocionalmente negligente

Normalmente, a negligência emocional no relacionamento é trazida para o casamento durante a infância de um ou de ambos os cônjuges.

Quando um ou ambos os parceiros vêm de uma família que não está ciente dos sentimentos e não os trata com atenção (negligência emocional na infância), esse parceiro naturalmente continua esse processo.

Leia também:  Como sobreviver em um casamento infeliz?

Crescer com negligência emocional o torna cego para suas próprias emoções, um ingrediente essencial que é absolutamente necessário para se conectar de maneira real com seu cônjuge.

A “cegueira emocional” também se estende ao seu parceiro. Você também pode ter dificuldade em perceber e responder aos sentimentos deles. Isso resulta em um parceiro emocionalmente solitário.

É como se você tivesse alguém bem ao seu lado, mas essa pessoa está emocionalmente a mil quilômetros de distância.

Você pode vê-la, mas não pode sentir sua presença. Você pode falar com ela, mas não pode falar do jeito que quer. Você está com ela, mas se sente sozinho.

É quase como se houvesse uma parede entre você e seu parceiro. Uma parede pela qual você pode ver, mas não pode passar. Uma parede que é feita de negligência emocional.

Sinais da negligência emocional no relacionamento

Alguns sinais de negligência emocional no relacionamento envolvem:

  • Ambos interpretam mal os verdadeiros sentimentos, ações, pensamentos ou intenções um do outro com muita frequência;
  • Em casal, vocês evitam trazer à tona coisas difíceis para não incomodarem um ao outro;
  • Vocês não sabem como argumentar de forma produtiva;
  • As conversas são principalmente focadas em fatos;
  • Quando você busca consolo em seu cônjuge, ele geralmente diz coisas desagradáveis;
  • Vocês não se sentem como uma equipe, lutando pelas coisas da vida juntos;
  • É difícil encontrarem algo para conversar juntos;
  • Emoções como o amor, calor, vínculo emocional parecem estranhos, ou só acontecem durante o sexo;
  • Falta de clareza sobre o que seu parceiro quer de você;
  • Seu parceiro se fecha ou se retrai quando você faz perguntas;
  • Seu parceiro é propenso a “entorpecer”, ignorar e suprimir os próprios sentimentos;
  • Sensação de desamparo/impotência;
  • Sentimentos consistentes de não pertencimento quando você está com a família e amigos;
  • Sentimentos de que você não pode ser você mesmo com seu parceiro.
Leia também:  Você sabe identificar um relacionamento tóxico?

É fundamental que ambos os parceiros forneçam conexão emocional para um relacionamento saudável.

Publicidade

Como a terapia de casal pode ajudar?

Pode ser que seu parceiro negligencie você emocionalmente porque ele/ela não saiba como ser essa pessoa para você.

Ainda que as fortes reações de seu parceiro o tenham impedido de se mostrar totalmente para si mesmo e para seu relacionamento, a boa notícia é que as boas habilidades podem ser aprendidas experimentalmente, por meio da terapia de casal.

Se você está preocupado se a negligência emocional no relacionamento está afetando você, então seja proativo e localize um Psicólogo de casais, Ele vai ajudar a descobrir suas emoções reprimidas ou desconectadas.

E, o mais importante, o quanto suas necessidades emocionais contam e o quanto você importa.

Palavras finais

Primeiro, se alguns desses sinais se aplicam ao seu casamento, considere a possibilidade de que a negligência emocional esteja acontecendo.

Então, lembre-se de que, a partir de agora, a culpa é inútil e desnecessária.

Leia também:  As principais características de um relacionamento codependente

Além disso, saiba que há coisas que você pode fazer para conseguir algumas mudanças positivas:

  • Aprenda tudo o que puder sobre negligência emocional no relacionamento, de modo a entender o seu impacto;
  • Se vocês têm se conectado superficialmente ou evitado conflitos, entendam que essa não é uma escolha consciente. Vocês não receberam as ferramentas para se conectarem de maneira profunda e genuína;
  • A negligência emocional no relacionamento não é uma doença incurável, nem mesmo uma doença. É simplesmente uma falta de consciência emocional. É algo que pode ser mudado.

Pense na conexão emocional de uma nova maneira. Em vez de pensar nela como algo que você tem ou não, pense como uma ação: um processo de dar e receber que você e seu parceiro precisam aprender a fazer ativamente.

Peça apoio emocional ao seu cônjuge ou compartilhe um momento feliz, triste ou doloroso. Observe os momentos em que ele também está solicitando um vínculo emocional com você e forneça-o.

Cada vez que vocês fizerem isso, estarão curando a negligência emocional no relacionamento, um passo de cada vez.

Finalmente, em vez de serem silenciosamente feridos pelo que não existe, vocês ficarão conectados pelo que criaram juntos.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *