O sincero depoimento de quem namorou com uma borderline

Montanha russa verse com carrinhos amarelos

Categoria: Borderline

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Eu tenho um paciente que topou dar o seu sincero depoimento de como é namorar com uma borderline, a ponto de ser bem detalhado. Ele conviveu com uma por quase quatro anos.

Dizer que uma borderline é uma pessoa “sem conserto” é injusto. Com força de vontade e adequada ajuda profissional, ela pode melhorar significativamente e viver uma vida sem afetar negativamente a si mesma ou seus entes queridos.

No entanto, caso ela não reconheça seu problema ou recuse a ajuda necessária, apressar-se em um relacionamento com ela não é a coisa mais segura a se fazer. Com base no depoimento do meu paciente, aqui está o que você precisa saber ao namorar com uma borderline:

Rápida vinculação afetiva

A borderline não têm freios. Ela vai se apaixonar e idealizar tremendamente o parceiro. Normalmente os relacionamentos levam um certo tempo para evoluir. O que é normal, já que as pessoas precisam se conhecer antes de tomar grandes decisões. Mas com a borderline tudo acontecerá muito rápido.

Então, não se surpreenda se ela estiver fantasiando abertamente sobre ter filhos apenas um mês depois de começar a namorar.

Leia também:  Saiba como é o casamento de pessoas com borderline

Muito contato físico

A borderline é extremamente insegura, então costuma usar a promiscuidade e o sexo para fisgar o parceiro. Geralmente faz isso muito cedo no relacionamento.

Ao namorar com uma borderline, ela irá oferecer uma abundância de sexo, que desafia os limites, bem como vai se esforçar para fazer o parceiro acreditar que é a melhor que ele já teve.

No entanto, há uma diferença entre ter uma libido alta e agir de forma patologicamente hipersexual. Geralmente não é necessário muita observância para ver que suas tentativas são exageradas.

Muita impulsividade

A borderline não é apenas espontânea, mas descuidadosamente impulsiva. Ela pode facilmente surpreender com uma conduta tola, embaraçosa ou perigosa. Diz que gosta de espontaneidade, mas considera as outras pessoas chatas.

Nudez pública, drogas, dirigir sob influência de entorpecentes ou convidar estranhos para sua casa. Esses são apenas alguns exemplos do que esperar. Se o parceiro desaprovar, ela vai acusá-lo de ser um chato ou de negar a sua diversão.

Frequentes inconstâncias

Diz que é apaixonada mas, na verdade, é instável. Suas emoções mudam de um extremo ao outro em um período de tempo muito curto e sem qualquer explicação racional. Ela estará eufórica pela manhã e profundamente deprimida ao meio-dia.

A duração de cada humor é esporádica, variando de flutuações de curta duração a episódios que duram dias.

Muitos problemas financeiros

A borderline é propensa a todo tipo de comportamento irresponsável. Isso inclui gastos excessivos, jogos de azar e empréstimos impensados. Não é incomum que viva com a suposição de que seus entes queridos cuidarão de suas dívidas e sustentarão ainda mais seus hábitos de consumo.

Ela tentará jogar essa responsabilidade financeira para os pais, os irmãos ou no parceiro.

Leia também:  O drama de amar um borderline

Altos níveis de ciúme

O parceiro será acusado de infidelidade quando não tem literalmente a menor intenção. Ele pode ser a pessoa mais fiel do mundo, mas devido à insegurança crônica e ao medo do abandono, terá que reafirmar constantemente sua fidelidade.

Por exemplo, meu paciente foi acusado de ser infiel por usar uma camisa de botão enquanto saia com os amigos. A borderline estava convencida de que os homens usam camisas de botão apenas quando batem em outras mulheres. Ele não conseguiu convencê-la do contrário.

Escolha cuidadosa das palavras

A borderline carece de pele emocional. Assim, você terá que ser muito gentil em todos os momentos. Mesmo se o parceiro for, ela encontrará algo de ofensivo o suficiente para desencadear uma grande discussão. Ela simplesmente não pode ajudar a si mesma.

Pavio muito curto

Sua raiva vem inesperadamente rápido e é explosiva por natureza. Muitas vezes é desproporcional se comparado à causa.

Suspeitas aparecerão

Ela tenta convencer o parceiro de que é a pessoa mais honesta e leal do mundo. Também vai elogiar suas qualidades intelectuais, realizações notáveis, etc. Ou pode continuar falando sobre como seus ex eram terríveis monstros abusivos.

Isso tudo faz parte de uma fachada para fins de manipulação. A borderline está tentando fazer o parceiro gostar mais, ou sentir pena dela.

No início, tudo fará sentido e o parceiro ouve com admiração ou compaixão. Mas em breve, ele começará a encontrar lacunas na lógica, levando a suspeitas. E mais tarde, verá que suas suspeitas eram absolutamente justificadas, pois havia exagero ou mesmo ficção na maioria das histórias contadas.

Triângulo com o drama

Adultos maduros geralmente assumem a responsabilidade por suas ações e sua situação atual. A borderline, no entanto, usa ciclicamente um papel de vítima e de salvadora.

Leia também:  Você pode ser amado por alguém com borderline?

Ao ser flagrada, se fará de vítima. Ela busca piedade com tanta habilidade, que é fácil cair na armadilha de querer ser um salvador. Na realidade, o parceiro será um facilitador que permitirá a borderline continuar agindo de forma disfuncional.

Há também a possibilidade de que a borderline decida “resgatar” outra alma perturbada e convença o parceiro a fazer o mesmo. No entanto, na realidade, é apenas uma maneira de mudar o foco para outra pessoa.

Quanto ao grande finale , o parceiro terá de estar preparado para ser rotulado de vilão, independentemente de suas boas intenções.

Para continuar evitando a autorreflexão e a responsabilidade, a borderline, mais cedo ou mais tarde, retornará ao seu papel de vítima e, para isso, necessitará de um novo salvador. Normalmente, será o ex-parceiro.

Publicidade

Palavras finais

Reconheceu alguém lendo isso? Se sim, recomendo fazer uma pausa e pesquisar mais sobre o assunto.

O transtorno de personalidade limítrofe (ou borderline) é agonizante não apenas para quem sofre, mas também para todos os romanticamente envolvidos com a pessoa. Se não for tratado, o felizes para sempre, infelizmente, não é um resultado muito provável.

Em vez disso, namorar com uma borderline facilmente se parece com um navio afundando, com a vítima sendo as duas pessoas. Depois de quase quatro anos com uma borderline, meu paciente foi diagnosticado com depressão e precisou de terapia. Além do mais, ele quase foi parar na prisão por causa das intrigas que a borderline construiu.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

2 comentários em “O sincero depoimento de quem namorou com uma borderline”

  1. E extremamente desgastante se relacionar com boderline impulsivos chatos muito drama, regado de muita mentiras choros ameaças.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *