16 coisas que os narcisistas mais odeiam

Embora pareçam confiantes e autossuficientes à primeira vista, os narcisistas têm um fragilidade e incapacidade de lidar com críticas.

Os narcisistas são indivíduos que exibem um padrão persistente de grandiosidade, necessidade de admiração e falta de empatia. Embora pareçam confiantes e autossuficientes à primeira vista, por trás dessa fachada reside uma fragilidade extrema e uma incapacidade de lidar com críticas ou desafios à sua autoimagem inflada.

Entender o que os narcisistas mais odeiam fornece insights valiosos para lidar com esse tipo de personalidade em vários contextos, desde relacionamentos pessoais até ambientes de trabalho.

Receberem críticas

Qualquer crítica prejudica a autoimagem inflada, induzindo sentimentos de humilhação.

A critica ao narcisistas, mesmo de forma construtiva, destrói sua autoimagem inflada e leva a sentimentos de profunda humilhação. Não é que eles não consigam lidar com feedback, mas simplesmente não conseguem lidar com nada que não os considerem os melhores.

Para eles não se trata de melhoria, trata-se de manter a ilusão de perfeição. Essa sensibilidade à crítica deixa os relacionamentos desafiadores. Não há como trazer problemas sem que eles se sintam atacados.

Serem ignorados

Os narcisistas exigem atenção e validação constantes. Serem ignorados é um duro golpe em sua autoestima exagerada. Frequentemente, os narcisistas anseiam pelos holofotes e exigem atenção constante, portanto, serem ignorados é um ataque direto à sua autoestima inflada.

Essa falta de atenção não dói apenas, mas também enfurece. É como se dissessem que você é menos importante do que pensa. Isso desafia a grandiosa autoimagem criada. É mais do que um desprezo; é uma declaração de guerra.

Perderem o controle

Eles procuram controlar as situações e as pessoas ao seu redor. A perda de controle causa sentimentos de desconforto e agitação.

Embora os narcisistas sejam notórios por sua necessidade de atenção, eles também têm um desejo desesperado de controlar as situações e as pessoas ao seu redor.

Perder o controle é como um soco no estômago. Os narcisistas entram em pânico, ficam agitados, sentem desconforto. É o que os faz sentir superiores e invencíveis.

Então, quando você se recusa a ser manipulado, está essencialmente arrancando o poder deles. E nada dói mais para um narcisista do que sentir-se impotente. Eles odeiam perder o controle.

Serem expostos

Os narcisistas temem a exposição de sua verdadeira personalidade ou comportamento manipulador, pois desejam manter uma ilusão de perfeição.

Assim como a ideia de perder o controle deixa um narcisista em frenesi, o mesmo ocorre com o medo de ser exposto por quem ele realmente é. Não se trata apenas de suas falhas ou imperfeições, mas da revelação de seu comportamento manipulador e de sua falsa personalidade.

Eles construíram uma ilusão de perfeição ao seu redor, e qualquer coisa que ameace destruir essa imagem é vista como uma grave ameaça. Os narcisistas são mestres do engano, usando charme e carisma para manter suas vítimas no escuro. Mas quando são expostos, o seu mundo cuidadosamente construído começa a desmoronar.

Pensamentos e opiniões independentes

Eles não gostam quando os outros pensam de forma independente e discordam de sua narrativa.

Os narcisistas não suportam quando você expressa suas próprias opiniões ou pensa de forma independente, especialmente se isso atrapalhar uma narrativa cuidadosamente elaborada.

Eles anseiam por controle, e os pensamentos independentes ameaçam o domínio percebido. Eles adorariam que você concordasse com cada palavra deles, sem fazer perguntas.

Discordar é como uma afronta à autoridade. Os narcisistas detestam aqueles que não são facilmente influenciados e menosprezam ou rejeitam seus pontos de vista para afirmar sua superioridade.

Serem confrontados

Os narcisistas se sentem ameaçados quando confrontados com seu comportamento porque não enxergam seus defeitos.

Quando você confronta um narcisista sobre seu comportamento, ele geralmente reage defensivamente, incapaz de reconhecer as próprias falhas. Eles percebem esse confronto como uma ameaça, um ataque à sua autoimagem perfeitamente construída. Em suas mentes, eles são seres infalíveis e superiores.

Então, quando você aponta os defeitos deles, é como se você estivesse tentando destruir essa ilusão. Eles não estão dispostos a deixar isso acontecer. Eles provavelmente irão culpar você ou distorcer a situação para se tornarem vítimas.

Os narcisistas estão presos em seu mundo, onde estão sempre certos e todos os outros estão errados. É uma situação difícil, mas entender isso ajuda a lidar melhor com o comportamento deles.

Enfrentarem a verdade

Quer se trate de si mesmos ou de uma situação, os narcisistas tendem a detestar encarar a verdade, pois isso destroi suas ilusões.

No espelho distorcido da realidade de um narcisista, a verdade é o seu inimigo mais temido. Afinal, os narcisistas prosperam com ilusões e exageros. Eles construíram uma autoimagem grandiosa que está longe de serem quem realmente são. Quando a verdade ameaçar destruir esta ilusão, eles farão tudo o que puderem para resistir.

Pense nisso: se você passou a vida acreditando que é superior, como se sentiria se alguém lhe mostrasse evidências do contrário? Você provavelmente negaria.

É exatamente isso que eles fazem quando confrontados com a verdade. Eles preferem viver em seu mundo de faz de conta, onde são sempre os melhores, do que enfrentar a dura realidade. É por isso que detestam encarar a verdade.

Quando alguém se defende

Os narcisistas não apreciam quando os outros, especialmente as suas vítimas, se defendem, pois isso desafia o seu controle.

Acredite ou não, o momento em que você começa a se defender é quando o controle do narcisista começa a desmoronar. Eles estão acostumados a terem vantagem e manipularem as situações a seu favor. Mas você desafia a autoridade percebida deles quando declara limites, afirma seu valor e se recusa a ser maltratado.

Não é que eles desconhecem os seus direitos, é que eles os desconsideram intencionalmente. Seu desafio é uma ameaça direta ao ego e ao senso de superioridade do narcisista. Eles odeiam isso porque perturba o seu controle e expõe a sua verdadeira natureza, que preferem manter escondida.

As táticas de manipulação falham

Os narcisistas ficarão frustrados se suas técnicas regulares de manipulação pararem de funcionar.

Quando você não cai mais nos jogos mentais deles, eles ficam frustrados. Os narcisistas estão acostumados a conseguirem o que querem e controlarem a narrativa. Quando esse controle escapa, eles se sentem ameaçados.

Os narcisistas odeiam se sentirem impotentes e insignificantes, e é exatamente assim que eles se sentem quando você não sucumbe à sua manipulação. Eles podem se esforçar mais, empregando táticas novas e mais sinistras.

No entanto, se você permanecer firme em sua determinação e rejeitar a manipulação deles, estará efetivamente negando-lhes a validação que desejam.

Isto é um golpe para o seu ego, com o qual eles não conseguem lidar. Portanto, uma das coisas que os narcisistas mais odeiam é quando suas táticas de manipulação falham.

Seus amigos e familiares

Os narcisistas odeiam os relacionamentos próximos que você tem com amigos e familiares porque os vêem como ameaças ao controle que exercem.

Eles não estão satisfeitos com o fato de você ter uma rede de apoio fora de sua esfera de influência. Assim, não é incomum que isolem você, desencorajando sutil ou abertamente o contato com aqueles que se preocupam com você.

Eles temem que seus entes queridos exponham sua manipulação e engano, quebrando assim o controle. Podem até tentar virar você contra seus amigos e familiares, pintando-os como inimigos.

Serem pegos em uma mentira

À medida que a verdade ameaça o seu mundo inventado, os narcisistas temem serem apanhados numa mentira.

No mundo de um narcisista, nada destrói mais sua fachada cuidadosamente construída do que ser pego mentindo. Este momento expõe a falsa imagem deles, aquela que eles passaram tanto tempo aperfeiçoando. De repente, não são o indivíduo perfeito que fizeram você acreditar que eram.

Suas mentiras, muitas vezes contadas para manipular ou controlar, tornam-se sua ruína. Eles são forçados a enfrentar uma realidade que há muito ignoram ou distorcem para se adequar à sua narrativa.

Eles desprezam isso porque ameaça o seu mundo inventado, desafia a sua superioridade e destrói a sua auto-imagem grandiosa.

Sentirem-se inferiores

Os narcisistas consideram-se superiores e não gostam de nada que desafie a sua aparente superioridade.

Dentro da bolha da autopercepção dos narcisistas, eles se destacam como seres superiores, e qualquer indício de inferioridade é uma pílula amarga que se recusam a engolirem.

Quando você ousa desafiar essa ilusão, eles reagem não com humildade, mas com desdém. Eles não suportam serem ofuscados ou superados. É como um ataque direto à sua autoestima.

Eles não estão acostumados a lidar com derrotas ou críticas e desprezam aqueles que os fazem sentirem-se menos que perfeitos. Essas contusões em seu ego são intoleráveis. Eles são sempre os melhores em suas mentes, e você é apenas um obstáculo no caminho que perturba seu senso de identidade inflado.

Verem o sucesso dos outros

Muitas vezes os narcisistas ficam chateados ao testemunharem o sucesso dos outros, especialmente quando eles superam o seu próprio.

Cuidado, pois o ego do narcisista não suporta a visão do seu sucesso, especialmente quando supera o dele. É como se o seu sucesso fosse uma afronta pessoal, um golpe direto na autoestima.

Provavelmente responderão com ciúme, mascarado de crítica ou desdém. Você notará que eles minimizam suas conquistas, fazem comentários sarcásticos ou até mesmo recorrem à sabotagem total.

Eles não suportam a ideia de você superá-los. Entenda que isso não é sobre você; trata-se de seu ego frágil e da incapacidade de aceitar que outros também possam ter sucesso. Não deixe que a amargura deles ofusque suas realizações. Continue brilhando. Você ganhou!

Receberem limites

Os narcisistas veem os limites pessoais como um ataque direto ou como obstáculos ao que desejam.

Ao lidar com a incapacidade deles de tolerar o seu sucesso, você também pode encontrar o desdém pelos limites pessoais, que muitas vezes interpretam como um ataque direto ou uma limitação aos seus objetivos.

Os narcisistas não suportam quando você estabelece limites saudáveis. Eles vêem isso como um desafio ao seu poder e controle. É comum que reajam com raiva ou manipulação quando você traça um limite.

Frequentemente, eles tentarão ofender, fazer você se sentir culpado ou até mesmo usar várias formas de intimidação para que você recue.

No entanto, permaneça firme. Lembre-se de que seus limites refletem seu respeito próprio. Não deixe que o desconforto de um narcisista o desencoraje de mantê-lo. É problema deles, não seu.

Não receberem tratamento especial

Os narcisistas se consideram superiores e esperam tratamento preferencial. Se não recebem, ficam muito chateados.

Os narcisistas, que se consideram seres superiores, sempre esperam um tratamento no tapete vermelho em todos os aspectos de suas vidas, e não encaram isso levianamente quando essa expectativa não é atendida.

Você os verá chateados, até mesmo indignados, quando não são o centro das atenções ou sentem que foram tratados como uma pessoa comum.

Não se trata apenas de querer o melhor lugar num restaurante ou a primeira fila num concerto. É uma necessidade insaciável de validação e reconhecimento de sua autopercepção de grandeza. Eles anseiam por adoração; eles se sentem menosprezados e desrespeitados quando não recebem isso.

Essa falta de tratamento especial leva a uma fúria narcisista, uma reação volátil que é difícil para os outros controlarem.

Sentirem empatia

Os narcisistas se ressentem de demonstrações de empatia, que consideram sinais de fraqueza.

Frequentemente, você descobrirá que os narcisistas lutam para compreender e compartilhar os sentimentos dos outros, vendo a empatia como um sinal de fraqueza da qual se ressentem profundamente. Essa falta de empatia é uma barreira significativa em seus relacionamentos.

Eles rejeitam rapidamente os sentimentos dos outros, mostrando pouco ou nenhum interesse em compreender pontos de vista diferentes dos seus. Eles não podem ou não querem se colocar no lugar de outra pessoa, vendo isso como algo inferior.

Eles podem até zombar ou menosprezar das demonstrações de empatia, apresentando um exterior duro e insensível.

Isso não ocorre porque sejam incapazes de ter empatia, mas porque a veem como uma ameaça à sua autoimagem, uma rachadura na máscara que usam. Eles preferem ser vistos como fortes e insensíveis do que empáticos e vulneráveis.

Palavras finais

Então, veja bem, os narcisistas detestam críticas, quando são ignorados e quando perdem o controle. Eles têm medo de serem expostos e detestam o pensamento independente.

Eles não suportam o sucesso dos outros e os limites os irritam. A falta de tratamento especial e demonstrações de empatia os perturbam.

Lembre-se de que compreender esses gatilhos vai ajudá-lo a lidar com aqueles que apresentam tendências narcisistas, permitindo que você se comunique de forma mais eficaz.

Por que a terapia é considerada coisa de rico?

“Terapia é coisa de rico.” Essa frase, infelizmente, ainda é uma realidade para muitas pessoas. Essa crença é multifacetada e nasce de diversos fatores interligados, que se perpetuam através de estereótipos e desinformação.

Estigma histórico

Historicamente, a terapia era vista como um tratamento para doenças mentais graves, algo exclusivo para pessoas “loucas” ou “fracassadas”. Esse estigma contribui para a ideia de que a terapia é algo fora do comum, inacessível para a maioria da população.

O seu acesso era restrito às classes sociais mais altas, que podiam pagar por cuidados médicos especializados e tratamento em instituições privadas. Essa elitização da terapia contribuiu para a crença de que ela era um luxo inacessível para a maioria da população.

Falta de informação

Muitas pessoas acreditam que a terapia se resume a sessões exorbitantemente caras, longas e frequentes com um Psicólogo em um consultório particular. Essa visão limitada ignora as diversas modalidades de terapia disponíveis

Quando as pessoas não têm acesso a informações precisas sobre o funcionamento da terapia e suas opções, elas tendem a confiar em estereótipos e percepções distorcidas. Esses estereótipos incluem a ideia de que fazer terapia é um luxo, disponível apenas para aqueles que podem pagar por ela.

Além disso, a falta de conscientização sobre serviços de saúde mental acessíveis, como clínicas comunitárias ou Psicólogos em treinamento, contribui para a perpetuação dessa crença.

Influência da mídia

Muitos profissionais da mídia não possuem conhecimento aprofundado sobre saúde mental e terapia. Isso leva à reprodução de estereótipos e informações incorretas, como a ideia de que a terapia é algo exclusivo para pessoas ricas ou com problemas graves.

Isso cria a falsa impressão de que a terapia é algo exclusivo para os ricos e famosos, ignorando a grande maioria das pessoas que se beneficiam da terapia em seu dia a dia.

A mídia também busca frequentemente histórias que geram impacto e audiência. A retratação da terapia como algo extraordinário ou excêntrico é mais atraente para o público do que a realidade, que é mais mundana e complexa.

Consequências da crença de que terapia é coisa de rico

A crença de que a terapia é coisa de rico gera diversas consequências negativas, como:

Prejuízo à saúde mental

Quando as pessoas acreditam que a terapia é coisa de rico, elas adiam a busca por apoio psicológico. Isso resulta em problemas de saúde mental não tratados ou agravados.

A crença equivocada de que a terapia é coisa de rico também impede que as pessoas busquem ajuda quando necessário, resultando em prejuízos para sua saúde mental e bem-estar emocional. Por não buscarem ajuda profissional, elas sofrerão por mais tempo com problemas como ansiedade, depressão, estresse e traumas.

A crença de que a terapia é um privilégio também afeta a autoestima das pessoas, fazendo-as se sentirem inadequadas ou incapazes de buscar ajuda.

Aumento da desigualdade social

A falta de acesso à terapia limita as oportunidades de desenvolvimento pessoal e profissional, especialmente para pessoas de classes sociais menos favorecidas.

Quando a terapia é percebida como um privilégio para os ricos, aqueles que não têm recursos financeiros suficientes são excluídos do acesso. Isso cria uma disparidade na disponibilidade de serviços de saúde mental, aprofundando a divisão entre classes sociais.

Outro ponto é que a crença de que a terapia é coisa de rico estigmatiza aqueles que buscam ajuda. Pessoas de classes sociais mais baixas evitam procurar apoio psicológico devido ao medo do julgamento ou à percepção de que não pertencem a esse espaço.

Sobrecarga do sistema público de saúde

Aqueles que não podem pagar por terapia se sentem em desvantagem, afetando sua saúde e bem-estar. Eventualmente, os problemas podem se agravar, levando a internações hospitalares ou atendimentos de emergência, aumentando os custos para o sistema público e gerando longas filas de espera.

Essa situação é especialmente preocupante porque os transtornos mentais são altamente complexos e requerem uma abordagem individualizada e especializada.

A escassez de profissionais de saúde mental no sistema público de saúde é um problema comum em muitos países. Essa falta de profissionais sobrecarrega os que estão disponíveis, levando a diagnósticos imprecisos, tratamentos inadequados e até mesmo agravamento dos sintomas.

Palavras finais

É importante ressaltar que a crença de que terapia é coisa de rico é falsa e prejudicial. A terapia é um tratamento eficaz para diversos problemas de saúde mental e melhora significativamente a qualidade de vida das pessoas.

Combater essa crença errônea é um compromisso de toda a sociedade. Por meio de ações conjuntas do governo, da iniciativa privada, da sociedade civil e da mídia, é possível construir um futuro mais justo e inclusivo, onde todos tenham acesso ao cuidado com a saúde mental.

Ao investir na saúde mental, investimos no bem-estar individual e coletivo, construindo uma sociedade mais saudável, produtiva e feliz.

20 coisas que o narcisista diz para conquistar você de volta

Cansado de cair nas mesmas armadilhas? Descubra as 20 frases que um narcisista vai usar para te trazer de volta para o relacionamento.

O narcisista é especialista em brincar com as emoções. Ele faz chantagem emocional e diz coisas românticas para tentar reatar o relacionamento.

Aqui estão 20 coisas típicas que ele diz quando quer voltar ao relacionamento:

Ninguém pode te fazer tão feliz quanto eu

O narcisista diz isso para minar sua confiança e fazer você questionar sua capacidade de encontrar a felicidade sozinho. É uma forma de chantagem emocional para mantê-lo conectado.

Não se deixe enganar. Você é capaz de criar sua própria felicidade. Lembre-se de que não se trata apenas de estar com alguém que te faz feliz, mas também de ser capaz de encontrar alegria de forma independente.

Não deixe um narcisista convencê-lo de que sua felicidade depende dele. Você é mais forte do que pensa e merece um relacionamento onde o respeito mútuo, e não a manipulação, seja a norma.

Prometo que vou mudar

Esta é uma promessa de mudança com declarações como “agora percebo que estava errado. Eu vou mudar, prometo”. Esta frase estimula a esperança e disposição de perdoar, tornando-a uma ferramenta poderosa.

O narcisista parecerá sincero e você pode querer confiar nele. No entanto, lembre-se de que a verdadeira mudança é um processo, não uma promessa. É preciso tempo, esforço e um desejo genuíno para fazê-lo.

O narcisista muitas vezes não tem essa sinceridade, usando a promessa de mudança como um mero estratagema para trazê-lo de volta. Cuidado com promessas vazias e priorize sempre sua saúde emocional.

Você é tudo para mim

Essas palavras visam criar um senso de obrigação e culpa, como se você estivesse causando sofrimento ao decidir ir embora. Mas não deixe que essa tática de manipulação o prenda. É uma estratégia comum para te trazer de volta ao mundo tóxico.

Não se trata dele ser incapaz de viver sem você, mas de manter o controle. Portanto, não se deixe levar pelo desespero dele. Atenha-se à sua decisão e lembre-se de que você não é responsável pela felicidade ou bem-estar do narcisista.

Fomos feitos para ficar juntos

Ouvir isso pode ser incrivelmente emocionante, mas é crucial reconhecer como outra tática de manipulação comum usada pelo narcisista. Muitas vezes ele tenta fazer você acreditar que seu vínculo é extraordinário e insubstituível. É só mais uma estratégia para mantê-lo preso.

Nunca conheci ninguém como você

O narcisista diz isso para fazer você se sentir especial e único, como se fosse a única pessoa que pode atender às necessidades deles. É uma manipulação poderosa porque apela ao seu desejo de se sentir valorizado e importante.

Mas não se deixe enganar. Esta é outra maneira dele atrair você para sua teia tóxica. Lembre-se de que não se trata de sua insubstituibilidade, mas da necessidade dele de manter o controle.

Então, ao ouvir essas palavras, tome-as como um sinal de alerta de seu comportamento narcisista, não como um elogio à sua singularidade.

Nossos problemas não eram tão grandes

Esta forma de gaslighting foi projetada para fazer você questionar seu julgamento e percepção da realidade. O narcisista está tentando convencê-lo de que os problemas identificados não são significativos, com o objetivo de diminuir seus sentimentos e preocupações.

Esta estratégia permite-lhe evitar assumir a responsabilidade pelas próprias ações. É uma forma de transferir a culpa, tornando você o problema, em vez de abordar os problemas reais.

Pensei em você todos os dias em que estávamos separados

Essa é uma forma de menosprezar suas preocupações, uma tática clássica de manipulação que faz você questionar sua decisão de se distanciar. Não se deixe enganar. A afirmação de pensamento constante é uma manobra para explorar suas emoções, não um reflexo de amor ou arrependimento genuíno.

A declaração de amor do narcisista é provavelmente outra manipulação destinada a trazê-lo de volta. Lembre-se de que as ações dele não refletiam esse amor professado enquanto vocês estavam juntos.

Suas doces palavras não são prova de mudança, mas uma tentativa calculada de recuperar o controle.

Agora estou pronto para me comprometer

O narcisista costuma usar essa afirmação para explorar sua empatia e esperança de um futuro melhor. Ele pode alegar que mudou de ideia, prometendo que desta vez será diferente.

No entanto, lembre-se de que a verdadeira mudança não é repentina, especialmente para um narcisista. Não é incomum que o ciclo de manipulação e maus-tratos seja retomado quando ele recuperar o controle.

Somos perfeitos um para o outro

O narcisista diz isso para fazer você questionar seu julgamento e ignorar seus instintos. Ele está brincando com suas emoções, esperando que você ignore suas ações passadas e aceite essa visão idealizada de um relacionamento perfeito.

Mas lembre-se, você já descobriu suas verdadeiras intenções. Ele mostrou quem é, e não é a pessoa que finge ser agora. Não deixe que ele distorça sua percepção da realidade.

Lembra dos bons momentos que passamos juntos?

Não se engane quando um narcisista diz isso. Muitas vezes, essa é uma estratégia manipuladora para fazer você esquecer as experiências negativas e os maus-tratos no relacionamento.

Ele está tentando obscurecer seu julgamento com uma nostalgia destinada a ofuscar o dano que causou; É uma tática comumente usada para trazê-lo de volta, para fazê-lo duvidar de sua decisão de partir.

Você começará a questionar se os tempos difíceis foram tão ruins assim. Mas não deixe que ele o prenda neste ciclo de manipulação. Fique forte e lembre-se dos motivos pelos quais você partiu.

Cometi um erro terrível

Quando um narcisista diz isso, ele quer que você se sinta responsável por seu suposto remorso e arrependimento. Esta é uma manobra para fazê-lo duvidar de sua decisão e dar-lhe outra chance.

O que você precisa entender é que o narcisista não sente muito por ter machucado você. Ele lamenta ter perdido o poder e o controle sobre o relacionamento.

A alegação dele de ter cometido um “erro terrível” nada mais é do que uma tática manipuladora para puxá-lo de volta ao ciclo tóxico. Portanto, não caia em suas palavras vazias e falsas promessas.

Me dê uma chance de consertar as coisas

Ouvir um narcisista dizer isso pode parecer sincero, mas muitas vezes é mais uma tentativa astuta de recuperar o controle. É uma tática clássica de manipulação para fazer você sentir pena dele e levá-lo de volta ao ciclo caótico de seu abuso narcisista.

Ele não está admitindo falhas porque cresceu ou mudou. Ele está fazendo isso porque percebeu sua força e independência, e está com medo. O narcisista está perdendo o controle sobre você e esta é a tentativa desesperada de trazê-lo de volta.

Vou fazer você mais feliz do que nunca

Esta afirmação foi projetada para atacar suas esperanças e sonhos, para trazê-lo de volta ao ciclo tumultuado de seu comportamento narcisista. A promessa de um futuro feliz é atraente, especialmente quando vem de alguém por quem você antes se importava profundamente.

Mas, lembre-se, é apenas uma manobra. O narcisista não está prometendo isso por amor ou remorso genuíno, mas para recuperar o controle perdido. É vital manter-se firme, lembrar a dor que suas ações causaram e resistir à tentação de acreditar em promessas vazias.

Pense em tudo o que passamos

Quando o narcisista diz isso, ele está manipulando suas emoções, criando uma sensação de história compartilhada e de investimento para atraí-lo de volta.

No entanto, é crucial lembrar que o valor de um relacionamento não é determinado pela sua duração, mas pelo respeito mútuo, amor e apoio dentro dele. O apelo de um narcisista não é sobre o valor das experiências compartilhadas, mas sobre o medo de perder o controle. Não deixe a nostalgia atrapalhar seu julgamento.

Concentre-se em como essas experiências o fizeram sentir: se foram em grande parte negativas, é um sinal para seguir em frente.

Você é a melhor coisa que já aconteceu comigo

Quando um narcisista lhe diz isso, ele está tentando manipular suas emoções e fazer você se sentir indispensável. Esta frase comovente é uma tática clássica para atraí-lo de volta.

Ele está brincando com sua empatia e compaixão para fazer você se sentir culpado por ir embora. Você começará a questionar sua decisão, imaginando se está desistindo de algo extraordinário. Mas lembre-se, é um movimento calculado, não uma confissão sincera.

O narcisista usa tal declaração para manter o controle, não porque realmente te valorize. Ele é hábil em fingir vulnerabilidade para mantê-lo preso. Então, quando você ouvir essa frase, veja-a como uma bandeira vermelha, e não como uma declaração romântica.

Eu mudei, eu juro

Não se deixe enganar pela promessa de mudança de um narcisista. Parece sincero, mas muitas vezes é uma mera fachada. A transformação dele não consiste em se tornar uma pessoa melhor, mas de recuperar o controle sobre você.

Ele pode até fazer terapia ou grandes gestos para convencê-lo de sua “mudança”. Mas cuidado, o narcisista é um ator habilidoso. Ele sabe desempenhar o papel, imitar emoções e ações que o faça parecer genuíno.

No entanto, suas ações raramente correspondem às suas palavras por muito tempo.

Aprendi com meus erros

Assim como promete mudar, o narcisista também afirma ter aprendido com os erros do passado, garantindo que você verá uma nova versão dele. Muitas vezes, essa é uma tática para recuperar o controle após um rompimento ou discussão. Eles parecerá arrependido e perspicaz, aparentemente confessando seus erros.

Ele é hábil em imitar o crescimento genuíno sem realmente mudar. É crucial lembrar que a mudança real requer tempo, esforço e disposição para quebrar velhos padrões. Não se deixe enganar por suas palavras persuasivas.

Procure ações consistentes por um longo período. Se ele realmente aprendeu com seus erros, isso ficará evidente em seu comportamento, não apenas em suas promessas. Confie nos seus instintos e proteja o seu bem-estar emocional.

Faça isso pelos momentos que passamos juntos

Ele vai te lembrar dos bons momentos compartilhados e das risadas na esperança de atrapalhar seu julgamento e fazer você esquecer a dor que causou. Ele usará o seu sentimentalismo como uma arma contra você, com o objetivo de fazer você se sentir culpado por se desapegar.

Lembre-se, é uma tática de manipulação projetada para brincar com suas emoções. Não se trata de honrar memórias compartilhadas, mas de manter o controle.

Você não está perdendo nada ao seguir em frente. Em vez disso, você está escolhendo honrar a si mesmo, e isso é a coisa mais valiosa que alguém pode fazer.

Estou perdido sem você

Este é um apelo desesperado destinado a fazer você sentir que a sobrevivência do narcisista depende da sua presença. Você pode sentir uma onda de importância e culpa simultaneamente. Mas, não se deixe influenciar.

Não é sua responsabilidade salvá-lo ou desvendar seu caos emocional. Esta é apenas mais uma tática para trazê-lo de volta. Lembre-se da dor e da turbulência que ele lhe causou caso você se sinta tentado a resgatá-los.

O narcisista não está perdido sem você. Ele está perdido dentro de si mesmos e essa é uma jornada que precisa percorrer por conta própria.

Não aguento pensar em você com outra pessoa

Ele tenta brincar com suas emoções dizendo isso, fazendo você se sentir culpado por seguir em frente. Mas, ele não está genuinamente preocupado com a sua felicidade. Ele está com medo de perder o controle sobre você.

O ego dele não consegue lidar com a ideia de você ser feliz sem ele ou, pior, com outra pessoa. Não caia nesta armadilha. Lembre-se de que você merece um relacionamento baseado no respeito mútuo e no amor genuíno, não na manipulação e no controle.

Palavras finais

O narcisista é mestre na manipulação, usando frases bem elaboradas para atrair você de volta à sua teia tóxica. Reconhecer essas táticas é sua primeira linha de defesa.

Lembre-se de que não é seu dever consertar ou cair nas falsas promessas. Nenhum relacionamento deve prejudicar sua saúde mental.

Mantenha-se forte, mantenha seus limites e busque apoio quando necessário. Você tem o poder de resistir à manipulação deles e recuperar sua vida.

O que fazer com pacientes que não querem estar em terapia?

O que fazer com pacientes que não querem estar em terapia e questionam sua competência ou simplesmente ficam sentados em silêncio?

Quando os pacientes não querem estar em terapia, o Psicólogo precisará decidir se vai resolver o problema ou cortar os vínculos. Para que a terapia funcione, ambos precisam estabelecer um bom relacionamento por meio da confiança, respeito e boa comunicação.

As coisas ficarão bastante desconfortáveis ​​se o paciente não quiser estar presente, for argumentativo ou ultrapassar fronteiras. Nesses casos, é fundamental estabelecer limites mais firmes ou até mesmo finalizar os atendimentos.

Tipos de pacientes que não querem estar em terapia

Os que são forçados por outras pessoas

Os pacientes que são coagidos por amigos, parceiros ou parentes bem-intencionados a fazer terapia ficarão ressentidos por estarem ali. Embora os pacientes devam “querer” mudar, é função do Psicólogo ajudá-lo a chegar a esse ponto. Ajudar o paciente a se motivar também é um foco terapêutico.

Geralmente se recusam a admitir que precisam de ajuda, minimizando seus problemas ou culpando-os em fatores externos. Geralmente têm medo de enfrentar seus sentimentos ou traumas.

Pacientes argumentativos

Alguns pacientes refutarão automaticamente tudo o que o Psicólogo disser. Eles fazem isso para se sentirem no controle ou simplesmente porque gostam de discutir.

Eles preferem resolver seus problemas sozinhos, sentindo-se ameaçados pela perda de controle na terapia. Também terão dificuldades em confiar em um Psicólogo

Como lidar com pacientes que não querem estar em terapia?

Embora a resistência interfira na colaboração e na terapia, ela não deve fazer com que pare. Tais rupturas terapêuticas são como veículos ​​para aprofundar o vínculo terapêutico e promover o crescimento.

Ela permite que tanto o paciente quanto o Psicólogo pratiquem habilidades de resolução de conflitos interpessoais e promovam um crescimento que pode não ocorrer na sua ausência. O processo de resolução é capaz de derrubar os esquemas interpessoais mal adaptativos e de longo prazo do paciente.

Aqui estão algumas “regras de ouro” de como o Psicólogo pode responder a pacientes que não querem estar em terapia:

Não leve para o lado pessoal

É importante não levar para o lado pessoal a resistência do paciente, mas invertê-la e usá-la como motivação. Por exemplo, um Psicólogo pode dizer: “Entendo perfeitamente que você não quer estar aqui, e tudo bem”.

A resistência representa uma necessidade

Se um paciente apenas fala e não escuta, então é porque ele está faminto por atenção e precisa desesperadamente ser ouvido. A resistência às tentativas de ajuda é a expressão de uma necessidade que de outra forma não seria satisfeita: a se sentir no controle.

Reestruture a resistência

Alguns pacientes dizem que realmente querem mudar e depois resistem cada centímetro para garantir que isso não aconteça. Quando o paciente resiste ao Psicólogo e este se irrita, então teremos duas pessoas resistindo uma à outra. Isso não é terapia; isso se chama guerra.

Em vez disso, elogie a resistência dizendo: “se você trabalhasse tanto para tornar sua vida melhor quanto para garantir que nada mude, você seria extraordinariamente bem-sucedido”. Se um paciente o xinga, expresse sua admiração pelo paciente se defender. Isso o ajudará a ver que alguém o compreende.

Expresse empatia

Embora desafiador, valide o que o paciente está dizendo. Diga-lhe que sente muito por ter feito algo que o deixou irritado ou que ele acha que não é útil.

É crucial parecer genuíno e autêntico para evitar uma escalada. Assim que a emoção for reconhecida, esclareça que palavrões, comportamento ameaçador, não comparecimento ou recusa em pagar pelos serviços não são aceitáveis.

Concentre-se nos detalhes

A resposta está nos detalhes, pois detalhes criam opções. Se o Psicólogo não tiver opções suficientes, não terá detalhes suficientes sobre o que está acontecendo na situação do paciente.

Todos os avanços terapêuticos vêm da abordagem e do processamento de um detalhe da vida que ninguém jamais discutiu e processou antes.

Saia da posição de especialista

Quanto mais resistente o paciente, menos conhecimento o Psicólogo deve professar saber. Quanto mais motivado o paciente, mais conhecimento o Psicólogo pode expressar.

Procure razões emocionais para a mudança

Não perca tempo criando mudanças através da lógica. Se as pessoas mudassem por causa da lógica, ninguém fumaria ou beberia e todos teriam um programa de exercícios e dormiriam oito horas.

Quando as pessoas fazem grandes mudanças em suas vidas, não o fazem por causa da lógica. Elas o fazem porque têm uma razão emocionalmente convincente.

Evite o questionamento excessivo

As perguntas são como microconfrontos para o paciente resistente e que convida a respostas improdutivas. O questionamento excessivo é o principal meio pelo qual o Psicólogo é sugado pela “estagnação” do paciente. Aprenda a dialogar sem perguntas.

Termine a terapia

O paciente que acha que um Psicólogo é péssimo no seu trabalho tem todo o direito de questionar credenciais, contestar decisões terapêuticas ou até mesmo decidir terminar o relacionamento. Às vezes o Psicólogo simplesmente não é uma boa combinação.

Em última análise, as necessidades do paciente são fundamentais. Mas, se ele realmente acredita que a terapia não o está atendendo, então será hora de encerrar o relacionamento e encaminhá-lo para outro profissional.

Palavras finais

A terapia precisa ser uma experiência positiva para todos os envolvidos. Mas, se se tornar tóxico ou hostil, ela não funcionará.

Embora os Psicólogos fiquem frustrados com os pacientes de vez em quando, isso normalmente não é suficiente para cancelar a terapia. No final, a comunicação é fundamental.

Se ambos estiverem abertos, forem honestos e gentis, a terapia se tornará um espaço saudável e produtivo.

Como o narcisista manipula um Psicólogo de casais?

Se não houver cuidado, um parceiro narcisista manipulará a terapia de casal, alimentando o narcisismo do parceiro e perpetuando o problema.

A terapia de casal é uma ótima ferramenta para superar as dificuldades em um relacionamento amoroso. No entanto, um parceiro narcisista muitas vezes é capaz de manipular todo o ambiente terapêutico.

Usando da diplomacia

Primeiro, o narcisista é extremamente diplomático diante do Psicólogo de casais. Legal e muito composto, ele dá um show. Compreensivelmente, esse desempenho incomoda porque a parceira vivencia algo muito diferente em casa.

O Psicólogo pode, erroneamente, ver o parceiro como alguém emocionalmente regulado e a parceira como alguém zangada, porque ela só vê a dinâmica em jogo no momento da terapia.

Inversão da culpa

Em segundo lugar, o parceiro narcisista sempre elabora uma maneira de chegar ao ouvido do Psicólogo sem o consentimento da parceira, seja por email ou um telefonema.

O narcisista estrategicamente encontra tempo para relatar como a parceira é “instável”. Infelizmente, como ele é um mestre da manipulação, pode haver o risco de convencer o Psicólogo de que ela é o problema.

Frequentemente ele se referirá a parceira com narcisista. Um Psicólogo de casais que não esteja familiarizado com os mecanismos de defesa, especialmente a projeção, olhará através das lentes distorcidas do narcisista e automaticamente verá a parceira como o problema.

Se vitimizando

Terceiro, o narcisista pode bancar a vítima. Assim, na sessão de terapia de casal, ele finge estar passando por dificuldades, chora e pode até ficar histérico por estar “arrependido”.

Ele tentará convencer todos de que está realmente arrependidos. No entanto, fora do consultório, repetirá levianamente os mesmos comportamentos prejudiciais.

O ato de parecer apologético o tira da situação difícil durante a sessão, mas retornando aos mesmos comportamentos egoístas e prejudiciais após a sessão. A compreensível relutância em confiar no narcisista e perdoá-lo pode ser mal interpretada pelo Psicólogo como rigidez.

Acusando a parceira de crítica excessiva

Quarto, o parceiro narcisista pode alegar que não tem muitos problemas com a parceira, e ela que é excessivamente crítica e exigente. Quando ela tenta explicar por que está continuamente chateada com a extrema desconsideração e falta de empatia, o narcisista minimiza e justifica seus comportamentos, fazendo-a parecer exagerada.

Assim, o Psicólogo pode deixar de reconhecer que é a excessiva atitude defensiva do narcisista que cria a falsa crença de que ela está implicando injustamente.

Ela se torna a agressora simplesmente por tentar resolver um problema no relacionamento, e quando essa descaracterização é reforçada pelo Psicólogo de casais, parece que a terapia está piorando as coisas.

Criando drama e crises

Quinto, o narcisista, em sua busca incessante por atenção e controle, pode utilizar o drama e a crise como ferramentas de manipulação durante a terapia de casal.

Ao criar um ambiente caótico e emocionalmente carregado, o narcisista desvia o foco dos reais problemas do relacionamento, como sua falta de empatia ou seus comportamentos abusivos.

A crise serve como uma cortina de fumaça que esconde suas falhas e coloca a parceira na defensiva. O narcisista busca criar um clima de medo e insegurança, silenciando qualquer discordância e reforçando sua posição de poder.

Palavras finais

Se uma dessas coisas estiverem ocorrendo e o Psicólogo não conseguir permanecer neutro, então a terapia não será construtiva.

Lidar com a manipulação de um narcisista durante a terapia de casal é desafiador. É fundamental que o Psicólogo de casais esteja preparado para lidar com essa situação complexa e utilize técnicas adequadas para garantir um ambiente seguro e construtivo para o diálogo e a mudança.

Somente um Psicólogo de casais que tem empatia por ambas as partes e que se abstém de ficar continuamente do lado de uma pessoa, é que pode considerar perspectivas concorrentes, a fim de ajudar a identificar resoluções que sejam úteis para o casal.

Os maiores motivos para você não ir ao Psicólogo

A terapia não é indicada para todos e existem inúmeros motivos para não ir ao psicólogo se você não quiser usá-la da maneira correta.

Em um mundo cada vez mais acelerado e exigente, cuidar da saúde mental se tornou crucial. A terapia surge, portanto, como uma ferramenta poderosa para auxiliar nesse processo, oferecendo apoio, orientação e ferramentas para lidar com os desafios da vida.

No entanto, é importante ressaltar que a terapia não é indicada para todos. Se você se identifica com as situações descritas a seguir, questionar a necessidade da terapia será um passo importante para tomar a melhor decisão.

Antes de prosseguir, é importante ressaltar que:

  • Este artigo não visa desmerecer a importância da terapia, mas sim apresentar uma visão crítica e realista sobre sua aplicação;
  • A decisão de fazer ou não terapia é individual e deve ser tomada com base em suas necessidades e contexto específico.

Se você está satisfeito com sua vida

De um lado, a busca pela felicidade e contentamento é natural e essencial para o bem-estar. Se alguém está genuinamente satisfeito com seus relacionamentos, carreira, saúde e outros aspectos da vida, não há a necessidade de mudar algo.

Por outro lado, a vida é dinâmica e a estagnação é prejudicial. Mesmo que esteja satisfeito com o momento presente, é importante buscar o crescimento pessoal e profissional, explorar novas oportunidades e se desafiar.

Manter a mente aberta para novas experiências e aprendizados contribui para uma vida mais rica e completa.

Se você acredita que tem todas as respostas

Se você tem certeza de que já tem todas as respostas e não precisa de ajuda para se entender melhor, você está perdendo uma oportunidade incrível de crescimento e transformação.

Lembre-se: Ninguém é uma ilha. Todos nós temos algo a aprender e a crescer. Abra-se para a possibilidade de receber ajuda e descobrir novas perspectivas sobre si mesmo.

Se você acha que é coisa de “gente fraca”

A terapia é um recurso valioso para qualquer pessoa que deseja cuidar da sua saúde mental e alcançar o seu potencial máximo. Afirmar que terapia é coisa de “gente fraca” é um mito que precisa ser combatido.

Devemos incentivar as pessoas a buscarem ajuda profissional sem medo ou vergonha, reconhecendo o valor e a importância do cuidado com a mente.

Se você não tem tempo

Compreendo que a falta de tempo é um obstáculo real para iniciar ou manter uma terapia. A vida moderna, com suas demandas profissionais, sociais e pessoais, é realmente esmagadora.

A terapia exige um investimento de tempo e energia. As sessões semanais, o compromisso com as lições de casa e a reflexão sobre os próprios sentimentos e comportamentos demandam dedicação.

Se você não tem dinheiro

Concordo com a afirmação de que a terapia não deve ser feita se não se tem dinheiro apenas em um sentido literal, no qual a falta de recursos impossibilite completamente o acesso ao tratamento.

Afinal, o pagamento dos honorários do Psicólogo é fundamental para garantir a qualidade do serviço prestado, a sustentabilidade da profissão, a valorização da terapia e o acesso à saúde mental de qualidade para todos.

Se você tem medo de se abrir

É natural sentir medo de ser julgado, incompreendido ou até mesmo rejeitado. Compartilhar nossas vulnerabilidades exige um alto nível de confiança e coragem.

Existem diversas razões pelas quais as pessoas têm receio de se abrir com um estranho. Algumas tiveram experiências negativas no passado, como traição ou ridicularização. Outras se sentem envergonhadas ou constrangidas com seus problemas, achando que não são dignas de ajuda ou compreensão.

Há também quem simplesmente prefira manter suas dificuldades privadas, por acreditar que ninguém mais poderia entender.

Se você acha que é uma perda de tempo

Compreendo a frustração que leva à afirmação de que a terapia é uma perda de tempo e não funciona. É natural buscar soluções rápidas e eficazes para os problemas que enfrentamos, e ela, com seu processo gradual e muitas vezes desafiador, parece um caminho pouco atraente.

Afinal, a mudança leva tempo, exige esforço e nem todas as pessoas se beneficiam da mesma forma. Algumas pessoas preferem outras formas de lidar com seus problemas.

Se você prefere se afogar em seus problemas

É compreensível que algumas pessoas prefiram lidar com seus problemas sozinhas, mesmo que isso signifique “afogar-se” neles. As razões para essa escolha podem ser complexas e multifacetadas, como:

  • Medo de julgamento;
  • Vergonha;
  • Falta de confiança;
  • Orgulho;
  • Falta de conhecimento;
  • Estresse e desespero.

Se você acha que é coisa de “gente louca”

Historicamente, a saúde mental foi envolta em estigma e preconceito, associando-a à “loucura” e fraqueza. Essa visão leva muitos a acreditar que apenas indivíduos com distúrbios graves necessitam de ajuda profissional.

A cultura popular, com suas representações distorcidas da terapia, também contribui para o estigma. Filmes e séries frequentemente retratam a terapia como algo excêntrico ou reservado para “casos extremos”.

Se você espera que a vida melhore por si

Algumas pessoas acreditam que as coisas podem melhorar mesmo sem fazer nada a respeito por diversos motivos, como otimismo natural, crença em fatores externos, falta de autoeficácia, esperança passiva ou foco no presente.

Embora esses argumentos sejam válidos, é importante ressaltar que a crença na melhora passiva não isenta os indivíduos de sua responsabilidade social. A ação individual, mesmo que pequena, contribui para um futuro melhor de diversas maneiras.

Palavras finais

Embora a terapia seja uma ferramenta poderosa para o bem-estar mental, é importante reconhecer que existem algumas razões para você não ir ao Psicólogo. Quando as pessoas não usam a terapia pelos motivos certos, elas podem se sentir pior e culpar o profissional.

Ainda que a terapia não seja para você agora, não descarte a possibilidade de buscá-la no futuro. Você é um ser em constante evolução e suas necessidades podem mudar com o tempo.

Se sentir que precisa de ajuda profissional para lidar com alguma dificuldade específica futuramente, considere seriamente essa possibilidade.

Seu namorado pode ter uma melhor amiga?

O problema não é ter uma melhor amiga, mas a interação inadequada que seu namorado tem com ela. Talvez ele não saiba o que está fazendo.

Homens e mulheres tornam-se amigos da mesma forma que os homens se tornam amigos de outros homens e as mulheres de outras mulheres. Ambos podem ser amigos quando frequentam as mesmas escolas, e muitos colegas de trabalho também compartilham amizades íntimas, embora não sexuais.

As amizades, normalmente, surgem naturalmente a partir das experiências partilhadas de vida. Mesmo que um ou ambos os amigos estejam envolvidos num relacionamento, isso não precisa ser uma preocupação.

Afinal, se ambos se sentem seguros, protegidos e unidos, então o gênero do melhor amigo não deve ser um problema.

Seu namorado pode ter amigas mulheres?

Não há problema em seu namorado ter amigas, mas enquanto estiver em um relacionamento com você, não deve passar muito tempo conversando com elas. É melhor que ele priorize o tempo com você, namorada dele.

É desrespeitoso que ele compartilhe momentos íntimos com outra mulher. Se ele está fazendo isso e não percebe, então ele não é a pessoa certa. Quando se está em um relacionamento, é fundamental trabalhar em favor de união.

Se vocês estão brigando por causa dele ter uma melhor amiga, esqueça. Ele deveria fazer o que é melhor para você, namorada dele. Seria melhor se essa amiga tivesse um namorado e vocês quatro pudessem sair juntos. Talvez essa seja a melhor maneira de seu namorado continuar com você.

Por que você se sente ameaçada?

Uma mulher que nunca encontrou uma situação onde um homem tem uma melhor amiga ficará surpresa simplesmente porque é uma situação desconhecida. Ela provavelmente passará de “surpresa” a preocupada, e com razão, caso ele comece a agir de forma secreta perto dela.

As coisas ficam especialmente complicadas se a amiga já foi, em algum momento no passado,  uma parceira romântica pois, nesse caso, há o temor que o romance recomece em algum momento.

Outro fator que contribui para o atrito em torno das amizades entre pessoas do mesmo sexo é se a mulher não se sentir segura em seu relacionamento, apesar de qualquer ameaça percebida representada pela amiga do namorado. Se o namoro não for sólido, é provável que se sinta ameaçada e com ciúmes.

Quando você deve se preocupar?

Quando ela está com ciúmes de você

Se a amiga do seu namorado sempre diz coisas negativas sobre você ou tenta fazer você ficar mal na frente dele, tome cuidado. Se ela se comporta de uma maneira que sugere que não está feliz porque vocês estão namorando, isso pode ser um sinal de ciúme.

Quando ela flerta com ele

Se você notar que ela envia mensagens de flerte ou fala com ele de uma forma que parece suspeita, isso significa que eles não são apenas amigos. Se ela o apresentar às pessoas como seu “namorado”, ou manda mensagens românticas tarde da noite, isso é mais do que amizade.

Quando ele te trata de maneira diferente

Se você perceber que seu namorado fica desconfortável quando a melhor amiga está por perto, então fique atenta, principalmente se ele se recusar a lhe dar atenção ou agir de forma distante. Observar o comportamento do seu namorado quando a melhor amiga dele está por perto pode lhe dar as respostas desejadas.

Quando ele não quer ouvir suas preocupações

A reação do seu namorado quando você menciona a conexão dele com a melhor amiga lhe dirá muito. Se você tocar no assunto e ele te chamar de “ciumenta ou insegura”, então seu namorado está na defensiva da melhor amiga. Ele deveria explicar com calma que nada está acontecendo entre eles.

Como lidar com o fato de seu namorado ter uma melhor amiga?

Uma mulher que se encontra em uma situação em que seu namorado tem uma melhor amiga não deve se culpar se isso a deixa desconfortável, pois isso é natural.

O que ela deve fazer é refletir sobre quaisquer medos internos e que não sejam bem fundamentados. Se o namorado é geralmente um cara honesto e sincero, então é provável que ele não esteja interessado em ficar com a amiga.

É fácil dizer, sim, mas chegar a esse estado de aceitação nem sempre é fácil. A introspecção é difícil, já que é preciso objetividade para separar nossos sentimentos baseados no medo, como o ciúme. Portanto, enfrente quaisquer medos que não sejam fundados na realidade.

Se, por outro lado, seus medos forem baseados no fato do namorado ser reservado ou ter um histórico de traição, então é importante levar as questões a sério. Um namorado emocionalmente inteligente será capaz de apoiá-la na aceitação de que a amizade não é uma ameaça.

Palavras finais

O problema não é ter uma melhor amiga, mas a interação inadequada que seu namorado tem com ela. Se o seu namorado não demonstra o respeito que você merece, exponha os fatos. Talvez ele simplesmente não saiba o que está fazendo.

Você não quer parecer uma pessoa má ou ciumenta. Entendo. No entanto, se o seu namorado leva você a sério, ele deve compreender seus sentimentos. Ele precisa reconhecer que nem sempre é apropriado ter uma mulher como melhor amiga.

Se ele insistir em manter a amizade com ela você tem duas opções:

  • Aceite seu relacionamento sabendo que nunca será muito sério;
  • Diga ao seu namorado como você se sente. Se ele não entende, não vale a pena continuar.

No final das contas, se o seu namorado quer ficar com outra garota, deixe-o ir. Não perca seu tempo. Você precisa estar com um homem que veja essa situação como ela realmente é: inapropriada.

11 razões para não ser amigo de um narcisista após o término

Ficar amigo do narcisista nunca será uma boa ideia, pois tudo terminará pelos mesmos motivos pelos quais vocês se separaram.

Manter amizade com o narcisista é uma boa ideia? Não! Ficar amigo do narcisista nunca terminará bem pelos mesmos motivos pelos quais vocês terminaram. Ele foi péssimo como parceiro romântico e será péssimo como amigo.

Aqui estão 11 razões pelas quais não é uma boa ideia continuar amigo de seu ex narcisista:

Ele não respeitará seus limites

O narcisista frequentemente desconsidera e ultrapassa persistentemente seus limites, mostrando pouco ou nenhum respeito por seu espaço pessoal ou necessidades emocionais.

Ele invadirá sua privacidade sem pensar duas vezes, tratando seu domínio privado como se fosse dele. Você o encontrará bisbilhotando seus pertences pessoais ou exigindo sua atenção em momentos inadequados.

Essa falta de respeito fará com que você se sinta violado e desrespeitado. Não se trata apenas de privacidade. É uma questão de decência humana básica.

Lembre-se de que você merece respeito e não há problema em exigi-lo, especialmente daqueles que afirmam se importar com você. Não deixe que o desrespeito de um narcisista por seus limites afete seu senso de autoestima.

Ele continuará manipulando você

Além de desrespeitar seus limites, um narcisista pode continuar a ofender e manipular você mesmo após o rompimento. Afinal, o narcisista é especialista em fazer você duvidar da sua realidade, uma tática da qual não vai desistir só porque vocês não estão mais juntos.

Você ficará constantemente se questionando sobre suas decisões e sanidade. Eles fará jogos emocionais, usará sentimentos de culpa e explorará suas vulnerabilidades para controlá-lo.

Ele é péssimo em ser um bom amigo

Apesar do charme que exala, o narcisista é um péssimo amigo porque é egocêntrico e carece de empatia. Sua amizade costuma ser unilateral, relacionada apenas à ele e às suas necessidades. Ele não está interessados ​​no seu dia, nas suas conquistas ou nas suas preocupações.

Você é apenas um público para sua vida gloriosa, um suporte em seu drama contínuo. O narcisista não entende o conceito de dar e receber nas amizades. Quando você estiver sofrendo, ele não oferecerá conforto genuíno, mas apenas palavras vazias.

Ele vai controlar sua vida

Mesmo depois de um rompimento, o narcisista ainda tenta exercer controle sobre sua vida. Ele oferecerá conselhos não solicitados, julgará suas escolhas e relacionamentos. Suas sugestões aparentemente “úteis” costumam ser táticas manipulativas para mantê-lo em dúvida.

Os narcisistas são famosos por tirar vantagem das situações, e sua amizade pós-término não será diferente. Ele usará sua vulnerabilidade para mantê-lo dentro de sua esfera de influência.

Em última análise, a interferência dele dificultará a sua cura e crescimento. Portanto, é melhor estabelecer limites e distanciar-se de sua influência.

Ele vai te trair

Enquanto você está ocupado estabelecendo limites e se distanciando, outra dura realidade que terá que enfrentar é que um narcisista não hesitará em traí-lo. Essa traição não é sobre você, mas sobre a necessidade dele de manter o controle e a superioridade.

Ele fará promessas que não pretende cumprir e explorará suas vulnerabilidades em benefício próprio. Você pode acreditar que ele é genuíno, mas lembre-se de que suas ações são motivadas pelo interesse próprio, não pela empatia.

Ficar amigo deles só deixa você exposto a mais dor. Portanto, proteja seu coração e sua paz. Corte os laços e siga em frente sem ele.

Haverá muito drama envolvido

Espere um turbilhão de drama se decidir continuar amigo de um narcisista após o rompimento, pois ele prospera no caos e no conflito; é a maneira de manter o controle e afirmar seu domínio. Ele manipulará situações para criar confusão ou transformar pequenos montes em montanhas.

Você se verá constantemente nervoso, sem nunca saber quando a próxima tempestade chegará. Você questionará sua sanidade, já que ele é especialista em gaslighting (fazendo você duvidar de suas percepções e sentimentos).

Esse drama contínuo é emocionalmente desgastante e prejudicará seriamente sua saúde mental. Não vale a pena o estresse e a dor de cabeça.

Ele usará você para sexo

Cuidado, um narcisista pode tentar mantê-lo por perto para sua gratificação sexual após o rompimento. Ele manipulará a situação para fazer você se sentir nada mais do que um objeto sexual, e ele só está interessado ​​no que pode obter de você. Ele usará culpa, bajulação ou ameaças para conseguir o que deseja.

Isso não é saudável e nem a base para uma amizade verdadeira. É uma forma de abuso e completamente inaceitável. Você merece ser tratado com respeito e dignidade, e não usado para atender às necessidades egoístas de outra pessoa.

Ele impedirá você de seguir em frente

Ficar amigo de um narcisista após um término funcionará como uma âncora, impedindo você de se curar e seguir em frente com sua vida.

Você até pode pensar que é forte o suficiente para lidar com isso, mas a realidade costuma ser diferente. O narcisista aproveitará todas as oportunidades para manter você preso ao passado, incapaz de explorar novos relacionamentos ou experiências.

Você nunca será bom o suficiente

Apesar de seus melhores esforços, você provavelmente nunca alcançará os padrões irrealistas de um narcisista. Não importa o quanto você tente, sempre ficará aquém dos olhos dele.

Ele continuamente encontrará falhas e criticará você, fazendo você se sentir inadequado e indigno. É um ciclo tóxico onde você tenta perpetuamente provar seu valor, mas é inútil.

Ficar amigo de um narcisista após um término mantém esse ciclo prejudicial girando. Isso significa que você ainda estará sujeito a comentários depreciativos e expectativas inatingíveis.

Isso prejudicará sua autoestima e fará você questionar seu valor. No final, libertar-se é a escolha mais saudável. Você vale mais do que suas críticas constantes.

Ele sabotará relacionamentos futuros

Além de prejudicar sua autoestima, ficar amigo de um narcisista após um término causará estragos em seus relacionamentos futuros. Ele usará seu charme e carisma para se infiltrar e injetar sutilmente dúvidas e insegurança.

Ele espalhará boatos e prejudicará seu novo parceiro, tudo para manter o controle. As ações dele não têm a ver com sua felicidade ou bem-estar, mas com a necessidade de dominar e afirmar superioridade.

O narcisista não quer que você siga em frente. Deixá-lo permanecer em sua vida após a separação é como permitir que uma raposa entre no galinheiro, uma receita para o desastre.

Ele vai atrair você de volta

Cuidado, um narcisista atrairá você de volta para um relacionamento com caso vocês fiquem amigos. É fácil se deixar levar de volta, dado o charme e as memórias que vocês compartilharam.

No entanto, lembre-se por que você terminou. Os padrões tóxicos não mudarão e você ficará preso no mesmo ciclo de abuso emocional. Cortar totalmente os laços é a escolha mais saudável. Não é fácil, mas é necessário para o seu bem-estar mental.

Não deixe que as falsas promessas de mudança o atraiam de volta. Fique firme e lembre-se, você merece mais do que um relacionamento cheio de manipulação e desrespeito.

Palavras finais

Ser amigo de um narcisista após o término dificultará o processo de cura e a recuperação emocional. É fundamental ter espaço e tempo para processar suas emoções, reconstruir sua vida e encontrar sua própria felicidade.

Manter a amizade com um narcisista impedirá esse processo, pois ele tentará sabotar seus esforços de cura, minará sua confiança e trará à tona memórias dolorosas do relacionamento passado.

Por fim, é essencial lembrar que você merece um relacionamento saudável e respeitoso. Ser amigo de um narcisista após o término vai mantê-lo preso em um ciclo de abuso emocional e prejudicará sua autoestima. Afaste-se de pessoas tóxicas e busque relacionamentos mais saudáveis e enriquecedores.

Como os Psicólogos trabalham com pacientes narcisistas?

Uma variedade de terapias são capazes de ajudar a mudar os comportamentos do narcisista para melhor, desde que obedeçam um plano central.

Assim como acontece com todos os Transtornos de personalidade, os traços narcisistas existem em um continuum. Ou seja, nem todas as pessoas com narcisismo são iguais e as abordagens de tratamento variam de indivíduo para indivíduo.

A seguir estão algumas etapas que um Psicólogo segue para tratar um paciente com narcisismo:

Entendendo o narcisismo

O Psicólogo precisa ser bem versado sobre o que significa estar em um relacionamento narcisista. Uma coisa é ler sobre o narcisismo, outra é ter um relacionamento próximo com alguém com qualidades narcisistas.

Muitos Psicólogos não têm ideia de como a vida com uma pessoa narcisista pode ser inebriante, excitante e comovente. É fundamental entender que as três principais características do narcisismo são senso de direito, falta de percepção e falta de empatia.

Construindo a aliança terapêutica

O Psicólogo deve exigir duas coisas da aliança terapêutica com uma pessoa com tendências narcisistas: respeito e colaboração.

Embora o respeito e a colaboração com os outros seja um desafio, ou até mesmo impossível, para as pessoas com narcisismo, ele aprenderá a praticar essas habilidades interpessoais em tempo real, in vivo, no relacionamento com o Psicólogo.

Identificando as defesas

As defesas da pessoa narcisista vêm na forma de modos de personalidade ou personas (pense em personalidades múltiplas, mas diferentes). O Psicólogo precisa se esforçar para ajudar a pessoa a identificar alguns dos modos de personalidade protetora que utiliza ao longo da vida.

Aqui estão alguns exemplos comuns:

  • O crítico;
  • O juiz;
  • A personalidade desapegada;
  • O dependente;
  • O mulherengo;
  • O titular;
  • A vítima;
  • O abusador;
  • O manipulador;
  • O viciado em raiva;
  • O superior;
  • O entediado.

Todas as personas listadas são usadas para proteção emocional. Os dois sentimentos que as pessoas com narcisismo evita a todo custo são a carência e a vulnerabilidade.

Identificando os gatilhos subjacentes

Os gatilhos subjacentes são os que causam a necessidade de personas protetoras. Pense neles como botões que são acionados quando alguém causa o que é conhecido como “ferida narcisista”.

Aqui estão alguns gatilhos comuns em pessoas identificadas com o narcisismo:

  • Abandono emocional;
  • Deficiência interior;
  • Falta de controle ou segurança;
  • Privação emocional;
  • Medo do ridículo ou da vergonha.

Por meio de modelos de comportamento e de psicoeducação, o Psicólogo ensinará o narcisista sobre a necessidade de reparar as primeiras feridas de apego que ele experimentou.

É difícil identificar esses gatilhos subjacentes porque o narcisista é alguém que com pouca percepção e que está emocionalmente “dividido” ou “bloqueado” de sentir essas emoções vulneráveis ​​e devastadoras.

É essencial ajudar a pessoa com narcisismo a gerir estes sentimentos subjacentes de vergonha, ensinando autocompaixão e oferecendo estratégias saudáveis ​​de auto-apaziguamento.

Desenvolvendo um adulto/pai interior saudável

A função da terapia é ajudar o narcisista a aprender a cuidar de sua criança interior ferida. A criança interior está respondendo a um trauma de apego precoce ou a algum outro tipo de falta de sintonia emocional.

Sem entrar numa análise completa das causas do narcisismo, basta dizer que existe um componente disfuncional do desenvolvimento. Desse ponto de vista, quando criança, o narcisista não se regulou adequadamente no relacionamento com o(s) pai(s). Isso fez com desenvolvesse personalidades protetoras “divididas” como defesas.

Ensinar o narcisista a cuidar de sua feria interior, por meio do processo de imaginação, é eficaz e poderoso para iniciar uma mudança saudável.

Desenvolvendo um plano de tratamento

Não só é essencial curar o mundo interior do narcisista, como também identificar todos os “comportamentos finais” e iniciar um “plano de tratamento”. Em essência, tratar os sintomas narcisistas como parte de uma espécie de dependência que precisa ser colocado em remissão.

Aqui está uma lista de alguns itens possíveis para entrar na lista de abstinência do narcisista:

  • Senso de direito;
  • Culpa;
  • Abuso de substâncias;
  • Gritos;
  • Tratamentos silenciosos;
  • Términos dramáticos;
  • Comportamentos passivo-agressivos;
  • Manipulação;
  • Defensividade.

Perguntas frequentes

Qual terapia é melhor para o narcisismo?

Não existe uma modalidade de terapia considerada melhor para o tratamento do narcisismo. O que funciona para uma pessoa pode não funcionar para outra. Somente um profissional de saúde mental qualificado poderá encontrar a abordagem certa.

O narcisismo pode ser tratado ou curado?

Com o plano de tratamento certo, o narcisista pode aprender a reconhecer seus gatilhos, mecanismos de enfrentamento ou mudanças comportamentais que causam um impacto positivo e duradouro em sua vida.

Como saber se alguém é narcisista?

Existem certas características comumente associadas ao narcisismo, como falta de empatia, ego grande, baixa autoestima subjacente ou necessidade de atenção.

No entanto, as pessoas podem apresentar essas características e não serem narcisistas. Somente um profissional de saúde mental pode dar um diagnóstico preciso.

Palavras finais

O narcisismo é uma condição de saúde mental caracterizada por ideias grandiosas, falta de empatia e necessidade de admiração. Apesar do uso frequente da palavra “narcisismo”, o distúrbio real é incomum.

O comportamento narcisista afeta os relacionamentos e a qualidade de vida. Mas, uma variedade de terapias podem ajudar a mudar os comportamentos para melhor. Geralmente, são tratamentos de longo prazo que dependem da vontade de continuar.

Quais as diferenças entre depressão e solidão?

A depressão requer um diagnóstico e plano de tratamento, e a solidão confere sentimentos de não estar conectado, compreendido ou apoiado.

A depressão requer um diagnóstico e plano de tratamento adequado por meio de medicamentos, terapia e escolhas de estilo de vida saudáveis. Ela é uma condição de saúde mental multidimensional que não é meramente subjetiva.

Já a solidão, é mais comum. Ela é um estado de espírito e uma experiência que confere sentimentos de não estar conectado, compreendido ou apoiado. Porém, só porque você está sozinho não significa necessariamente que esteja sozinho.

Na verdade, é possível estar sozinho e não se sentir sozinho, assim como é possível estar com pessoas que você conhece e ainda assim estar sozinho.

A solidão pode se transformar em depressão?

Sim, pois a pessoa com depressão pode se retrair e se isolar ainda mais. Embora a solidão dure pouco e desapareça quando as circunstâncias da vida e as conexões interpessoais mudam, ela é capaz de contribuir para a depressão por meio do isolamento social.

A solidão também é um fator de depressão e um sintoma de depressão.

Sinais de depressão

Alguns sinais de depressão que não estão necessariamente relacionados à solidão incluem:

  • Alterações no apetite: a pessoa apresenta perda ou ganho de peso significativo, sem motivo aparente;
  • Insônia ou sono excessivo: dificuldade em dormir ou dormir excessivamente;
  • Fadiga: a pessoa sente uma falta de energia constante e uma sensação de cansaço, mesmo após períodos de descanso adequado;
  • Pensamentos negativos: a depressão leva a pensamentos negativos persistentes, sentimentos de culpa e baixa autoestima;
  • Perda de interesse em atividades: a pessoa perde o interesse em atividades que antes lhe traziam prazer.

Sinais de solidão

Existem alguns sinais indicando que uma pessoa está experimentando solidão:

  • Isolamento social: a pessoa evita interações sociais e prefere passar a maior parte do tempo sozinha;
  • Sentimento de vazio: a sensação de vazio emocional e a falta de conexão com os outros são indicativos de solidão;
  • Tristeza: embora a solidão não seja exatamente a mesma coisa que a tristeza da depressão, ela causa sentimentos de tristeza e melancolia;
  • Dificuldade de comunicação: a pessoa tem dificuldade em expressar seus sentimentos e se conectar emocionalmente com os outros;
  • Busca por conexão: a pessoa demonstra um desejo intenso de encontrar relacionamentos significativos e se conectar com outras pessoas.

Causas da solidão

Muitos fatores são responsáveis ​​pela solidão: ser mulher, viver sozinha, ser viúvo, ser mais velho, ter problemas de saúde e ter um número limitado de recursos “sociais”.

Os adultos mais jovens sentem solidão quando saem do conforto e segurança de casa para trabalhar ou ir para a faculdade, têm dificuldade para se adaptar à vida adulta, ou passam por alguns problemas de relacionamento.

Alguns acontecimentos da vida causam solidão em qualquer idade, como perder um ente querido, terminar um relacionamento, perder o emprego ou problemas de saúde mental, ou mudar para um novo lugar e não conhecer ninguém.

Mesmo eventos de vida que deveriam ser positivos, como ser pai pela primeira vez, se aposentar, ou começar a faculdade, podem causar solidão. Essas são transições de vida que afetam os relacionamentos interpessoais.

Somos uma espécie social e necessitamos de um ambiente social seguro e protegido para sobreviver e prosperar. Relações sociais satisfatórias são fundamentais para o nosso bem-estar mental. Quando estes são substituídos por sentimentos de solidão, o bem-estar físico e mental é afetado.

Lidando com a solidão

Autoconhecimento

O primeiro passo para lidar com a solidão é desenvolver o autoconhecimento. É importante entender por que você está se sentindo solitário e identificar quais são as suas necessidades emocionais.

Pergunte-se o que está faltando em sua vida e como você pode preencher essa lacuna. Ao se conhecer melhor, poderá tomar medidas para satisfazer essas necessidades e encontrar formas saudáveis de se conectar com os outros.

Buscar apoio

Quando nos sentimos solitários, tendemos a nos isolar ainda mais. No entanto, é importante buscar apoio emocional. Converse com amigos próximos, familiares ou até mesmo um profissional de saúde mental.

Compartilhar seus sentimentos com alguém de confiança trará alívio e ajuda a perceber que não está sozinho. Além disso, essas pessoas oferecem conselhos e apoio prático para lidar com a solidão.

Cultivar relacionamentos saudáveis

Investir em relacionamentos saudáveis é fundamental para superar a solidão. Portanto, construa conexões significativas com outras pessoas. Participe de atividades em grupo, junte-se a clubes ou associações que compartilhem de seus interesses.

Esteja aberto para conhecer novas pessoas e fazer novas amizades. Lembre-se de que os relacionamentos exigem tempo e esforço, mas trazem uma sensação de pertencimento e apoio emocional.

Envolver-se em atividades prazerosas

A solidão é uma oportunidade para se reconectar consigo mesmo e com suas paixões. Dedique tempo para fazer as coisas que você gosta e que trazem alegria à sua vida. Pode ser um hobby, uma atividade física, arte, música ou qualquer outra coisa que desperte seu interesse.

Além de preencher seu tempo de forma produtiva, essas atividades ajudam a melhorar seu humor e aumentar sua autoestima.

Desfrutar da própria companhia

Embora buscar conexões com os outros seja importante, também é fundamental aprender a desfrutar da própria companhia. Aprenda a se tornar seu melhor amigo e a aproveitar momentos de solidão. Pratique a autocompaixão e o autocuidado.

Reserve tempo para se cuidar, seja através de meditação, leitura, caminhadas ou qualquer outra atividade que lhe traga paz e tranquilidade.

Adotar um animal de estimação

Ter um animal de estimação é uma ótima maneira de combater a solidão. Ele oferece companhia constante e amor incondicional. Além disso, cuidar de um animal trará uma sensação de propósito e responsabilidade.

Certifique-se de escolher um animal que se adeque ao seu estilo de vida e que você possa oferecer os cuidados necessários.

Palavras finais

À primeira vista, parece que depressão e solidão são a mesma coisa, mas na realidade, são experiências emocionais distintas. É importante entender as diferenças entre esses dois estados emocionais para abordá-los adequadamente e buscar o apoio necessário.

A solidão e a depressão são experiências emocionais distintas. Enquanto a solidão é uma sensação de isolamento social, a depressão é uma condição de saúde mental que afeta diversos aspectos da vida de uma pessoa.

O relacionamento entre borderline e narcisista pode dar certo?

O relacionamento entre borderline e narcisista pode funcionar se as duas pessoas estiverem dispostas a obter ajuda.

Sim, um relacionamento entre borderline e narcisista pode funcionar se as duas pessoas estiverem dispostas a obter ajuda. Os tratamentos, como a terapia, ajudam esses indivíduos a superarem habilidades negativas de enfrentamento e melhorar as habilidades de intimidade.

É importante lembrar que embora os comportamentos de ambas as partes nesta relação tenham a capacidade de causar dor e desconforto, isso não é feito por maldade. Por mais desagradáveis ​​pareçam, eles estão simplesmente adotando mecanismos de defesa (muitas vezes aprendida na infância) para satisfazer suas necessidades.

A superação desses mecanismos é que melhora as relações e impede que uma nova geração desenvolva as mesmas competências desadaptativas.

O que acontece no relacionamento entre entre borderline e narcisista?

Embora a relação entre eles os ajude a atingir necessidades não satisfeitas, ela também é extremamente volátil, pois ambos lutam com a constância do objeto e as relações com o objeto inteiro.

Constância do objeto é a capacidade de sentir-se positivo em relação a alguém, mesmo quando se está chateado. Também se refere à capacidade de alguém em manter emoções positivas quando alguém que se afasta.

A habilidade de ter relações do objeto inteiro permite ver o que há de bom e de ruim na mesma pessoa, bem como inclui aceitar que esses mesmos valores coincidam simultaneamente em si mesmos e nos outros.

Pessoas com borderline e narcisismo lutam contra o pensamento preto e branco. Quando alguém os machuca, ambos veem a pessoa como “totalmente má”, bem como esquecem as qualidades e experiências positivas que compartilharam com a mesma pessoa.

Esses indivíduos também encaram as pessoas como “longe da vista, longe da mente”. Durante os conflitos, ambos tem dificuldade em manter uma conexão íntima ao serem magoados, irritados ou desapontados.

O relacionamento entre borderline e narcisista pode funcionar apenas em tempos felizes. No entanto, as lutas com a constância do objeto tornam os conflitos entre os dois extremamente voláteis.

Por que o borderline é atraído pelo narcisista?

Pessoas com borderline são atraídas por narcisistas porque ambos possuem habilidades semelhantes, como entrar rapidamente em relacionamentos. Outro motivo é que o narcisista é muito confiante e seguro de si, e o borderline anseia por isso.

Outro fator importante é a busca por validação e amor. Pessoas com borderline frequentemente têm uma baixa autoestima e uma sensação de vazio emocional, o que as leva a procurar constantemente por aprovação e afeto. O narcisista, por sua vez, fornece essa validação e atenção, alimentando o ciclo vicioso entre os dois transtornos.

Quando o borderline está em um relacionamento com um narcisista, ele acredita que finalmente encontrou alguém que o compreende. Além disso, o borderline fantasia sobre o mundo em que vive com o narcisista, adquirindo uma sensação de onipotência e grandeza que o narcisista não consegue.

Por que o narcisista é atraído pelo borderline?

Uma das razões pelas quais o narcisista é atraído pelo borderline é a afeição pelo diferente. O narcisista, com sua necessidade constante de atenção e admiração, é seduzido pela intensidade emocional e pela paixão que o borderline traz para o relacionamento.

Essa atração pelo diferente cria uma dinâmica inicialmente cativante, onde o narcisista se sente valorizado e admirado pelo borderline. Como eles estão em níveis semelhantes de intimidade, o relacionamento é bem-sucedido.

Além disso, a atração também pode estar ligada à repetição de padrões de relacionamento disfuncionais. Por exemplo, se um narcisista cresceu em um ambiente onde recebeu pouca atenção e validação emocional, um borderline que oferece uma intensidade emocional que falta em sua vida se torna atraente.

Palavras finais

Embora o relacionamento entre borderline e narcisista possa dar certo no início, ele também se transformará em um relacionamento tóxico e disfuncional com o passar do tempo caso ambos não se preocupem em obter ajuda.

O narcisista, com sua falta de empatia e manipulação, explora e abusa emocionalmente do borderline. Por sua vez, o borderline se sente cada vez mais inseguro e desvalorizado, alimentando um ciclo de dependência e sofrimento.