As 3 mentiras mais comuns que contamos a nós mesmos

Foto antiga de uma mulher se olhando em um espelho

Categoria: Outros

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Ao considerar a palavra “mentira”, a primeira associação que vem à mente é o direcionamento dela para outra pessoa. Embora não haja dúvida de que seja frequentemente praticada nas relações sociais, ela também pode se referir à indivíduos mentindo para si mesmos.

Com base em dados anedóticos de anos de trabalho clínico, incluindo avaliação psicológica e terapia, posso compartilhar em primeira mão sobre a frequência e até a intensidade com que os indivíduos tentam dizer a si mesmos coisas que não são verdadeiras.

A consideração das mentiras que contamos a nós mesmos está relacionada ao contexto mais amplo da autoconsciência. Se você parar um momento e pensar, por exemplo, sobre indivíduos em sua vida pessoal ou profissional, ficará claro que há uma variabilidade no grau de autoconsciência que alguém possui.

Algumas pessoas são mais abertas sobre suas falhas e lutas emocionais, enquanto outras são cautelosas a ponto de manter segredo. Também não é nenhuma surpresa que é muito mais fácil olhar analiticamente ou criticamente para os outros do que olhar para si mesmo de maneira objetiva e avaliativa.

Leia também:  O Psicólogo pode abraçar um paciente?

Como você responderia a esta pergunta: Quais são as mentiras que conto a mim mesmo? Outra maneira de pensar sobre isso é perguntar a si mesmo: quais são alguns exemplos possíveis de minha própria negação, quando penso em mim mesmo e em minhas ações, ou em meu comportamento nos relacionamentos?

Em meu trabalho clínico, descobri que a maioria das mentiras que as pessoas contam a si mesmas está relacionada às emoções, e como essas emoções interagem com seus relacionamentos e objetivos gerais na vida.

Veja as automentiras mais comuns, e considere até que ponto você se identifica com essas distorções cognitivas:

Um pedido de desculpas não é suficiente para melhorar as coisas

A doutrinação social nos ensina que as violações sociais e outras transgressões devem ser seguidas de um expresso pedido de desculpas.

Embora essa tentativa reparadora seja uma medida importante a ser incorporada no repertório comportamental de alguém, cometemos o erro de acreditar que esse pedido é uma solução perfeita e definitiva.

Para ser claro, o pedido de desculpas não é a solução para o problema da violação ou transgressão. Ele não resolve nenhum problema subjacente específico, que varia de, digamos, o motivo pelo qual uma criança pequena agride outra criança no parquinho, até a agressão mais severa de um adulto que é verbalmente cruel com seu parceiro romântico em um momento acalorado.

Quando as pessoas acreditam que o pedido de desculpas torna tudo melhor depois de uma transgressão, mentem para si mesmas sobre o potencial dano mais duradouro, que é a perda de confiança.

Publicidade

Mais importante ainda, dizer a si mesmo que ele torna tudo melhor evita o verdadeiro trabalho de convencer o outro que o relacionamento é seguro e confiável.

Leia também:  Por que Psicólogos falham em ajudar pessoas?

Ofuscar a dor com o sentimento de raiva

Um dos erros mais comuns que vejo quando os indivíduos navegam na complexa rede de relacionamentos interpessoais é confundir as emoções.

Quando alguém está significativamente chateado por causa de uma ação ou inação por parte de outra pessoa, a primeira e última reação geralmente é a raiva. As pessoas gravitam em direção à raiva rápida e automaticamente, o que é compreensível de certa forma: ela também dá força.

Quando alguém está com raiva, se sente mais forte e no controle, ao contrário da dor, que faz com que a pessoa se sinta vulnerável ou mesmo desamparada.

Se você pensar sobre sua própria vida e experiências passadas, lembre-se de uma ocasião em que se sentiu dominado pela raiva de um parceiro romântico ou amigo. Embora a raiva possa ser uma consequência compreensível, pergunte-se se a raiva era a verdadeira raiz de como você se sentia.

Lembre-se de que os humanos sentem mais de uma emoção ao mesmo tempo, e também experimentam uma sequência delas se forem autoconscientes e honestos consigo mesmos. Os indivíduos que relatam sentir raiva, ou ficam presos em sua espiral, estão mais feridos, embora se esforcem para evitar reconhecer esse sentimento.

Dinheiro é o que traz felicidade

Nem todo mundo mente para si mesmo dessa maneira, embora essa crença distorcida seja comum entre muitos. Dada a influência das redes sociais, por exemplo, que apresentam uma imagem manipulada, as forças sociais trabalham arduamente para vender um sonho e encorajar essa fantasia.

Leia também:  O que fazer com amizades que se afastam do nada?

Embora o impulso de acreditar que conseguir aquele novo emprego, uma casa melhor ou mesmo ganhar muito mais dinheiro levará ao contentamento, essas mudanças raramente acontecem. Consequentemente as pessoas descobrem que, uma vez que chegam ao lugar que disseram a si mesmas que finalmente as fariam felizes, isso realmente não as torna muito mais felizes.

O efeito é consequência da mentira ou da crença distorcida. A verdade é que o sucesso emocional ou uma sensação de verdadeiro contentamento depende de um processo interno e não externo, o que significa que o contentamento vem de fazer o melhor com os recursos que você tem atualmente, e tomar as medidas apropriadas hoje, em vez de recursos fantasiosos que você deseja ter no futuro.

Finalmente

A autoconsciência e a responsabilidade pessoal exigem honestidade, e a honestidade requer fazer um inventário diário dos verdadeiros pensamentos, sentimentos e ações pessoais.

Quanto mais consciente a pessoa se torna ao se envolver em comportamentos responsáveis ​​e honestos em cada momento e em todas as facetas da vida diária, maior será a melhoria que ela experimentará no contentamento, na conquista de metas e na qualidade do relacionamento.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *