Os 5 maiores motivos pelos quais os pacientes abandonam a terapia

Homem de jaqueta azul caminhando por uma estrada coberta de neve, e com árvores em suas laterais

Categoria: Terapia online

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Depois de fazer terapia por algum tempo, um paciente me perguntou se eu achava que ele deveria tomar antidepressivos. Respondi que só recomendaria medicamentos se estivesse em crise.

Essa resposta parece tê-lo incomodado. Ele se sentia completamente invisível. Eu não tinha visto quanta dor estava sentindo? Eu achava que ele estava dando grande importância ao nada?

Chateado, ele me confidenciou que estava saindo da terapia. Ficou com raiva de mim e sentia que eu não o entendia. Além do mais, disse ele, já estava em terapia a um bom tempo e seus problemas ainda não estavam resolvidos! Afinal, ele estava gastando muito dinheiro. Então qual era a questão?

Começamos a conversar sobre as várias alternativas existentes, e que o levariam a uma conclusão diferente. Sempre que o paciente sentir a necessidade de cancelar as sessões, e que pretende não voltar atrás, então esse é o momento em que melhor poderá se beneficiar da terapia.

Embora as pessoas deixem a terapia prematuramente por uma ampla variedade de razões, as mais comuns podem ser abordadas das seguintes maneiras:

1. O Psicólogo irritou o paciente

Os Psicólogos não são todo-poderosos; eles são seres humanos. E como todos os seres humanos, cometem erros. Além disso, às vezes eles entendem mal, perdem algo que é importante ou apenas veem um problema de uma perspectiva diferente. Eles estão fazendo tudo isso enquanto mantêm um relacionamento profundamente pessoal com o paciente.

Portanto, se você estiver em terapia por qualquer período de tempo, é quase uma garantia que você ficará bravo com seu Psicólogo em algum momento.

No entanto, esse momento é na verdade uma rica oportunidade. A maioria de nós tem algumas dificuldades em relação ao confronto. Talvez a gente se empolgue e grite, ou talvez o reprimamos e fiquemos de mau humor.

Leia também:  Como saber se você precisa começar a fazer terapia online?

O que quer que façamos, provavelmente não é o que consideraríamos “ideal”. Quando você está bravo com seu Psicólogo, pode aproveitar para experimentar um comportamento diferente enquanto expressa sua raiva.

  • Ele vai ouvi-lo e ajudá-lo a processar o que está acontecendo, de modo que possa superar a raiva;
  • Ele não vai tentar dissuadi-lo, ou irromper em lágrimas como talvez sua mãe faça, ou ficar com mais raiva de você como seu pai. Será uma experiência diferente da norma, e gratificante por causa disso;
  • Ele honrará o que você está sentindo e verá como isso influencia seu trabalho na terapia como um todo;
  • Ele pode até usá-lo para entendê-lo melhor. O resultado pode aproximar vocês dois, tornando suas sessões de terapia subsequentes mais frutíferas.

2. O paciente não pode mais pagar

Quando nossas finanças mudam para pior, a primeira resposta é reduzir despesas, eliminando “coisas não essenciais”, como ir à academia, comer fora e, infelizmente, a terapia. No entanto, se seu negócio está passando por dificuldades, você deve estar experimentando níveis crescentes de estresse e ansiedade, sentimentos de autoestima em queda, vergonha e até desesperança.

É durante tempos sombrios como este que você pode se beneficiar mais com o apoio contínuo de um Psicólogo atencioso.

Então, o que você faz se for muito caro? Tente explicar a situação ao seu Psicólogo e descubra se pode ajustar o preço. A maioria deles trabalha em uma escala de preço ajustável, que significa que eles aumentam e diminuem seus honorários dentro de uma determinada janela.

O raciocínio por trás dessa prática é que a frequência e a natureza do tratamento terapêutico devem se basear no que é do melhor interesse do paciente, não no que está em sua carteira. Diga ao seu Psicólogo quanto você pode pagar, e vocês dois provavelmente conseguirão negociar preço mutuamente aceitável.

3. O paciente não acredita na terapia

Em eventos sociais ao longo dos anos, ouvi várias variações sobre: ​​“Não sei realmente o que estou fazendo na terapia.”, “Não tenho certeza se está funcionando. ”. Se você ainda não deixou claro, para si mesmo ou para seu Psicólogo, o que deseja obter do trabalho, sua terapia pode estar sendo prejudicada.

Leia também:  Por que o Psicólogo fica te olhando durante a sessão de terapia?

Sugira a formulação de um plano de tratamento que liste seus objetivos, bem como estratégias para atingir esses objetivos. Você também pode querer estabelecer um procedimento de “check-in / check-out” com seu Psicólogo.

Isso implicaria em você declarar nos primeiros cinco minutos ou mais da sessão o que gostaria de aproveitar naquele dia. Então, nos últimos cinco minutos, você revisaria essa intenção e avaliaria se ela foi cumprida ou não. Se sim, como? Se não, porque não?

Às vezes, porém, surge uma situação diferente. A vontade de ir embora pode atacar exatamente porque você ESTÁ prestes a realizar um trabalho sério. A negação é, em alguns sentidos, um mecanismo de enfrentamento saudável para protegê-lo de questões que são dolorosas demais para olhar se não estiver pronto.

Se você falar sobre as possibilidades por trás desse desejo incômodo de ir embora, seu Psicólogo pode ajudá-lo a estabelecer limites confortáveis, ​​e definir o ritmo do trabalho em etapas menores para que possa se sentir seguro novamente.

Dessa forma, você pode ficar o tempo suficiente para lidar com aquela questão importante, embora assustadora, que tem evitado.

4. Incompatibilidade entre Psicólogo e paciente

Às vezes, no início da terapia, não há afinidade entre Psicólogo e paciente. Uma incompatibilidade que pode acontecer com tanta frequência na terapia quanto no namoro, e está relacionada principalmente ao intangível, a vibração entre vocês dois.

Também é possível que, ocasionalmente, você tenha acabado no consultório de alguém que simplesmente não é um Psicólogo muito bom.

A chave neste ponto não é desistir da terapia, mas fazer algumas comparações. Tente obter algumas referências pessoais ou leia o máximo que puder sobre cada Psicólogo. Muitos deles oferecem consultas iniciais gratuitas, por telefone ou pessoalmente.

Comprometa-se a experimentar pelo menos três e depois escolher o seu favorito. Lembre-se de que você é o paciente neste relacionamento. Você está escolhendo a pessoa com quem vai compartilhar os detalhes mais íntimos sobre você, por isso é importante que se sinta à vontade com ela. Não há problema em ser exigente.

5. O paciente sente que seu problema foi resolvido

Muitas vezes é apropriado encerrar a terapia. Talvez o motivo pelo qual você foi ao Psicólogo, como uma fobia, tenha sido abordado e resolvido. Ou talvez o insight e a consciência que você adquiriu o capacitaram a enfrentar as lutas da vida por conta própria. Se você está saindo por motivos como esses, seu Psicólogo será um participante ativo e orgulhoso de sua “formatura”.

Leia também:  Quando a primeira sessão com o Psicólogo não funciona

Uma boa prática é honrar essa mudança com pelo menos uma sessão de encerramento. Pode ser tentador deixar uma mensagem de voz ou enviar um e-mail avisando você não irá mais. Assim, você não precisa enfrentar o que imagina que será uma despedida incômoda.

Muitos de nós temos dificuldade com finais, principalmente nos relacionamentos. O término terapêutico é um campo de prática perfeito para experimentar um adeus por completo. O fechamento torna a experiência como um todo mais rica e completa.

Durante uma sessão de encerramento, os Psicólogos frequentemente revisarão com você o que você sentiu que obteve com a terapia, como você cresceu, o que você ainda está trabalhando para si mesmo e o que vocês dois apreciaram um no outro.

Publicidade

Mesmo que o relacionamento com seu Psicólogo seja um arranjo profissional de negócios, também é uma conexão pessoal profunda onde momentos íntimos e íntimos foram compartilhados. A última sessão destaca essa conexão e permite a cada um de vocês espaço para refletir sobre tudo o que a terapia significou.

Meu paciente me confrontou com seus sentimentos e sentiu-se gratificado não apenas por seu genuíno pedido de desculpas, mas também por como ele levou a sério sua experiência (de raiva) e a seriedade com que queria entendê-la melhor.

Ele também saiu se sentindo fortalecido e orgulhoso de falar por si mesmo. Talvez o mais importante, ele percebeu que seu comportamento confiante muitas vezes o fazia se sentir distanciado de outras pessoas que não entendiam seu lado vulnerável.

Desde então, ele começou a praticar a demonstração dessa vulnerabilidade aos entes queridos, construindo assim um sistema de apoio mais forte.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *