As múltiplas motivações para bloquear pessoas nas redes sociais

Ilustração de um cadeado ao bloquear pessoas no instagram

Categoria: Outros

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Bloquear pessoas nas redes sociais tornou-se tão comum quanto cancelar a amizade, mas a psicologia por trás desse ato permanece complexa e cheia de camadas. Podemos estabelecer conexões com um clique e cortá-las com a mesma rapidez e facilidade. Mas, por que pessoas optam por uma decisão tão drástica?

Embora a ação seja simples, entender o labirinto de emoções e motivações humanas por trás do ato de bloquear pessoas está longe de ser simples.

Publicidade

Autodefesa emocional

Frequentemente, bloquear pessoas nas redes sociais funciona como uma forma de autodefesa emocional. O benefício imediato é proteger-se do drama, da fadiga emocional e de um possível assédio.

O desconforto emocional, incluindo o estresse causado por desentendimentos ou interações ruins, frequentemente nos levam a bloquear pessoas indesejadas. No santuário dos nossos espaços nas redes sociais, decidimos quem entra e quem não entra, gerindo eficazmente a paisagem emocional e mental.

Leia também:  Sextorção: um tipo de chantagem online que está aumentando

Controle da narrativa da própria vida

Ter controle sobre as narrativas pessoais é fundamental em um mundo que está sempre observando. As redes sociais oferecem um palco para mostrarmos os vários aspectos de nossas vidas, mas ela é uma faca de dois gumes. Esse mesmo estágio está aberto a críticas, interpretações errôneas e até manipulação.

Bloquear pessoas torna-se, portanto, uma ferramenta para recuperar esta narrativa, salvaguardando a história pessoal do indivíduo de ser sequestrada ou mal interpretada.

A necessidade de controle sobre as informações pessoais desempenha um papel crucial na decisão de bloquear alguém.

Coesão social e o desejo de pertencer

A necessidade de coesão social sustenta as nossas ações nas redes sociais. Fazer parte de um grupo que compartilha os mesmos valores e interesses é reconfortante, mas também leva à exclusão daqueles que não se enquadram.

As pessoas são mais propensas a bloquear indivíduos que perturbam o espírito de uma comunidade ou divergem de crenças partilhadas. Bloquear pessoas, neste contexto, é semelhante à filtragem social e serve para manter o ambiente digital estreitamente alinhado com os valores pessoais.

Leia também:  6 razões pelas quais você não pode chorar

Medos de confronto

Embora digitais, as redes sociais não eliminam o medo do confronto, mas apenas alteram sua dinâmica. Bloquear pessoas serve como uma rota de fuga, um botão de ejeção que evita situações embaraçosas ou voláteis.

É uma saída fácil que não exige o trabalho emocional que os confrontos normalmente exigem.

É justo bloquear pessoas?

A capacidade de bloquear pessoas com um clique apresenta desafios éticos, especialmente quando aquele que é bloqueado não sabe as razões. Tais atos fomentam confusão, sofrimento emocional e perpetuam ciclos de mal-entendidos e falta de comunicação.

Assim, embora o bloqueio seja fortalecedor para alguns, ele é enfraquecedor para outros, levantando questões sobre a ética das interações digitais.

Leia também:  O Psicólogo pode ser considerado um Médico?

A psicologia complexa de uma ação simples

Bloquear pessoas é uma ação simples, mas a compreensão dos seus fundamentos psicológicos revela uma rede complexa de motivações e consequências. Quer seja usado para autopreservação emocional, controle sobre a própria narrativa ou coesão social, o bloquear nas redes sociais é multifacetado.

Por um lado é uma ferramenta libertadora, mas também traz consigo a sua quota-parte de responsabilidades éticas e sociais. À medida que continuamos a evoluir no espaço digital, compreender por que bloqueamos as pessoas nos ajudará a navegar no cenário cada vez mais complexo das interações online.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *