As 7 características do psicopata moderno

Um homem velho de terno e gravata, sentado em um sofá e segurando uma xícara

Categoria: Psicopatia

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

O transtorno de personalidade antissocial, às vezes identificado de forma intercambiável como sociopatia ou psicopatia, pode ser definido como uma condição mental na qual uma pessoa consistentemente não mostra consideração pelo certo e errado, e ignora os direitos e sentimentos dos outros. Ele tende a antagonizar, manipular ou tratar os outros com severidade ou indiferença insensível. Não mostra culpa ou remorso por seu comportamento.

A psicopatologia sociopática e/ou psicopática geralmente se entrelaça com outras características, incluindo e não se limitando ao bullying, narcisismo, gaslighting, fanatismo e misoginia.

Na era moderna os psicopatas não são assassinos em massa, como normalmente retratados na mídia popular (com exceções). Em vez disso, os psicopatas contemporâneos aparentemente parecem funcionais e bem-sucedidos. Eles instigam abusos e danos por meios mais indiretos e insidiosos.

Em relacionamentos pessoais, os psicopatas seduzem inicialmente com seu carisma superficial e charme calculado, antes de revelar sua natureza cruel e indiferente ao longo do tempo (ou seja, depois que um relacionamento sério é estabelecido ou um acordo importante é feito). Eles enganam, manipulam e abusam nos relacionamentos sem remorso, deixando suas vítimas feridas e traumatizadas por sua total falta de decência e empatia.

Em suas carreiras profissionais, os psicopatas altamente funcionais são abertamente ambiciosos, astutamente exploradores e impiedosamente agressivos. Frequentemente, manobram para alcançar posições de poder e status nos negócios, finanças, política, mídia e outros campos proeminentes.

Eles obtêm sucesso às custas antiéticas de usar e abusar dos outros. Os exemplos incluem:

  • O executivo de negócios que corta o salário mínimo e o plano de saúde dos funcionários para obter lucros maiores;
  • O consultor financeiro que frauda as economias de uma vida inteira de clientes para fazer investimentos sem escrúpulos;
  • O político que usa bodes expiatórios e demoniza grupos “indesejáveis” para incitar seus seguidores e a mídia;
Leia também:  Como identificar traços de caráter psicopata em alguém?

Psicopatas alcançam seus objetivos por meio da busca implacável e imoral de poder e ganho pessoal, deixando um rastro de sofrimento humano e danos sociais em seu rastro.

Embora nem todos os que possuem esse distúrbio tenham todos os traços listados, os que foram clinicamente diagnosticados provavelmente exibirão muitos dos sinais a seguir, especialmente quando ganho pessoal, controle relacional e dominação social estiverem em jogo.

Mentira e manipulação patológica

Em seu desejo de cada vez mais poder (sobre relacionamentos, organizações ou a sociedade em geral), muitos psicopatas irão literalmente inventar e dizer qualquer coisa para atingir seus objetivos.

Mentiras flagrantes, distorções, enganos, promessas quebradas e culpabilização da vítima são apenas alguns dos artifícios comumente usados ​​para avançar com seus esquemas agressivos e inescrupulosos.

Em vez de fazer afirmações factuais baseadas na realidade, os psicopatas repetem mentiras incessantemente. Evidências sólidas são ignoradas e descartadas com desprezo.

Falta de moralidade e quebra de regras

A maioria das pessoas tem um senso básico de certo e errado. Em geral, podemos concordar que:

  • A bondade é certa enquanto a crueldade é errada;
  • Relacionamentos saudáveis ​​são certos enquanto relacionamentos tóxicos são errados;
  • Trabalho duro e honesto é certo enquanto roubar e trapacear é errado.

Os psicopatas, no entanto, têm pouco ou nenhum senso de moralidade. Eles são mais inclinados do que a população em geral a violar os direitos humanos ou a ter problemas com a lei.

Eles acreditam que “regras devem ser quebradas”. Considerações humanas e éticas são abominadas e vistas como fraquezas. Em suma, eles têm pouca ou nenhuma consciência.

Nas ocasiões em que mencionam moralidade ou “justiça”, isso é feito por uma questão de aparência ou para encaminhar convenientemente sua própria agenda egoísta. A falsa moralidade é usada como um dispositivo manipulador, em vez de um valor genuíno.

Leia também:  7 pontos de semelhança entre o psicopata e o stalker

Falta de empatia e frieza

Pessoas com transtorno de personalidade antissocial têm menos células no córtex pré-frontal, considerada a região mais evoluída do cérebro. Ele é responsável, entre muitas funções, pela:

  • Capacidade de entender os sentimentos de outras pessoas (empatia);
  • Capacidade de fazer julgamentos sólidos e baseados em princípios (ética) e a;
  • Capacidade de aprender com a experiência de vida (reflexão).

Como os psicopatas carecem de empatia, ética e reflexão, eles também tendem a ser insensíveis e frios em relação à dor e ao sofrimento que causam aos outros. Essa falta de humanidade tem várias implicações perigosas:

  • Compele a cometer ofensas com pouco ou nenhum conflito moral;
  • Conhecer o sofrimento de suas vítimas o encoraja a causar mais danos (pois eles sentem que estão “ganhando”);
  • Os abusos são cometidos sem arrependimento ou remorso;
  • Pouca ou nenhuma lição é aprendida com as consequências negativas de suas ações. Eles culparão suas vítimas por sua própria vitimização.

Muitos psicopatas tornam-se “infratores em série”, até que uma coalizão de pessoas impeça sua má conduta e destruição.

Publicidade

Narcisismo e complexo de falsa superioridade

A maioria dos psicopatas possui certos traços narcisistas, como charme calculado, manipulação, auto-absorção, direito, presunção e uma falso complexo de superioridade. Na mentalidade deles, ser “melhor” do que os outros dá uma justificativa distorcida para explorar e maltratar as pessoas à vontade.

Aqueles que são “inferiores” merecem seu destino oprimido e devem ser vistos apenas com desprezo.

Gaslighting e bullying psicológico

Gaslighting é uma forma de lavagem cerebral persistente, que faz com que a vítima duvide de si mesma e, por fim, perca seu próprio senso de percepção, identidade e valor próprio.

Na pior das hipóteses, o gaslighting patológico constitui uma forma severa de controle da mente e bullying psicológico. Ele ocorre em relacionamentos pessoais, no local de trabalho ou em toda a sociedade.

Leia também:  O uso da desvalorização pela mulher psicopata

Para muitos psicopatas, o gaslighting é usado como uma forma especializada de mentir e manipular, onde ele repete incessantemente falsidades sobre a indesejabilidade, inadequação e/ou detestabilidade da vítima.

Eles degradam a identidade de um indivíduo ou grupo, estigmatizam e marginalizam seu valor e aceitabilidade.

Falta de arrependimento e vitimização

Quando pegos em flagrante com seu comportamento inescrupuloso, os psicopatas não mostrarão sinais de arrependimento ou remorso (a menos que seja estrategicamente vantajoso para eles fazê-lo).

Pelo contrário, eles serão mais propensos a dobrar ou triplicar suas tendências agressivas, aumentar a hostilidade, negar responsabilidade, acusar e culpar os outros e manter uma fachada de arrogância e presunção.

Curiosamente, muitos inventarão uma história de vitimização para si mesmos:

  • O parceiro romântico acusado de agressão doméstica afirma que foi “armado”;
  • O consultor de investimentos pego fraudando clientes pensa que foi traído;
  • O político cujas políticas prejudicaram populações inteiras insistem que ele está sendo usado como bode expiatório;

Apresentar-se como vítima ajuda os psicopatas a defenderem sua conduta imoral.

O sociopata ou psicopata “situacional”

Talvez uma das formas mais insidiosas de transtorno de personalidade antissocial seja o que pode ser chamado de “sociopatia ou psicopatia situacional”, em que um indivíduo estende cordialidade, respeito e consideração a alguns, mas exibe desumanidade, aspereza e crueldade em relação a outros.

Os alvos da psicopatia situacional são indivíduos ou grupos considerados “outros”, “menores” ou “mais fracos”, baseados em fatores como gênero, classe, raça, orientação sexual, posição social, aflições sociais, etc.

Essa “divisão psicopática” vê algumas pessoas como totalmente humanas e outras como objetos, mercadorias e menos humanas. A psicopatia situacional contribui para muitas condições injustas, como misoginia, fanatismo de classe, racismo, homofobia, intolerância religiosa, pobreza extrema e violência estrutural na sociedade.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *