Cabeçalho site

Psicólogo online para vítimas de narcisismo em qualquer lugar do mundo

Início

Artigos

Sobre

Início » Outros » O que fazer com pacientes que não querem estar em terapia?

O que fazer com pacientes que não querem estar em terapia?

O que fazer com pacientes que não querem estar em terapia?

Este conteúdo não foi escrito por inteligência artificial.
Assim, você tem garantia de que ele possui qualidade, precisão e originalidade.


Quando os pacientes não querem estar em terapia, o Psicólogo precisará decidir se vai resolver o problema ou cortar os vínculos. Para que a terapia funcione, ambos precisam estabelecer um bom relacionamento por meio da confiança, respeito e boa comunicação.

As coisas ficarão bastante desconfortáveis ​​se o paciente não quiser estar presente, for argumentativo ou ultrapassar fronteiras. Nesses casos, é fundamental estabelecer limites mais firmes ou até mesmo finalizar os atendimentos.

Tipos de pacientes que não querem estar em terapia

Os que são forçados por outras pessoas

Os pacientes que são coagidos por amigos, parceiros ou parentes bem-intencionados a fazer terapia ficarão ressentidos por estarem ali. Embora os pacientes devam “querer” mudar, é função do Psicólogo ajudá-lo a chegar a esse ponto. Ajudar o paciente a se motivar também é um foco terapêutico.

Geralmente se recusam a admitir que precisam de ajuda, minimizando seus problemas ou culpando-os em fatores externos. Geralmente têm medo de enfrentar seus sentimentos ou traumas.

Livre-se do narcisismo em sua vida!

Psicólogo Emilson Silva com camisa roxa e rindo

Com mais de 12 anos de experiência, já ajudei milhares de pessoas a superarem algum tipo de abuso narcisista.

Pacientes argumentativos

Alguns pacientes refutarão automaticamente tudo o que o Psicólogo disser. Eles fazem isso para se sentirem no controle ou simplesmente porque gostam de discutir.

Eles preferem resolver seus problemas sozinhos, sentindo-se ameaçados pela perda de controle na terapia. Também terão dificuldades em confiar em um Psicólogo

Como lidar com pacientes que não querem estar em terapia?

Embora a resistência interfira na colaboração e na terapia, ela não deve fazer com que pare. Tais rupturas terapêuticas são como veículos ​​para aprofundar o vínculo terapêutico e promover o crescimento.

Ela permite que tanto o paciente quanto o Psicólogo pratiquem habilidades de resolução de conflitos interpessoais e promovam um crescimento que pode não ocorrer na sua ausência. O processo de resolução é capaz de derrubar os esquemas interpessoais mal adaptativos e de longo prazo do paciente.

Aqui estão algumas “regras de ouro” de como o Psicólogo pode responder a pacientes que não querem estar em terapia:

Não leve para o lado pessoal

É importante não levar para o lado pessoal a resistência do paciente, mas invertê-la e usá-la como motivação. Por exemplo, um Psicólogo pode dizer: “Entendo perfeitamente que você não quer estar aqui, e tudo bem”.

A resistência representa uma necessidade

Se um paciente apenas fala e não escuta, então é porque ele está faminto por atenção e precisa desesperadamente ser ouvido. A resistência às tentativas de ajuda é a expressão de uma necessidade que de outra forma não seria satisfeita: a se sentir no controle.

Reestruture a resistência

Alguns pacientes dizem que realmente querem mudar e depois resistem cada centímetro para garantir que isso não aconteça. Quando o paciente resiste ao Psicólogo e este se irrita, então teremos duas pessoas resistindo uma à outra. Isso não é terapia; isso se chama guerra.

Em vez disso, elogie a resistência dizendo: “se você trabalhasse tanto para tornar sua vida melhor quanto para garantir que nada mude, você seria extraordinariamente bem-sucedido”. Se um paciente o xinga, expresse sua admiração pelo paciente se defender. Isso o ajudará a ver que alguém o compreende.

Expresse empatia

Embora desafiador, valide o que o paciente está dizendo. Diga-lhe que sente muito por ter feito algo que o deixou irritado ou que ele acha que não é útil.

É crucial parecer genuíno e autêntico para evitar uma escalada. Assim que a emoção for reconhecida, esclareça que palavrões, comportamento ameaçador, não comparecimento ou recusa em pagar pelos serviços não são aceitáveis.

Concentre-se nos detalhes

A resposta está nos detalhes, pois detalhes criam opções. Se o Psicólogo não tiver opções suficientes, não terá detalhes suficientes sobre o que está acontecendo na situação do paciente.

Todos os avanços terapêuticos vêm da abordagem e do processamento de um detalhe da vida que ninguém jamais discutiu e processou antes.

Saia da posição de especialista

Quanto mais resistente o paciente, menos conhecimento o Psicólogo deve professar saber. Quanto mais motivado o paciente, mais conhecimento o Psicólogo pode expressar.

Procure razões emocionais para a mudança

Não perca tempo criando mudanças através da lógica. Se as pessoas mudassem por causa da lógica, ninguém fumaria ou beberia e todos teriam um programa de exercícios e dormiriam oito horas.

Quando as pessoas fazem grandes mudanças em suas vidas, não o fazem por causa da lógica. Elas o fazem porque têm uma razão emocionalmente convincente.

Evite o questionamento excessivo

As perguntas são como microconfrontos para o paciente resistente e que convida a respostas improdutivas. O questionamento excessivo é o principal meio pelo qual o Psicólogo é sugado pela “estagnação” do paciente. Aprenda a dialogar sem perguntas.

Termine a terapia

O paciente que acha que um Psicólogo é péssimo no seu trabalho tem todo o direito de questionar credenciais, contestar decisões terapêuticas ou até mesmo decidir terminar o relacionamento. Às vezes o Psicólogo simplesmente não é uma boa combinação.

Em última análise, as necessidades do paciente são fundamentais. Mas, se ele realmente acredita que a terapia não o está atendendo, então será hora de encerrar o relacionamento e encaminhá-lo para outro profissional.

Livre-se do narcisismo em sua vida!

Psicólogo Emilson Silva com camisa roxa e rindo

Com mais de 12 anos de experiência, já ajudei milhares de pessoas a superarem algum tipo de abuso narcisista.

Palavras finais

A terapia precisa ser uma experiência positiva para todos os envolvidos. Mas, se se tornar tóxico ou hostil, ela não funcionará.

Embora os Psicólogos fiquem frustrados com os pacientes de vez em quando, isso normalmente não é suficiente para cancelar a terapia. No final, a comunicação é fundamental.

Se ambos estiverem abertos, forem honestos e gentis, a terapia se tornará um espaço saudável e produtivo.


Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *