Cabeçalho site

Psicólogo online para vítimas de narcisismo em qualquer lugar do mundo

Início

Artigos

Sobre

Início » Depoimentos » Sou uma narcisista diagnosticada: assim era me namorar

Sou uma narcisista diagnosticada: assim era me namorar

Sou uma narcisista diagnosticada: assim era me namorar.

Quando você ouve a palavra narcisista, o que você pensa? Talvez pense em um parceiro egocêntrico ou manipulador, ou alguém de quem algum guru de relacionamento nas redes sociais incentiva a ficar longe.

Mas, uma narcisista diagnosticada atendida por mim topou em dar sua própria opinião para esclarecer alguns mitos típicos e alarmistas, alegando que o distúrbio não é exatamente o que as pessoas pensam.

Ela só descobriu que tinha um Transtorno de personalidade narcisista em janeiro deste ano, mas tem lidado com seus sintomas, sem saber, durante a maior parte de sua vida.

“Sempre senti que algo estava errado. Então, quando esse diagnóstico veio até mim, fez muito sentido.”

Ao dizer às pessoas que ela é narcisista, a jovem de 27 anos afirma que muitos rapidamente a rotulam de “cruel”, “má” e até “demoníaca”. E embora a falta de empatia e o comportamento coercitivo estejam entre os traços típicos do narcisismo, isso apenas arranha a superfície.

Livre-se do narcisismo em sua vida!

Psicólogo Emilson Silva com camisa roxa e rindo

Com mais de 12 anos de experiência, já ajudei milhares de pessoas a superarem algum tipo de abuso narcisista.

“Tenho 23 anos e nunca menstruei. Isso me deixa insegura, mas não sou menos mulher.”

Ela continuou:

“Eu não gosto dos ‘diagnosticadores de poltrona’. Há tantos que falam sobre o abuso narcisista e não são profissionais qualificados, que fazem vídeos como ‘aqui estão os cinco sinais de um narcisista’ . São coisas básicas que nem sequer equivalem ao narcisismo. Muitas pessoas simplesmente presumem que sou uma idiota, uma pessoa tóxica ou algo assim. Mas não, é um conjunto específico de nove critérios e você precisa atender a pelo menos cinco para ser diagnosticado – eu atendi sete deles.”

Um grandioso senso de identidade, fantasias irrealistas de alcançar riqueza e um desejo adicional de estar associado a indivíduos de alto status são três sintomas comuns dela.

No entanto, esta minha paciente tem lutado particularmente com a necessidade de admiração excessiva, inveja e de estabelecer expectativas irracionais para si mesma, como parte do que é conhecido como “narcisismo oculto”.

Este é o lado mais introvertido do transtorno, com esta paciente não aparecendo como uma narcisista estereotipada “barulhenta e orgulhosa”, mas em vez disso se sentindo muito inferior e envergonhada de sua condição amplamente egocêntrica.

Ela também admite que explorar os outros para ganho pessoal tem sido outra de sua característica, tornando-a impossível de se apaixonar verdadeiramente ou manter relacionamentos saudáveis.

No entanto, a terapia a ajudou a superar isso e ela afirma que seu antigo eu não é mais reconhecível.

“Eu ignorava propositalmente as pessoas com quem estava namorando por dias a fio. Eu observava as mensagens se acumulando, o pânico e a preocupação deles, e sentia orgulho. Postava propositalmente nas redes sociais para que soubessem que eu estava ativa e os ignorava. Ou apenas tentava começar uma briga antes de irem para a cama, para que tivessem uma noite sem dormir. Explorava suas vulnerabilidades e fraquezas. Eu era muito boa em ler microexpressões para descobrir inseguranças e usá-las contra eles. Eu dizia as coisas mais cruéis e hediondas e me orgulhava. Eu era incapaz de amar as pessoas. Foi tudo transacional, foi tudo para algum tipo de benefício ou ganho. Olhando para trás, pareço uma pessoa totalmente diferente, mas sei que fui. Sinto culpa e remorso, magoei emocionalmente muitas pessoas e não sabia como demonstrar emoções positivas.”

Ela, portanto, acredita que quando não gerenciado, o narcisismo é incrivelmente prejudicial – especialmente em um relacionamento – mas ainda existem alguns grandes equívocos. Ela continuou:

“As pessoas pensam que os narcisistas não têm emoções, não têm culpa, não têm remorso. A falta de empatia não significa que você não tenha nenhuma. Nós temos muitas emoções, mas a empatia é um pouco entorpecida. Então, para mim, é difícil me conectar emocionalmente com alguém quando ele está tendo um problema ou é um problema. Tenho que pensar logicamente sobre isso e dizer, ‘ok, eles estão chateados’ – eu tenho que racionalizar isso. Nós somos capazes de amar? Sim, nós não somos irremediáveis, mas isso requer muito trabalho.”

Em meio a esses equívocos, esta paciente recorreu à Internet para aumentar a conscientização sobre o narcisismo e outros problemas de saúde mental. Por ser influenciadora digital, ela agora conquistou mais de 75.000 seguidores em uma rede social, graças aos seus regulares desmascaramentos de estigma e vídeos explicativos.

Livre-se do narcisismo em sua vida!

Psicólogo Emilson Silva com camisa roxa e rindo

Com mais de 12 anos de experiência, já ajudei milhares de pessoas a superarem algum tipo de abuso narcisista.

Às vezes, ela também posta vídeos com seu parceiro – um sociopata diagnosticado. Os dois vão para a terapia e ajudam um ao outro a lidar com seus distúrbios.

Ela enfatizou:

Se eu tiver um transtorno, vou falar sobre isso e tentar ajudar os outros. Tipo, por que me esconder disso? Você deve falar sobre isso de uma forma neutra, divulgando os fatos. Recebo ameaças quase diariamente em meus vídeos por causa do diagnóstico. Mas, também recebo muita positividade. Tipo ‘uau, eu vejo o narcisista de maneira muito diferente por sua causa’… É uma desordem, mas também somos pessoas – não somos robôs, nós não somos irredimíveis. Temos emoções como você, vamos para a cama à noite como você. Somos capazes de amor, felicidade e alegria – somos pessoas.

E aí? O que achou deste depoimento?


Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *