Rótulos como narcisistas e psicopatas no discurso popular

Homem com cabelo raspado ao lado da cabeça, com muitas tatuagens, anéis de caveira e apontando a mão para o observador

Categoria: Narcisismo
Categoria: Psicopatia

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Tive um paciente que recentemente observou que o uso crescente do termo “psicopata” na mídia é na verdade uma forma disfarçada de criticar o egoísmo.

Transformar um distúrbio clínico estranho e assustador em egoísmo torna-se uma notícia cativante, atraindo leitores.

Imediatamente pensei em como o narcisismo teve seu apogeu na cultura popular recentemente também, e com finalidades semelhantes.

Mais uma razão para publicar artigos em revistas e jornais que depreciam uma condição clínica grave: os narcisistas e psicopatas se preocupam apenas com eles mesmos e não têm escrúpulos em ferir e sacrificar os outros quando isso convém a seus propósitos.

Essas são pessoas perigosas que estão à espreita entre nós.

Ambos os rótulos soam como diagnósticos psiquiátricos, mas na verdade não são.

Leia também:  O abuso narcisista deixa as pessoas mais apáticas

O narcisismo é uma qualidade que todos possuem, em maior ou menor grau. Normalmente se desenvolve na infância: a sensação que todos os bebês têm de que o mundo gira em torno deles.

No entanto, gradualmente aprendemos que não somos o centro do mundo e que outras pessoas, incluindo nossos cuidadores, têm seus próprios objetivos e perspectivas separados dos nossos.

O narcisismo infantil é, portanto, temperado pela realidade dos relacionamentos saudáveis, embora seus vestígios estejam presentes em nosso orgulho e talvez em nossa tendência comprovada de superestimar nossa própria eficácia e desempenho.

O narcisismo patológico, nesta visão, é a normalidade infantil carregada de forma anormal até a idade adulta.

Só se torna um diagnóstico psiquiátrico quando a condição preenche certos critérios observáveis e prejudica o funcionamento social e/ou ocupacional.

Publicidade

Da mesma forma, a psicopatia é um traço de personalidade, e não um diagnóstico. A psicopatia é dimensional e não categórica, ou seja, não existe um diagnóstico chamado “psicopatia” ou “sociopatia “.

Em vez disso, existe o transtorno de personalidade antissocial, que se sobrepõe à psicopatia, mas não é a mesma coisa.

Esses termos, psicopata e narcisista, são rótulos de personalidade vagamente aplicados quando popularizados na mídia. O que se acrescenta a simplesmente chamar alguém de insensível ou egoísta?

  • Primeiro eles oferecem uma explicação, na verdade uma pseudo-explicação, de um comportamento assustador. Nosso sentimento de impotência é amenizado pelo rótulo, como se, agora que a ameaça foi identificada, pudéssemos ser capazes de fazer algo a respeito;
  • Em segundo lugar, esses rótulos implicam que o mau comportamento é uma função do caráter da pessoa, uma determinação categórica. No entanto, o diagnóstico psiquiátrico categórico, especialmente de personalidade, é controverso em geral. Usar um rótulo como psicopata ou narcisista para descrever outra pessoa (da qual só ouvimos no noticiário e não avaliamos formalmente) chega a uma conclusão prematura sobre a causa do comportamento dessa pessoa;
  • Terceiro, o rótulo adiciona força à nossa desaprovação verbal. Considere “idiota” e “imbecil”, todas originalmente cunhadas como categorias oficiais que descrevem baixo QI. Ou “cretina”, que originalmente se referia à deficiência física e mental devido à deficiência congênita da tireoide. Qualquer rótulo diagnóstico usado como substantivo é degradante, ou seja, chamar alguém de esquizofrênico, neurótico , limítrofe, etc. Mas esse é exatamente o objetivo do uso popular de termos como psicopata e narcisista: para mostrar desrespeito e desdém, para desaprovar, e para sublinhar a diferença entre nós e a pessoa com a etiqueta.
Leia também:  O pior tipo de narcisismo é o narcisismo maligno

Nossas primeiras categorias sociais são “mocinhos” e “bandidos”, definindo um contra o outro.

De “policiais e ladrões” aos esportes coletivos, à política bipartidária, aos nossos aliados e inimigos no cenário mundial, nós nos dividimos em todos os níveis, chamando o primeiro de bom e o último de mau.

A insensibilidade e o egoísmo estão em todos nós até certo ponto, e dói admitir isso; danifica nossa autoimagem.

Em vez disso, nos defendemos psicologicamente contra essa percepção em nós mesmos, projetando esses traços nos outros usando um pincel largo e termos pejorativos.

Embora algumas pessoas sejam realmente insensíveis ou egoístas, o uso popular de rótulos que soam científicos atende às nossas próprias necessidades psicológicas ao identificar os “bandidos” e nos fazer sentir melhor sobre nós mesmos.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *