Cabeçalho site

Psicólogo online para vítimas de narcisismo em qualquer lugar do mundo

Início

Artigos

Sobre

Início » Outros » Quais os desafios de se ter uma mãe com Transtorno borderline?

Quais os desafios de se ter uma mãe com Transtorno borderline?

Uma mãe com transtorno borderline falando com sua filha

Este conteúdo não foi escrito por inteligência artificial.
Assim, você tem garantia de que ele possui qualidade, precisão e originalidade.


Crescer com uma mãe com transtorno borderline deixa profundas cicatrizes emocionais e impacta a vida de alguém.

A natureza tumultuada e imprevisível do comportamento cria um ambiente de instabilidade, turbulência emocional e negligência, forçando um relacionamento doentio e parentificado.

Inconscientemente, ela vê o filho mais como uma figura parental do que como um indivíduo que crescerá, fará amigos, se tornará independente e iniciará uma família.

Quando ele afirmar sua independência, a mãe com transtorno borderline se sentirá traída ou abandonada, respondendo com desespero, hostilidade e depressão.

Livre-se do narcisismo em sua vida!

Psicólogo Emilson Silva com camisa roxa e rindo

Com mais de 12 anos de experiência, já ajudei milhares de pessoas a superarem algum tipo de abuso narcisista.

Apesar de entender que o seu papel é apoiar o crescimento do filho, ela empregará táticas para manter o controle.

Ela vai contê-lo fisicamente ou usar frases de manipulação como: “você não me ama”, ou “depois de tudo que fiz por você, é assim que sou tratada” sempre que ele tomar decisões sem consultá-la ou fazer novas amizades.

O objetivo da mãe com transtorno borderline é ser a figura central na vida do filho, tornando difícil para ele fazer escolhas ou estabelecer relacionamentos sem sua aprovação.

Ela vai recorrer à violência ou a ameaças extremas se o filho reunir coragem para fugir.

O pensamento em preto e branco da mãe com transtorno borderline faz com que seu comportamento oscile entre precisar desesperadamente do filho e afastá-lo agressivamente.

Ela vai até acusá-lo de ser uma criança terrível, bem como colocar outros membros da família contra ele. A mãe com transtorno borderline vai ameaçar o filho indiretamente, criando crises ou falando sobre automutilação, fazendo-o se sentir preso.

Compartilhar muito tempo e detalhes íntimos com a mãe com transtorno borderline impede o desenvolvimento da própria identidade do filho.

Mesmo como adulto, ele pode se comportar de maneira carente, infantil ou se sentir preso no papel de cuidador, resistindo para confiar em alguém.

A vergonha de ser “demais”

Crescer com uma mãe com transtorno borderline deixa o filho com uma crença duradoura de que ele é demais para os outros, e que suas necessidades são algo para se envergonhar.

O amor da mãe será inconsistente, com momentos de afeto seguidos de duras críticas, rejeição ou hostilidade.

Tais experiências serão profundamente traumáticas, principalmente quando o filho percebe que suas necessidades precedem as da mãe.

Consequentemente, ele internalizará a mensagem de que expressar necessidades emocionais é arriscado, levando-o ao desespero e à humilhação.

A vergonha em torno das próprias necessidades fará com que ele as minimize ou suprima totalmente.

Ele se convencerá de que seus problemas não são tão significativos quanto os dos outros, que as pessoas sempre têm problemas piores ou que ninguém tem tempo para ouvir suas tristezas.

No entanto, intelectualizar as próprias emoções não as farão desaparecer. A necessidade de ser visto e ouvido continuará sendo um aspecto essencial de sua humanidade.

Se não forem atendidas, essas necessidades se acumularão com o tempo, levando potencialmente a crises existenciais, depressão crônica,e e sensação de solidão e vazio.

Falsa dependência da mãe com transtorno borderline

Uma consequência frequentemente negligenciada ao crescer com uma mãe com transtorno borderline é a “falsa dependência”.

Isso envolve tornar-se hábil em satisfazer as necessidades emocionais da mãe, adotando o papel de uma criança perpetuamente indefesa e dependente.

Enquanto isso, a mãe com transtorno borderline assume o papel de heroína e salvadora.

O filho aprende a fingir ser carente e desamparado, mesmo sendo genuinamente forte e independente.

Essa persona de “criança carente” surge da necessidade da mãe com transtorno borderline de se sentir indispensável, e não de seu eu autêntico.

Mas, o ato se tornará tão arraigado que o filho esquecerá suas verdadeiras forças e independência com o passar do tempo.

Devido a essa personalidade pseudo-dependente, o filho se comporta com dúvidas, constantemente questionando suas habilidades e suas decisões.

Ele teme mostrar sua verdadeira força e independência porque isso ameaça o papel que desempenhou por tanto tempo. Como resultado, ele minimizará suas realizações, inteligência, talentos e potencial.

Esse padrão de pseudodependência persistirá em seus relacionamentos adultos.

Mesmo sendo capaz de lidar com as coisas de forma independente, o filho da mãe com transtorno borderline se preocupará que os outros só o valorizem se demonstrar o quanto precisa deles.

Isso atrairá pessoas que se aproveitam de sua pseudodependência, perpetuando um ciclo de desempoderamento.

No local de trabalho, sua persona pseudodependente fará com que ele esconda seus talentos e habilidades, temendo que mostrar seus pontos fortes deixem os outros desconfortáveis ​​ou ameaçados.

Esse medo vai impedi-lo de assumir papéis de liderança ou defender a si mesmo, limitando o crescimento e as oportunidades de sua carreira.

Questões de limites

Crescer com uma mãe com transtorno borderline afeta profundamente a compreensão e percepção dos limites.

Quando criança, a sobrevivência depende da adoção de uma estratégia de autossacrifício, por meio da negligencia das próprias necessidades e nunca ousando desagradá-la ou incomodá-la.

O objetivo é manter a mãe com transtorno borderline calma e evitar que ela exploda de forma imprevisível.

Infelizmente, a experiência também inclui o que é lamentavelmente referido como “incesto emocional”, no qual a mãe com transtorno borderline expõe o filho a detalhes íntimos de seus problemas adultos, e que são opressores demais para uma criança lidar.

Essa percepção distorcida do espaço e dos limites pessoais continua a afetá-lo como adulto, tornando difícil estabelecer e manter limites quando necessário.

Consequentemente, o filho será suscetível a exploração ou intimidação por outras pessoas.

Além disso, a falta de orientação sobre como manter os limites apropriados nas conversas fará com que ele compartilhe involuntariamente muitas informações pessoais, e em situações que não serão adequadas.

Esse comportamento não intencional afastará as pessoas e criará dificuldades na formação de conexões saudáveis.

O medo de ser igual a mãe com transtorno borderline

O medo de se tornar como a mãe com transtorno borderline é um fardo pesado.

O filho sentirá uma sensação de pavor, sempre que notar uma característica ou comportamento em si mesmo que se pareça remotamente com o dela.

O medo se intensifica quando ele se pega reagindo a situações com emoções desproporcionais, assim como a mãe com transtorno borderline costumava fazer, ou quando ele se descobre excessivamente sensível a críticas ou rejeições, temendo que possa se tornar tão insuportavelmente carente quanto sua mãe.

Esse medo de perder o controle e machucar os outros vai levá-lo a se afastar de pessoas ou situações, e até começar a acreditar que é tóxico e capaz de machucar as pessoas ao seu redor.

Parece uma batalha contínua com os fantasmas do passado, enquanto o filho se esforça para se distanciar dos padrões que outrora definiram sua educação.

Esse medo se tornará particularmente pronunciado quando ele atingir a idade em que deseja se tornar pai ou mãe.

A ideia de repetir os erros de sua mãe com transtorno borderline e sujeitar seu filho ao que ele mesmo experimentou será esmagadora, possivelmente impedindo-o de realizar o desejo de ter sua própria família.

A possibilidade de mudança

Contudo, é crucial entender que não é culpa do filho se sentir assim.

A sensação de não merecer o tempo e a atenção dos outros, o impulso de se encolher e até mesmo o desejo de desaparecer às vezes não decorrem de nenhuma falha pessoal.

Livre-se do narcisismo em sua vida!

Psicólogo Emilson Silva com camisa roxa e rindo

Com mais de 12 anos de experiência, já ajudei milhares de pessoas a superarem algum tipo de abuso narcisista.

Em vez disso, essas sensações se originam da falta de amor e cuidado que se recebe quando criança.

O filho é uma “vítima secundária” do trauma da mãe e herdou parte da vergonha dela. Porém, isso não define seu valor ou identidade.

Independentemente do que os outros digam sobre ele ou seu passado, há a possibilidade de ter fé na própria capacidade de quebrar a cadeia do trauma transgeracional.


Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *