Cabeçalho site

Psicólogo online para vítimas de narcisismo em qualquer lugar do mundo

Início

Artigos

Sobre

Início » Por que alguém busca validação por meio das redes sociais?

Por que alguém busca validação por meio das redes sociais?

Símbolo do like do Facebook em 3d

Certamente essa cena é familiar: duas ou mais pessoas estão sentadas à mesa em uma cafeteria, mas não estão olhando uma para a outra. Em vez disso, estão olhando para seus telefones, postando fotos em busca de validação por meio das redes sociais.

Há o outro lado da moeda: alguns o fazem, mas raramente. E outros que o fazem com frequência não têm esse impulso de postar constantemente nas redes sociais enquanto tomam café com um amigo.

Você sabe que o fenômeno que descrevo é real e generalizado, e por que alguém vai em busca da validação por meio das redes sociais?

Provavelmente há mais de uma razão, mas a principal é esta:

Livre-se do narcisismo em sua vida!

Psicólogo Emilson Silva com camisa roxa e rindo

Com mais de 12 anos de experiência, já ajudei milhares de pessoas a superarem algum tipo de abuso narcisista.

  • Há muito mais pessoas em uma plataforma de mídia social a qualquer momento do que fisicamente com você. O público em uma plataforma online é maior. Se você contar uma piada para um ou dois amigos, terá uma ou duas reações, mas se postar a mesma piada nas redes sociais, poderá obter cem e potencialmente, muito mais.

Podemos obter validação por meio das redes sociais?

A busca pela popularidade

Provavelmente não há uma resposta direta, pois depende dos detalhes. Se a pessoa é um músico e publica uma nova composição de guitarra, ou é um padeiro, e publica a foto de um bolo que fez, e muitas pessoas reagem positivamente, isso será uma validação verdadeira.

Mas a maioria dos posts não são assim: a intenção não é compartilhar notícias sobre algo que você fez. A busca pelo status em si que é a intenção.

Não há razão, em princípio, para que não possamos obter validação em um post, mas existem obstáculos. Algumas das reações positivas que recebemos nas mídias sociais podem ser irracionais.

As pessoas podem rolar pelo feed e clicar nos botões de reação sem ler as postagens com atenção. “Curtir” pode não significar gostar de verdade. Nós reagimos dessa maneira às postagens dos outros, então eles provavelmente fazem isso com as nossas.

Em segundo lugar, pode haver uma discrepância entre a popularidade de nossa persona de rede social e nossa identidade na vida real. Parece ser mais fácil garantir um encontro se você tiver muitos seguidores no Twitter, mas alguém pode ter um milhão de seguidores e nenhum amigo de verdade.

Tal discrepância pode ser experimentada como uma ruptura. E como curar uma ruptura na psique é difícil, pode-se ficar tentado a simplesmente se identificar com seu lado “popular”, tratando o mundo online como um refúgio para a dor do mundo real.

Não menos importante, é da natureza das redes sociais que ela seja transitória. Mesmo que você compartilhe algo que acabe sendo muito popular, outro post subirá para o topo do feed logo em seguida.

Um feed online está sempre mudando. Ao contrário da amizade de pessoas reais com as quais você pode contar por anos, inclusive nos dias em que você está se sentindo para baixo, a atenção dos usuários online, supondo que você consiga, mudará rapidamente para outro lugar.

Ficar buscando validação por meio das redes sociais não é exatamente uma ilusão, mas essa validação tem vida curta e a pessoa ficará nessa perseguição perpetuamente.

O show de quem busca validação por meio das redes sociais

Platão sugeriu uma vez que, o que muda constantemente, não é verdadeiramente real. Um amigo de verdade é aquele que temos por décadas, e uma conquista de verdade é aquela que dura mais de um dia.

Isso não é verdade para postagens nas redes sociais. As postagens, pelo contrário, não são feitas para durar. O seu apelo é apenas imediato.

O incentivo para compartilhar algo interessante e clicável em vez de algo de valor mais duradouro não é o único aspecto das redes sociais que é relevante aqui. Há outra coisa, possivelmente mais importante: as conversas que temos nas redes sociais costumam ter o sabor da performance.

Quando fala-se com uma outra pessoa e ninguém mais está ouvindo, têm-se uma conversa. A pessoa não se apresenta, a menos que, talvez, esteja em uma entrevista de emprego ou queira impressionar favoravelmente um interesse romântico.

Quando, por outro lado, se sabe que várias pessoas podem ver tudo o que se diz, as coisas mudam: elas começam a se parecer como um show.

Isso importa, porque quando o objetivo principal do que se diz é entreter os outros, sente-se que qualquer validação que se obtenha, além de efêmera, de certa forma não é para a pessoa em si, mas para o seu show.

Os comediantes deprimidos

Um número alarmante de comediantes de stand-up sofre de depressão. Não há nada de normal em subir ao palco e fazer uma multidão de estranhos rir. Fazer stand-up é uma corrida para produzir endorfina, algo semelhante a uma droga.

É também uma estranha relação de controle entre o comediante (que tem um microfone) e o público (que reage ao que ouve). Esta mesma relação acontece das redes sociais.

Livre-se do narcisismo em sua vida!

Psicólogo Emilson Silva com camisa roxa e rindo

Com mais de 12 anos de experiência, já ajudei milhares de pessoas a superarem algum tipo de abuso narcisista.

É certo que a falta de reação ou de reação positiva seria muito menos embaraçoso no mundo online do que em uma grande sala cheia de pessoas, mas os casos são semelhantes.

A tentativa de obter validação entretendo uma multidão de estranhos online pode não estar mais perto de uma troca humana real do que uma comédia stand-up. Há uma combinação semelhante de grande alcance e falta de controle sobre a reação do público.

E eu suspeito que em muitos casos, de forma semelhante novamente, as consequências negativas podem ser mais duradouras do que a corrida de endorfina, o não ilusório, mas certamente rápido para desaparecer o “barato” do pôster de sucesso.


Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *