3 sinais de quando alguém tem medo da intimidade

Homem com metade do seu rosto espiando em uma mesa

Categoria: Insegurança

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

A maioria de nós diz que quer amor, porém, ao mesmo tempo, também temos algum grau de medo da intimidade.

O tipo e a extensão desse medo variam com base nos padrões de apego que desenvolvemos e nas defesas psicológicas que formamos ao nos protegermos de mágoas precoces. Esses padrões e defesas nos impedem, ou até mesmo sabotam a vida romântica.

Como os apegos de infância servem de modelo para como esperamos que os relacionamentos funcionem ao longo da vida, então as dificuldades iniciais nos leva a desenvolver autoproteção.

Podemos pensar que queremos amor e conexão, mas em um nível mais profundo, somos resistentes a baixar a guarda por medo de despertar e reviver emoções antigas e dolorosas.

A maioria das pessoas tem medo da intimidade e, ao mesmo tempo, medo de ficar sozinha. Isso cria muita confusão, pois essa ambivalência causa um verdadeiro empurra e puxa no comportamento. Então, como é possível identificar se o seu medo da intimidade está atrapalhando?

Leia também:  10 equívocos comuns sobre a negligência emocional

No medo da intimidade, as ações não correspondem às intenções

A maneira como criamos distância em um relacionamento é diferente para cada um de nós, e geralmente é fortemente influenciada pelo nosso histórico de apego.

Para algumas pessoas, a ansiedade de um relacionamento é aparente. Elas percebem conscientemente o instinto de se afastar da conexão ou do compromisso. Para outras, é mais sutil. Elas sentem como se estivessem tentando se aproximar, enquanto suas ações a levam exatamente ao oposto.

Por causa dessa confusão, a primeira coisa a se refletir é o quanto o que pensamos que queremos se alinha com nosso comportamento.

O apego evitativo

Uma pessoa com um padrão de apego evitativo é indiferente às necessidades de outra pessoa, em particular de um parceiro romântico.

Elas tendem a ser pseudo-independentes, cuidam de si mesmas, mas acham difícil sintonizar e sentir empatia em relação aos desejos e necessidades da outra pessoa.

Elas evitam se aproximar demais e se ressentem de alguém que dependa delas. Quando o parceiro expressa frustração por querer mais dela, a pessoa com apego evitativo se afasta ainda mais, sendo desencorajada pela “necessidade” do outro.

O apego preocupado

Uma pessoa com um padrão de apego preocupado sente exatamente o oposto, como se precisasse chamar a atenção. Ela tem uma tendência a se sentir mais insegura, preocupada, paranoica, desconfiadas ou ciumenta.

Ela pensa que está procurando mais proximidade, mas se envolve em hábitos pegajosos e controladores, afastando o parceiro.

O apego medroso-evitativo

Uma pessoa com um padrão de apego medroso-evitativo tem medo tanto de seu parceiro vir em sua direção quanto se afastar.

Leia também:  Consumir conteúdo adulto frequentemente pode ser um vício?

Quando as coisas ficam muito próximas, ela provavelmente se retrai, mas quando sente que seu parceiro está se afastando, ela se torna muito pegajosa e insegura.

Conhecer nosso histórico de apego nos oferece uma visão tremenda sobre os padrões e uma melhor compreensão sobre nossos comportamentos. No entanto, à medida que examinamos os relacionamentos em tempo real, é importante identificar os momentos em que as ações não correspondem à ideia do que queremos.

A hipercrítica direcionada ao parceiro

Uma das queixas mais comuns entre os casais depois de algum tempo juntos é que eles pararam de se sentir tão excitados ou atraídos um pelo outro. Muito disso tem a ver com o nosso sistema de defesa.

Mais proximidade é igual a mais ameaça, portanto, quando as coisas ficam mais sérias, começamos a forçar a distância, entregando-nos a pensamentos e observações muito mais negativos.

Todos nós somos humanos e cometemos falhas, mas as maneiras pelas quais nos tornamos hipercríticos em relação às falhas do parceiro é resultado do medo da intimidade.

A “voz crítica interior” é a linguagem do nosso sistema de defesa, um diálogo interno que nos derruba e muitas vezes nos leva a um comportamento autolimitado. Esse crítico interno sabota e criar distância. Isso ocorre porque ele é frequentemente operado por nossos profundos medos em torno dos relacionamentos.

Sempre que percebemos nossas cabeças se enchendo de pensamentos sobre as falhas de nosso parceiro, ou analisando demais suas ações e intenções, seremos vítimas de nossa voz crítica interior. Separar o eu real desse crítico interior significa adotar uma atitude mais vulnerável e compassiva em relação a nós mesmos e ao nosso parceiro.

Leia também:  Como a insegurança leva à inveja, ao ciúme e à vergonha?

Mudanças repentinas de sentimento

Por causa desses medos, muitas vezes inconsciente, nossos sentimentos mudam repentinamente.

Em um minuto estamos em um encontro com alguém, rindo e sentindo uma sensação de excitação, na manhã seguinte estamos duvidando e falando sobre nossos sentimentos. Uma voz surge em nossa cabeça, dizendo: “Ele está muito a fim de você. Você não deveria enganá-lo.” Ou “Ele não é tão atraente assim, e não é exatamente o seu tipo.”

Temos uma tolerância muito menor para estarmos presentes com nossos sentimentos de amor e sermos amados do que pensamos. Isso geralmente ocorre porque estar conectado a outra pessoa também nos conecta aos nossos medos em torno da perda e à dor de não ter recebido esse amor no passado.

Publicidade

A boa notícia é que quanto mais entendemos nosso medo da intimidade, explorando sua fonte e desafiando os comportamentos que ele inspira, mais podemos crescer nós mesmos e em nossos relacionamentos.

Expandiremos nossa capacidade de dar e receber amor, e desfrutaremos da proximidade e conexão duradouras que dizemos querer.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *