Como é namorar uma pessoa com borderline?

Foto em preto de branco da metade superior direita de um rosto desfocado

Categoria: Borderline

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Namorar uma pessoa com borderline, ou transtorno de personalidade borderline, é como uma montanha-russa, com seus altos e baixos entre ser amado e elogiado à abandonado e aniquilado.

Contudo, ser borderline não é nada divertido.

O borderline vive com dores psíquicas insuportáveis n​​a maior parte do tempo e, em casos graves, na fronteira entre a realidade e a psicose.

A doença distorce suas percepções, causando comportamentos antagônicos e tornando o mundo um lugar perigoso.

Como é namorar uma pessoa com borderline?

A dor e o terror do abandono, ou de se sentir indesejado, são tão grandes que o suicídio parece uma escolha melhor.

Se você gosta de drama, emoção e intensidade, aproveite o passeio, porque as coisas nunca serão calmas.

Após um início apaixonado, namorar um borderline incluirá acusações e raiva, ciúme, bullying, controle e separações devido à sua insegurança.

Para o borderline, as coisas são 8 ou 80. Ele oscila dramaticamente entre idealizá-lo e desvalorizá-lo, com mudanças repentinas e esporadicamentes ao longo do dia. Nunca se sabe o que esperar.

A ambiguidade em se namorar uma pessoa com borderline

A intensidade e instabilidade emocional do borderline te elevarão quando ele estiver de bom humor, e o esmagarão quando não estiver.

Ele é vingativo e vai puni-lo com palavras, silêncio ou outras manipulações, que serão muito destrutivas para sua autoestima.

Leia também:  Consequências de ser criado por um pai borderline

Ao contrário do transtorno bipolar, seu humor muda rapidamente, sem que seja um desvio de seu estado normal. O que você vê é a norma dele.

Suas emoções, comportamento e relacionamentos instáveis, incluindo histórico de trabalho, refletem uma autoimagem frágil e baseada na vergonha.

Isso geralmente é marcado por mudanças repentinas.

É pior quando está sozinho. Portanto, ele depende de outra pessoa e frequentemente busca conselho de várias pessoas sobre a mesma questão, no mesmo dia.

Ele está desesperado para ser amado e cuidado, mas é hipervigilante para qualquer sinal real ou imaginário de rejeição ou abandono.

Publicidade

Para ele, a confiança é sempre um problema, muitas vezes levando a distorções da realidade e paranóia. Você é visto como a favor ou contra, mas deve sempre ficar do lado dele.

Se você quer namorar uma pessoa com borderline, então não se atreva a defender um inimigo, tentar justificar ou explicar qualquer ofensa que ele alega ter sofrido.

Ele vai atraí-lo para a raiva e, em seguida, acusá-lo falsamente de rejeição, fazendo-o duvidar da realidade e de sua sanidade, ou até mesmo fazer uma lavagem cerebral como manipulação emocional.

Não é incomum que corte amigos e parentes que sente que os traíu.

Ele reage a seus medos profundos de abandono com comportamento carente e pegajoso, ou raiva e fúria, refletindo a própria realidade distorcida e a autoimagem.

Por outro lado, ele igualmente teme a fusão romântica que tenta criar, porque têm medo de ser dominado ou engolido por muita intimidade.

Em um relacionamento íntimo, ele caminha na corda bamba para equilibrar o medo de estar sozinho e de estar perto demais. Para fazer isso, ele tenta controlar com manipulação, incluindo lisonja e sedução.

Enquanto o narcisista gosta de ser compreendido, muita compreensão assusta o borderline.

Namorar uma pessoa com borderline e a codependência

Geralmente, o borderline é codependente e busca outro codependente para se fundir e ajudá-lo. Ele procura alguém que forneça estabilidade e equilibre suas emoções mutáveis.

Leia também:  Como as mães borderline se comparam as mães narcisistas?

A pessoa borderline tenta parecer o líder do relacionamento, enquanto o outro é o oprimido. Na verdade, ambos são codependentes e é difícil para qualquer um deles sair.

Cada um dos dois exerce um controle de maneiras diferentes.

Um codependente que também anseia por amor e teme o abandono se torna o zelador perfeito para alguém com borderline. O codependente é facilmente seduzido e levado pelo romance com ele.

A paixão e as emoções intensas animam a pessoa que namora um borderline, que acha que ficar sozinho é deprimente, ou considera entediante as pessoas saudáveis.

O codependente já têm baixa autoestima e limites ruins, então ele acalma, acomoda e pede desculpas quando atacado, a fim de manter a conexão emocional no relacionamento.

Nesse processo, ele cede cada vez mais controle ao borderline, selando ainda mais sua baixa autoestima e a codependência do casal.

Definir limites é essencial

As fronteiras precisam de limites. Definir um limite tira o borderline de seu pensamento delirante.

Mas, definir limites requer que você:

  • Construa a autoestima do borderline;
  • Aprenda a ser assertivo e;
  • Obtenha apoio emocional externo.

Ceder a ele e dar-lhe controle não o fará se sentir mais seguro, mas o contrário.

Características comportamentais de um borderline

O transtorno de personalidade borderline afeta mais mulheres do que homens, e cerca de 2% da população. Ele geralmente é diagnosticado na idade adulta jovem, quando há um padrão de impulsividade e instabilidade nos relacionamentos, na autoimagem e nas emoções.

O borderline pode usar álcool, drogas ou ter outro vício para tentar amenizar sua dor, mas isso só a exacerba.

Como todos os transtornos de personalidade, o borderline existe em um espectro, de leve a grave. Algumas características incluem:

  • Esforços frenéticos para evitar o abandono real ou imaginário;
  • Relações pessoais instáveis ​​e intensas, marcadas pela alternância de idealização e desvalorização;
  • Senso de identidade persistentemente instável;
  • Impulsividade arriscada e potencialmente autodestrutiva, como abuso de substâncias, comportamento imprudente, sexo, gastos, etc;
  • Auto-mutilação recorrente, ou ameaças de comportamento suicida;
  • Mudanças de humor, por exemplo, depressão, irritação ou ansiedade não durando mais do que alguns dias;
  • Sentimentos crônicos de vazio;
  • Irritação ou raiva frequente, intensa e inadequada;
  • Pensamentos paranóicos transitórios relacionados ao estresse ou sintomas dissociativos graves.
Leia também:  O drama de amar um borderline

A causa do transtorno de personalidade borderline não é claramente conhecida, mas frequentemente tem ocorrido negligência, abandono ou abuso na infância, e possivelmente fatores genéticos.

Pessoas que têm um parente de primeiro grau com borderline são cinco vezes mais propensas a desenvolvê-la.

Tratamento do transtorno de personalidade borderline

Ao contrário do narcisista, que muitas vezes evita a terapia, o borderline geralmente a acolhe; no entanto, antes das recentes inovações no tratamento, sua eficácia era questionada.

Hoje, o transtorno de personalidade borderline não é mais uma sentença de prisão perpétua. Elas podem se recuperar por conta própria, onde algumas melhoram com a terapia e outras precisam de hospitalização.

O tratamento de longo prazo é necessário para melhores resultados, com remissão substancial após 10 anos. O uso de medicamentos, terapia e algumas outras modalidades têm se mostrado úteis.

A maioria dos indivíduos com borderline tem outro diagnóstico concomitante, como dependência ou depressão.

Os sintomas agudos diminuem mais prontamente do que os emocionais, como raiva, solidão e problemas de abandono ou dependência.

Para quem quer namorar uma pessoa com borderline, também é importante buscar terapia para aumentar sua autoestima, aprender a ser assertivo e estabelecer limites.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

8 comentários em “Como é namorar uma pessoa com borderline?”

  1. Prezado doutor Emilson, como é bem ler um artigo tão preciso no tema. Tenho uma sobrinha com esse diagnóstico, casada já faz 12 anos, e nos últimos dias a situação se complicou no relacionamento. O marido, não tendo ajuda de um profissional da área, não está suportando. Esse artigo certamente os ajudará.

  2. Obrigado pelo seu artigo. Estou em um relacionamento com uma pessoa dessas. O sofrimento que isso traz é indescritível.

    Ler sobre outra pessoa e as descrições dos acontecimentos (que descrevem exatamente a minha situação) me ajudou muito.

    Obrigado

    1. Estou grávida, e não podendo tomar o medicamento indicado para impulsividade piorei.Aí junta o transtorno, mais as crises que pioraram e o medo desses sintomas fazer mal pro bebê. Só quem tem bouderline sabe o quão difícil é em todos os aspectos.Obrigada pelo artigo.Vou compartilhar.Abraços!

  3. Eu acabei de ler todo o texto que você me mandou, agradeço de verdade pelas palavras, namoro uma moça com borderline e somos felizes mas é uma verdadeira montanha russa, a terapia e o apoio, a auto estima, tudo faz falta aqui, você sente que está vivendo a vida mesmo, não é fácil, eu vou procurar ajuda, por que eu amo ela, e não quero deixá-la, ela é uma menina de ouro, minha alma gêmea, e eu quero poder ajudá-la, mas preciso de ajuda também, sinto que ela precisa de terapia por que não posso ajudá-la sozinho, eu estou lendo seu texto agora no trabalho, por que ela estava tendo crises, bebendo e querendo terminar comigo, eu estou conseguindo lidar, mas cara, dói muito ouvi-la dizer coisas que me machucam, mas sei que ela não tem culpa disso, eu vou dar sempre meu apoio e o meu melhor pra estar junto com ela, porém tudo que você disse faz total sentido e acontece, eu preciso me tratar também, sinto que consigo viver com ela, fora quando ela está desse jeito o relacionamento é maravilhoso, eu vou conseguir gente, mas obrigado pela ajuda, hoje estava muito difícil pra mim, mas eu não vou desistir dela… Sei que você um dia ela vai sarar disso e ser feliz, todos nós temos nossas lutas diárias, mas ela vai conseguir ! Obrigado de coração!

    1. não tente ser Herói de quem vibra na autodestruição. Vc não é pai dela. Esse papel de salvador deixe para ela mesma, caso ela queira buscar ajuda via terapia , medicação, e tratamentos, caso contrario, essas pessoas querem só, pelo sadismo que eles tem, de pisar e maltratar pessoas com seu perfil, boazinhas demais.
      Vejo que falta em você amor próprio, auto estima, e esta viciado na adrenalina que esses seres produzem, mas mal sabe você o prejuízo emocional que vc tem em todos os campos, pessoal, espiritual, e financeiro sem que vc veja.
      Já me relacionei com pessoas assim, e é uma grande perda de tempo e vive um ciclo vicioso que não tem nada de saudavel.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *