Meu namorado insiste em olhar as mensagens do meu celular

Psicólogo Emilson Silva de camiseta cinza e olhando para o lado direito e para cima

Categoria: O Psicólogo responde

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Questão: Estou com meu namorado há três anos. Alguns meses atrás ele disse que seria “saudável” para nós termos acesso aos telefones um do outro. Ele quer ser capaz de ler minhas mensagens sempre que quiser, e diz que está tudo bem se eu também ler as mensagens dele.

Achei esse pedido estranho, para dizer o mínimo. Eu contei a algumas amigas sobre isso e elas também disseram que era estranho. Nenhuma delas tem uma política de “telefone aberto” com seus namorados. Elas acham que isso tem relação com questões de confiança da parte dele.

Não temos um histórico de infidelidade, então não pode ser isso. Eu nunca o traí em nenhum sentido. A única coisa que consigo pensar que criou algum tipo de estranheza em nosso relacionamento foi quando fui procurada no casamento de um amigo.

Isso foi há cerca de seis meses e, embora eu tenha aceitado um pedido de amizade do cara no Facebook, trocamos apenas alguns comentários em postagens públicas. Algo amigável, mas nada atrevido.

Meu namorado mencionou nossas interações uma vez, mas não de uma forma que sugerisse que ele se sentia ameaçado ou inseguro. De qualquer forma, perguntei se isso tinha alguma coisa a ver com o pedido dele e ele disse que não.

Não tenho certeza do que está acontecendo, mas não gosto de saber que meu namorado insiste em ver minhas mensagens. Para evitar dar a ele motivos para crises de ciúme, acabei cedendo e concordei em compartilhar o acesso ao meu celular.

Agora mantemos nossos telefones desbloqueados, e ele está livre para olhar o meu quando quiser. Embora eu nunca o tenha testemunhado fazendo isso, eu sei que ele faz.

Da minha parte eu nunca senti necessidade de olhar o dele.

O que você acha que está acontecendo aqui? Estou fazendo isso da maneira certa? Devo insistir em um limite?

Resposta: Eu também tenho algumas preocupações sobre essa política de “telefone aberto” e entendo sua relutância, à qual encorajo você a prestar mais atenção.

Publicidade

Antes de expor, no entanto, vou discutir brevemente o que é uma “fronteira” em minha experiência clínica. O termo se espalha muito, enquanto os significados diferem.

Leia também:  O paciente pode adicionar seu Psicólogo nas redes sociais?

Como gosto de trabalhar de um ponto de vista que chamo de “atenção plena emocional” (e o que são amor e intimidade senão experiências baseadas na emoção?), penso em uma fronteira como um ponto de inflexão além do qual alguém sofrerá de maneira inaceitável.

Esse ponto de partida geralmente diz respeito a um comportamento específico, que causa a alguém um nível de angústia ou sofrimento que ela não é capaz ou deseja tolerar.

Em outras palavras, é uma maneira de evitar uma experiência emocional negativa, por isso é tão importante que essas coisas sejam discutidas em um relacionamento com a mente e o coração tão abertos quanto possível.

Minha sensação é que você e seu namorado estão de alguma forma sentindo falta um do outro. Por um lado, você diz: “Para evitar dar a ele motivos para crises de ciúme, acabei cedendo e concordei em compartilhar o acesso ao meu celular”.

Leia também:  Preciso de ajuda, mas não sei como conseguir

Assim, após alguma deliberação interna e talvez ansiedade, você concordou com o pedido dele. Contudo, se você está me escrevendo sobre isso é porque há indicativos de algum desconforto.

A preocupação que tenho aqui é que o foco se tornou centrado na mecânica, e não no significado emocional desse compartilhamento.

Por “significado”, refiro-me a como vocês pensam e sentem sobre o que está acontecendo e como isso afeta o relacionamento.

O fato de você ter se tornado “amiga” de um cara que conheceu no casamento do seu amigo tornou-se compreensivelmente preocupante para o seu namorado.

Talvez devido a um pouco de sua própria história, assim como algumas das suas podem ter impactado na sua decisão de se tornar amiga do cara e/ou concordar em compartilhar telefones.

Com toda sinceridade, seu namorado não saiu e discutiu suas preocupações explicitamente, o que inclui o “sentir falta um do outro” que mencionei anteriormente.

Ele adotou uma abordagem literal ou física em vez de se arriscar à vulnerabilidade ao discutir o assunto.

Você pode ter seguido um caminho semelhante ao concordar em compartilhar seu telefone quando não queria, Ambos estavam evitando o risco emocional ou a vulnerabilidade tão crucial para construir proximidade ou intimidade.

Todo comportamento, especialmente quando se trata de um relacionamento íntimo, é um tipo de comunicação que revela uma intenção que pode ou não ser consciente.

Em algum nível, o impulso do seu namorado de verificar seu telefone é uma maneira de dizer que não confia em você.

Por outro lado, seu namorado pode disfarçar os sentimentos de insegurança ao verificar seu telefone e dizer: “Não suspeito de nada em particular, é apenas uma forma de aumentar a confiança e me faz sentir melhor”.

Também poderia dizer: “Eu confio em você, mas fico tão ansioso com isso que preciso de validação ou confirmação. É difícil dizer não a essa necessidade de saber. ”

Leia também:  14 sinais de que você está namorando um misógino

Sua decisão de se tornar amiga do cara do casamento é uma forma de dizer: “Ei, pode confiar em mim, sou leal a você ”. Também pode ser uma questão de “Tenho dificuldade em dizer ‘não’, pois pode magoar os sentimentos da outra pessoa, por isso é mais seguro apenas concordar”.

Em ambos os casos, você e seu namorado têm vulnerabilidades reais (e compreensivelmente humanas) em relação à confiança e à traição.

Vale a pena sentar-se um com o outro para uma conversa aberta em que você tenta ouvir a outra pessoa em termos de suas esperanças e medos. Se isso for desconfortável, procure um Psicólogo que possa ajudar a facilitar as coisas de maneira imparcial.

Vejo isso na terapia de casal o tempo todo, onde uma pessoa precisa aumentar o volume de seus desejos ou necessidades (você, neste caso), enquanto a outra precisa diminuir um pouco em termos de intromissão ou demanda (seu namorado).

Ambos devem se concentrar nas vulnerabilidades emocionais que impulsionam o conflito, em vez de se concentrarem em uma solução externa.

Colocar a carroça na frente dos bois é algo que todos nós fazemos, embora o “boi” (isto é, o relacionamento) apenas acabe ficando bloqueado.

Não se deve colocar o “nós” acima do “eu” em qualquer relacionamento, especialmente quando não entendemos o ponto de vista da outra pessoa, ou se esse ponto de vista conflita com a nossa autonomia, liberdade e assim por diante.

Eu espero que isso ajude.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *