Como lidar com o tédio nos momentos de ociosidade?

Duas mulheres deitadas em um sofá e mexendo em seus smartphones

Categoria: Outros

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

O tédio é um sentimento universalmente temido e significa querer se envolver com algo quando você não pode. É o nosso cérebro nos dizendo para agir, assim como a dor é um sinal importante de perigo ou dano. Ele é uma experiência diferente da ociosidade de um relaxamento.

Ele também é um alerta de que as coisas não estão indo bem, pois um cérebro entediado é um cérebro descomprometido e infeliz.

O problema do tédio é que, embora nos diga que algo está errado, ele não nos diz o que fazer a respeito. Quando a sensação inquietante do tédio nos atinge, é comum ser reativo e buscar reflexivamente a coisa mais próxima: o smartphone.

Mas, tal reação pode desencadear um “círculo vicioso”, pois o tempo no telefone não é particularmente significativo, deixando-o entediado novamente.

O que causa o tédio?

O tédio ocorre quando nossa energia não é canalizada para uma saída que forneça significado ou realização. E isso envolve alguns componentes-chave:

  • Ter energia para se dedicar a algo envolvente;
  • Dificuldade de se concentrar em uma única tarefa e;
  • Falta de controle sobre o ambiente.
Leia também:  Por que as pessoas nos interrompem e o que fazer a respeito?

Por que alguém fica facilmente entediado?

O tédio é um catalisador para a mudança e uma oportunidade para reflexão. Portanto, a sensação pode surgir:

  • Durante uma tarefa pouco desafiadora ou extremamente repetitiva;
  • Devido à falta de autoconsciência sobre o que achamos satisfatório.

Os traços de personalidade também desempenham um papel importante. Os propensos à busca de sensações, extroversão e novidades têm maior probabilidade de sentir tédio.

Que problema os Psicólogos vêem no tédio?

Psicólogos que tratam pacientes com tédio crônico acreditam que ele é devido ao mascaramento da dor emocional, como um trauma de infância, tornando a pessoa inconsciente de seus verdadeiros desejos e necessidades.

A pessoa também pode estar subestimulada, procrastinando ou sofrendo de ansiedade.

Qual é a conexão entre o tédio e o uso de substâncias?

A suscetibilidade ao tédio está correlacionada com o uso de substâncias. As pessoas podem usar álcool ou drogas para aliviar o tédio e evitar confrontar emoções ou pensamentos dolorosos.

Combater o tédio desde cedo com atividades envolventes que crianças ou adolescentes consideram significativas pode, teoricamente, ajudá-los a evitar o uso de drogas ou álcool.

É possível morrer de tédio?

O tédio em si não mata, mas está relacionado a morte precoce. Pessoas que frequentemente ficam entediadas no trabalho são propensas a morrer mais cedo, e 2,5 vezes mais propensas a morrer de doenças cardíacas do que aquelas que não ficam entediadas.

Elas também fazem menos atividade física e tem mais problemas de saúde, o que mostra uma correlação entre o tédio e a mortalidade.

O que fazer para superar o tédio?

A melhor maneira de superar o tédio é explorando e identificando por que você se sente assim. Ele se caracteriza por um estado de incapacidade de encontrar significado, gerando um sentimento profundamente desconfortável.

Leia também:  A influência negativamente das redes sociais na saúde mental

No entanto, em vez de tentar escapar, jogue-se nele para descobrir quais são as ferramentas para superá-lo. As culturas orientais há muito entenderam o valor de abraçar o tédio, acreditando ser um caminho para uma consciência superior.

Você também pode:

Publicidade

Fazer uma pausa

Às vezes, não ter nada pra fazer é a maneira de sua mente e seu corpo pedirem uma pausa.

Sair

Fazer alguma atividade física leve ao ar livre, mesmo que seja apenas uma caminhada de 10 minutos, ajuda a redefinir seu humor.

Escrever um diário

O diário ajuda a organizar suas emoções, bem como explorar seu estado emocional esclarece por que você não quer fazer nada.

Meditar

Ajuda a ser mais capaz de perceber as próprias emoções, e aceitá-las sem se julgar ou deixar que elas o derrubem.

Fazer contato com um amigo

Conversar com um amigo, vizinho ou familiar ajuda a prevenir a depressão e o declínio cognitivo, que envolve problemas de pensamento e memória;

Ouvir música

Ela ajuda a preencher o silêncio, e dar a você algo em que pensar quando estiver entediado;

Experimentar algumas tarefas fáceis

Isso dará à você a sensação de realização, de menos confusão e mais controle.

Fique atento a outros problemas de saúde mental

Não querer fazer nada não significa necessariamente que você tenha depressão, mas às vezes pode ser um sinal. A depressão, geralmente, não melhora sem o apoio de um profissional de saúde mental, por isso é melhor conversar com um Psicólogo se as dicas anteriores não ajudarem.

Também é melhor procurar um profissional se você experimentar:

  • Mau humor persistente;
  • Perda de interesse em coisas que você costuma gostar;
  • Desinteresse geral na maioria das coisas;
  • Baixa energia ou fadiga;
  • Pensamentos de automutilação ou suicídio;
  • Irritabilidade ou outras alterações incomuns de humor;
  • Sentimentos de vazio, desesperança ou inutilidade.
Leia também:  O que fazer quando as coisas não saem conforme planejamos?

As pessoas que vivem com ansiedade também podem ter dificuldade em fazer qualquer coisa quando se sentem particularmente preocupadas ou ansiosas. Você também pode se sentir inquieto e incapaz de resolver qualquer coisa, ou mudar de uma tarefa para outra.

Um Psicólogo vai ajudá-lo a lidar com os sintomas de ansiedade, por isso é uma boa ideia entrar em contato se você tiver:

  • Preocupações persistentes ou medos que parecem incontroláveis;
  • Devaneios;
  • Insônia;
  • Ataques de pânico;
  • Dor de estômago.

Palavras finais

Cada episódio de tédio oferece uma oportunidade para fazer uma mudança positiva, em vez de procurar reativamente a fuga mais rápida e fácil. O tédio tem uma má reputação que não é merecida. Ele está ligado a muito do que a maioria de nós deseja, como viver uma vida rica, gratificante, interessante e significativa.

Ele é apenas um tipo de sinal útil, talvez um sinal indesejado, que nos ajuda a chegar lá. Só precisamos prestar atenção. Em vez de reagir ao tédio, tente ficar mais atento ao sinal que ele está lhe enviando. Aproveite a oportunidade que o tédio está lhe dando para redefinir, refletir ou reformular suas prioridades.

Que outras opções são mais significativas? Quais são seus objetivos, grandes e pequenos? E por que o que você está fazendo importa, mesmo que não pareça?

E lembre-se de que o tédio e nossa busca para encontrar alívio são essenciais para nossa experiência humana.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *