Por que você está evitando a intimidade?

Mulher de óculos e blazer mostrando a palma da mão

Categoria: Insegurança

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Normalmente há muito mistério quando começamos a namorar alguém de quem gostamos muito: Essa pessoa é certa para mim? O que ela está pensando? Como ela se sentem sobre mim? O que ela está buscando? E por que estamos evitando a intimidade?

À medida que as coisas avançam, no entanto, descobrimos que muitos desses mistérios têm mais a ver conosco: Estou realmente interessado? Como me sinto? O que eu quero? Estou fazendo o que é melhor para mim?

Mas por que evitamos a intimidade com pessoas de quem gostamos, ou de situações que parecem desejáveis. Essa evitação tem a forma de medo e ansiedade, perda de interesse, tédio ou sensação de que a “faísca” desapareceu. Então tomamos medidas para criar distância.

Se você se vê continuamente repetindo esse padrão, então é hora de perceber que a resposta é sim, você está evitando a intimidade.

Aqui, vou me concentrar em três fatores psicológicos que contribuem para que as pessoas façam pausas quando se trata de amor.

Os padrões de apego estão atrapalhando

Uma das influências mais profundas na maneira como nos comportamos nos relacionamentos são os padrões iniciais de apego que experimentamos.

Leia também:  Insegurança emocional: como ela afeta os relacionamentos?

À medida que crescemos, esses padrões servem como modelos de como esperamos que as pessoas e os relacionamentos funcionem, e influenciam a forma como nos relacionamos.

As pessoas que experimentaram um apego seguro tinham pais que constantemente atendiam às suas necessidades e estavam sintonizados com elas, fazendo com que se sentissem seguras, vistas, confortadas e, portanto, seguras. Como adultos, elas são capazes de se sentirem mais seguras no relacionamento, equilibrando a proximidade com seu próprio senso pessoal de autonomia.

As pessoas que experimentaram um padrão de apego ansioso quando criança tem sentimentos de insegurança e incerteza, tendem a se sentirem nervosas sobre como as coisas estão indo com seu parceiro.

Uma pessoa ansiosamente apegada é vista mais como um “stalker” em um relacionamento, sempre tentando ir em direção à outra pessoa. No entanto, mesmo que pareçam ser as que querem mais proximidade, elas tendem a se envolver em comportamentos que criam turbulência emocional e distância.

Se o apego ansioso está associado à perseguição, o apego desdenhoso está associado ao “distanciamento”. Indivíduos com apego desdenhoso são menos disponíveis emocionalmente, e buscam o isolamento.

Pessoas com apego desdenhoso aprenderam a ser pseudo-independentes e a satisfazer suas próprias necessidades. Elas hesitam em confiar ou se abrir para outra pessoa, e se afastam da intimidade e até negam sua importância.

Elas estão mais inclinadas a se desligar de seus desejos, e sentem vontade de fugir quando alguém quer algo delas. Ironicamente, escolhem parceiros com um padrão de apego mais ansioso, o que exacerba seus sentimentos de retraimento.

Infelizmente, esse padrão antigo e arraigado realmente vai levá-las a se afastarem de pessoas ou conexões que as tornariam felizes, evitando a intimidade.

Leia também:  Superando as 3 causas mais comuns da insegurança emocional

Você têm medo da intimidade

Além de qualquer padrão de apego que experimentamos, todos nós temos vários graus de medo em relação à intimidade, moldados pelo nosso passado.

Quando nos apaixonamos, nossa guarda está baixa. Estamos abertos e vulneráveis ​​a outra pessoa e, embora isso possa parecer incrível em um nível, em outro, nossas defesas estão sendo ameaçadas.

Há muitas razões pelas quais nossos medos em torno dos relacionamentos são inflamados, mas aqui estão cinco fontes primárias:

Publicidade
  1. O amor verdadeiro nos faz sentir vulneráveis . Entrar no desconhecido, especialmente algo que nos faz sentir diferentes sobre nós mesmos, é inerentemente assustador;
  2. O novo amor desperta mágoas do passado. Infelizmente, ser amado de uma maneira que nunca sentimos antes nos lembra de como fomos feridos e podemos ser feridos novamente;
  3. Com a verdadeira alegria vem a verdadeira dor. Sempre que sentimos a preciosidade de nossas vidas, seja por pura felicidade ou pelo apego à outra pessoa, também temos medo de perdê-la;
  4. Os relacionamentos quebram a conexão com sua família. Quando formamos uma nova conexão, particularmente uma que é diferente daquelas em nosso passado, temos uma sensação de separação de padrões antigos (às vezes dolorosos) de nossa história;
  5. O amor desperta medos existenciais. Permitir-nos cuidar profundamente de outra pessoa nos deixa vulneráveis ​​à possibilidade de perda. Sentir-se mais envolvido ou conectado às pessoas sempre nos deixará mais em contato com as realidades existenciais.

Sua identidade está sendo desafiada

Infelizmente, muitos de nós não carregamos uma opinião muito otimista de si.

Lutamos para sentir nosso próprio valor ou acreditar que alguém realmente se importa conosco. Essa opinião se origina em uma “voz crítica interior” que todos nós possuímos.

Leia também:  As maiores razões que tornam uma namorada carente

É como um inimigo em nossa cabeça que constantemente tenta nos derrubar. Essa “voz” gosta de nos deixar desagradáveis ​​e duvidosos dos sentimentos de alguém em relação a nós. Promove atitudes críticas e desconfiadas em nós mesmos, nos nossos parceiros e nos relacionamentos em geral.

Como essa voz é moldada a partir de experiências dolorosas da infância e atitudes críticas às quais fomos expostos, é difícil afastá-la. Permitir que alguém nos ame é o desafio final para esse crítico interior, e não espere que ele desapareça sem lutar.

A voz crítica interior tem tudo a ver com preservar o senso negativo de identidade. Por mais desagradável que seja, nos apegamos a essa identidade e não nos percebemos evitando a intimidade.

Embora o amor e a conexão sejam algo que a maioria de nós diz querer, precisamos estar dispostos a olhar para as defesas que mantêm o que queremos à distância. Isso significa estar disposto a desafiar nosso crítico interior, explorar o que realmente nos assusta na intimidade e observar mais de perto os padrões de apego que experimentamos.

É necessário uma boa dose de bravura quando tudo o que queremos fazer é seguir em frente. No entanto, nossa vontade de conhecer os elementos mais profundos que nos levam a evitar a intimidade permitem a redefinição de nossos conceitos sobre o amor e, em última análise, sobre nós mesmos.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *