O que é gaslighting e como lidar com ele?

Um homem sendo manipulado por cordas presas a uma mão gigante

Categoria: Outros

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Gaslighting é uma forma de manipulação que ocorre em relacionamentos abusivos. É um tipo dissimulado de abuso emocional, onde o agressor engana a vítima, criando uma narrativa falsa e fazendo-a questionar:

  • Seus julgamentos e a realidade;
  • Suas memórias;
  • Seus eventos recentes;
  • Suas percepções.

A vítima é encorajada a pensar que é realmente culpada por alguma coisa, ou que está apenas sendo sensível demais.

Publicidade

Em última análise, a vítima do gaslighting sente-se insegura sobre suas percepções do mundo, e até se pergunta se está perdendo a sanidade.

Isso leva à:

  • Confusão;
  • Perda de confiança e autoestima e;
  • Incerteza da própria estabilidade mental.

O gaslighting ocorre principalmente em relacionamentos românticos, mas não é incomum acontecer em amizades ou entre familiares.

Como funciona o gaslighting?

As táticas usadas no gaslighting incluem:

  • Mentiras: as pessoas que usam do gaslighting costumam ser mentirosas habituais e patológicas, e frequentemente exibem tendências narcisistas. Elas dizem coisas como: “você está inventando coisas”, “isso nunca aconteceu” ou “você é louco”;
  • Depreciação: as pessoas que usam gaslighting espalham boatos e fofocas sobre a vítimas. Infelizmente, essa tática é extremamente eficaz, e muitas pessoas ficam do lado do agressor sem saber a história completa;
  • Distração: quando a vítima faz uma pergunta a alguém que usa de gaslighting, ele muda de assunto fazendo uma pergunta em vez de responder ao problema em questão;
  • Minimizar pensamentos e sentimentos: banalizar as emoções permite que o gaslighting ganhe poder sobre a vítima. Ele faz declarações como: “acalme-se”, “você está exagerando” ou “por que você é tão sensível?”;
  • Transferência de culpa: toda discussão que a vítima tem é de alguma forma invertida para que ela seja a culpada. Por exemplo, ele pode alegar que, se a vítima se comportasse de maneira diferente, ele não o tratariam da maneira que trata;
  • Negar irregularidades: essa negação faz com que a vítima do gaslighting se sinta invisível, inaudível e como se o impacto sobre ela não tivesse importância;
  • Usar palavras compassivas como arma: às vezes, quando chamado ou questionado, o gaslighting usa palavras gentis e amorosas para tentar amenizar a situação. Ele diz algo como: “você sabe o quanto eu te amo. Eu nunca iria machucá-lo de propósito.”;
  • Reescrever a história: O gaslighting tende a recontar histórias, invertendo a situação de maneira que seja a seu favor.
Leia também:  Ghosting: o que é, porque dói e o que fazer a respeito?

Os sinais de gaslighting

Pergunte a si mesmo se alguma das seguintes afirmações é verdadeira:

  • Você duvida de seus sentimentos e realidade?
  • Você questiona seu julgamento e percepções?
  • Você se sente vulnerável e inseguro?
  • Você se sente sozinho e impotente?
  • Você se pergunta se é o que seu parceiro diz que você é?
  • Você está desapontado consigo mesmo e com quem você se tornou?
  • Você se sente confuso?
  • Você se preocupa por ser muito sensível?
  • Você tem uma sensação de destruição iminente?
  • Você gasta muito tempo se desculpando?
  • Você se sente inadequado?
  • Você duvida de si mesmo?
  • Você assume que os outros estão desapontados com você?
  • Você se pergunta o que há de errado com você?
  • Você luta para tomar decisões porque desconfia de si mesmo?
Leia também:  56 verdades psicológicas sobre o amor

Se você se identifica com algum desses sinais de gaslighting, é importante procurar ajuda profissional imediatamente.

Se não for tratado, ele afetará significativamente sua autoestima e saúde mental em geral.

Por que alguém faz gaslighting com outra?

O objetivo típico do gaslighter não é apenas manipulação, mas também obter poder e controle. E geralmente com a cooperação equivocada da vítima manipulada.

Esse tipo de comportamento está enraizado na psicopatia ou em um transtorno de personalidade narcisista, antissocial e borderline.

O que fazer se você for vítima de gaslighting?

Se você estiver passando por gaslighting em um relacionamento, existem alguns passos a seguir para se proteger.

Coisas que você pode fazer incluem:

  • Afaste-se: sair fisicamente da situação vai ajudar, mas você também pode usar algumas técnicas de relaxamento, como respirar profundamente;
  • Guarde as evidências: mantenha um diário, salve conversas de texto ou e-mails para que possa consultá-los mais tarde, e lembre-se de que não deve duvidar ou questionar a si mesmo;
  • Estabeleça limites: deixe claro que você não permitirá que a outra pessoa banalize ou negue o que você tem a dizer;
  • Obtenha uma perspectiva externa: converse com um amigo ou familiar sobre o que você está passando. Ter a perspectiva de outra pessoa ajudará a tornar a situação mais clara;
  • Termine o relacionamento: terminar o relacionamento com alguém que repetidamente o incomoda é a maneira mais eficaz de acabar com o abuso.
Leia também:  7 razões pelas quais a maioria das pessoas tem medo do amor

Se você suspeita que está passando por gaslighting, consulte-se com um Psicólogo. Ele vai ajudá-lo a:

  • Aprender mais sobre a situação;
  • Ganhar perspectiva e;
  • Desenvolver novas estratégias de enfrentamento.

Uma palavra final

Lembre-se de que você não é culpado pelo que está vivenciando. A pessoa que está usando gaslighting escolhe se comportar dessa maneira.

Nada do que você fez o levou a fazer essa escolha, e você não poderá mudá-lo

Mas, com terapia, é possível fazer escolhas saudáveis ​​e estabelecer limites.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *