10 coisas boas e ruins sobre o hábito de procrastinar

Mulher com um suéter preto, em enfrente de um notebook da Apple, uma caneca branca e segurando a cabeça com a mão direita

Categoria: Procrastinação

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Todo mundo procrastina. Alguns, de fato, são proficientes nisso. Embora eu costumava me incluir nessa categoria, fiz um esforço consciente para mudar meus hábitos nos últimos anos, e devo dizer que tive muito sucesso nessa empreitada.

Ainda assim, o desejo de adiar o que deve ser feito ocasionalmente me atormenta. Por outro lado, achei tão fascinante o que aprendi sobre a procrastinação que resolvi escrever este artigo, com vários pontos bons e ruins para você refletir.

10 coisas boas sobre a procrastinação

Embora grande parte da literatura sobre procrastinação afirme que o hábito é ruim, minha experiência pode mostrar o contrário.

Publicidade
  1. A procrastinação ensina a gerenciar atrasos. Os antigos gregos sabiam algumas coisas sobre como viver uma boa vida. Eles valorizavam muito a procrastinação, tanto quanto afirmavam que é bom aprender a administrar os atrasos. Claro, há uma diferença significativa entre a procrastinação ativa e passiva. A primeira pode ser considerado boa, enquanto a última (ficar sentado sem fazer nada, por exemplo) é ruim. Saber quando agir, mesmo que isso signifique atrasar uma tarefa, é um bom conselho;
  2. A procrastinação fornece tempo para refletir sobre o que é mais importante. Pensar sobre o que é mais importante na vida precisa de tempo, mas não no sentido de contemplar importantes questões filosóficas. Simplesmente decidindo o que é mais importante. Tomar tempo para pensar em algumas coisas, ou pensar em nada para que a mente possa clarear, ajuda a identificar os núcleos do que é importante para a mente e o coração. Então, pode-se agir de acordo;
  3. Melhores decisões resultam da procrastinação. Apressar-se para lidar com esta ou aquela tarefa, projeto ou item em uma lista de coisas a fazer não significa necessariamente que serão bem feitas, ou fornecerão qualquer satisfação significativa pela sua conclusão. As pessoas também podem se pegarem aceitando projetos e tarefas que não concordam, que estão mal equipadas para lidar, que não deveriam fazer porque são responsabilidade de outra pessoa, ou simplesmente porque não é o momento certo para começar. Só porque algo está em uma lista, nem sempre significa que deve-se trabalhar com ela. Ao procrastinar, a tomada de uma decisão pode ser mais acertada;
  4. A priorização pode ser o desdobramento da procrastinação. Se alguém está adiando as coisas, a procrastinação pode ajudá-la a começar a priorizar. Isso é útil para se livrar de tarefas desnecessárias, coisas que podem ter começado e que não valiam o tempo, pelo menos por agora;
  5. Cabeças mais frias prevalecem quando alguém procrastina e diz que sente muito. Quando alguém é pressionado a se desculpar por ter sido injusto, quem sabe o que pode sair da boca dela? Este é um caso em que dar a si mesmo tempo para pensar cuidadosamente sobre o que e como (e talvez onde e quando) ela emitirá o pedido de desculpas resultará em um pedido de desculpas melhor e mais sincero. Mesmo que leve mais ou menos uma hora para inspirar e expirar profundamente, ela ficará mais calma e seu tom de voz e linguagem corporal ficarão mais relaxados;
  6. Pode-se fazer outras coisas em uma lista de tarefas ao se envolver com a procrastinação ativa. Claro, pode haver algumas coisas em uma lista de afazeres, tarefas ou projetos que são complexos, complicados, demorados ou apenas difíceis, onerosos e que não se deseja aprofundar. Cuidar de cerca de meia dúzia de pequenos itens em uma lista permite que se faça muito, seja mais produtivo e tenha uma sensação de realização. Isso pode ser tudo que se precisa para enfrentar aquele grande problema que estamos adiando;
  7. A procrastinação permite que a mente processe melhor a tarefa. Mesmo quando não se está pensando conscientemente sobre uma lista de coisas a fazer, o subconsciente está. Isso pode levar a uma solução inovadora ou criativa para o problema, tarefa, projeto, recado ou tarefa que está sendo adiada;
  8. A procrastinação ativa oferece benefícios à saúde. Os procrastinadores ativos não ficam paralisados ​​de preocupação. Eles tem níveis mais baixos de estresse, exibem menos tendências de esquiva e tem uma autoeficácia mais saudável;
  9. As idéias mais criativas podem vir por meio da procrastinação. Existe uma escola de pensamento que diz que as primeiras idéias ou soluções para problemas não são as melhores. Essas são frequentemente o resultado de deliberar por algum tempo para classificar as diferentes opções e chegar à mais apropriada. Chame isso de tempo de permanência ou divagação mental, um exemplo do processo criativo. Se funcionar, pode-se usá-la com moderação. Mas, infelizmente, há algumas coisas não podem esperar.
  10. A procrastinação é normal. Em vez de ficar agonizando, achando que se é culpado de um mau hábito por causa da procrastinação, é importante abraçar a compreensão de que a procrastinação é normal . Se não sair do controle ou se tornar crônico, então não deverá haver problemas.
Leia também:  Será que há alguma relação entre tecnologia e procrastinação?

10 coisas ruins sobre a procrastinação

A lista do que não é tão bom na procrastinação inclui algumas observações bem conhecidas (e provavelmente bastante familiares) em que cada uma tem um certo grau de verdade.

  1. A procrastinação pode levar a um fraco desempenho acadêmico. Estudantes universitários que procrastinaram experimentaram níveis mais altos de estresse, episódios crescentes de doença e notas mais baixas no final do semestre;
  2. Níveis mais altos de estresse associados à procrastinação podem estar ligados à falta de autocompaixão. Níveis mais baixos de autocompaixão poderiam explicar alguns níveis de estresse que os procrastinadores experimentaram. Intervenções direcionadas para promover a autocompaixão são benéficas para esses indivíduos;
  3. A procrastinação promove sentimentos negativos. O afeto negativo resulta da procrastinação de uma tarefa importante, mas o perdão a si tende a reduzir a procrastinação e o seu efeito negativo posterior;
  4. A procrastinação pode ter um componente genético. Será que alguém está destinado a ser um procrastinador por causa da composição genética? Embora a procrastinação tenha um componente hereditário, isso não significa que não se possa fazer algo a respeito;
  5. A procrastinação é autodestrutiva. Enquanto o debate continua sobre os pontos bons e ruins sobre a procrastinação, ela confunde comportamentos positivos, como ponderar e priorizar. Além disso, a procrastinação por uma série de razões aparentemente boas leva à um hábito autodestrutivo, que é a ausência de progresso;
  6. Adiar o que precisa ser feito tem resultados ruins. Alguns dizem que procrastinar ajuda a criar pressão e motivá-los a fazer um bom trabalho. Embora isso possa ser verdade para um pequeno número de pessoas, não é o resultado geral. Falhar na realização daquele projeto tão importante, trabalho escolar ou apresentação de negócios no último minuto provavelmente não será seu melhor trabalho. A conversa interna em contrário é apenas uma desculpa
  7. Com a procrastinação faz-se as coisas, mas são as coisas erradas. Empurrar a tarefa importante para o fim da lista e focar em várias tarefas fáceis e rápidas dá a falsa garantia de que se está realizando muito. Este exemplo de procrastinação permite que se faça as coisas, mas as coisas erradas, ou que estão fora de prioridade;
  8. Aumenta-se a carga de trabalho dos outros quando procrastinamos. Ninguém gosta de ser sobrecarregado por um trabalho que outro colaborador deixou de fazer. Isso cria ressentimento e provoca sentimentos de ansiedade;
  9. Os procrastinadores podem ficar paralisados ​​pelo medo de cometer um erro, de perder a autoestima. As pessoas não são inerentemente preguiçosas quando se envolvem na procrastinação. Se você perguntar à elas, apresentarão uma dúzia de razões distintas para a demora em agir. No cerne do problema da procrastinação, pelo menos para alguns indivíduos, pode estar um medo paralisante de cometer um erro e, assim, perder a autoestima;
  10. O produto final da procrastinação crônica pode ser problemas de saúde mental. A procrastinação é um padrão de comportamento autodestrutivo, caracterizado por benefícios de curto prazo e custos de longo prazo, incluindo um aumento nos problemas de saúde mental , como depressão, ansiedade e baixa autoestima.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *