“Estou bem!”: dizemos isso o tempo todo por ser curto e doce, mas muitas vezes não é verdade.

E enquanto todo mundo ocasionalmente diz que está bem quando não está, os emocionalmente dependentes são especialmente mais propensos a essa forma de mentira. Então, vejamos por que fazemos isso e como podemos ser mais autênticos:

Fingindo estar bem

Quando dizemos “estou bem” ou “está tudo bem”, estamos negando nossos verdadeiros sentimentos e experiências; esperamos também convencer a nós mesmos e aos outros que tudo está realmente bem.

Fingir que não temos problemas, emoções difíceis ou conflitos é uma fachada. É a imagem que queremos apresentar para o resto do mundo. Queremos que os outros pensem que tudo está funcionando muito bem para nós, porque temos medo da vergonha e do julgamento que podem surgir se as pessoas souberem a verdade: que estamos lutando, que nossas vidas estão incontroláveis, que nossos entes queridos estão com problemas de saúde, que não somos perfeitos etc.

E se reconhecemos nossos problemas para os outros, temos que enfrentá-los e admitir para nós mesmos que não somos felizes, que nossas vidas não são perfeitas ou que precisamos de ajuda.

Negação é compreensível. Parece mais fácil evitar certos problemas, lembranças traumáticas e sentimentos difíceis. No entanto, todos sabemos que evitar não é uma boa estratégia a longo prazo. Muitas vezes, quanto mais tentamos ignorar as coisas, maiores os problemas. Então, por que negamos nossos problemas ou fingimos estar bem?

Por que dizemos que estamos bem quando não estamos ?

Fingimos estar bem para evitar conflitos. Compartilhar nossos verdadeiros sentimentos ou opiniões pode fazer com que alguém fique com raiva de nós, e isso é assustador ou pelo menos desconfortável.

Também usamos “estou bem” para nos proteger de sentimentos dolorosos. Em geral, os emocionalmente dependentes não se sentem à vontade com as emoções. A maioria de nós cresceu em famílias onde não era permitido ficar com raiva ou tristeza. Disseram-nos para parar de chorar ou fomos punidos quando expressamos nossos sentimentos, ou nossos sentimentos foram ignorados.

Como resultado, aprendemos a reprimir nossos sentimentos e a entorpecê-los com comida, álcool ou outros comportamentos compulsivos. Muitos de nós também crescemos com pais que não podiam regular suas próprias emoções.

Por exemplo, se você teve um pai que se enfurecia facilmente, pode ter medo da raiva e querer evitar ficar com raiva ou irritar os outros. Ou, se você teve um pai que estava profundamente deprimido, pode ser inconscientemente compelido a evitar seus próprios sentimentos de tristeza, tristeza ou desesperança. E depois de anos reprimindo e entorpecendo seus sentimentos, você pode nem estar mais ciente deles. Então, você pode dizer “estou bem” porque você realmente não sabe como se sente.

Você também pode ter aprendido na infância que não precisa de nada. Novamente, você pode ter sido punido quando pediu algo ou suas necessidades podem ter sido ignoradas. Quando isso acontece repetidamente, aprendemos que não devemos pedir nada, porque ninguém se importa com nossas necessidades e elas não serão atendidas.

Não queremos ser pessoas difíceis (que podem levar a um conflito) e não queremos ser um fardo ou precisar de algo, pois isso pode afastar as pessoas. Uma história de relacionamentos disfuncionais e auto-estima frágil nos levou a acreditar que as pessoas não vão gostar de nós (e talvez elas nos abandonem ou nos rejeitem) se pedirmos demais ou tivermos sentimentos complicados. Parece mais seguro fingir que estamos bem e somos um amigo confiável e alegre que nunca reclama.

Também negamos nossos problemas e sentimentos porque eles são dolorosos e não sabemos como resolvê-los.

Reconhecendo que você não está bem

Se você nega seus sentimentos e problemas há anos, não é fácil começar a escavar as coisas bagunçadas no fundo do seu psiquismo. Mas, se quisermos realmente nos sentir melhor e criar relacionamentos mais autênticos e satisfatórios, temos que reconhecer que não estamos bem, que estamos lutando, magoados, com medo ou com raiva e que temos necessidades não atendidas. Um Psicólogo pode fornecer um apoio valioso quando surgem sentimentos difíceis. Se não se permitir desafiar gentilmente sua negação, você ficar preso.

Sair da negação é ser mais honesto consigo mesmo. Portanto, mesmo que você não esteja pronto para compartilhar seus verdadeiros sentimentos ou experiências com os outros, tente reconhecê-los você mesmo. Você pode fazer isso registrando em diário e nomeando seus sentimentos. Tente se interessar em como você está se sentindo, em vez de afastar imediatamente seus sentimentos. Lembre-se de que os sentimentos não são bons ou ruins, portanto, tente não julgá-los. Você pode pensar em seus sentimentos como mensageiros que estão fornecendo informações úteis. Novamente, em vez de tentar mudar a maneira como você se sente, fique curioso sobre o motivo pelo qual está se sentindo de uma maneira específica ou o que seus sentimentos estão tentando lhe dizer.

Em seguida, identifique uma pessoa segura no qual possa ser mais autêntica. Se ninguém em sua vida parecer seguro, você pode estabelecer uma meta no desenvolvimento de um relacionamento em que se sinta seguro em agir com mais honestidade. Novamente, grupos de terapia e apoio são bons lugares para começar, porque o compartilhamento honesto é incentivado e não há exigências de que você esteja “bem” o tempo todo.

E, finalmente, saiba que você não é o único que está lutando com esses problemas. Você é, no entanto, o único que pode começar a alterá-los. Você pode lentamente começar a pensar e agir de maneira diferente, pode validar seus sentimentos e necessidades e ser mais do seu verdadeiro eu. Algumas pessoas podem ter dificuldades com as alterações que você faz, mas outras se sentem atraídas pela versão mais assertiva e autêntica de você. Mais importante, acho que você ficará mais feliz quando se conhecer melhor e puder reconhecer mais de seus sentimentos e experiências.

Compartilhe este artigo !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *