Como conviver com alguém que só reclama?

Mulher de camisa azul com cara de frustração

Categoria: Casamento

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Você conhece alguém que só reclama, incansavelmente? Ela invade seu espaço com um fluxo constante de problemas pessoais e negatividade, se recusando a parar? Todos nós já conhecemos pelo menos uma dessas pessoas: alguém que acredita que o mundo a está perseguindo e que sente a necessidade de verbalizar cada decepção na vida.

Relacionamentos interpessoais disfuncionais como este são bastante prevalentes na população em geral, afetando a felicidade. As emoções mais frequentemente experimentadas são de ressentimento e raiva.

É como se você estivesse preso em uma armadilha. Quanto mais você luta para sair, mais apertados ficam os grampos, e menos liberdade você tem. O ressentimento e a raiva são compreensíveis, mas tendem a ser motivados por pensamentos irracionais que atrapalham a abordagem racional da situação.

Quais as motivações de alguém que só reclama?

Não raramente, as pessoas que reclamam muito estão lutando contra pensamentos obsessivos que as levam a ruminar e se preocupar, usando aqueles próximos a elas como caixas de ressonância.

Eles geralmente não se vêem como pessoas negativas. Em vez disso, se percebem como estando sempre no lado perdedor das coisas. Portanto, eles vêem o mundo como sendo negativo e que estão meramente respondendo adequadamente a circunstâncias irritantes, agravantes ou infelizes.

Mesmo aqueles que reconhecem sua prodigiosa produção de reclamações acreditam que seu azar na vida mais do que justifica expressar a insatisfação para aqueles ao seu redor. Afinal, são eles que foram sobrecarregados com mais problemas e infortúnios do que a maioria.

Alguém que só reclama com os que os cercam busca simpatia e validação emocional. Em outras palavras, ele quer que você valide a experiência, diga que, de fato, ele é muito azarado.

O que alguém que só reclama não quer

A percepção de alguém só reclama sobre suas dificuldades está profundamente enraizada em sua personalidade e senso de identidade. Portanto, embora ele fale sobre seus problemas o tempo todo, ele não está realmente procurando conselhos ou soluções.

Leia também:  Paixão ou amor: como saber se você está apenas apaixonado?

Mesmo quando seu conselho resolver um problema, ele não ficará feliz em ouvi-lo: qualquer coisa que tire algum reconhecimento de suas “dificuldades” será sentida como uma ameaça à sua identidade e até mesmo ao seu senso de identidade.

Portanto ele geralmente responde a bons conselhos, explicando por que as sugestões não funcionam ou ficando chateado. É porque você não entende o quão insolúvel o problema realmente é.

O pensamento disfuncional

É importante esclarecer o processo de pensamento que está levando você a ter fortes reações emocionais negativas. Normalmente, ele é impulsionado por uma série de erros de pensamento, que ocasionam xingamentos a até agressão física.

Então, como é esse processo de pensamento disfuncional? Aqui está o modelo geral:

  1. Não devo ser forçado, contra minha vontade, a ouvir suas queixas constantes;
  2. É terrível que você simplesmente não pare;
  3. Não te aguento mais;
  4. Portanto, devo fazer algo para que você pare;

Muitas vezes, também pode haver pensamentos condenatórios sobre a alguém que só reclama:

  1. Não devo ser forçado, contra minha vontade, a ouvir suas queixas constantes;
  2. É terrível que você simplesmente não pare;
  3. Você é uma pessoa horrível;
  4. Eu não te suporto;
  5. Portanto, não vou mais aturá-lo.

Algum desses processos de pensamento se assemelha ao seu? Como o segundo modelo envolve condenar o outro, é mais provável que você desenvolva respostas mais agressivas, como ameaças ou agressões.

Você deve considerar como está lidando com a reclamação. Se você se sentir muito zangado ou até mesmo irado, não apenas com a reclamação, mas também com o outro como pessoa, então o segundo modelo de pensamento disfuncional corresponde ao seu.

De qualquer forma, identificar o pensamento disfuncional vai ajudar a rejeitá-lo antes que leve a consequências lamentáveis. Aqui, rejeitar significa mostrar que suas premissas são irracionais. Para isso, vejamos o raciocínio condenatório, que também contém as premissas irracionais envolvidas na versão não condenatória.

Observe que, na premissa 1, você está dizendo que não deve ser forçado contra sua vontade a ouvir a reclamação. O uso de “deve” é importante porque prepara o cenário para o resto das inferências que você está fazendo em seu processo de pensamento. Indica uma exigência, e não apenas uma preferência, de que a pessoa que está reclamando pare de reclamar.

No entanto, exigir algo é muito diferente de preferi-lo. Ao exigir que o outro pare de reclamar, você está transformando uma preferência em uma expectativa.

Leia também:  Como a compersão é capaz de beneficiar os relacionamentos?

Além disso, você está assumindo que não pode e não deve ser de outra forma. Porém, isso é claramente irracional. Não importa o quanto ele ou ela esteja reclamando, não há nenhuma lei do universo que diga que deve parar de reclamar.

Claro, certamente seria melhor para você se ele ou ela parasse, mas isso não é o mesmo que pensar que deve parar.

Publicidade

Consequentemente, você deve reduzir seu “dever” a uma preferência, pois é irracional pensar que uma pessoa reclamando deve parar como se isso fosse algum tipo de lei. Perceber isso ajuda a colocar a reclamação em uma perspectiva mais racional.

Em outras palavras, você não precisa condenar o outro por causar um dano tão irreparável a você ou ao mundo. De fato, você pode condenar o ato (a reclamação persistente), mas é irracional condenar a pessoa que reclama.

De qualquer forma, o que é verdade para uma parte não é necessariamente verdade para o todo. Mesmo que você pense que as reclamações não são boas, isso não significa que ele ou ela também não seja bom. Assim, você pode, dessa maneira, refutar a premissa 3: que a pessoa que reclama é uma pessoa horrível.

Assim você também pode ver que a conclusão 4, que você não suporta essa pessoa, também é irracional. Pois ele ou ela não é realmente essa pessoa horrível que não deve ser suportada ou tolerada. Claro, você não gosta da reclamação e deseja que ela pare, mas ainda é algo que você pode aprender a suportar, se quiser.

Agora, uma vez refutado seu raciocínio emocional, você pode construir um novo processo de pensamento mais racional:

  1. Aceito que sua reclamação faça parte deste mundo imperfeito;
  2. Enfrentarei com coragem o desafio de lidar com suas queixas;
  3. Continuarei a respeitá-lo como pessoa, embora não goste do fato de você reclamar tanto;
  4. Posso e vou tolerá-lo, permanecendo respeitoso com você;
  5. Portanto, abordarei racionalmente meu problema com sua reclamação de maneira respeitosa.

Agora você pode se sentir um pouco dividido entre o pensamento irracional anterior e o pensamento racional atual. Ainda pode sentir a força do pensamento irracional contra a maré do pensamento racional. Pode parecer que está nadando contra a corrente para prestar atenção ao pensamento racional.

Esta é uma parte natural de fazer uma mudança construtiva. Seu objetivo deve ser resistir a essa chamada “dissonância cognitiva”, exercitando sua força de vontade em favor do pensamento racional.

Leia também:  A maior razão pela qual seus relacionamentos não dão certo

Comece a fazer isso construindo um plano de ação racional, visando alcançar a conclusão 5.

Como é esse plano para conviver com alguém que só reclama?

Esse plano de ação precisará ser adaptado às suas circunstâncias específicas, mas deixe-me fornecer o esboço geral.

Arranje um tempo para se sentar com aquele que reclama. É uma boa ideia começar mencionando coisas que ele faz e que você gosta. Divulgue com franqueza seus sentimentos. Forneça exemplos específicos e as ocasiões em que você se sente mais desconfortável.

Tente: “Sinto-me desconfortável quando ouço esse tipo de crítica”, em vez de “Você é sempre tão negativo”.

Também esteja preparado e aberto para fazer suas próprias mudanças construtivas que ele ou ela deseja que você faça. É improvável que você esteja completamente certo, e geralmente é uma boa ideia reconhecer que ambos têm coisas que podem mudar para melhor.

É por meio dessa construção de relacionamento com alguém que só reclama que você começará a superar sua dissonância cognitiva. Você deve, portanto, se esforçar para cumprir as concessões do outro, e incentivá-lo a fazer o mesmo.

Se isso não estiver funcionando, outra abordagem mais racional seria tentar a terapia com um Psicólogo. Contudo, mesmo na terapia, você ainda precisa trabalhar duro para superar seu pensamento irracional em favor do pensamento racional.

Identifique e refute seu pensamento irracional, quando ele ocorrer, bem como se force a pensar e agir de acordo com o pensamento racional descrito aqui. Isso inclui perceber que o outro tem um problema, e encorajá-lo com compaixão a trabalhar nesse problema.

Tenha em mente que mesmo pequenas melhorias também representam progresso.

No final das contas, você invariavelmente viverá de forma mais funcional e com menos estresse, aceitando que relações interpessoais como a sua fazem parte de um universo inerentemente imperfeito e falho.

Esta é sua oportunidade de construir seu próprio caráter ao confrontar corajosamente essas imperfeições. Tudo isso enquanto trata o outro com respeito e aborda racionalmente as coisas que preferiria mudar.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *