Cabeçalho site

Psicólogo online para vítimas de narcisismo em qualquer lugar do mundo

Início

Artigos

Sobre

Início » Sobre o que falar na terapia com o Psicólogo?

Sobre o que falar na terapia com o Psicólogo?

Homem negro com fundo branco e uma série de pontos de interrogação

Quando decidi fazer terapia pela primeira vez, passei a viagem inteira de carro pensando em como estava pronto para trabalhar comigo mesmo. Mas quando cheguei ao consultório e me sentei no sofá da minha Psicóloga, fiquei mudo. De repente, não sabia mais o que falar na terapia.

Enquanto estava sentado cara a cara com aquela estranha que eu sabia que estava lá para me ajudar, eu não tinha mais ideia do que realmente queria dizer. Minha mente simplesmente ficou em branco.

É certo que já fui tímido, e conversar com novas pessoas sempre era um pouco avassalador para mim. Mas pensei que seria fácil me abrir com uma Psicóloga, já que foi minha escolha ir até lá. Não foi fácil. Em vez disso, senti tanta pressão para tirar o máximo proveito da minha sessão que não conseguia pensar em uma única coisa para dizer.

Se você é como eu, e tem ou teve dificuldade em se abrir em suas primeiras sessões, ou se já está há algum tempo e sente que “ficaram sem” o que dizer, saiba que não está sozinho. Não é incomum as pessoas irem para a terapia e não terem certeza sobre o que querem discutir.

Livre-se do narcisismo em sua vida!

Psicólogo Emilson Silva com camisa roxa e rindo

Com mais de 12 anos de experiência, já ajudei milhares de pessoas a superarem algum tipo de abuso narcisista.

Eu tenho uma boa notícia: há algumas coisas que você pode fazer para aprender a falar na terapia e tirar o máximo proveito. Aqui estão 12 coisas a considerar:

1. Não há algo “certo” ou “errado” para falar na terapia

É fácil sentir que você precisa falar sobre questões “profundas” ou “sérias” na terapia. Na verdade, acho que foi por isso que fiquei com a língua presa. Tudo o que eu queria falar parecia trivial.

Porém, lembre-se: não existe um tópico “correto” para discutir na terapia. Você pode falar sobre o que quiser.

É verdade que algumas pessoas procuram a terapia para tratar de algo específico, como ansiedade ou depressão . Mas, às vezes, as pessoas estão apenas passando por uma transição de vida e querem alguém para conversar e ajudá-las a lidar com a mudança.

Se você está achando difícil se abrir, lembre-se que nada está fora dos limites.

As pessoas falam sobre tudo na terapia. Elas falam sobre suas esperanças, sonhos, medos, decepções, mágoas, vergonha, conversas com a mãe, interações com o parceiro, falhas percebidas como pai, sexualidade, etc.

Não sabe por onde começar a sessão? Comece recapitulando o que aconteceu desde a última vez que você viu seu Psicólogo, seja bom ou ruim, e a partir daí, veja o que você deseja explorar mais juntos.

2. Se você achar difícil lembrar como se sentiu durante a semana, faça anotações fora da sessão

Em outras palavras, mantenha um diário entre as sessões de terapia. Isso pode ser especialmente útil se você for tímido ou achar difícil lembrar de coisas para falar na terapia.

Claro, você não precisa levar seu diário com você, ou lê-lo na sessão. Mas escrever as coisas permite que você procure padrões em seus sentimentos e comportamentos que você pode querer abordar com seu Psicólogo. Por exemplo, você pode observar que está se sentindo inadequada ou insegura.

3. Traga à tona o que está incomodando você agora

Você pode ter se sentido triste, zangado ou deprimido durante a semana, mas se não estiver se sentindo assim agora, não precisa começar por isso. Concentre-se em como você está se sentindo no presente, e apenas fale sobre isso.

A verdade é que o que você precisa falar na terapia muda dia a dia. Tudo bem se você entrou pensando que falaria sobre seu relacionamento e, em vez disso, passou a sessão inteira desabafando sobre seu chefe.

As sessões de terapia devem ser tão personalizadas quanto possível, para o que você precisa em um determinado momento. Às vezes, o que você precisa é de alguém que lhe ofereça apenas um espaço para desabafar.

4. Conte ao seu Psicólogo sobre o que o manteve acordado na noite passada (ou na semana passada)

A depressão e a ansiedade podem envolver ruminação ou uma tendência a ter os mesmos pensamentos repetidamente.

Se você teve dificuldade em adormecer uma noite esta semana, então é porque sua mente não parava de pensar em algo que você gostaria de ter feito, ou se preocupava com algo que estava por vir.

Geralmente esses pensamentos são um ótimo assunto para se falar na terapia.

5. Fale sobre seus relacionamentos

Isso não significa apenas sua vida amorosa. Conte ao seu Psicólogo sobre todos os seus relacionamentos, seja com seu parceiro, sua família ou seus amigos.

Você sente que tem apoio em casa? Você sente que tem outras pessoas com quem compartilhar seus sentimentos ou tem dificuldade em se abrir com os outros, e não apenas com seu Psicólogo?

Os relacionamentos são importantes para sua saúde mental e desempenham um papel importante na qualidade do seu humor e dos sentimentos no dia-a-dia.

Então, se você tem evitado as ligações de sua mãe, mesmo que a ame, avise seu Psicólogo, e talvez vocês dois possam explorar por que a está evitando.

Mesmo que você sinta que tem bons relacionamentos, falar na terapia sobre eles pode ajudá-lo a perceber as coisas que estão funcionando em sua vida, e os recursos nos quais você pode se apoiar fora da sessão.

6. Discuta seu passado

Este pode parecer óbvio, ou evocar imagens estereotipadas de um paciente deitado em um divã e falando sobre sua infância. Por exemplo, talvez você tenha passado o último mês contando ao seu Psicólogo sobre seus problemas de relacionamento atuais, mas nunca discutiu seus relacionamentos anteriores ou o casamento de seus pais.

Tirar um momento para se afastar do momento atual e optar por falar sobre seu passado pode ajudá-lo a lidar com alguns sentimentos não resolvidos.

7. Traga à tona aquele sentimento que você não consegue colocar em palavras

As pessoas em terapia tendem a ter algo que desejam abordar. No entanto, nem sempre é um problema. Às vezes, é um sentimento ou uma emoção que não é familiar.

Quando os pacientes experimentam novos aspectos da vida, como parto, casamento, realocação, isso pode desencadear áreas inexploradas da vida que precisam de ajuda para serem entendidas. Embora nem sempre sejam capazes de articular qual é esse sentimento, os pacientes são capazes de reconhecer que algo está diferente.

Se algo mudou em sua vida e está fazendo você se sentir diferente de alguma forma, fale sobre isso. Você não precisa falar apenas sobre as coisas “ruins”. A mudança será boa, e ainda trazer novos sentimentos que você pode explorar em um espaço seguro e sem julgamentos.

8. Considere falar na terapia sobre pensamentos que não quer compartilhar com outra pessoa

Isso pode incluir algo que você tem vergonha de pensar, ou algo que você acha que é “bobo” para se preocupar. Talvez seja algo que você ache “insignificante” ou “estúpido”.

Todos nós nos censuramos e julgamos nossos sentimentos. Mas a terapia é exatamente o lugar para explorar todos os nossos pensamentos e sentimentos, mesmo aqueles que acreditamos que não deveríamos ter.

Não há problema em sentir o que você está sentindo, e definitivamente não há problema em trazer isso à tona na terapia.

Às vezes peço aos pacientes que pensem sobre o que eles menos gostariam de falar naquele dia. Geralmente é um bom sinal de onde está o problema.

Muitas vezes evitamos falar sobre coisas que são desconfortáveis, dolorosas ou difíceis e, no entanto, quando as deixamos apodrecer, elas pioram. Considere a terapia seu lugar seguro para falar sobre as coisas que você evitaria.

9. Explore por que você está tendo problemas com a terapia agora

Se você está tendo problemas para se abrir agora e não tem certeza do porquê, conte ao seu Psicólogo. Pode haver algo para explorar lá.

Mesmo que um tópico não seja abordado imediatamente por causa do desconforto, é valioso entender quais barreiras estão o estão impedindo de se abrir sobre um determinado assunto.

Por exemplo, quando você está deprimido, muitas vezes perde o interesse em coisas que gostava e sente níveis de energia diminuídos. Se a sessão de hoje e da semana passada foi excepcionalmente difícil, e você não tem certeza do porquê, seu Psicólogo vai ajudá-lo a descobrir se algo mais está acontecendo.

10. Deixe seu Psicólogo saber se você não se sente confortável com eles

A confiança leva tempo para ser construída, e compartilhar seus pensamentos e sentimentos com um estranho não é fácil. Se você está tendo problemas para confiar em seu Psicólogo, o que é muito normal, não tenha medo de falar na terapia sobre isso.

Com essas informações, ele pode trabalhar na construção de uma base de confiança que permitirá que você se abra mais.

A terapia é sobre um relacionamento entre o paciente e Psicólogo. Se um paciente está tendo dificuldade em se abrir, isso pode significar que ainda há uma confiança que precisa ser desenvolvida no relacionamento terapêutico.

Eu tento encontrar o paciente onde ele está, e construir um relacionamento que lhe dê a segurança de que ele precisa para ficar mais aberto.

11. Considere se você está trabalhando com o Psicólogo certo

Se você realmente não se sente confortável com seu Psicólogo, há uma chance de que ele não seja para você. E tudo bem.

Os Psicólogos têm diferentes origens profissionais, especialidades, e existem diferentes tipos de psicoterapia.

Pense em como você se sente à vontade para pedir exatamente o que precisa dele. Algumas pessoas preferem uma abordagem mais diretiva. Algumas pessoas preferem ferramentas concretas, para gerenciamento de ansiedade, por exemplo. Outros querem sentir que podem falar sobre um assunto específico com alguém que tenha conhecimento em particular.

Considere se suas necessidades estão sendo atendidas, e quão aberto seu Psicólogo está para suas solicitações e necessidades específicas.

Se você não está recebendo o que precisa, se não se sente desafiado de uma maneira positiva ou se sua terapia está progredindo, ou se prefere um Psicólogo que compartilhe sua identidade de gênero ou raça, pode valer a pena explorar outras opções de Psicólogo.

12. Pergunte a si mesmo se é hora de terminar a terapia

A terapia não é para durar para sempre. Então, se você costumava achar fácil pensar em coisas para falar, e agora não é, pode ser um sinal de que chegou a um ponto final.

É perfeitamente normal sentir que não precisa de terapia depois de um tempo. Mas antes de desistir, certifique-se de terminar a terapia porque realmente conseguiu o que precisava em suas sessões, e não apenas porque está insatisfeito.

As pessoas que terminam a terapia por insatisfação tem resultados piores do que aqueles que saíram porque sentiram que “conseguiram o que precisavam”.

Porém, se você continua a sentir que está aprendendo mais sobre si mesmo, ou está reunindo novas informações e recursos, então geralmente é um sinal de que ainda está obtendo algo da terapia. Se parece que você parou ou que não está recebendo nada de suas sessões que não conseguiria em uma conversa com outra pessoa, talvez seja hora de fazer uma pausa.

Tenha em mente que você não precisa parar abruptamente. Você sempre pode conversar com seu Psicólogo sobre colocar mais tempo entre as sessões e ver como você se sente.

Livre-se do narcisismo em sua vida!

Psicólogo Emilson Silva com camisa roxa e rindo

Com mais de 12 anos de experiência, já ajudei milhares de pessoas a superarem algum tipo de abuso narcisista.

Se você os vê atualmente em sessões semanais, por exemplo, pode tentar fazer uma sessão mensal. Se algo acontecer e você quiser retomar as sessões semanais, você já tem uma base com alguém que conhece e confia.

Finalizando

Ninguém sabe tudo sobre a terapia, nem mesmo o Psicólogo.

Se você está achando difícil se abrir no início, não se preocupe. Pode levar algum tempo para você realmente se sentir mais confortável. Caso contrário, considere se você pode querer trabalhar com outro Psicólogo.


Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *