Como os pais narcisistas são capazes de prejudicar seus filhos?

Criança olhando um adulto de mãos dadas com outra criança em um trapiche

Categoria: Narcisismo

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Pais narcisistas são antagonistas relacionais, que compulsivamente prejudicam seus filhos para obter um senso de controle e superioridade. Mesmo quando estão lançando uma luz idealizadora sobre eles, uma forma de manipulação está acontecendo, por meio de bajulação e elogio.

Como sociedade, não gostamos de admitir que os pais são capazes desse comportamento com seus filhos, mas o fato é que o abuso e a negligência fazem parte da condição humana, e os narcisistas são precisamente o tipo de pessoa que machuca e traumatiza os outros, especialmente os mais vulneráveis.

Publicidade

Interpretando o comportamento dos pais narcisistas

É importante entender que os narcisistas existem na sociedade e nas famílias. Para funcionar em sociedade, eles aprendem a mascarar seu ciúme, falta de empatia, oportunismo egoísta e complexo de superioridade.

Embora os pais narcisistas, especialmente os do tipo dissimulado, sejam bastante habilidosos em esconder sua crueldade e até sinalizar virtude para estranhos, eles prejudicam seus filhos como se fosse algo natural.

Aqui estão as maneiras comuns pelas quais os pais narcisistas prejudicam seus filhos, o que eles fazem intencionalmente e colateralmente como consequência de não se importar com o dano que causam:

  1. Recompensam a obediência e punem a desobediência: os pais narcisistas recompensam a obediência e a conformidade de seus filhos por meio de elogios e privilégios, e punem a liberdade de expressão e opiniões divergentes por meio de julgamento, raiva e rejeição;
  2. Desvalorizam os interesses e pontos fortes: a menos que os interesses e pontos fortes de seus filhos reflitam seus próprios valores ou lhes dêem o direito de se gabar, os pais narcisistas ignoram ou difamam ativamente as paixões dos filhos;
  3. Patologizam as respostas emocionais: um dos aspectos mais prejudiciais da paternidade narcisista é a raiva e o ressentimento em relação às necessidades naturais de dependência e respostas emocionais dos filhos, que eles enquadram como egoísmo e/ou fraqueza;
  4. Normalizam a raiva e a vergonha: profundamente traumatizante para filhos de pais narcisistas é viver em uma atmosfera de raiva e vergonha normalizada, que provoca hiperativação do sistema nervoso a longo prazo, interfere no desenvolvimento saudável, prepara o cenário para problemas de saúde agudos e crônicos, e acrescenta trauma geracional ;
  5. Projetam o conflito interior: No centro da personalidade narcisista está uma divisão entre o eu interior envergonhado e vulnerável, e a personalidade supervalorizada. Como pais, eles normalmente projetam essa dualidade interior em seus filhos, vendo um como uma extensão de seu eu idealizado e o outro como uma extensão de um eu sombrio e reprimido. Em lares com uma criança, ela experimentará uma oscilação contínua entre idealização e degradação;
  6. Alienam seus relacionamentos: os pais narcisistas se envolvem em campanhas contínuas de comparação, triangulação e difamação para alienar os relacionamentos de seus filhos com o outro pai, irmãos, família extensa e círculo social;
  7. Distorcem seu senso de realidade: o objetivo é minar a percepção por meio de mentiras e distorções. Pais narcisistas distorcem o senso de realidade de seus filhos com a mesma naturalidade com que respiram. Fazem isso para diminuir sua confiança e controlar o que eles pensam e sentem;
  8. Forçam a adultização: É comum que os pais narcisistas forcem seus filhos em direção a papéis de adultos para atender às próprias necessidades. Crianças exploradas são tratadas como terapeutas, solucionadores de problemas, enfermeiras, melhores amigos, e a lista continua;
  9. Incentivam a infantilização: Em contraste com a adultificação, alguns pais narcisistas encorajam a dependência e o desamparo nos filhos para manter o controle, sentirem-se necessários e superiores, e obter atenção e simpatia dos outros;
  10. Desresponsabilizam os filhos: os pais narcisistas muitas vezes mimam e salvam os filhos favoritos das consequências, como uma extensão de seu próprio senso de direito especial e/ou porque é mais fácil para eles;
  11. Abandonam em momentos de necessidade: por outro lado, pais narcisistas abandonam seus filhos em momentos de vulnerabilidade e necessidade genuína, porque veem isso como fraqueza ou porque não se importam o suficiente;
  12. Não ensinam habilidades para a vida: a menos que ensinar seus filhos os faça se sentirem importantes, os pais narcisistas negligenciam a necessidade de ensinar habilidades para a vida. Muitas vezes, julgam duramente os filhos por suas dificuldades resultantes em lidar com eles quando adolescentes e adultos;
  13. Manipulam financeiramente: para a maioria das pessoas o dinheiro representa a sobrevivência, e os pais narcisistas o usam para controlar seus filhos, por meio de presentes, pagamentos e herança. Normalmente eles alternam entre generosidade e retenção da quantia;
Leia também:  Nem todo abusador emocional tem relação com o narcisismo

Os narcisistas podem ser pais terríveis, perigosos e traumatizantes, mas eles não estão impedidos de ter filhos. Isso também não significa que eles carecem de todas as boa qualidades, mas a maioria alterna entre coisas boas e ruins.

Então, o que fazemos com os narcisistas entre nós? Geralmente não podemos mudá-los. Mas podemos educar nossos filhos sobre o que é o narcisismo, o trauma e fornecer uma alfabetização emocional, de modo quebrarem o ciclo para as próximas gerações. Cada um de nós deve fazer a sua parte.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *