Os 6 maiores sinais de que um borderline ama você

Uma mulher borderline abraçando um homem

Categoria: Borderline

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

O Transtorno de personalidade borderline é uma condição de saúde mental caracterizada pelos seguintes sintomas:

  • Impulsividade;
  • Identidade instável/negativa;
  • Sentimentos crônicos de vazio;
  • Alta sensibilidade a rejeição;
  • Auto-mutilação;
  • Volatilidade emocional;
  • Medo crônico de abandono;
  • Explosões de raiva;
  • Pensamentos paranoicos;
  • Dificuldade de tolerar a separação.

O termo surgiu quando psiquiatras notaram que algumas pessoas esquizofrênicas não eram nem neuróticas nem psicóticas.

Essas pessoas estavam no limite, ou seja, embora não apresentassem alucinações, ainda assim sua realidade parecia distorcida. A distorção está em como se sentem sobre certas situações e memórias.

Em particular, a distorção acontece por meio de mecanismos de defesa hiperativos, cuja presença existe em todas as pessoas. Contudo, no borderline, eles são muito intensos.

O que causa o borderline?

Uma identidade instável é o sintoma central do borderline. Essa instabilidade se desenvolve quando a criança não consegue se apegar com segurança a seus cuidadores.

Leia também:  O drama de amar um borderline

O borderline é, portanto, resultado de problemas de apego na infância.

Por outro lado, a sensação de segurança pode ser interrompida por:

  • Abuso;
  • Negligência;
  • Ambientes imprevisíveis

Geralmente isso acontece quando a criança às vezes recebe o amor de seu cuidador e às vezes não, sem nenhuma lógica ou regra por trás disso.

Desse modo, uma criança com a autoimagem distorcida e que se sente sem valor, cresce com uma identidade negativa.

Essa identidade negativa, por sua vez, induz à vergonha, obrigando-a a passar o resto da vida se “defendendo” dessa vergonha.

Isso explica por que as pessoas com borderline, quando contrariadas, entram em um ataque de raiva e são tão sensíveis à rejeição.

Qualquer rejeição real ou percebida ativa a ferida da vergonha, ativando a necessidade de se defender.

Quando o sentimento interior de vergonha a domina, ela pode até se automutilar .

A pessoa passa, então, a necessitar intensamente de conexão e apego, mas, ao mesmo tempo, tem medo disso. É provável que desenvolva um estilo de apego medroso e evitativo.

Sinais de que um borderline ama você

É comum que as pessoas variem em como expressam seu amor aos outros, e você já deve ter ouvido falar das linguagens do amor.

Apesar de pessoas com borderline também variarem em como demonstram amor, ainda existem algumas semelhanças.

Idealização

Uma pessoa borderline rapidamente idealiza alguém por quem tem uma queda ou se apaixonou.

Isso decorre principalmente de sua falta de identidade. Como o borderline não tem, ou tem um senso fraco de identidade, ele idealiza seu interesse romântico porque busca alguém com quem se identificar.

Leia também:  Como as mães borderline se comparam as mães narcisistas?

Se uma pessoa com borderline ama você:

  • Você se tornará a pessoa favorita dela;
  • A vida dela girará em torno da sua;
  • Você se tornará o assunto principal;
  • Sua identidade se tornará a dela.

Conexão intensa

A idealização decorre da intensa necessidade de conexão e apego, uma vez que a mente vê nossos relacionamentos românticos como semelhantes àqueles com nossos principais cuidadores.

Uma vez que o borderline experimenta o desapego de um cuidador, ele passa a buscar essa necessidade no parceiro romântico, e no mesmo grau.

Ele, o borderline, está essencialmente procurando pelo amor e pela atenção de uma figura paterna. É por isso que ele experimenta um apego intenso e rápido.

Apego excessivo

Na raiz do borderline, como em muitos outros distúrbios, está a vergonha e o medo do abandono.

O medo do abandono, por sua vez, leva o borderline a se apegar, bem como encher o outro de amor, tempo e atenção. Contudo, ele espera o mesmo em troca.

Se você não devolver o apego na mesma intensidade que recebe, ativará os mecanismos de defesa do borderline.

Ele ficará furioso e te desvalorizará ao sentir o menor indício de rejeição. Este é o clássico ciclo de “idealização-desvalorização”, também visto nos narcisistas.

Impulsivos gestos de afeto

Uma pessoa com borderline pode surpreendê-lo com presentes, viagens e visitas surpresas.

Publicidade

O borderline está constantemente buscando novidades nos relacionamentos.

Leia também:  Como é namorar uma pessoa com borderline?

Ele sabe que precisa melhorar

O borderline sabe que está atrapalhando o relacionamento e que precisa trabalhar em si mesmo. Então, ele pode ler, fazer terapia e qualquer outra coisa que ajude a controlar sua condição.

Isso é um sinal de que ele leva a sério a necessidade de compreensão de si mesmo e a manutenção do relacionamento.

No entanto, para o borderline, este é um trabalho difícil. A autorreflexão se torna difícil porque mal existem um “eu” sobre o qual refletir.

Autoaceitação das imperfeições

É difícil para uma pessoa com borderline sair da fase de lua de mel de um relacionamento romântico, pois é é um momento onde as pessoas tendem a idealizar seus parceiros.

Quando isso acaba e o borderline se vê confrontado com as falhas de seu parceiro.

Esse momento é difícil para o borderline porque ele vê as pessoas e as coisas como boas ou ruins (idealização-desvalorização).

Quando a fase de lua de mel termina, ele vê seu parceiro como “totalmente ruim” e esquece que estava idealizando a mesma pessoa tempos atrás.

Então, se alguém com borderline aceitar as tuas falhas e imperfeições, considere um grande progresso.

Isso exige mais esforço do borderline do que de uma pessoa média.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *