Cabeçalho site

Psicólogo online para vítimas de narcisismo em qualquer lugar do mundo

Início

Artigos

Sobre

Início » Você pode confrontar ou expor um psicopata?

Você pode confrontar ou expor um psicopata?

Um homem e uma mulher medindo forças em uma queda de braço

Uma pergunta que as vítimas costumam fazer é se podem confrontar ou expor um psicopata. Como responder à manipulação dele: lutar, fugir ou fazer algo totalmente diferente?

Na maioria das situações e para a maioria das pessoas, confrontar um psicopata na tentativa de expô-los não é aconselhável, já que ele é uma pessoa extremamente cruel e manipuladora. Se necessário, colocará os outros contra você para vencer qualquer batalha de vontades que travar com ele.

Muitas vezes, é melhor simplesmente escapar do seu controle e da sua influência, o mais discretamente possível. A maioria das pessoas é facilmente enganada pelo loquaz e pelo charme superficial, e o psicopata está bem ciente.

Então, quando confrontado, ele mentirá e manipulará para sair disso, estando alegremente disposto a inverter a realidade e pintar a vítima como a encrenqueira. Ele sabe que pode facilmente isolar e difamar as poucas pessoas que os enxergam, caso decida enfrentá-lo.

Livre-se do narcisismo em sua vida!

Psicólogo Emilson Silva com camisa roxa e rindo

Com mais de 12 anos de experiência, já ajudei milhares de pessoas a superarem algum tipo de abuso narcisista.

É por isso que, na maioria dos casos, não é recomendado confrontar um psicopata em locais de trabalho, a menos que se tenha total apoio de muitos de seus colegas, na medida em que ele não poderá colocar as pessoas contra você.

Da mesma forma, nos relacionamentos pessoais, o confronto geralmente não vale o esforço, pois apenas leva a um debate mais exaustivo com um tipo de personalidade que se mostra incurável e imutável, repetidas vezes.

É simplesmente melhor economizar energia e fugir o mais rápido possível.

Vamos examinar mais detalhadamente as muitas razões pelas quais geralmente não vale a pena, junto com alguns pré-requisitos essenciais para casos raros em que você não deve confrontar um psicopata.

Você não deve confrontar um psicopata

Existem muitas facetas da personalidade psicopática que mostram não ser uma decisão sábia confrontá-lo e denunciá-lo. Aqui estão algumas das principais coisas que você precisa levar em conta antes de fazer qualquer tentativa de enfrentá-lo:

Manipulação

O psicopata é mestre da manipulação e conspiração, não apenas de indivíduos, mas de grupos inteiros de pessoas.

Ele também é brilhante em invalidar a percepção dos outros sobre a realidade. Você pode entrar em uma discussão totalmente convencido de que está certo e sair atordoado, confuso e com a realidade totalmente virada de cabeça para baixo.

Ele distorce as coisas de modo que os outros sejam os encrenqueiros, e ele próprio, a vítima.

Crueldade

O psicopata é uma pessoa fria, calculista e totalmente implacável. Ele irá até onde outras pessoas não tem coragem. Isso inclui mentir descaradamente, roubar, trapacear, arrastar sua família para conflitos, “ir para o lado pessoal”, arruinar sua reputação, sustento e muito mais.

Você precisa entender que a personalidade psicopática simplesmente não tem os mesmos freios morais e éticos que as pessoas comuns têm. Literalmente, nada está fora dos limites para garantir que ele sempre “ganhe” e permaneça no controle.

Ele fará o que precisar para vencer, e não se sentirá mal depois disso. Lembre-se que ao enfrentar um psicopata:

  • Você tem consciência e moralidade, ele não tem nenhuma;
  • Você sente culpa e remorso, ele não sente nada e;
  • Você tem fronteiras e limites, ele não tem nenhum.

Viciosidade

O psicopata é muito perverso, mas geralmente guarda seu pior lado para quando for realmente necessário. Mesmo que você ache que viu o pior lado dele, as coisas ainda podem piorar. Isso inclui:

  • Gritos;
  • Violência física;
  • Abuso verbal.

As pessoas também descrevem um aura de envenenamento que sai de um psicopata quando ele se torna realmente desagradável, contradizendo a persona loquaz e charmosa que normalmente apresenta ao mundo. O “verdadeiro ele” está momentaneamente aparecendo.

O custo do confronto

Somando todos esses fatores, é importante avaliar se realmente vale a pena enfrentar um psicopata ou simplesmente fugir. É preciso pesar todos os potenciais negativos, como:

  • Danos emocionais e psicológicos;
  • Erosão da identidade;
  • Danos à reputação em cenários de trabalho;
  • Isolamento e ostracismo no trabalho;
  • Exaustão ao enfrentar batalhas legais.

É necessário escolher as batalhas com muita sabedoria e tomar uma decisão muito ponderada sobre como usar melhor seu tempo e energia. Na maioria dos casos, fugir será a melhor escolha a longo prazo.

Espectadores apáticos

Esse é outro grande fator a ser levado em consideração. Só porque você pode ver através da superfície do psicopata, isso não significa que todos as outras pessoas possam. Na verdade, o psicopata manipula e seduz para ser bem visto pela maioria das pessoas.

Se você decidir confrontar o psicopata em um cenário de trabalho, por exemplo, então ele será capaz de cooptar espectadores apáticos como aliados, deixando você isolado.

Dessa forma, novamente, o psicopata vira a realidade de cabeça para baixo, porque ele é muito eficaz em manipular os outros, e a maioria das outras pessoas é facilmente iludida e influenciada por seu charme loquaz.

Confrontando psicopatas em relacionamentos pessoais

Muito do que foi abordado anteriormente está relacionado a cenários de trabalho, mas em relacionamentos pessoais o conselho geralmente permanece o mesmo: fuja o mais rápido possível e não gaste energia tentando enfrentá-los.

A principal razão para isso é que muitas vezes o confronto nos relacionamentos trazem consigo uma expectativa de que isso fará o outro mudar seu comportamento. Contudo, com o psicopata isso é completamente inútil.

Ele nunca muda seu comportamento tóxico e se mostrara completamente imune a qualquer tipo de tratamento ou incitação à mudança, seja clinicamente ou simplesmente por ser solicitado a interromper determinado comportamento.

O psicopata simplesmente não se importa. Ele continuará se comportando como sempre. Se você tentar enfrentá-lo, ele mudará as coisas e o levará a pensar que há algo errado com você.

Quando se pode enfrentar um psicopata?

Dito tudo isso, existem alguns casos em que é possível enfrentar um psicopata. As coisas devem estar muito firmemente alinhadas a seu favor para considerar fazer isso. Aqui estão alguns fatores importantes a serem considerados antes de pensar em enfrentar um psicopata:

Autoconsciência

Você precisa ser uma pessoa muito forte e autoconsciente, que não tem medo de ninguém nem de nada. Não deve ter fraquezas psicológicas, medos e vaidades que o psicopata possa usar. É preciso estar totalmente preparado psicologicamente para enfrentar esse tipo de pessoa.

Consciência da psicopatia

Você precisa estar totalmente ciente de todas as coisas mencionadas anteriormente sobre como o psicopata é cruel, imoral, e recorre a todos os meios necessários para “vencer” qualquer batalha em que se envolva. É necessário estar ciente de que ele fará de tudo para que outras pessoas não o vençam. Ele não têm consciência.

Cultura e ambiente de trabalho

Nos cenários de trabalho, deve-se ter na alta administração pessoas de caráter forte, imunes à manipulação e golpes de ego do psicopata. Você também precisa ter forte apoio de colegas de trabalho e, de preferência, de pelo menos alguns gerentes de nível médio e superior.

Pessoas dispostas a participar de reuniões com você e apoiá-lo na conduta inadequada do psicopata.

Cuidado com a tática de difamação nos locais de trabalho

Essa campanha de difamação é sobre colocar as pessoas contra você, até mesmo seus próprios amigos, de modo que não tenha ou perca apoio. Independentemente de você decidir confrontar um psicopata ou não, uma coisa que todas as pessoas que estão em torno desses tipos de personalidade precisam estar cientes é a tática de difamação.

É aqui que ele cria situações que prejudicam, isolam e desvalorizam você. Uma vez que ele se concentre em alguém que vê como uma ameaça, ou um alvo adequado, especialmente em um ambiente de trabalho, ele fará tudo o que puder para levar essa pessoa ao fracasso.

O psicopata trabalhará ativamente para fazer isso antes, mas especialmente depois de qualquer confronto.

Vou dividir as táticas de difamação em antes e depois para explicar melhor o que quero dizer:

Difamação “antes do fato”

Aqui que o psicopata está difamando você para os colegas e para a alta administração antes mesmo de qualquer situação ou confronto surgir. O objetivo é virar a opinião contra você, de modo que, se houver algum confronto, você não obtenha apoio e a gerência fique do lado do psicopata.

Difamação “depois do fato”

É quando você decide confrontar o psicopata, e ele imediatamente responde ligando para a alta gerência, tentando fazer com que eles atirem antes que você o faça.

O psicopata vai mentir, manipular e distorcer o relato de eventos e conversas para pintá-lo como a vítima, e você, o encrenqueiro. Desta forma, ele novamente espera influenciar as pessoas contra você e “vencer” a batalha de vontades.

Isso se torna especialmente relevante à luz da questão do confronto nos ambientes de trabalho, uma vez que o psicopata é mestres em ficar à frente do jogo e preventivamente obter a alta administração do seu lado.

No caso da difamação “depois do fato”, gerentes mais habilidosos sentirão que algo está errado, pois eles verão a discrepância absoluta entre a imagem que o psicopata está tentando passar de você e a experiência que eles próprios tiveram, além do feedback de outras fontes mais confiáveis.

Esses gerentes usarão o bom senso e desconfiarão que o psicopata está tramando algo. Mas você nem sempre deve contar com isso. Muitas vezes, o psicopata é bem-sucedido em suas campanhas de difamação.

Pessoas menos autoconscientes, mais egoístas e facilmente influenciáveis ​​na gestão caem nessas táticas, por isso é importante estar bem ciente delas e avaliar cuidadosamente quaisquer situações antes de decidir confrontá-lo e expô-lo.

Infelizmente, essa é uma dinâmica bastante comum em cenários de trabalho, onde o psicopata manipula com sucesso a natureza facilmente influenciável e apática da maioria das pessoas, de modo a ostracizar e expulsar pessoas autênticas e virtuosas que podem ver através delas.

Na maioria dos casos, o confronto não é recomendado

Na maioria dos casos, o confronto simplesmente não é o melhor uso que você pode fazer do seu tempo e energia. Eles seriam melhor usados para se desvencilhar da influência e do controle dele, da forma mais silenciosa e rápida possível.

Claro, às vezes é satisfatório para a vítima do psicopata deixá-lo saber que agora sabe que tipo de personalidade ele tem. Porém:

  1. O psicopata já sabe que é psicopata. Ele em algum momento percebe que é diferente dos outros, e que não possui essas qualidades chamadas empatia, consciência e remorso que os outros possuem;
  2. Quer saiba ou não o nome do distúrbio, ele não se importa com isso, e também não se importa se você o chama de psicopata.

Ele sabe que é diferente dos outros, mas longe de pensar que há algo de errado. Ele olha para o resto do mundo com um distanciamento frio e considera-se superior, já que não têm as mesmas restrições que o restante da população.

Portanto, denunciá-lo sobre sua psicopatia não levará a nada. Na verdade, isso o levará de volta a mais argumentos, onde tentará usar suas táticas usuais de negação, projeção, inversão da realidade e gaslighting.

Livre-se do narcisismo em sua vida!

Psicólogo Emilson Silva com camisa roxa e rindo

Com mais de 12 anos de experiência, já ajudei milhares de pessoas a superarem algum tipo de abuso narcisista.

No final, ele o convencerá de que você é o psicopata e ele é a vítima inocente!

Em vez de se envolver com a loucura e a realidade invertida que o psicopata cria, é melhor simplesmente se desligar dela o mais rápido possível, assim que perceber com o que está lidando.

Depois de se desvencilhar completamente dele, interrompa permanentemente todo o contato e nunca olhe para trás, assimilando todas as lições que puder da experiência, mas sem desperdiçar mais tempo ou energia.