O uso do tratamento silencioso pelo passivo-agressivo

Homem fazendo silêncio enquanto uma mulher implora por sua atenção

Categoria: Outros

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Sendo humanos, ansiamos por conexões que nos ofereçam apoio, cuidado e reconhecimento. Especialmente em um relacionamento íntimo, esperamos que o parceiro esteja presente para nos ajudar a atender a essas necessidades.

O tratamento silencioso falha em satisfazer esses anseios e também reflete retenção e abandono emocional. É uma forma cortante de agressão passiva. Além disso, o envolvimento em tratamento silencioso como adulto está associado à experiência de tratamento silencioso dos pais e a baixa autoestima.

As consequências do tratamento silencioso

Claramente o tratamento silencioso cria uma atmosfera de:

  • Ansiedade;
  • Medo;
  • Tristeza e;
  • Impede uma sensação subjacente de segurança.

Como tal, causa infelicidade e danos psicológicos que, na maioria das vezes, aumentam o conflito em um relacionamento.

Pode levar a pessoa a sentir:

  • Raiva;
  • Abandono;
  • Rejeição e;
  • Angústia geral.

Casais relatam satisfação significativamente menor quando o parceiro usa uma comunicação emocional imparcial. Essa aversão também é considerada um poderoso gatilho para:

Publicidade
  • Sentir-se excluído;
  • Reduzir a autoestima;
  • Diminuir o valor relacional e, o mais importante;
  • Aumentar a tentação de agir agressivamente.
Leia também:  Os problemas mais comuns entre Psicólogos e pacientes

Também leva o alvo de tal tratamento a sentir dúvidas e autoculpa, alimentando a autocrítica negativa. Além disso, os alvos do tratamento do silêncio ficam obcecados em pensar sobre o que precisam fazer para acabar com o silêncio.

Ser alvo de tratamento silencioso é um desafio para qualquer pessoa, mas é especialmente difícil para indivíduos que já apresentam baixa autoestima, bem como indivíduos que apresentam apego ansioso.

Uma parte desse padrão inclui medo em relação à estabilidade e confiabilidade dos relacionamentos: uma ansiedade que só é provocada pelo tratamento silencioso. Posteriormente, a vítima rapidamente sente intensa rejeição e medo da perda.

O tratamento silencioso é vivenciado como traição e abandono. As vítimas que não atribuem o ostracismo a uma causa específica são mais propensas a experimentar sensações de ameaça à sua pertença e autoestima.

Razões por trás do tratamento silencioso

As pessoas usam o tratamento silencioso por vários motivos:

  • Falta de autoconsciência: as pessoas estão confusas ou oprimidas por seus sentimentos, e apenas querem mostrar que estão chateadas;
  • Evitação de conflitos: um indivíduo não está suficientemente seguro para expressar o que sente, devido ao medo de seus próprios sentimentos, pensamentos ou comportamentos, ou daqueles com quem vive o conflito;
  • Falta de habilidades de comunicação: algumas pessoas sentem que não têm habilidades para se expressar;
  • Punição: o tratamento silencioso torna-se abuso quando se destina a punir, controlar ou ganhar poder sobre alguém;

Descompromisso saudável vs. tratamento silencioso

Há momentos em que é melhor parar de discutir em um conflito. Por exemplo, um parceiro reconhece que está muito agitado e que continuar a conversa só aumentaria sua tensão e frustração. Ou, um parceiro precisa de tempo para autorreflexão e identificar melhor seus sentimentos ou pensamentos sobre uma situação.

Leia também:  6 formas de abuso emocional que você precisa estar ciente

Essas situações exigem uma comunicação assertiva que enfatize o respeito e a compaixão pelo parceiro e por si mesmo. Essa comunicação envolve declarações do “eu” que incluem como a pessoa se sente e também o esclarecimento da necessidade específica de silêncio e, idealmente, alguma menção de quando a conversa pode ser retomada.

Quando o tratamento silencioso se torna abuso?

O tratamento silencioso torna-se abuso quando é usado para controlar, punir ou manipular alguém. Também é abusivo quando faz parte de uma tendência passivo-agressiva em um relacionamento. Nunca é um sinal positivo para o sucesso de um relacionamento.

O tratamento silencioso também é abusivo quando reflete uma forma de “gaslighting”. Ou seja, comportar-se propositadamente de forma a causar intensa dúvida, baixa autoestima e confusão interna. Pode ser empregado apenas como outra forma de abuso, e pode incluir violência doméstica ou ameaças de tal violência.

Nessas situações, é mais importante que um parceiro-alvo esteja atento à sua segurança, em vez de sucumbir à dúvida e à autoculpa. Não é surpresa, então, que, aqueles que se envolvem em tratamento silencioso para controlar ou punir um parceiro exibam mais tendências narcísicas.

Alguns indivíduos se envolvem em tratamento silencioso para exercer controle, enquanto se sentem internamente paralisados ​​ao decidir se devem se comprometer com o relacionamento ou encerrá-lo. E, com ou sem consciência, alguns indivíduos recorrem ao tratamento do silêncio como um esforço para que um parceiro inicie o rompimento.

Formas de reagir ao tratamento silencioso

  • Aceitação com investigação: é importante lembrar que o que quer que a outra pessoa esteja sentindo, a reação dela é sobre ela. Enfatize seu interesse em ouvir como ela se sente: “percebi que você está chateada e gostaria de ouvir o que a está aborrecendo”;
  • Conscientize-se de qualquer tendência de se culpar, responder com raiva ou implorar. Mesmo que você tenha contribuído para ferir os sentimentos de seu parceiro, a forma como ele reage é uma escolha dele;
  • Determine se isso é um padrão. Se raramente ocorrer, você pode ignorar. No entanto, se o tratamento silencioso for usado com frequência e destinado a controlá-lo, comporte-se de maneira que reflita sua autonomia, em vez de se importar com a reação da outra pessoa;
  • Esteja atento a qualquer tendência em acreditar que é responsável pelo relacionamento. O tratamento silencioso é uma mensagem que comunica a falta de vontade de se envolver no trabalho árduo e necessário para lidar com o conflito no relacionamento;
  • Evite ficar isolado. Mantenha suas relações com a família e amigos;
  • Pratique a autocompaixão. Respeite seus sentimentos e quem você é. Esforce-se para permanecer conectado aos seus valores fundamentais;
Leia também:  3 coisas que as pessoas dizem e irritam qualquer Psicólogo

O tratamento silencioso mina a essencial sensação de segurança para o compartilhamento e a conexão íntima. É especialmente importante que o indivíduo-alvo se lembre de que não é responsável pela forma como o parceiro reage.

Ser vítima de tratamento silencioso exige autocompaixão, em vez de dúvidas ou críticas.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *