Cabeçalho site

Psicólogo online para vítimas de narcisismo em qualquer lugar do mundo

Início

Artigos

Sobre

Início » Eu me odeio: o que fazer para parar de se odiar?

Eu me odeio: o que fazer para parar de se odiar?

Homem bravo soltando vapor pelos ouvidos

A vida pode ser imprevisível e os eventos nem sempre funcionam a seu favor, levando a nos odiar. Talvez você esteja infeliz em sua carreira ou relacionamento. Tragédias ou circunstâncias inesperadas podem tê-lo forçado a seguir um novo caminho. Ou você pode ter uma condição médica subjacente que causa estresse físico ou emocional.

Não importa a causa, os pensamentos de se odiar são naturais e comuns. O próprio fato de você estar tendo esses pensamentos provavelmente significa que reconheceu um aspecto de sua vida que gostaria que fosse diferente. E essa percepção é muitas vezes o primeiro passo para fazer uma mudança.

O sentimento de se odiar é real

Todas as emoções são reações à forma como você percebe o mundo. Tanto as emoções de bem-estar quanto as desconfortáveis ​​desempenham um papel importante na saúde mental.

Emoções agradáveis ​​ativam o sistema de recompensa do seu cérebro. Elas melhoram seu foco e ajudam a expandir suas maneiras de pensar.

Livre-se do narcisismo em sua vida!

Psicólogo Emilson Silva com camisa roxa e rindo

Com mais de 12 anos de experiência, já ajudei milhares de pessoas a superarem algum tipo de abuso narcisista.

Emoções desconfortáveis ​​o ajudam na proteção. Elas avisam quando as coisas não estão bem. Por exemplo, a raiva avisa quando alguém não está respeitando seus limites.

Como a raiva, muitas outras intensas emoções podem ser rastreadas até nossos instintos de sobrevivência. A ansiedade e o medo provavelmente foram razões importantes para que nossos ancestrais pudessem sobreviver.

No mundo moderno, você não encontra situações de vida ou morte todos os dias, mas essas emoções ainda estão aqui como parte do seu sistema de alerta. Aceitar pensamentos e emoções negativas, como se odiar, é um componente-chave do bem-estar mental.


Identifique os pontos de dor que o levam a se odiar

Você pode ter várias razões para se sentir assim. Se esses sentimentos são o resultado de uma experiência ou anos de sensação de opressão, explorar partes de sua vida que estão fazendo você se sentir infeliz vai ajudá-lo a encontrar maneiras de lidar com eles.

Não há duas pessoas que tenham exatamente as mesmas razões para se sentirem frustradas e sem esperança em relação à vida.

Aqui estão alguns fatores contribuintes comuns:

  • Abuso ou negligência na infância;
  • Condições de saúde mental;
  • Eventos estressantes da vida;
  • Uso ou dependência de substâncias;
  • Luto e perda;
  • Baixa auto-estima;
  • traumas e Transtorno de estresse pós-traumático.

Abuso ou negligência na infância

O abuso infantil pode ter efeitos significativos a longo prazo em sua saúde mental e física. Experimentar abuso pode aumentar suas chances de ansiedade, depressão e doenças físicas crônicas. Tudo isso influencia como você se sente em relação à vida.

Condições de saúde mental

Condições de saúde mental, como depressão , ansiedade , transtorno bipolar e muitas outras, causam sentimentos de desesperança.

Eventos estressantes da vida

A vida é muito estressante para a maioria das pessoas, e pode se originar de várias áreas:

  • Uma carreira que não parece satisfatória;
  • Infelicidade no relacionamento pessoal;
  • Vítima de racismo ou discriminação;
  • Não gostar do bairro em que mora;
  • Ter grandes despesas de casa ou propriedade;
  • Condições médicas que causam desconforto ou tornam as tarefas desafiadoras;
  • Conflitos com amigos, colegas de trabalho ou familiares.

As circunstâncias de vida são únicas para você. Com o tempo, muitas dessas situações podem resultar em estresse crônico e menos esperança para o futuro.

Uso ou dependência de substâncias

O uso ou dependência de substâncias pode aumentar suas chances de experimentar problemas de saúde mental quando adulto. Algumas dessas condições, como a depressão, podem influenciar seus sentimentos de se odiar.

Se você já vive com uma condição de saúde mental, pesquisas também indicam que sentimentos de tristeza podem aumentar suas chances de desenvolver um vício.

Luto e perda

Experimentar a morte de um ente querido ou uma grande perda é uma fonte significativa de luto. Como com outras emoções, a forma como você vivencia o luto é única para você. Não há uma quantidade “certa” de tempo que você deve levar para sofrer.

Em alguns casos, o luto pode levar à depressão ou pensamentos suicidas. Você pode experimentar um “luto complicado”, no qual sente que a vida não tem sentido.

Baixa autoestima

Pensamentos negativos sobre si mesmo afetam como você se sente em relação à vida em geral. Quando você está infeliz com uma parte de si mesmo, essa negatividade se espalha para outros aspectos da vida. Você pode começar a se afastar de amigos, ou se afastar do trabalho e da escola, fazendo você se odiar ainda mais.

A baixa autoestima é comum em jovens que internalizam emoções intensas, especialmente aqueles que também viviam com depressão ou ansiedade.

O que pode tornar a vida melhor e parar de se odiar?

Examinar por que você está se sentindo assim em relação à vida vai ajudá-lo a descobrir como torná-la melhor.

Quando os pensamentos negativos sobre a vida são persistentes, falar com um profissional de saúde mental é apenas uma maneira de analisar esses pensamentos. A terapia vai ajudá-lo a identificar fontes de infelicidade e começar a dar pequenos passos possíveis em direção a uma vida com a qual você se sentirá melhor.

Você também pode fazer isso sozinho. Perguntar a si mesmo: “O que pode tornar a minha vida melhor?” vai ajudá-lo a encontrar maneiras de mudar as coisas que estão sob seu controle.

Por exemplo, se o seu colega de trabalho do outro lado do corredor torna seu dia de trabalho miserável, talvez seja hora de pedir para trabalhar em um novo local ou cargo.

Reconheça o que você pode e não pode controlar

Nem tudo na vida pode ser controlado. Preocupar-se com coisas que você não pode controlar consome tempo e energia. Também provoca quantidades desnecessárias de estresse.

Um senso de controle é importante para o bem-estar mental e está associado a emoções positivas. Mas a falta de controle, ou a falta de escolha, é frequentemente associada a sentimentos negativos.

Ao examinar os fatores que influenciam seus sentimentos sobre a vida, você também pode achar útil decidir o que pode e o que não pode ser mudado. Você pode até começar com algo pequeno, como as roupas que veste, o que come no almoço ou o que fará nos próximos 5 minutos.

Concentrar-se nos aspectos controláveis ​​lhe dará mais esperança para o futuro.

Crie um plano

Mudar o que o deixa infeliz de uma só vez provavelmente não será possível, ou prático, mas também não é necessário. Mesmo pequenos passos podem fazer a diferença quando se trata de sua saúde mental e satisfação com a vida.

Um plano para lidar com a infelicidade na vida será exclusivo para você e sua situação. Em alguns casos, você pode pedir a ajuda de um profissional de saúde mental ou de entes queridos.

Se você decidir fazer um plano, aqui estão algumas perguntas para fazer a bola rolar:

  • Existe algum limite que gostaria de estabelecer consigo mesmo ou com os outros?
  • Existe uma habilidade de comunicação que gostaria de fortalecer?
  • Como está o seu autocuidado? A incorporação de alguns alimentos diferentes, mais água ou movimento em seu dia o ajudaria a se sentir melhor?
  • Como está o trabalho? Ter uma conversa franca com um colega de trabalho ou encontrar um emprego diferente o colocaria em um caminho pelo qual se sentiria melhor?
  • Como está o seu humor no dia-a-dia? Você acha que o apoio à saúde mental ou a medicação poderiam beneficiá-lo?
  • Você precisa de um suporte externo que não está recebendo no momento? Você consegue identificar algumas etapas para se conectar a esse suporte?

Comece pequeno

Ao começar com uma pequena mudança, como um novo espaço de escritório separado, isso pode fazer uma diferença suficiente para mudar como se sente.

Pequenos ajustes podem ter grandes efeitos. Ter sucesso nessa escala menor pode ajudar a aumentar a confiança e o fôlego para mudanças maiores.

Definir limites

Dizer “não” pode ser difícil, especialmente para a família e amigos. Porém ele ajuda a proteger sua energia, seus recursos, e permite que os outros saibam o que você vai e o que não vai tolerar.

Manter limites ajuda a evitar que você experimente situações desencadeadoras de emoções como estresse, tristeza ou ansiedade.

Fortaleça a comunicação

Ser capaz de expressar suas necessidades e sentimentos evita que sejam internalizadas. A comunicação aberta vai ajudá-lo a lidar com as preocupações, em vez de deixá-las girando em sua cabeça, causando ansiedade.

Se cuide

Exercitar-se e comer alimentos nutritivos melhorará seu humor. Mesmo certificando-se de que você está se mantendo hidratado muda a forma como você se sente em relação ao seu corpo.

Mover o corpo estimula o cérebro e produz os hormônios do bem-estar para ajudar a combater a depressão. Mesmo o exercício de intensidade moderada pode fornecer os efeitos de aumento do humor associados ao exercício.

Considere conversar com alguém

Quando os sentimentos de desesperança persistirem, considere procurar apoio profissional. Algumas causas de infelicidade na vida exigem exploração e descoberta em profundidade. Você pode se beneficiar de certos tratamentos ou medicamentos.

Se falar com um profissional não for uma opção para você no momento, outros recursos também estão disponíveis, incluindo:

  • Redes de suporte online;
  • Salas de conversa;
  • Linhas diretas de suporte;
  • Grupos de apoio locais;
  • Família e amigos de confiança;
  • Líderes espirituais.

Fiz um plano, mas ainda não estou me sentindo bem. E agora?

Fazer um plano pode não afetar como você está se sentindo no momento. Embora desagradáveis, os sentimentos que você está experimentando são reais e válidos.

As chances são de que você não vai se sentir assim para sempre. Mas se você está se sentindo sobrecarregado e precisa de algo para tirar esses pensamentos da sua mente, então aqui estão algumas ideias sobre o que fazer enquanto isso:

Livre-se do narcisismo em sua vida!

Psicólogo Emilson Silva com camisa roxa e rindo

Com mais de 12 anos de experiência, já ajudei milhares de pessoas a superarem algum tipo de abuso narcisista.

  • Tire um cochilo;
  • Leia um livro ou revista;
  • Faça uma caminhada de 15 minutos;
  • Ouça uma boa música;
  • Converse com um familiar ou amigo próximo;
  • Passe tempo com um animal de estimação;
  • Encomende ou prepare alguma comida reconfortante;
  • Assista a um filme ou programa que você sente vontade de assistir, seja ele qual for;
  • Tome um banho;
  • Rabisque, escreva um poema ou desabafe em um diário;
  • Ouça um pouco de música e comece a dançar.

É natural sentir-se frustrado com os desafios da vida. Quase todo mundo já se sentiu assim em algum momento, e não há vergonha em ter esses pensamentos e sentimentos.

Se o se odiar for frequente e estiver afetando sua vida cotidiana, pode ser um sinal para consultar seu médico ou outro profissional de saúde. Quando esses sentimentos são persistentes, eles podem ser um sintoma de uma condição médica ou mental não diagnosticada.

Às vezes, quando nos sentimos assim, há muita pressão para “sentir-se melhor” imediatamente. Não há problema em deixar essa pressão ir e passar algum tempo apenas se deixando ser.


Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *